Incrível

30+ Fatos pouco conhecidos sobre vida de Freddie Mercury que revelam a personalidade do ídolo sob uma nova perspectiva

Setembro é um mês memorável para os fãs da banda Queen e os amantes da boa música, em geral. Afinal, foi no dia 5 desse mês, há exatos 73 anos, que nasceu Freddie Mercury. Suas músicas, suas extraordinárias aparições cênicas e seu comportamento excêntrico durante os shows são conhecidos até por pessoas que nada têm a ver com rock.

A canção Bohemian Rhapsody, criada por ele, está no Guinness Book, o livro dos recordes, como a melhor música do milênio. Mas apenas as pessoas mais próximas da estrela do rock sabem como o músico cult era na vida real.

O Incrível.club estudou os arquivos e as lembranças de amigos dessa celebridade, que tinha milhares de fãs, e está ansioso para compartilhar fatos pouco conhecidos sobre o líder do Queen.

Antes da fama

O pequeno Freddie (Farrokh) nos braços de sua mãe, Jer

  • Freddie nasceu na colônia britânica de Zanzibar (hoje parte da Tanzânia), em 1946, em uma família de parses (grupo étnico religioso) que se mudou da Índia justamente para Zanzibar — para que seu pai pudesse trabalhar em uma instituição bancária. Quando o menino tinha apenas 7 anos, foi enviado para um internato na Índia. Há a opinião de que a separação da família em tão tenra idade se tornou em um trauma psicológico para Freddie e criou nele uma sede insaciável por atenção.
  • O verdadeiro nome do cantor é Farrokh Bulsara. “Farrokh” na tradução da língua local, significa “bonito” e “feliz”. Em 1970, no ano da criação de Queen, o cantor mudou oficialmente seu nome para Frederick Mercury. Ele ficava furioso quando o chamavam de Farrokh.
  • Curiosamente, a primeira (e única) língua de Freddie era o inglês, não o gujarati — língua falada no oeste da Índia e no Paquistão. É o que assegura Peter “Phoebe” Freestone, que por muitos anos foi assistente pessoal e amigo do cantor. Segundo Peter, Freddie se comunicava com seus familiares e escrevia cartas exclusivamente em inglês.

Freddie com a taça que ganhou como o melhor jogador de críquete entre os alunos mais jovens da Escola de San Pedro, na Índia

  • Freddie tem uma irmã mais nova chamada Kashmira Cooke. Ela se lembra que seu irmão era talentoso em todos os aspectos desde a infância e acredita que foi sua tia quem incutiu nele o amor pela música, já que Freddie começou a tocar piano em casa.

Freddie e Kashmira, na infância

  • Mercury criou sua primeira banda de rock, o The Hectics, junto com 4 amigos da escola em 1958. A banda se apresentava em eventos escolares e aniversários.

Os integrantes do The Hectics: Bruce Murray (solista), Farrokh Bulsara (depois Freddie Mercury, tecladista), Derrick Branche, Farang Irani, Victory Rana.

Personalidade

  • Ele parecia enérgico e expansivo no palco, mas, na vida cotidiana, era uma pessoa bastante tímida e reservada. Dava poucas entrevistas e preferia não falar sobre sua vida pessoal e familiar.
  • Às vezes Freddie caminhava pelo jardim sozinho ou acompanhado de alguns de seus gatos. Mas ele também podia ser a alma das festas. O cantor tinha um senso de humor peculiar e as numerosas festas que costumava dar em sua casa eram cheias de risadas e duravam até às 4h ou 5h da manhã.

Samantha Fox e Freddie Mercury

  • O cantor nunca passava muito tempo dormindo e odiava a ideia de “passar o dia todo na cama”. Isso não significa que acordasse cedo, mas seguia uma rotina. Não se importava com o horário que ia dormir: todos os dias, em casa ou em turnê, acordava às 9h e tomava seu chá.
  • Ele quase não falava sobre sua infância e origem. Mas não é porque sentisse vergonha de alguma coisa, apenas porque era um homem do presente e não queria perder seu precioso tempo pensando no passado.

Caminho para o sucesso

  • Antes da chegada de Freddie, o Queen se chamava Smile. A mudança de nome, em 1970, teria sido por uma iniciativa do cantor.
  • Em 1987, o astro lançou sua versão do sucesso dos anos 60 The Great Pretender (na tradução livre: O grande farsante), da banda americana The Platters. Graças à sua interpretação, a música fez sucesso novamente e o apelido “colou” no artista.
<p>“Qual é o segredo do sucesso de Freddie? Acho que ele sabia como estar no lugar certo na hora certa. E era um músico incrivelmente talentoso, com uma grande personalidade e capacidade de transmitir sua mensagem. Ele tinha força de vontade para realizar seu sonho, uma imaginação extraordinária e capacidade de compor músicas eternas. Freddie não tinha medo de conquistar o mundo”.</p>
Peter Freestone, assistente pessoal de Freddie

Vida pessoal

  • Freddie fez grandes esforços para manter sua vida pessoal distante da imprensa. Mas seus relacionamentos eram ainda mais falados do que os sucessos do Queen. Certa vez, em resposta à pergunta de um jornalista “ouvi dizer que você dorme com homens”, Freddie respondeu: “Eu durmo com homens, durmo com mulheres e durmo com os meus gatos... o que isso tem a ver com minha música?”
  • Freddie Mercury teve um relacionamento com Mary Austin, que durou 7 anos. Em 1976, o artista lhe confessou sua bissexualidade e eles terminaram. No entanto, continuaram amigos íntimos até o fim. Austin atuou como secretária de Freddie e herdou parte dos bens do músico e sua mansão.
  • O filme Bohemian Rhapsody detalha a relação entre Freddie e Mary, sem mencionar outra mulher brilhante na vida do cantor: a atriz austríaca Barbara Valentin. Mais tarde, Barbara admitiu que gostava mais dele do que de todos os homens com quem havia se relacionado. “Ao lado dela, eu me sentia eu mesmo novamente” — era assim que Mercury se referia ao romance.
  • É possível que a relação entre Freddie e Valentin tenha sido apenas platônica. Segundo Peter Freestone, eles tinham muito em comum e Freddie ficou impressionado com a sinceridade da jovem. Mas quando surgiram na imprensa os boatos sobre sua aventura e a informação de que iam se casar, o cantor concluiu que a própria Barbara era a fonte desses rumores, por querer despertar o interesse por ela. O astro ficou tão chateado que quase não manteve nenhum relacionamento com Valentin até o fim de sua vida.
  • Em 1985, Mercury iniciou um relacionamento com o cabeleireiro Jim Hutton. Eles passaram os últimos 6 anos da vida do cantor juntos. Hutton esteve com Freddie durante sua doença e no momento em que o músico deu seu último suspiro. E escreveu o livro Mercury and Me, dedicado ao seu relacionamento com o músico.
  • Hutton deu a Freddie um anel de noivado que o astro do Queen usou até a morte, mesmo durante sua cremação.

Atitude em relação aos amigos

  • Freddie sabia como encontrar tempo para comprar presentes para toda sua família e amigos íntimos. No Natal, sempre ia a algumas lojas Cartier, Tiffany ou Harrods para comprar cerca de 15 presentes. Ele gostava dessas lojas porque adorava a maneira como embrulhavam os mimos.
  • Freddie sempre carregava uma bolsa com charutos, pastilhas para a garganta e uma agenda onde escrevia o aniversário de todos os seus amigos e parentes. Onde quer que estivesse, nunca deixava de parabenizar as pessoas.

Freddie com sua famosa bolsa

  • Freddie nunca expressou nenhum desejo de ter filhos. Mas ninguém pode dizer que não gostava de crianças. No entanto, vendo o exemplo de seus colegas, entendia que os pequenos demandavam muita atenção. Ele podia passar algum tempo com os filhos de seus amigos, mas sempre ficava feliz em “devolvê-los” aos pais.
  • O cantor seguia as tradições e, geralmente, na véspera de Natal, convidava seus amigos para jantar, cantar e tocar piano.

Carros

  • Freddie nunca tirou carteira de motorista, mas isso não o impediu de ter 5 carros. Ele tinha a convicção de que “estamos todos aqui por uma razão”. Isso significava que tinha de se dedicar completamente à música, compondo, gravando e se apresentando. E outras pessoas dirigiriam os carros para ele.

O Rolls-Royce Silver Shadow de 1974 de propriedade do cantor do Queen. O carro foi vendido em leilão em 12 de janeiro de 2013 pelo equivalente a 377 mil reais, um valor 10 vezes maior que o estabelecido para o lance inicial.

  • O cantor tinha muito medo de avião. Certa vez, ao embarcar em Tóquio para Nova York, Freddie descobriu que o modelo de avião tinha tido vários problemas técnicos no passado recente. Ele imediatamente exigiu que suas malas fossem descarregadas e voou em outra aeronave.

Hobbies e hábitos

  • Freddie amava seus gatos. Até 10 felinos podiam viver em sua casa ao mesmo tempo. Seu primeiro álbum solo, Mr. Bad Guy, foi dedicado aos seus gatos e seu animal de estimação favorito, chamado Dalila, recebeu uma composição especial. Periodicamente, durante as turnês, ele ligava para Londres para conversar com os bichanos. Mary Austin, a pedido do cantor, colocava um dos gatos ao telefone.

Freddie e seu gato Romeo, presente de Jim Hutton

  • O país preferido do favorito do astro do Queen era o Japão. Freddie dizia que recarregava suas energias nesse país, como em nenhum outro lugar do mundo.
  • Em 1993, o Museu Postal Nacional da Grã-Bretanha adquiriu a coleção de selos que Freddie colecionou ao longo da vida. O dinheiro da venda foi transferido para a conta da instituição de caridade contra a AIDS fundada por Freddie.
  • Nas vésperas do novo milênio, o serviço postal do Reino Unido publicou um selo com o retrato do grande cantor, que, além de Freddie, fazia homenagem ao colega baterista Roger Taylor. Dessa maneira, a seguinte regra foi violada: somente personalidades já falecidas ou membros da família real vivos podiam aparecer nos selos. O público ficou indignado até a mídia publicar a declaração dos funcionários dos correios, que alegaram que o desenho do selo havia sido pessoalmente aprovado pela rainha Elizabeth.

O selo que causou um grande escândalo

  • Freddie tinha dois ídolos na música: John Lennon e Elvis Presley. Portanto, uma das coisas mais valiosas no guarda-roupa do cantor era o cachecol de Elvis, dado pela filha do cantor, Lisa Marie.
  • Aos 10 anos, o futuro cantor venceu o campeonato de pingue-pongue da escola. Na idade adulta, preferia jogar tênis.
  • O ídolo adorava comida apimentada. O que não era algo surpreendente, pois ele nasceu em Zanzibar, onde a comida é temperada com uma grande variedade de especiarias — como na Índia. Em casa, costumava dizer que queria comer “a comida de sua mãe”, ou seja, feita de acordo com suas receitas.
  • Embora Freddie geralmente não seguisse dietas e não fosse à academia, nunca teve problemas com o corpo. O ídolo era extremamente moderado na alimentação, apreciava as receitas deliciosas, mas nunca comia demais. Um fato curioso: o cantor tinha academias em dois de seus apartamentos, mas apenas para o conforto de seus amigos. Ele mesmo nunca as usou.
  • Os maus hábitos de Freddie incluíam fumar, mas ele acreditava que não tinha efeito negativo significativo em sua voz. Ao contrário, até gostava da rouquidão adquirida por causa desse vício.
  • Além disso, Freddie apreciava um bom perfume, tanto masculino como feminino (ele não usava, mas dava de presente a mulheres conhecidas ou simplesmente os mantinha em seu guarda-roupa). Entre os favoritos estavam Aramis, Karl Lagerfeld, Armani, L’Eau Dynamisante de Clarins e L’Interdit, um perfume criado por Hubert de Givenchy para Audrey Hepburn.

Música

  • Freddie nunca se considerou um bom pianista. Ele sempre se sentia inseguro quando tocava no palco, principalmente na inesquecível primeira parte de “Bohemian Rhapsody”. Posteriormente, a banda recorreu aos serviços de tecladistas convidados para tocar em seus shows, o que permitiu que o líder se concentrasse no espetáculo.
  • O microfone com apenas parte do suporte, marca registrada do artista, apareceu por acaso. Em um dos shows, Freddie se mostrou muito ativo se movimentando com o microfone, causando seu afrouxamento. Por isso, removeu a parte inferior que o incomodava e continuou cantando com uma parte do suporte nas mãos
  • A música “Bohemian Rhapsody” se tornou uma das canções de maior sucesso comercial do Queen. O videoclipe da música foi uma revolução no mundo do entretenimento. Quando os jornalistas perguntaram a ele qual era o significado do texto de sua composição, Freddie respondeu: “Absolutamente nenhum, são apenas frases tolas e rimadas”.
  • O músico não queria envelhecer. Estando no seu melhor momento, quando um jornalista lhe perguntou como Freddie se imaginava 20 anos depois, ele respondeu: “Você está louco? Estarei morto, querido!” Suas palavras foram proféticas. Infelizmente.
  • Freddie Mercury foi mencionado na nota de suicídio de Kurt Cobain: o líder do Nirvana falava sobre sua admiração pelo cantor, bem como sobre sua capacidade de aceitar o amor do público.
<p>“Como Freddie Mercury realmente era? Não sei quantas vezes me fizeram essa pergunta. Freddie foi o amigo mais amável, generoso e leal que já tive. Se você tivesse sorte o suficiente para ser seu amigo, faria o possível para cuidar de você.”</p>
Peter Freestone

Em sua opinião, Freddie Mercury foi mesmo o maior vocalista da história? Algum o supera? Qual sua música favorita do Queen?