12 Histórias de coincidências inacreditáveis que vão arrepiar seus cabelos

Histórias
há 3 meses

Você acredita em coincidências? Prepare-se para ficar de cabelo em pé com essas 12 histórias incríveis de coincidências que aconteceram na vida real. De encontros inesperados a descobertas surpreendentes, cada relato é um lembrete de que, às vezes, a realidade pode ser mais estranha que a ficção. Então, vamos embarcar juntos nessa jornada de surpresas e mistérios que desafiam a lógica do acaso?

  • Era o verão de 2011. Meu marido e eu estávamos na praia em Jersey Shore. Meu filho mais velho estava em lua de mel no Havaí. Seu novo e reluzente Audi estava em Nova York com meu filho mais novo, que com permissão levou o carro para sair com sua então namorada (agora esposa). Sendo o cavalheiro que eu criei, ele a acompanhou até a porta de casa. Sendo o bobão que o pai dele criou, ele deixou o carro aberto com as chaves na ignição. Bem, adivinha o que aconteceu em seguida. Dois caras pularam dentro e roubaram o reluzente novo Audi.

    Recebemos a ligação enquanto estávamos na praia, um pouco irritados, porque o que vai acontecer agora? Não podemos ligar para os recém-casados, porque como isso ajudaria? Não podemos ligar para a seguradora porque ele deixou as chaves na ignição. Foi tão constrangedor fazer o boletim de ocorrência, mas fizemos. Desanimados, decidimos voltar para casa mais cedo para Brooklyn e ficar tristes. Arrumamos as coisas e seguimos para casa. É como uma viagem de uma hora. Uma hora muito longa com duas caras muito longas, pegamos o boletim de ocorrência.

    OK. Então você chegou até aqui na história. Você merece ouvir a parte mais louca. Estamos na Ocean Parkway em Brooklyn, ambos ao mesmo tempo, vemos o reluzente Audi. Sim, o carro do meu filho (nós sabíamos o número da placa).

    Estamos meio que surtando neste ponto. Começamos a seguir o carro. Ligamos para a polícia. Os policiais cercam o carro roubado, e a policial tem a audácia de me dizer que não há boletim de ocorrência!! Enquanto eu estava sentindo vontade de derrubá-la (eu não fiz), eu puxo o boletim de ocorrência e o balanço na cara da policial. No exato momento. O bluetooth se conecta ao carro. Os bandidos são PEGOS. Melhor história!! Tudo verdade. © Robin Levenson / Quora
  • Minha esposa e eu morávamos em nossa primeira casa em Oklahoma City. Um dia, enquanto estávamos no trabalho, o departamento de esgoto da cidade derrubou todas as cercas na parte de trás das casas do nosso quarteirão para substituir a rede de esgoto principal. Quando voltamos do trabalho, ficamos arrasados porque tínhamos deixado nosso jovem cachorro no quintal e agora ele havia sumido. Procuramos pela área por dias e colocamos avisos, mas sem sucesso.

    Estávamos começando a acreditar que nunca mais veríamos nosso cachorro. Minha esposa estava tão chateada que decidiu ligar para a cidade para “desabafar” sobre a falta de notificação sobre o trabalho de esgoto que nos fez perder nosso cachorro. Então, ela conseguiu falar com uma pessoa do Departamento do Ombudsman da cidade. Minha esposa explicou a situação e disse à pessoa que amávamos aquele cachorro e tínhamos pago um bom dinheiro por ele porque ele era um setter irlandês registrado.

