Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Sou comissária de bordo e quero contar tudo (além do glamour) sobre a minha profissão

6-55
10k

Há muitos anos, Marta vive nos Emirados Árabes e trabalha como comissária de bordo em voos internacionais. Ela nasceu em uma pequena cidade da Bielorrússia e admite que lá não tinha muitas oportunidades de crescer profissionalmente. Ela lia diários de viagem o tempo todo, olhava os trens saindo da estação e queria ter uma chance de trabalhar e poder viajar. Marta agora já visitou mais de 50 países, e sua história provavelmente não vai terminar por aí.

Incrível.club olhou a página do Instagram de Marta cuidadosamente, e agora estamos prontos para compartilhar a história dessa comissária, que conta em seu blog os detalhes sobre sua carreira que são tão pouco falados, além de dividir muitas dicas de viagens com os passageiros. Confira!

Tudo começou com um sonho de criança

Meu pai costumava fazer muitas viagens de negócios, e eu sempre quis que ele me levasse nelas. Um dia, ele concordou: “Então, tudo bem, vamos para a Polônia”. Mas, na manhã seguinte, meus sonhos foram por água abaixo. Não tinha visto no meu passaporte bielorusso. Tinha viajado para fora do país apenas uma vez, na época da universidade. Fizemos uma eurotrip (viagem pela Europa), no estilo “5 países em uma semana”. E enquanto estava sentada nas escadas de um albergue parisiense, observando as luzes da noite, eu percebi que era aquilo que eu queria para o meu futuro, viajar!

Como consegui esse emprego?

Ouvi falar de algumas meninas que usavam chapéus e túnicas brancas e viajavam ao redor do mundo ganhando bastante dinheiro. Decidi, então, fazer a minha inscrição online, e depois de 2 meses me chamaram para uma entrevista. Havia cerca de 100 candidatos, um mais bonito que o outro. Eles iam “peneirando” os candidatos a cada etapa, até que restaram 5. Mas, infelizmente, eu não passei na última entrevista. Apesar do meu ótimo desempenho, recebi um e-mail dizendo que não fui aceita. Passei por esse mesmo processo mais uma vez, e fui rejeitada pela segunda vez.

Mas a terceira tentativa deu certo. Tinha 200 pessoas na entrevista. Desde aqueles que trabalhavam em outras empresas aereas e não tinham passado na primeira tentativa, até aqueles que simplesmente tinham um sonho de conhecer o mundo. 30 pessoas passaram para a etapa final. Passadas 3 semanas, eu recebi um e-mail: “Nós convidamos você para fazer os documentos de residência permanente. Parabéns, você passou”. Comecei a me preparar para a mudança. Tinha apenas uma passagem de avião, 200 dólares (830 reais) e uma cópia do contrato.

Primeiro voo

Tradicionalmente, você precisa se apresentar para os pilotos. Eu entrei, e me fizeram um milhão de perguntas (Quem você é? De onde você vem? Por que está aqui?). Eu respondi calmamente e, de repente, vejo uma imagem em um dos monitores mostrando uma câmera no banheiro, vista de cima. Eles começam a rir, e perguntaram: “Não sabia que tínhamos câmeras por todo o avião?” Nessa hora, meu rosto ficou vermelho, tentei terminar de responder as perguntas e saí da cabine. Passei o voo inteiro sem ir ao banheiro, até me dizerem que era apenas uma brincadeira e que usaram a imagem gravada de um tablet.

Primeira classe, executivaeconômica. As diferenças

Todos começam pela classe econômica. Aqui você fica mais resistente, seus sentimentos menos frágeis e as pernas mais firmes. São 3 horas de serviço em pé, andando pelos 100 m do corredor. O vocabulário de uma comissária precisa somente de 3 itens: “frango ou carne”, “café ou chá” e... “não”. Por outro lado, podemos facilmente acalmar um passageiro insatisfeito ou nervoso com um bolo da classe executiva.

Depois de um certo tempo, alguns comissários da “econômica” são convidados para uma entrevista para trabalharem na classe executiva, e começam um treinamento. Eles aprendem a distinguir vinhos não só pela cor, escolher a taça adequada, fazer recomendações de bebidas que devem acompanhar cada tipo de prato, e em vez das palavras “sim” e “não”, devem usar “seria um pouco mais difícil”.

Também há seleções para trabalhar na primeira classe. E, mais uma vez, os comissários passam por um treinamento no qual devem aprender a servir corretamente, regras de abordagem com clientes VIP e as diferenças de vinhos por região e ano. Na primeira classe há de 8 a 12 pessoas em toda a cabine, e o sauvignon blanc neozelandês de 2014 é servido com salmão ao molho de creme, com brócolis no vapor em uma travessa com detalhes de platina. “Bom apetite, Sr. Primeiro Ministro”.

Você pode trocar responsabilidades e ajudar pessoas que estejam na mesma classe que você. Quanto às regras de segurança, todos têm o mesmo conhecimento, independentemente da classe.

Formação de comissários

O avião pousou na água, mas dentro de 90 segundos conseguimos evacuar todos e saímos juntos. Ninguém se feriu, pelo contrário, todos saíram pela rampa de emergência sem ferimentos e salvos. Essa foi a primeira aula prática de treinamento. O oceano era imaginário, mas a rampa era real. Todos os comissários têm de passar por esse treinamento uma vez ao ano para renovar a licença de voo.

Depois, colocamos capacetes contra fumaça e apagamos um incêndio real, mas em uma cabine artificial do avião. Ouvíamos a voz dizendo: “Apertem os cintos! Coloquem os coletes!”. E então tínhamos que pular no “oceano” (piscina) e nadar até o bote salva-vidas inflável. Repetíamos os passos, usando os termos específicos de aviação e fazendo sinais de SOS, como se estivéssemos em algum deserto, floresta ou no Polo Norte.

No segundo dia de treinamento, aprendemos a fazer massagem cardíaca indireta e respiração boca a boca, fazer imobilização e bandagens em feridas. Aprendíamos, também, a tirar sangue e até a fazer parto (caso fosse necessário).

Cada vez que fazíamos as simulações de emergência, eu ficava bastante nervosa, mas isso nos dava a oportunidade de entender bem e sentir toda a responsabilidade que estava em nossas mãos, caso situações do tipo viessem realmente a acontecer.

Qual a vida útil de um avião?

A vida útil do avião não é calculada por anos, mas sim por ciclos de voo, ou seja, quantas vezes já sofreu pressão no ar. A pressão é feita sobre a fuselagem e as asas. Danos e arranhões podem não ser imediatamente visíveis, mas com o tempo as peças terão que ser substituídas. E se iniciar o processo corrosivo, deve-se verificar cautelosamente como está o voo. As aeronaves de longa distância vivem mais tempo. Enquanto uma aeronave menor gasta 1 ciclo para ir até os Estados Unidos, outras maiores podem fazer 5 viagens similares em um ciclo.

Depois do embarque, antes de cada voo (durante a espera), os aviões são verificados. Há verificações obrigatórias adicionais. Por exemplo, a cada 500 horas de voo, a cada 3 meses, a cada 7.500 horas de voo e a cada 10 ou 12 anos. Durante tais verificações, os aviões são inteiramente analisados, incluindo a desmontagem das asas e das peças internas.

Os aviões fora de uso são desmontados em peças

  • Os motores são as peças mais caras. O motor antigo de um boeing pode ser usado em outra aeronave por 3 milhões de dólares (cerca de 12.470 milhões de reais), enquanto um novo custaria aproximadamente 25 milhões de dólares (104 milhões de reais). A cabine de comando, assim como o salão de bordo e seus assentos, são comprados por academias de aviação para o treinamento de funcionários. Eu estudei em uma dessas academias.
  • Até os cintos de segurança são vendidos no Ebay por 20 dólares (83 reais).
  • A carcaça vazia também é procurada pela indústria cinematográfica para a realização das mais fascinantes e terríveis histórias que vemos nas telinhas. Por isso, até mesmo os aviões “aposentados” têm chances de se tornarem estrelas de cinema.
  • Aeronaves que tenham alguma história podem ter lugar em museus ou serem usadas como decoração em algum aeroporto.
  • Ainda podem se tornar hotéis, bares e restaurantes mundo afora.
  • Alguns são enviados para servirem em outros países. Ser velho não significa ser inútil. Cada empresa aerea tem seus requerimentos específicos. Algumas acreditam que 10 anos já é suficiente, outras 20 anos.
  • Mas a maioria dos aviões velhos estão parados nos desertos dos Estados Unidos. Por 20 dólares, você pode participar de um tour no maior desses depósitos, a AMARG, que conta com cerca de 4.400 aeronaves.

Como o trabalho é realizado?

