Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

12 Fatos que provam que amamentar é um superpoder de verdade

Iremos começar este post dizendo que sentar e perder peso sem fazer qualquer exercício adicional é, por si só, um tremendo superpoder. E é justamente isso que a amamentação pode fazer. Mas dar leite materno ao filho não apenas ajuda o corpo da mãe a voltar à silhueta de antes da gravidez: a amamentação é uma prática que proporciona benefícios quase que miraculosos dos pontos de vista biológico, fisiológico e psicológico, tanto para a mãe quanto para o bebê.

É com grande prazer que o Incrível.club revela do que a amamentação é capaz. Confira nossa lista!

1. Pode levar à perda de peso

Produzir leite e amamentar é um baita trabalho para o corpo da mulher. Na verdade, alimentar o filho no peito pode levar à perda de 500 calorias por dia, segundo obstetras e ginecologistas. É por isso que tantas mães de primeira viagem se surpreendem quando percebem que estão perdendo peso após o parto: elas estão queimando mais calorias do que as ingeridas, o que leva à redução do número que aparece na balança sem a prática de exercícios adicionais.

2. O corpo da mãe produz leite que sofre alterações no sabor e na cor

O cheiro e o sabor do leite materno variam de acordo com o que a mãe come, diz uma pesquisa. Trata-se de algo especialmente útil, já que a mulher pode, assim, apresentar diferentes sabores ao bebê no decorrer da amamentação, fazendo com que a criança resista menos a certos alimentos quando passar a ingerir comida sólida. Outra curiosidade: nem sempre o leite materno é branco, pois sua coloração muda dependendo daquilo que a mãe come e das vitaminas que ela ingere. O menu do bebê pode contar com leite em tons azulados, esverdeados, amarelados ou rosados.

3. O corpo da mãe altera a composição do leite para atender às necessidades do bebê

Bebês crescem em um ritmo acelerado e estão sempre precisando de proteínas, minerais e vitaminas, dependendo do estágio de desenvolvimento em que estão ou do fato, por exemplo, de estarem lidando com alguma doença, como um resfriado. Por isso, podemos afirmar que o leite materno é “inteligente”. Ele passa por alterações em sua fórmula para atender às necessidades da criança. Isso pode acontecer de uma semana para outra ou mesmo de um dia para o outro.

4. Garante células-tronco para o bebê

Um bebê em crescimento continua precisando da ajuda da mamãe para seguir desenvolvendo seu organismo. E o leite materno é fundamental nesse processo, pois contém células vivas, ou mais importante, células-tronco: elas percorrem o corpo do bebê e se tornam parte do cérebro, coração, rins ou tecido ósseo.

5. Aumenta a felicidade de mãe e filho

A amamentação faz com que os cérebros da mãe e do bebê liberem oxitocina, hormônio responsável por proporcionar a sensação de felicidade e segurança. A prática ainda acalma a mãe e estabiliza o estresse e a ansiedade, levando-os a níveis saudáveis.

6. Reduz a possibilidade de desenvolver câncer e outras doenças

Mulheres que amamentam correm menos risco de desenvolver certos tipos de câncer, como de mamaovário, além de outras doenças, como problemas cardiovasculares, depressão pós-parto e Acidente Vascular Cerebral (AVC). Quanto mais tempo a mulher amamenta, mais protegida fica.

7. Também protege o bebê contra doenças

Estudiosos afirmam que doenças e infecções comuns na infância, como aquelas que afetam ouvido, vias respiratórias e intestino, têm menor chance de surgir em crianças que se alimentam do leite materno. O alimento é rico em propriedades protetoras que preparam e protegem a criança, desde os primeiros dias de vida, contra diversos tipos de doenças.

8. Aumenta o QI e a memória da criança

O leite materno pode ainda deixar a criança mais inteligente. De acordo com certos estudos, quanto mais o bebê mama no seio da mãe, especialmente nos primeiros 28 dias de vida, maior é o impacto positivo no crescimento e desenvolvimento do cérebro, aumentando as habilidades cognitivas e a inteligência, de maneira geral.

9. O corpo da mulher produz leite mais proteico para bebês prematuros

Mães de bebês prematuros produzem leite com maior concentração de proteína, com o intuito de ajudar o bebê a se desenvolver fora do útero, afirmam pesquisas. Além disso, elas produzem leite mais rico em gordura, cálcio e outros minerais que são fundamentais para o desenvolvimento dos ossos e do cérebro, prevenindo ainda doenças e infecções.

10. Ajuda a criança a manter um peso saudável

O leite materno promove um ganho de peso saudável e, consequentemente, auxilia na prevenção da obesidade infantil. Uma pesquisa descobriu que bebês que foram amamentados correm um risco até 30% menor de desenvolver obesidade. A cada mês em que o bebê consome o leite da mãe, esse risco cai cerca de 4%. Os estudiosos acreditam que isso acontece porque as crianças que foram amamentadas possuem quantidades maiores de bactérias intestinais saudáveis, o que pode influenciar no armazenamento de gordura.

11. É uma das melhores formas de aumentar a ligação afetiva com o bebê

Uma extensa pesquisa mostrou que a amamentação é uma das principais maneiras pelas quais mães e bebês mantém o vínculo afetivo entre si. A oxitocina faz com que ambos se sintam unidos e amados. A prática ajuda ainda a mãe a desenvolver uma sensibilidade mais maternal, que costuma durar por anos. Isso ajuda a mulher a entender mais rapidamente o filho, a ter um comportamento mais flexível e a compreender as necessidades da criança. Sem falar que faz com que o bebê se sinta mais seguro e bem-vindo.

12. Fortalece os ossos da mãe

Se você está preocupada por achar que o bebê está sugando todo o cálcio do seu corpo, pode relaxar. Especialistas asseguram que a gravidez e a amamentação são capazes de fazer com que o corpo feminino absorva cálcio com muito mais eficiência. Assim, quando o bebê tem 6 meses, os ossos da mãe estão mais fortes do que eram antes dela descobrir que estava grávida. O benefício é tão impressionante que pode, inclusive, reduzir consideravelmente o risco de osteoporose.

Você pretende amamentar ou amamentou seus filhos? Notou algum impacto da prática em seu corpo? Deixe um comentário com suas experiências!