    A pessoa perguntou onde morávamos e minha esposa deu nosso endereço. A pessoa disse: “Bem, isso é incrível. Eu moro a cerca de meio quilômetro de você e tem um setter irlandês rondando por aqui ultimamente.” Minha esposa me deu o endereço e quando cheguei à casa da pessoa, lá estava nosso cachorro. Oklahoma City é uma grande área metropolitana. De todas as pessoas na área metropolitana com quem minha esposa poderia ter falado ao telefone, nosso cachorro aconteceu de estar na casa dessa pessoa. © Gary Hefner / Quora
  • Quando minha futura esposa e eu começamos a namorar há muitos e muitos anos, havia uma música popular que se tornou a nossa música, e ao longo dos anos nós sempre dançávamos juntos quando a ouvíamos. E sempre a tocávamos em nossas ocasiões especiais.Ela recentemente ficou seriamente doente e estava naquele caminho sem volta. Quando ela faleceu no hospital nas primeiras horas da manhã, nossa música tocou no rádio que tínhamos tocando suavemente no canto do quarto dela. Incrivelmente emocionante. A música era You’ll Never Walk Alone (Você Nunca Andará Sozinho) de Gerry and the Pacemakers, no vídeo acima. © Wyn Hunia / Quora
  • Quando meus filhos eram pequenos em Vancouver, Canadá, um dos melhores amigos do meu filho mais velho era um garoto chamado Sepand. Eles faziam muitas coisas juntos na creche e depois no jardim de infância. Quando ele tinha sete anos, fizemos uma viagem em família para Montreal no verão, onde um dos grandes eventos é o Festival de Jazz. Centenas de shows e algumas dezenas de shows gratuitos todas as noites com literalmente dezenas de milhares de pessoas nas ruas para esses shows. No meio dessa multidão, meu filho grita “Ei, Sepand!” e, com certeza, lá estava Sepand e sua família, muito aleatoriamente no mesmo lugar, a três mil milhas de casa. Muitas risadas, abraços e apertos de mão e seguimos nosso caminho.

    Dois anos depois, outra viagem de verão, desta vez para a Califórnia. Visitamos velhos amigos na área da baía e decidimos dirigir até a península de Monterey por um dia. Claro que tivemos que ir ao Monterey Bay Aquarium, um dos grandes aquários do mundo. Fomos ao tanque das arraias onde as crianças podem realmente alcançar e brincar com as arraias e ouvimos “Ei, Sepand!” Mais uma vez, a mil milhas de casa, Sepand e sua família estão exatamente no mesmo lugar ao mesmo tempo. © Lee Iverson / Quora
  • Em uma cidade litorânea francesa, em meados de agosto, auge da temporada turística, perdi a chave de um cadeado de bicicleta. Era a bicicleta do meu sogro, e eu havia pegado emprestada para fazer compras do outro lado da cidade, a partir de nossa casa de férias. Devo ter deixado a chave no cadeado e ela caiu no caminho de volta para casa. Uh-oh! Ele era um velho BASTANTE difícil e ficaria angustiado com a perda. Então, não disse nada e, na manhã seguinte, fui procurá-la.

    Caminhando pelo caminho que havia tomado, entrei em uma rua movimentada perto da praia, onde centenas de pessoas passeavam ou se apressavam para lá e para cá. De repente, avistei uma nota na calçada, uma nota de dez euros. Uau, legal! Inclinei-me para pegá-la e ela voou, então fui atrás dela, e novamente ela voou. Hmmm, muito estranho. Então ouvi risadinhas. Olhei para cima e, veja só, dois meninos em uma varanda com uma vara de pescar, e a isca era a nota de dez euros.

    Ralhei com eles e, como uma reflexão posterior, perguntei se por acaso eles haviam encontrado uma chave. “Sim, encontramos uma chave ontem à noite bem na calçada.” HÃ? Subi as escadas até o apartamento deles e, voilà, era a própria chave do cadeado da bicicleta do meu sogro! Em uma cidade grande com cinquenta mil turistas, eu me deparei com os dois que haviam encontrado minha chave. Se isso não é uma coincidência, não sei o que é! © Teia LAUDOUAR / Quora
  • Minha esposa, nosso filho de 7 anos e eu estávamos de férias em Hilton Head e decidimos sair para jantar uma noite. A mesa do jantar estava coberta com papel branco e a garçonete trouxe um conjunto de giz de cera para meu filho, dizendo a ele que poderia usar toda a mesa como “sua tela”. Meu filho tinha trazido alguns carrinhos de brinquedo e começou a desenhar um conjunto elaborado de estradas e brincou feliz ao redor da mesa.

