19 Pessoas que se depararam com tanto pão-durismo, que talvez ainda não tenham se recuperado

Relacionamento
há 2 anos

Economizar e controlar os gastos são qualidades, de fato, positivas. Porém, algumas pessoas se preocupam tanto apenas com si mesmas, como se fossem “a última bolacha do pacote”. Gente assim pode até roubar o bolo da vizinha e ainda julgar que está no seu pleno direito.

Nós, do Incrível.club, queremos muito a sua atenção, por isso te convidamos a ler as histórias abaixo sobre pessoas que provavelmente não estariam dispostas a dividir nem um milkshake. Acompanhe!

  • Hoje, a gerência do meu trabalho me surpreendeu: durante uma reunião, o assunto foi que eu estava ganhando demais. Aparentemente, eles verificaram e chegaram à conclusão de que eu recebia um acréscimo de 116 dólares ao meu fixo mensal de 400. E isso era muito. A reclamação foi: “Quando você pega tarefa extra, não faz a principal”. O estranho, porém, é que essa iniciativa partiu do meu próprio chefe e, até o momento, eu não havia recebido nenhuma reclamação. Bem, tive de recorrer ao diretor-geral, explicar tudo por escrito, mostrar todas as planilhas para ele ver o quanto eu recebia e o que estava fazendo. Ainda estou aguardando a resposta... © pohabovandrey / Pikabu
  • Uma funcionária da nossa fábrica perdeu a chave do armário do vestiário. Ela perguntou se eu podia abri-lo, e respondi que poderíamos apenas chamar os rapazes para quebrar o cadeado. “Ai, não, eles vão cobrar uma fortuna”, resmungou a senhora. Em vez disso, ela disse que pegaria uma chave de fenda e pediria ao segurança para resolver. O cadeado quebrou em dois minutos, e a senhora ficou satisfeita. Mais tarde, contudo, ela veio até mim e perguntou quando eu lhe daria os cinco dólares pelo cadeado novo que ela comprou para colocar no lugar do velho. Na hora, fiquei confuso e, é claro, disse que não pagaria. Depois, a sem-noção ainda pegou uma ferramenta da minha bancada e disse que só me devolveria quando eu a reembolsasse. Não dei ouvidos, principalmente porque a ferramenta nem é minha: é do nosso chefe do departamento. © Enot22rus / Pikabu
  • Às vezes, tenho a impressão de estar cercado de pessoas mesquinhas, e eu sou uma delas. Porém, depois me lembro do meu casamento: um casal fez um belo brinde em nossa homenagem e nos presenteou com um lindo embrulho com fitas coloridas... que continha uma simples moldura de foto 13×18. Então, imediatamente percebo que não sou tão ruim assim. © AlexandrRayn / Pikabu
  • O marido da amiga da minha esposa me pediu para dar uma olhada no laptop dele. Como era a melhor amiga de minha mulher, aceitei. Resolvi o problema e instalei o pacote mínimo de programas. Quando o rapaz pegou o aparelho, ele prometeu me trazer diversas guloseimas como agradecimento. Alguns dias depois, ele bateu à minha porta: “Oi, trouxe uma coisa para você”. O que imaginam que ele levou? Outro computador para eu consertar. Só consegui dar uma risada. É como dizem: ajude uma pessoa quando ela mais precisa, e ela se lembrará de você quando precisar de ajuda novamente. Mas a fase de ação de graças acabou. © AxlR / Pikabu
  • Conheci o auge da mesquinharia no meu último trabalho. Uns clientes compraram dois rolos de papel higiênico de folha dupla, separaram as folhas uma da outra e fizeram mais dois rolos. Eles disseram que, assim, renderia mais. © unknown author / Bash
  • Meus amigos se mudaram para Israel. Um dia, eles foram a um supermercado local comprar algo para o almoço. Eles estavam com pressa, mas, no único caixa disponível, havia um senhorzinho na frente deles. A funcionária passava as compras desse cliente separadamente, item por item, e ele ia pagando um por um. Quando finalmente o senhor foi embora, meus amigos decidiram perguntar à funcionária por que ele pagou daquele jeito. O homem era um cliente antigo do mercado e sempre pagava assim: em princípio, ele pensava que a quantia por cada produto separado seria arredondada a seu favor e, assim, ele gastaria menos do que se pagasse tudo de uma vez. © Simplygreat / Pikabu
  • Quando procurávamos apartamento para comprar, olhávamos opções seminovas em um determinado bairro. Encontramos um anúncio, cujo apartamento tinha os mesmos parâmetros dos outros da página, mas o preço estava bastante acima da média. Fomos dar uma olhada. Não era nada moderno: simples, limpo, com obras que devem ter sido realizadas pela última vez há pelo menos 15 anos. Isso, na melhor das hipóteses. Ao perguntarmos o motivo do preço alto, a resposta foi: “Ah, aqui você pode quebrar todas as paredes e fazer um estúdio bem moderno”. Respondi dizendo que aquilo ainda não havia sido feito, então por que incluíram no preço? Foi a primeira vez que me chamaram de mesquinha e gananciosa na vida. © unknown author / Bash
  • Namorei um rapaz obcecado por alimentação saudável, enquanto eu comia o que me dava na telha. O mais irritante era que ele nunca comprava doces e sorvetes, mas fazia questão de dar mordidas nas minhas barras de chocolate. © unknown author / Bash
  • — Quando criança, deixei de ir a um aniversário porque queria ficar com o presente para mim. Era um ursinho de pelúcia. Chorei tanto...
    — De vergonha?
    — Não. De pão-durice mesmo. © unknown author / Bash
  • Ao lado do nosso mercado, em um local de obra, havia uma moeda de cinco centavos, pressionada ou colada no asfalto quente. Durante o dia todo, observamos diversos pedestres tentando retirá-la usando todos os meios disponíveis. A um metro dali, sentado na cadeira, um segurança ria toda vez que via alguém tentar pegar o dinheiro e falhar miseravelmente. A ganância do povo não tem limites. © unknown author / Bash
  • Moro a 3.500 quilômetros dos meus pais e os ajudo financeiramente. Vou visitá-los uma vez a cada três anos, não posso ir com mais frequência. Recentemente, recebi uma ligação do meu pai me pedindo para fazer um teste de DNA. Comecei a rir, e ele insistiu: disse para eu fazer o teste para confirmar. Liguei para minha irmã, e eles não lhe pediram que também o fizesse. Descobri que meu pai estava dividindo a herança da nossa avó, e queria tentar “economizar”. Até hoje, ele não se desculpou. Depois, minha mãe me mandou uma mensagem pedindo para eu relevar, pois, ele só estava preocupado. © Подслушано / Ideer
  • Tenho 28 anos e moro no apartamento que minha avó me deixou. As vizinhas, que eram amigas dela, pediram os móveis que eu pretendia me desfazer. Uma senhora do andar insistiu muito para lhe dar a mesa de cabeceira — justificando que ela mesma havia dado de presente à minha avó. Aceitei. Comecei a arrumar o móvel, tirando todas as coisas, e a mulher, atrás de mim, não parava de falar: “Ai, só tem revistas velhas aí, eu mesma posso jogá-las fora”. Dentro de uma das revistas, por acaso, encontrei um envelope com dois mil dólares. A vizinha me xingou de alguns nomes e nunca mais apareceu. Não encontrei dinheiro em nenhum outro móvel, mas fiz questão de procurar cuidadosamente por uma semana. © Подслушано / Ideer
  • Trabalhei como garçonete em um restaurante de alto nível. Um dia, um cliente regular apareceu com uma mulher — pensei ser a esposa. Eu os servi da melhor forma, como sempre, e a conta foi bastante alta. O homem deixou uma bela gorjeta, pelo menos para aquela época e, antes de ir embora, foi ao banheiro. Então, a mulher me chamou e pediu que eu lhe entregasse a gorjeta. Concordei, porém, preferi esperar o cliente retornar. Quando ele voltou, fui à mesa, estendi o dinheiro e disse o que ela havia me pedido. A mulher ficou vermelha de vergonha. O homem ficou muito surpreso e disse para eu ficar com a caixinha. © Подслушано / Ideer
  • Emprestei um livro de geometria a uma grande amiga do meu pai. O livro foi assinado pelo autor e tem um enorme valor sentimental para mim. Porém, a filha dessa amiga precisava do livro, e eu não sou nada gananciosa. Desde então, passaram-se cinco anos, e me pego pensando: ou essa menina não consegue de forma alguma passar para o próximo ano, ou simplesmente resolveu se apropriar do meu livro. © myafli / Twitter
  • Recebi um envelope de presente de uma parente mais velha. Imaginei que fosse dinheiro. Mas, não: ela me enviou três fotos de três rapazes e me pediu para escolher com qual deles gostaria de ter um casamento arranjado. © unknown author / Reddit
  • Minha amiga, Helô, tem uma sogra surpreendentemente egoísta e mesquinha. O marido da minha amiga trabalhou com a mãe por um tempo na mesma empresa, mas depois trocou de local, e a mãe continuou trabalhando lá. Quando o casal teve a primeira filha, os ex-colegas de trabalho dele enviaram um presente para a criança, por meio da mãe. Era uma quantia considerável: cerca de 200 dólares. A mãe dele disse que daria o dinheiro quando o casal fosse comprar coisas para a filha. Então, um dia, foram os três a uma loja comprar brinquedos, roupinhas e coisas do gênero. Já no caixa, como quem não quer nada, a mulher de repente soltou: “Nossa, esqueci de avisar. Já gastei todo o dinheiro! Eu estava precisando muito, mas aqui estão 30 dólares... quer dizer, 25. Esse será o meu presente para vocês!” © Юлия-Пилюлия / AdMe
  • Uma vez, minha mãe fez seu famoso bolo para o aniversário da nossa vizinha — quatro andares de muito chocolate. Por experiência, sabemos que esse bolo é suficiente para pelo menos umas oito pessoas. Minha mãe o levou, parabenizou a vizinha e não ficou para a festa, embora tivesse sido convidada. No mesmo dia, à noite, a vizinha ligou chorando: “Tatiane, aiiii, roubaram o bolo...” O que aconteceu foi que deixaram metade na mesa para os convidados, e a outra metade, na geladeira, para a família comer mais tarde. Duas vizinhas, convidadas, o provaram e, ao que parece, adoraram. Mas metade de um bolo daquele era muito para apenas duas pessoas. Por isso, elas simplesmente pegaram pratinhos de plástico e, sem perguntar à anfitriã, guardaram pedaços para a viagem. A nossa vizinha não teve nem tempo de pegar um pedaço para si. Depois, uma dessas mulheres, digamos, a mais “fominha”, foi à cozinha e pegou um pedaço da parte que estava na geladeira. Nessa hora, a dona da casa entrou, viu a cena e disse: “O que você está fazendo?”, no que a mulher continuou a embrulhar o bolo e apenas respondeu: “Você me convidou, precisa saber dividir. Eu tenho netas, ué”. © Баранка / AdMe
  • Me registrei em um site em que pessoas trocavam e doavam coisas. Queria renovar minha estante, e era época de maçãs. Então, selecionei diversos livros em perfeitas condições e escrevi que, em troca, aceitaria um quilo de maçãs. Uma garota respondeu e marcamos. Ela trouxe uma sacola cheia, pegou os livros rapidamente e foi embora. Quando abri, as frutas estavam sujas, algumas pareciam estragadas, como se ela as tivesse achado no chão, e ainda eram do tamanho de uma groselha. © Sola / AdMe
  • Nunca me preocupei com comida caseira. Compro almoço pronto no trabalho; à noite, tomo um iogurte em casa, e está ótimo. Então, comecei a namorar um rapaz, e decidimos morar juntos. Ele passava muito tempo falando sobre os perigos do fast-food e reforçava o quão importante era preparar comida saudável em casa. Acabei cedendo e passei a fazer algumas sopas. Depois, nos separamos e, então, comecei a analisar nosso relacionamento, até que percebi que ele nunca se importou de verdade com a minha saúde. Os lanches que eu comprava no trabalho eram individuais, já a comida na panela de casa, querendo ou não, era para ambos. Pelo menos, a “lanchonete gratuita” já acabou para ele. © Ирина / AdMe

E você já teve de lidar com gente mão de vaca? O que aconteceu e qual foi a sua reação? Conte tudo nos comentários!

Imagem de capa Sola / AdMe

Comentários

Receber notificações

Eu não consigo me esquecer do episódio de uma série chamada os muquiranas, a mulher pegou comida do lixo pra servir a um casal de amigos quenfoi visitar ela, ela forrada a geladeira com jornal velho

-
-
Resposta

Gente, eu ganho dinheiro eh pra gastar mesmo, depois você morre e fica tudo aí pra alguém gastar

-
-
Resposta

Eu trabalhei em um restaurante vegano e eles serviam para o funcionário miojo com batata

-
-
Resposta

GENTE FOLGADA TEM EM TODO LUGAR JÁ TRABALHEI EM UM LUGAR ONDE O DONO VENDIA O UNIFORME PRA GENTE FALA SERIO

-
-
Resposta

Artigos relacionados