Você precisa chegar no aeroporto duas horas antes do voo. Mais o tempo de voo. Mais o tempo de preparo da aeronave para a volta. Mais o tempo de volta e o tempo de verificação da aeronave depois de pousar. Para exemplificar, vamos considerar um voo que vai de Moscou a São Petersburgo (distância entre as cidades é de 710km), o que demoraria cerca de 1h30 de voo, torna-se um dia de 8 horas de trabalho. Meu recorde foi de 22 horas de trabalho, mas o comum é cerca de 13 a 15 horas.

Do que depende o destino de voo de um comissário?

  • De sorte. O sistema roda milhares de pedidos usando um algoritmo desconhecido por todos.
  • De sua posição no trabalho. Comissários da classe econômica têm maiores chances de voar para a Tailândia do que os comissários da classe executiva, porque é preciso mais empregados na classe econômica e, por isso, a demanda é maior.
  • De suas capacidades linguísticas. Em todos os voos deve ter um falante nativo da língua do país para onde voamos. Ou seja, para o Brasil darão preferência à uma comissária brasileira ou de Portugal. Aqui está a vantagem de saber outros idiomas.
  • Do tempo de jet lag (diferença de fuso). Depois da Ásia, não seremos enviados diretamente para os Estados Unidos. Mesmo que estejamos sorrindo e acenando, as diferenças de fuso horário realmente causam impacto no organismo e precisamos de tempo para nos recuperar. Por isso, o cronograma é normalmente gradual, passando pelo Europa primeiro, em vez de ir para os Estados Unidos diretamente.
  • De experiência. Hoje em dia, ocupo minha agenda com maior frequência.

O que acontece se você faltar em um dia de trabalho?

Primeiro, vão ligar. Um, dois, três toques. Não atendeu, você é eliminado da lista de bordo e colocam uma marcação de no show (“não apareceu”), e também eliminam seus horários para o resto do mês. Todos os voos para as ilhas que tinha marcado, passeios de outono na Europa e planos de ir às compras estarão cancelados. O que você faz, pelo contrário, é esperar o telefone tocar ansiosamente para saber qual o próximo voo para os países mais próximos que poderá acompanhar. Durante 3 meses, você não terá direito de fazer pedidos ou trocar voos com os colegas.

Chegou para o voo, mas esqueceu: o passaporte, alguma peça do uniforme, licença de voo ou histórico de vacinação, a culpa é inteiramente sua. Se comeu alguma coisa estraga e está passando mal duas horas antes do voo, a culpa também é sua. Se estiver passando mal, você precisa avisar seu superior no mínimo 4 horas antes do voo. Se ficou “doente” no Ano Novo, Natal ou em outros feriados, vão achar suspeito. Dormiu mais do que devia no hotel, vão te levantar da cama. Se não estiver na cama, você está demitido.

Mitos e verdades

  • Os pilotos devem comer comidas diferentes, e não ao mesmo tempo.
    Eles se sentam na sua própria cabine separadamente. Um pega o garfo, enquanto o outro controla a aeronave com ambas as mãos. Embora os alimentos sejam preparados no mesmo dia em que são consumidos, é ainda possível que cause indigestão ou alguma alergia. Por isso, os pilotos não podem escolher o mesmo prato.

  • Se não colocar seu telefone no “modo avião”, a aeronave vai cair.
    Um telefone em funcionamento não causará uma falha no sistema de navegação, mas se todos deixarem os aparelhos ligados, a interferência é possível. Em novas aeronaves o risco de mal funcionamento é ainda mais reduzido, e antigamente os celulares não eram tão comuns, ou seja, isto é mais uma medida de precaução. Se o risco fosse alto, os telefones seriam coletados na alfândega. Até hoje não houve incidentes, mas todo cuidado ainda é pouco.

  • Há lugares “mais” e “menos” seguros no avião.
    Nossa, se fosse assim, os preços dos assentos seriam divididos em duas categorias: pacotes “otimistas” e “pessimistas”. O avião é uma máquina só, ou seja, não pode voar para 2 lugares diferentes ao mesmo tempo. Todos os presentes em um voo estão sob as mesmas condições. Pode ocorrer tanto um problema na asa como na saída de emergência, e todos sofreríamos as mesmas consequências. A forma mais segura de voar é com o cinto de segurança bem apertado e saber onde se localizam as saídas mais próximas a você. Você também deve saber onde está localizado o colete salva vidas e a máscara de oxigênio. Para isso, basta prestar atenção nas instruções da tripulação.

  • O cabelo cresce mais rápido durante o voo.
    A julgar pela minha foto, deve ser verdade.

Como os passageiros são classificados?

  • Passageiro “questionador”: “Tenho uma pergunta: quando começará o serviço? Vamos ser os primeiros a ser atendidos? E o que tem no menu?”

  • Passageiro “sem problemas”: “Desculpe Senhor, não tem mais frango”. — “Sem problemas, pode me trazer o que sobrou”.

  • Passageiro “incansável”: “Me traga um café, por favor”, “Pode trazer também para meu amigo?”, “Gostaria de 2 copos de leite”, “Sei que você está fazendo somente seu trabalho, mas não consumo açúcar branco”.

  • Passageiro “exigente”: “Diga para o capitão manter o salão mais quente, e peça para não ligar o sinal do cinto de segurança com frequência que eu preciso descansar”.

  • Passageiro “boneco de neve”: “Pode me dar outro cobertor, por favor. Sempre que voo, meus pés ficam muito gelados”.

  • Passageiro “solução”: “Mãe, vamos fazer assim, você senta aqui e eu fico no lugar vazio atrás de você. Podemos colocar uma bolsa do lado para mostrar que o lugar está ocupado”.

  • Passageiro “comerciante”: “Nossa, mas só isso de vinho, moça! Minhas únicas férias do ano”.

  • Passageiro “blogueiro”: “Olá, pessoal, vamos decolar em 5 minutos ”, “Já trouxeram comida”, “E eu estou bebendo champanhe”, “Acima das nuvens”, “Luzes da cidade à noite, vista de cima”.

  • Passageiro “vidente”: “O embarque começou tarde, com certeza vamos perder o próximo voo!”, “Acho que novamente as pessoas do fundo vão ficar sem frango”.

  • Passageiro “dramático”: “Não estou acostumado a sair de casa”, “Saudade da vó e das primas”.

  • Passageiro “privilegiado”: “Eu faço parte do programa de bônus da companhia aerea! Troque o meu lugar para a janela, por favor, quero olhar para as nuvens”.

Primeira classe

  • A primeira classe no avião pode ser comparada a um quarto no Hotel Atlantis, em Dubai. A estadia de um mês custa o mesmo que voar de ida e volta para Londres em primeira classe.
  • Há apenas 8 passageiros: VIP, governantes e políticos.
  • Eles se sentam em cadeiras de couro largas. Podem fechar facilmente a porta do corredor e o lugar se transforma em um quartinho individual e isolado, como um hotel nos ares. Algumas pessoas fecham as portas na decolagem e pedem que você não as incomode durante o voo.
  • As poltronas se transformam em uma cama horizontal com colchão, lençol, cobertor, travesseiros e fronhas.
  • Quando as luzes se apagam na cabine, pequenas luzes fracas são ligadas no teto. Alguns aviões têm até ducha para tomar banho, e são oferecidas toalhas de felpo.
  • O custo de uma passagem é calculado pelo conforto oferecido, e não pela comida.
  • O chef de cozinha vai se preocupar com sua comida e preparar 5 pratos na hora que você escolher. Eu, então, levo-os até você em pratos com detalhes de platina (sem brincadeira!).

50 anos atrás, o salão de bordo era ainda mais legal

  • Havia apenas uma classe, a de luxo. Mas existia um código de vestimenta: todas as mulheres de salto alto, e os homens de terno.
  • Havia cortinas nas janelas e pinturas nas paredes. O salão era mais como um restaurante de trem, e tocava música.
  • A porta para a cabine dos pilotos ficava aberta, e eles mesmos saíam para se apresentar aos passageiros e fumar um cigarro.
  • Champanhe e caviar preto eram oferecidos a bordo, só porque “vocês escolheram nossa companhia aerea”.
  • Havia muito espaço para as pernas (até 86 cm!), e poucos assentos.
  • O chá era feito em recipientes de prata e servido em canecas de porcelana; e o vinho era servido em taças de cristal.
  • Era possível andar pelo salão, tanto os adultos como as crianças. E tinha mais lugares para andar!
  • O menu podia oferecer peru, lagosta e bolos.

Como entrar na classe executiva?

  • Dinheiro ou negócio. No momento do check-in, peça para ser transferido da “econômica” para a “executiva”. Dessa forma, o custo da passagem para a classe executiva será bem menor do que se comprar diretamente no site. No entanto, não é sempre que há lugares vagos e nem todas as empresas seguem esse procedimento.
  • Autoridade. Você voa mais frequentemente do que fica em casa, e não coleta só os carimbos no passaporte, mas também milhas. Com elas, você pode não só ganhar um upgrade (melhoria) de lugar, mas também pode ganhar os títulos de viajante de “prata” ou de “ouro”. Dependendo do seu nível, você pode perguntar no balcão se há lugares vagos na classe executiva e, em muitos casos, os clientes conseguem trocar.
  • “Você é meu amigo — eu sou seu amigo”. Os titulares de cartões “dourados” podem normalmente trazer um amigo para o lounge, enquanto esperam o voo. Se você ou seu amigo for transferido para a classe executiva, farão o mesmo para a pessoa acompanhante.
  • Sorte. Você conseguiu fazer o check-in no último minuto, chegou ainda de chinelos e areia nos pés. E, por sorte, alguém teve que mudar os planos e não apareceu no voo. E lá estava você, no lugar certo, na hora certa.
  • Falta de sorte. Durante as férias, um elefante pisou em seu pé, e você preferia nem voar, mas depois de vê-lo sofrendo, com dor, os funcionários ficaram com lágrimas nos olhos e um aperto no coração. Assim, decidem trocar você de lugar, se não para a executiva, pelo menos para um lugar com maior conforto (como os assentos na saída de emergência).
  • Ocasiões especiais. Recém-casados se abraçando (ela ainda com o vestido de noiva). E o funcionário do check-in vê os dois no primeiro horário da manhã. O destino está enviando vocês para uma viagem mais do que romântica! Também pode ser um aniversário ou bodas de casamento. Mas você será trocado no check-in, não pelo comissário no avião.

Aerofobia

  • Medo de altura ou turbulência. O avião não pode simplesmente tombar e cair pela pressão do ar, a estrutura é feita para evitar esse tipo de acidente, e os pilotos sabem muito bem disso. As aeronaves têm as tecnologias mais avançadas e seguras, muitas das quais são automatizadas. Como eu gosto de dizer, esse é o medo do que não se entende.
  • Claustrofobia ou medo de espaços confinados. Use roupas confortáveis que não estejam apertadas, e respire normalmente. Beba muita água, mas não álcool (pois, faz você se sentir quente e com muito calor, e parece que não há ar suficiente). Há, na verdade, muito espaço no avião e o ar circula constantemente. Escolha assentos no corredor (para isso faça o check-in com antecedência).
  • Medo de passar mal e não ter ninguém para ajudar. Você precisa conhecer o seu corpo. Tenha sempre medicamentos à mão, caso tenha diabetes, queda de pressão ou dores no corpo. Se estiver se sentindo mal antes do voo, pense bem se vale a pena correr o risco. Se estiver se sentindo mal durante o voo, não só será desconfortável para você, mas você pode colocar em risco os outros passageiros. De qualquer forma, se passou mal somente depois de entrar no avião, avise a comissária o mais rápido possível para que ela possa lhe ajudar. Depois de escolher o avião como seu meio de transporte, a única coisa que resta é confiar.

O que fazer se os seus ouvidos estiverem entupidos?

  • Use um spray de nariz 15 ou 30 minutos antes da decolagem e do embarque. Isso vai ajudar.

  • Mastigue balas ou chiclete de tal forma que todos olhem para você. Se as pessoas não olharem, você não está fazendo o exercício de forma correta. Mastigue com mais força, mexendo o maxilar. Isso vai diminuir a pressão interna.

  • Entre um chiclete e outro, engula saliva intensamente e boceje bem alto.

  • Mantenha os dedos longe dos ouvidos, isso não tem nenhuma eficiência. Se estiver totalmente tapado, quando chegar se consulte com um médico.

  • Certas pessoas gostam de usar fones ou tampões médicos. Para mim, é suficiente duas bocejadas intensas, como se eu não tivesse dormido há um ano.

  • Existem outros métodos: manobra de Valsalva Toynbee. Deve-se colocar copos nas orelhas. Antes de tentar, consulte um médico. Ele poderá dizer o que será mais apropriado para você; cada pessoa tem características fisiológicas diferentes.

4 Verdades

  • Por que mulheres de baixa estatura não são aceitas como comissárias? Devido à execução das normas de segurança. Não há nenhuma discriminação ou segredo obscuro por detrás disso. Temos a responsabilidade de fechar as prateleiras. No mais, os equipamentos de resgate, muitas vezes, ficam guardados em locais altos e, por isso, em casos de emergência, é preciso pegá-los o mais rápido possível.
  • É verdade que os aviões não sobrevoam o Triângulo das Bermudas? Essa é a área entre Bermudas, Porto Rico e a Flórida, onde centenas de navios afundaram e até mesmo aviões desapareceram. Como pragmatismo de aviação, não é rentável, visto que não se pode voar sobre a área por somente 5 minutos e, por isso, é utilizado muito combustível. Mas em certos países, onde há atividade militar e conflitos, os aviões realmente não passam. O triângulo das Bermudas é um mito, mas o segundo caso, infelizmente acontece.
  • Por que não há a 13ª fileira nos aviões? À bordo também existem superstições. Algumas companhias aereas removeram a 13ª fileira da aeronave. Ela, na verdade, existe, mas é chamada de 14ª, e fica logo depois da 12ª. E em favor dos passageiros italianos, algumas companhias se livraram da fileira 17ª. Esse número aparentemente traz má sorte para eles.
  • É verdade que a máscara de oxigênio deixa você “feliz”? Foi o que o Brad Pitt disse no filme Clube da Luta. É possível ficar nesse estado de “êxtase” devido à falta de oxigênio, ou hipoxia. Os sintomas são tontura, fraqueza e...euforia. As máscaras, pelo contrário, têm o propósito de evitar que isso aconteça. Já os tanques de oxigênio, que usamos em situações extremas, podem acalmar a pessoa, equilibrar a respiração e “relaxar” um pouco. Por isso, Brad Pitt estava parcialmente certo, mas errou no equipamento.

Como se tornar aeromoça?

  • Aprenda inglês e outros idiomas, se você quiser trabalhar em uma empresa internacional.

  • Não faça tatuagens ou piercings visíveis.

  • Não fume! Se existir 2 candidatos com as mesmas qualidades e qualificações, eles vão escolher o não fumante.

  • Faça yoga, natação, esportes em geral, e cuide da sua alimentação. Será mais fácil para trabalhar, e a comissão médica não ficará pegando no seu pé.

  • Desenvolva-se profissionalmente e não abandone a escola. Ter o ensino médio completo é um pré-requisito da Emirates. A idade é a partir dos 21 anos de idade, ou seja, pense no que vai fazer nos 3 a 4 anos depois da escola.

  • Faça um ensino superior ou comece algum trabalho. Você também pode fazer ambos: experiência de comunicação com pessoas, disciplina de acordar cedo para as aulas de educação física e o estresse de terminar o TCC já fazem de você um ótimo candidato para trabalhar na tripulação.

  • Para aqueles que já tentaram e não passaram: há muitas companhias aéreas, e você vai melhorar a cada entrevista. Uma hora será a sua hora.

O que faz o comissário enquanto todos dormem?

  • Arruma a cozinha depois do caos que o serviço deixou para trás.
  • Verifica as pessoas que não estão dormindo no salão (“Sr., está tudo bem?”), e aqueles que estão dormindo embaixo dos assentos ou no chão (“Senhora, por favor, volte para o seu assento!”).
  • Certifica-se de que não há brinquedos de crianças jogados no chão, no meio do corredor, e que os bebês estão dormindo em “berços” seguros, caso contrário, acordamos os pais.
  • Vigia para garantir que ninguém esteja fumando.
  • Fecha as janelas. Mesmo que tenham 3 assentos em uma fileira, ele consegue se esticar de tal forma que você nem vai sentir.
  • Desliga os monitores se você já estiver no seu quinto sono. Você achava que o monitor apagava sozinho, não é?
  • Ativa a visão noturna: recolhe os copos de plástico e coleta os cobertores jogados no chão para que ninguém tropece.
  • Leva água e suco para os que têm insônia e não conseguem dormir.
  • Durante os intervalos, bebe chá na cozinha atrás da cortina, fala sobre voos e férias com os colegas.
  • Luta contra o relógio biológico e discute com os colegas quem vai atender o passageiro que apertou o botão de chamada.
  • Uma hora antes de você acordar, começa a preparação de “frango ou carne”.
  • Faz de tudo, exceto tocar no celular, livros ou revistas. É proibido se distrair com tais alegrias da vida na terra.

Você acha que o comissário desapareceu do nada, mas saiba que nós sempre estamos por perto.

Você tem alguma relação com a aviação? Gostaria de trabalhar perto das nuvens?

Imagem de capa Martasolo / instagram
6-55
10k