    Um senhor idoso se aproximou de nossa mesa e perguntou se era OK dar ao nosso filho um carrinho. Ele tirou um Hot Wheels do bolso interno. Dissemos que estava tudo bem e ele ofereceu o carrinho ao nosso filho, que aceitou com alegria e adicionou à mesa/pista de corrida.

    Perguntei a ele por que ele tinha carrinhos de brinquedo aleatoriamente no bolso e ele me disse que estava aposentado, mas agora trabalhava com uma organização de carros clássicos de Hilton Head como hobby, e nessa função sempre carregava alguns carrinhos com ele.

    O senhor então perguntou se éramos holandeses, ao que respondi que sim. Ele me ouviu falar holandês com nosso filho e disse que reconheceu o idioma, pois trabalhou por muitos anos na divisão de cargas da KLM nos EUA. Eu disse a ele que era uma grande coincidência, pois meu avô foi presidente da divisão de cargas da KLM por muitos anos. Ele perguntou meu sobrenome e, com grande surpresa, me disse que meu avô havia sido seu chefe durante toda a sua carreira na KLM! Ele agora estava aposentado (e meu avô havia morrido muitas décadas atrás), mas ele se lembrava com carinho do meu avô e de suas viagens à sede da KLM na Holanda.

    As chances de esse encontro acontecer... infinitamente pequenas. Mas aconteceu e eu penso nisso com frequência quando visitamos o lugar. © Maarten Albarda / Quora
  • Meu marido e sua primeira esposa foram de Chicago para Nova York para um fim de semana prolongado. Enquanto esperavam para atravessar uma rua movimentada, ouviram dois empresários atrás deles discutindo como iriam levar vantagem sobre alguém com quem estavam fazendo um negócio — em St. Louis. Eles ficaram atentos porque a primeira esposa dele era originalmente de St. Louis. Conforme caminhavam pela próxima rua, conseguiram ouvir e identificar detalhes suficientes para perceber que esses dois homens iriam enganar o tio dela ao não revelar certas informações. Quando chegaram ao hotel, a esposa dele ligou para o tio — que confirmou que de fato estava no meio de um negócio com esses dois caras em Nova York! Então, o negócio não aconteceu! Quais são as chances? © Rickie Jacobs / Quora
  • Minha filha se mudou para um apartamento que precisava de muitos reparos. No primeiro dia lá, a melhor amiga dela e a irmã vieram nos ajudar e juntas arrancamos os carpetes. Por baixo dos carpetes, o chão havia sido forrado com jornais antigos e no corredor havia um jornal local antigo e, bem na nossa frente, estava uma foto das duas irmãs que foram ajudar, em uma competição de dança quando eram crianças! © Yvonne Cotter / Quora
  • Eu estava dirigindo para a Califórnia saindo de Washington e sofri um acidente em Shaniko, Oregon, uma pequena cidade fantasma. Naquela época, a população era de 17 pessoas. Quando eu “aterrissei” após o acidente, uma mulher veio me cumprimentar (ela me abraçou com todas as suas forças porque eu estava viva). Quatro caras apareceram imediatamente com ferramentas e instantaneamente removeram meus pneus, levando-os para a oficina para consertar.

    O carro tinha que ser retirado do buraco em que estava. Havia um homem chamado George que estava construindo uma casa. Ele convenientemente tinha um guindaste! Problema resolvido. O carro foi rebocado para a casa de um garoto de 15 anos que estava atualmente matriculado na escola de mecânica automotiva. Ele encontrou o único problema grave com meu carro. Um buraco no radiador. Naquela mesma semana na escola, ele havia aprendido a consertar isso!

    Problema resolvido... quase. Ele disse que sabia como consertar, mas que precisava de um tipo especial de solda de metal para fazer isso. Algo que ele não tinha, mas era comum entre os encanadores. Mas... espere... havia um encanador que morava na cidade. Seu vizinho, na verdade. Problema resolvido!

    Naquela tarde, recebi um tour completo pela cidade. O garoto — aquele mecânico — queria que eu visse o interior do galpão de armazenamento cheio de carros antigos. Ele também me levou para dentro do grande celeiro onde as ovelhas haviam sido tosquiadas para obter a lã. Eu pude ver o interior da pequena cadeia original com duas celas e então ele me levou para o hotel com o índio de madeira na frente. Ele tinha muito orgulho de ter crescido lá e foi uma descoberta incrível para mim.

    Esta cidade me alimentou, me abrigou por uma noite, consertou meu carro e nunca aceitou um centavo de mim. No dia seguinte, quando eu parti, era domingo de Páscoa. Mas, antes de ir, George me disse que eles iriam nomear aquela parte da estrada de “Curva da Susan” (meu nome). Era, na verdade, a Rodovia 97. Eles não oficializaram isso, mas seria legal se tivessem feito! © Susan Macaluso / Quora
  • Em 1998, dei à minha sogra uma cópia do livro O Milagre de Uma Amizade de Pete Hamill como presente do Dia das Mães. Escrevi uma pequena nota para ela na folha de rosto. Anos depois, sua filha, minha esposa, faleceu e minha sogra teve que deixar sua casa em outro estado para ir para uma instituição de cuidados de longo prazo. Ela mesma morreu quase dez anos após minha esposa.

    Em 2016, eu estava fazendo uma corrida para a estação de transferência da minha pequena cidade. Parei no galpão de “desapegos” para ver quais tesouros meus vizinhos haviam decidido se desfazer. Há um galpão separado apenas para livros e foi para lá que fui. Depois de alguns minutos, avistei uma cópia de O Milagre de Uma Amizade. Estava um pouco desgastado, mas peguei e encontrei minha pequena nota para minha sogra na folha de rosto. Fico me perguntando por quantas mãos ele passou para encontrar seu caminho de volta para mim. © Patrick Edenburn / Quora
  • Minha mãe é cubana e quando estava em seu primeiro ano como professora, ela estava ensinando a primeira série e tinha um aluno que havia sido reprovado. Os professores o chamavam de mau aluno. Ele achava difícil se sentar e prestar atenção, então ainda não conseguia ler. Minha mãe fez dele o seu “ajudante” e sempre que havia tempo livre, ela se sentava sozinha com ele para revisar as lições. Ele passou na primeira série e, na verdade, se saiu muito bem! Mais tarde, minha mãe deixou Cuba e veio morar nos EUA. Ela conheceu meu pai, teve filhos e seguiu com sua vida. Anos depois, estávamos viajando na Flórida e um homem e sua esposa se aproximaram dela. Era o aluno! Ele disse que a reconheceu imediatamente porque nunca a esqueceu. Ele a apresentou à sua esposa como a professora que não desistiu dele. Ela é minha inspiração! © The Teacher / Quora
  • Esta (acima) é uma foto minha, quase com 2 anos, e um garotinho de quase 5 anos que segurou minha mão na fila para ver o Papai Noel, porque eu estava com medo (como minha mãe explicou). Cerca de 20 anos depois, eu estava folheando álbuns de fotos e pensei: nossa, ele parece familiar. Eu estava em um relacionamento com um jovem chamado Chris que se parecia com aquele menino, nós crescemos na mesma cidade. Mostrei a foto para ele e sua mãe, e com certeza, era ele! Mais 17 anos e 2 filhos depois, ainda estamos firmes e fortes! Na foto abaixo, estamos nós como um jovem casal, e agora :) A coincidência, para mim, é que eu me deparei com uma foto do meu futuro marido segurando minha mão em uma idade tão jovem. Talvez não seja uma em um milhão, mas pareceu tão especial para mim que eu queria compartilhar. © Annie Long / Quora

Se você gosta de ler histórias curiosas e, aparentemente, sem explicação, experimente ler essas. Temos certeza que você vai gostar delas também.

Imagem de capa Annie Long / Quora

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados