Conheça os melhores carregadores para bebês e como usá-los corretamente

Embora os carregadores ergonômicos permitam que o bebê seja levado de maneira segura e em contato direto com o nosso corpo, é importante saber que esses benefícios aparecem apenas quando são usados da maneira correta. Como recentemente esse tipo de equipamento tem ficado cada vez mais popular, muitas pessoas o estão usando sem dar muita importância às dicas dos especialistas. Essas dicas são fundamentais para a saúde dos pais e, obviamente, do bebê.

Hoje, o Incrível.club traz alguns detalhes sobre o uso correto desses carregadores e como eles podem evitar desconfortos ou problemas futuros na coluna da criança.

Sling, mochila e a teoria do apego

O psicólogo, psiquiatra e psicanalista britânico John Bowlby foi o primeiro pesquisador a formular a chamada teoria do apego. Segundo ele, desde o nascimento o ser humano tem uma necessidade de se relacionar com outras pessoas que ele escolhe e que não depende de nenhuma pulsão. Nesse sentido, o apego é um intenso vínculo desenvolvido pelo bebê com uma única pessoa, geralmente a mãe, e que é mantido constantemente. A separação do bebê da figura do apego faz ativar um comportamento padrão: protesto, desesperança e, se durar mais tempo, desapego. Portanto, a teoria estabelece que o apego oferece um desenvolvimento correto ao bebê. Por isso, é importante que ele tenha essa figura à disposição, para se sentir seguro e estimulado. E a mochila e o sling são maneiras de facilitar esse processo.

Os passos corretos

Carregar o bebê da maneira correta traz segurança e benefícios. Antes de usar um porta bebês (independente do tipo, mochila, sling ou rebozo), a Sociedade Espanhola de Pediatria Extrahospitalar e Atenção Primária recomenda seguir as seguintes instruções:

  • Colocar o bebê em uma postura fisiológica ideal: sentado na posição de rã.
  • É importante que o bebê esteja bem fixo, independente de estar em uma mochila, sling ou rebozo.
  • Se o bebê for recém-nascido, ou se acabar dormindo, sua cabeça deve estar firme e segura contra o corpo da pessoa que o estiver carregando.
  • O queixo do bebê deve estar separado do esterno da pessoa que o estiver carregando, para evitar o risco de asfixia. Uma boa recomendação é que essa pessoa sempre possa ver o nariz do bebê, para assegurar a circulação do ar.
  • A região abdominal do bebê deve estar em contato com o corpo da pessoa que o estiver carregando. Quando carregamos um bebê virado para a frente, independente do modelo de carregador, vamos contra a sua estrutura fisiológica.
  • A pessoa deve ser capaz de ver o rosto do bebê o tempo todo e assegurar que a sua respiração esteja ritmada.

Os benefícios para o bebê

Além da agradável sensação de ir nos braços de alguém e da liberação da oxitocina pelo contato, a Sociedade Espanhola de Pediatria Extrahospitalária e Atenção Primária estabelece que o carregamento é importante para o bebê em nível sensorial e físico; além disso, ele ajuda a formar a personalidade e o vínculo da criança com outras pessoas. Carregar o bebê traz benefícios como:

  • Sensação de segurança. Após o parto, o recém-nascido se sente seguro quando está perto do corpo da mãe.
  • Tranquilidade. Se o bebê se sente acompanhado, fica tranquilo. Um bebê sem estresse canaliza as energias para o crescimento.
  • Melhor qualidade do sono. Se o bebê se sente seguro e tranquilo, consegue conciliar o sono de maneira fácil por mais tempo.
  • Melhora no bem-estar físico. A relação mãe-bebê ajuda na regulação fisiológica do bebê. Quando a criança é separada da mãe, pode experimentar uma diminuição na frequência cardíaca, problemas de sono e outros transtornos de autorregulação.
  • Apego seguro. O constante contato do bebê com a mãe ajuda a satisfazer as necessidades imediatas e contribui para o desenvolvimento físico, intelectual e emocional, o que ajuda, portanto, a formar uma criança mais independente e segura.
  • Desenvolvimento adequado do sistema nervoso. Quando o bebê nasce, seu sistema nervoso ainda não está desenvolvido; ao ser carregado, ele fica em estado de alerta, mas também se sente tranquilo e consegue aprender tudo com maior facilidade.
  • Adaptação ao entorno. Os braços da mãe ou do pai representam o lugar mais seguro para o bebê, fazendo com que ele seja mais receptivo aos estímulos positivos do ambiente
  • Diminuição considerável do choro. O choro não é nada mais do que uma manifestação de que algo não está bem. Um bebê satisfeito chora menos, e é isso que acontece quando ele é carregado da maneira correta.
  • Vantagens fisiológicas. Ao ser carregado da maneira correta, costas e quadril acabam sendo protegidos e o bebê apresenta um desenvolvimento correto.

Os benefícios para os pais

Os pais que costumam carregar seus filhos também acabam sendo beneficiados. Isso acontece por algumas razões.

  • Melhora no vínculo afetivo com o bebê. O contato do bebê com a pessoa que o carrega faz com que a relação afetiva entre ambos fique muito mais forte.
  • Benefícios para a lactância. A proximidade entre mãe e bebê ativa hormônios que promovem a lactância, como a oxitocina e a prolactina.
  • Melhora no desempenho materno e paterno. Se o bebê estiver tranquilo, dormindo bem, os pais também ficarão mais calmos e se sentirão mais competentes para desempenhar suas funções com maior desenvoltura.
  • Maior mobilidade e autonomia. A chegada de um bebê muda tudo, até mesmo as atividades mais básicas. Carregar um bebê nas modalidades descritas dá liberdade de movimento aos pais, fazendo nascer uma sensação de conquista e adaptação à nova vida.
  • Diminuição da depressão pós-parto. O nível de oxitocina da mãe também aumenta ao estar em contato com o bebê. Ao ter o recém-nascido colado ao seu corpo, a mãe evita pensamentos ruins, como o de abandono (que pode acontecer com frequência nos primeiros meses de vida do bebê).

Requisitos de um porta bebê ergonômico

Independente do tipo, o porta bebê deve ser ergonômico e respeitar alguns requisitos:

  • o bebê deve ficar em uma posição confortável, mas firme;
  • o equipamento deve ser ajustado corretamente, de maneira que o bebê fique na altura correta;
  • deve haver um suporte para as costas adaptável para o bebê e para quem o carrega;
  • o equipamento deve se adaptar ao crescimento do bebê;
  • deve ser cômodo para o carregador e fácil de usar.

Os diferentes tipos de porta bebês são seguros e positivos quando usados corretamente. Eles melhoram a qualidade de vida dos pais e do bebê. Também podem ser usados com recém-nascidos ou com crianças que sofrem de refluxo ou cólica.

O que você achou dessas dicas? Já usou algum suporte como os que foram descritos? Compartilhe a sua experiência e a sua opinião nos comentários.

Ilustrado por Marat Nugumanov exclusivo para Incrível.club
Compartilhar este artigo