Por que a Lua tem uma cauda?

Curiosidades
há 6 meses

O nosso Sol é incrivelmente enorme! Quer uma prova? Bom, 99,86% de toda a massa do Sistema Solar está no Sol — em particular, no hidrogênio e hélio dos quais ele é feito. O 0,14% restante é principalmente a massa dos oito planetas do Sistema Solar.

Terra pode não ser o único planeta tectonicamente ativo no Sistema Solar. Os astrônomos viram algumas formas de relevo que parecem penhascos em Mercúrio! Se for assim, a atividade tectônica poderia explicar o rápido encolhimento do planeta.

Na maioria dos filmes de ficção científica sobre o espaço, o personagem principal entra em um cinturão de asteroides e tem que se esforçar para fugir de inúmeras rochas que ameaçam danificar sua nave espacial. Desculpe a frustração, mas isso não é nada parecido com a realidade. O único cinturão de asteroides que os astrônomos conhecem está localizado entre MarteJúpiter. Existem milhares de asteroides nesta região, mas eles estão tão espaçados, que a chance de colisão é quase nula.

O vale chamado Valles Marineris em Marte é mais de 10 vezes maior que o Grand Canyon da Terra. E é outra coisa que intriga os astrônomos — afinal, Marte não é um planeta com placas tectônicas ativas!

Na superfície de Júpiter, existe uma região estranha chamada de Grande Mancha Vermelha. Recentemente, os astrônomos concluíram que este local é, na verdade, uma tempestade que acontece no planeta há séculos. Mas, há cerca de 20 anos, os cientistas notaram que a região vermelha começou a encolher. Hoje em dia, tem apenas metade do tamanho que costumava ter. E ainda assim, o local é uma vez e meia maior que a Terra.

Ao olhar para as estrelas pela janela da sua cozinha, você se pergunta: daria para enviar pizza para o espaço? E o mais importante, você ainda poderia comê-la se ela voltasse? Estas são perguntas muito importantes.

Ok, foco. Como vamos enviar a pizza para o espaço? Considerando que o primeiro ônibus espacial da NASA custou cerca de 49 bilhões de dólares, acho que não nos permitirão pegar um foguete emprestado por hoje, já que eles podem ter, você sabe, coisas mais importantes para fazer. Sem o nosso foguete, não poderemos subir tanto assim com a pizza e nem viajar a essa velocidade. Ok, tudo bem, eles podem ficar com o foguete. Estou feliz com o meu incrível balão meteorológico, que, por sinal, ainda nos levará a um terço do caminho para o espaço, chegando à área conhecida como ’Limite do Espaço Exterior’. Considerando que a atmosfera lá em cima é tão fina, tem cerca de 1% da pressão ao nível do solo, não é realmente um substituto tão ruim para o espaço de verdade para este teste. Eu nunca me senti confortável em estar tão longe do meu jantar de qualquer maneira, então isso funciona muito melhor para meus problemas de abandono de alimentos.

Para garantir que pudéssemos encontrar a pizza assim que ela pousasse, colocamos rastreadores de rádio nela antes do lançamento. Eles enviam um sinal com uma posição GPS para o solo, que é então colocada em um mapa para que a gente possa segui-la, nos dando uma boa ideia de onde a pizza será encontrada! Nossa, eu amo tecnologia! E dessa forma, chegou o momento. Encontramos nossa pizza intacta e, depois de alguns abraços apaixonados, estou pronto para dar uma mordida!
Então... a espera valeu a pena? Qual é o gosto? E dá pra comer? Sim, dá, mas e o sabor? Não é tão bom, na verdade, e esqueci de trazer meu micro-ondas. A borda foi congelada das temperaturas extremamente frias a que foi exposta em sua jornada.

E realmente quero dizer congelada. O pão em si tem um centro gelado! Mas antes mesmo de descobrirmos isso, perceberemos que quando vamos arrancar um pedaço da pizza, não rasga normalmente. Em vez disso, se encaixa como se tivéssemos acabado de quebrar um pedaço de um galho. Podemos até ouvir um barulho! Meu pão quente e macio não existe mais. Seria melhor guardar o pão para a sobremesa no caso de ficar sem sorvete. Pensando bem, vamos jogá-lo no lixo. No entanto, é muito legal termos conseguido enviar esse pão de alho para o Limite do Espaço Exterior e ainda acabar comendo, certo?

Todos sabemos que a Terra tem uma lua. Mas existem outros dois asteroides, 3753 Cruithne e 2002 AA29, em órbitas co-orbitais com o nosso planeta. O primeiro não circula ao redor da Terra, mas tem algum tipo de órbita sincronizada com o planeta, e é por isso que parece que está seguindo a Terra em uma órbita estável, enquanto na realidade, tem seu próprio caminho específico ao redor do sol. O outro segue uma órbita em ferradura ao redor do nosso planeta. Seu caminho específico aproxima esse asteroide de nós a cada 95 anos.

Por que a atmosfera do nosso planeta natal não desaparece no vácuo do espaço? Mesmo que não possamos vê-las, as moléculas de gás e vapor que formam nossa atmosfera têm massa. Como tal, todas essas moléculas sentem a atração gravitacional da Terra — assim como nós. Elas poderiam escapar, é verdade, se tivessem energia suficiente. Por exemplo, se nosso planeta estivesse mais perto do sol, a atmosfera seria mais quente e suas moléculas poderiam fugir mais facilmente. Mas, felizmente, a Terra está na distância certa do Sol e tem massa suficiente para manter a atmosfera no mesmo lugar.

Um estudo recente afirma que a Lua tem um rabo! E, todo mês, ele envolve nosso planeta como um cachecol! Uma cauda fina composta por milhões de átomos de sódio segue o satélite natural da Terra. E nosso planeta viaja regularmente diretamente através dele. Ataques de meteoros explodem esses átomos de sódio para fora da superfície lunar e mais para o espaço. Por vários dias por mês, a Lua permanece entre o Sol e o nosso planeta. É quando a gravidade da Terra atrai essa cauda de sódio. Nosso planeta a arrasta para uma longa faixa que envolve sua atmosfera. Esta cauda lunar é totalmente inofensiva. Também é invisível ao olho humano — 50 vezes mais escura do que o que você pode perceber. Mas durante alguns raros dias, telescópios de alta potência podem detectar o seu fraco brilho amarelado no céu. A cauda parece um ponto brilhante que tem cinco vezes o diâmetro da lua cheia.

Você não vai acreditar, mas a Lua parece estar encolhendo. O satélite natural da Terra agora está 35,7 metros menor do que costumava ser há centenas de milhões de anos. A razão para esse fenômeno pode ser o resfriamento do interior da Lua. Também poderia explicar os terremotos que agitam a superfície do satélite natural do nosso planeta. Acontece que há muitos planetas no Universo, e até mesmo na Via Láctea, que têm água líquida ou congelada. O mais próximo está dentro do nosso Sistema Solar — é Europa, uma das luas de Júpiter. Os cientistas têm quase certeza de que, sob sua superfície congelada, há um oceano de água. Mas é muito cedo para se empolgar com a possibilidade de vida em tais planetas: a água líquida é apenas um dos muitos fatores necessários para que a vida apareça em um planeta.

Em 2019, o módulo de aterrissagem InSight da NASA, cujo objetivo era estudar o interior de Marte, registrou o primeiro “Martemoto” de todos os tempos. Esses terremotos aconteciam rapidamente — cerca de dois por dia. A maioria deles era pequena. Você nem os sentiria se acontecessem em nosso planeta. Até agora, mais de 300 martemotos foram detectados. Esses são os primeiros terremotos em qualquer corpo espacial que não seja a Terra e a Lua.

Outro fenômeno misterioso descoberto pela missão foram pulsos magnéticos bizarros. Eles ocorriam toda meia-noite ao redor do módulo de aterrissagem. Ainda não está claro quais eram esses pulsos. Talvez depois da meia-noite, eles deixem todo mundo se divertir... ou algo assim.

A nossa Lua pode estar escondendo muito mais bolsões de água do que os cientistas acreditavam. Sua superfície tem algo chamado armadilhas frias. Essas são áreas que estão em sombra permanente. Se você pudesse ficar perto de um dos polos lunares, especialmente do polo sul, veria essas sombras por todo o lugar. Existem pequenas armadilhas frias e centenas e milhares de armadilhas maiores. Essas regiões estão na escuridão eterna e podem até ter ficado sem um único raio de sol por bilhões de anos. E agora os cientistas acreditam que estão escondendo muito mais do que pensávamos — incluindo pequenas manchas de gelo, não maiores que uma moeda de um centavo, mas ainda assim, algo que os astronautas poderiam usar para beber ou como combustível de foguete.

A maior parte da água pode estar armazenada em vidro ou em algum lugar entre grãos na superfície da Lua. Uma teoria diz que uma grande parte da superfície lunar pode ter a capacidade de armazenar água. Mas ninguém pode provar isso até que alguém vá lá pessoalmente ou envie rovers que cavem sob a superfície.

A Lua não é totalmente branca e desprovida de cor. Os astronautas da Apollo que pousaram lá em 1969 disseram que a Lua era um pouco ’amarronzada’. Estudos posteriores mostraram que algumas áreas lunares escuras exibem toques de marrom e azul.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados