Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

7 Parâmetros utilizados pelos comissários de bordo para identificar potenciais malfeitores

Análise comportamental é uma forma de analisar e avaliar o perfil psicológico de uma pessoa, neste caso — do passageiro aéreo. Muitos acreditam que isso acaba após passarem pelo controle de fronteira do aeroporto, mas, na verdade, só está começando: você e todos os passageiros são analisados pelos comissários de bordo ao entrar no avião. Os comissários sorridentes que nos recebem na porta da aeronave são como uma espécie de “scanner ambulante”, capazes de distinguir uma pessoa comum de um criminoso apenas olhando nos olhos dela.

Nós, do Incrível.club, descobrimos 7 parâmetros utilizados pelos comissários de bordo para analisar os passageiros e estamos prontos para compartilhá-los com você. Acompanhe!

1. O comissário de bordo presta muita atenção em quem não os cumprimenta de volta

O tradicional cumprimento na entrada do avião não é um simples gesto de cortesia, mas uma parte do teste. Caso um passageiro não se dê o trabalho de nem resmungar um “oi” em resposta, os funcionários entenderão que não poderão contar com ele em uma situação de emergência. E eles estão certos, pois ao cumprimentar de volta, uma pessoa demonstra simpatia e ausência de traços de hostilidade. Uma pessoa com essas características pode ser uma ótima ajudante em situações de emergência durante o voo.

2. Não olhar nos olhos

Os comissários olham atentamente nos olhos dos passageiros quando os cumprimentam durante o embarque. Caso o passageiro não olhe de volta, pode haver um motivo para ficar alerta. A lógica é simples: uma criança desvia o olhar quando aprontou alguma coisa, já um adulto desvia o olhar quando fez ou planeja fazer algo verdadeiramente ruim. No entanto, o comissário certamente não se baseará apenas nisso para desconfiar de uma pessoa — isso é apenas um dos sinais demonstrados por um passageiro que está extremamente desconfortável.

3. Estar pálido e com o nariz vermelho

Em casos de suspeita de doença, os funcionários do aeroporto podem pedir ao passageiro um atestado de saúde que afirme que sua doença não coloca os outros passageiros a bordo do avião em risco e não pode ser transmitida por gotículas de saliva no ar. No entanto, uma pessoa que apresenta nariz escorrendo, tosse e não tenha sintomas de febre pode ser liberada para embarcar, afinal o passageiro pode afirmar que se trata apenas de uma alergia. Mas para os comissários isso é uma verdadeira “dor de cabeça”, pois eles precisarão prestar uma atenção especial a esse passageiro e tentar manter seu estado de saúde estável durante o voo. Fora isso, é comum que eles tenham que encontrar outro assento para o passageiro “felizardo” que se sentou ao lado da pessoa “doente”.

4. Se o passageiro carrega folhetos ou brochuras na mão

Assim que o avião atingir a altura de cruzeiro, há a possibilidade de um passageiro começar a protestar agressivamente contra algum tema político-social recorrente, causando estresse e ansiedade nas outras pessoas a bordo. A principal tarefa do comissário de bordo é fazer com que o voo seja o mais seguro e confortável possível. Portanto, tais passageiros são um verdadeiro “pesadelo” para a equipe de funcionários, que estão sempre atentos para identificá-los.

5. Se o passageiro usa muitas interjeições ou gírias ao responder uma pergunta

Hesitação e o uso contínuo de interjeições são um sinal claro de ansiedade. Mas apenas quando um passageiro apresenta fala muito rápida ou, pelo contrário, muito devagar, é que há motivo para preocupações. É assim que se comportam os malfeitores que estão tentando esconder suas verdadeiras intenções. Claro, isso não significa que se você não responder rápido ou com uma entonação digna de locutor de rádio à pergunta sobre sua preferência para o jantar, você será suspeito de algo. Mas, certamente, um discurso arrastado fará com que os comissários de bordo passem a prestar mais atenção em você.

6. Ter um porte físico bem desenvolvido

Se uma comissária de bordo olhar sorridente para o bíceps de um passageiro, isso não quer dizer que ela está encantada com a aparência dele e não consegue desviar o olhar — apesar de isso não ser impossível. Provavelmente, ela o identificou como um assistente em potencial. Ele será extremamente útil caso seja necessário acalmar um passageiro violento, ajudar uma idosa a alocar sua bagagem de mão pesada no compartimento de bagagem superior ou para abrir uma das saídas de emergência. Mais do que com a presença de homens “fortões”, os comissários se alegram mesmo quando há médicos, socorristas ou outros pilotos presentes no voo.

7. Se um passageiro estiver muito agitado

Coçar a cabeça e os braços, apresentar tensão dos músculos faciais, tosse, rigidez nos movimentos, balançar ou sacudir a cabeça e mudanças frequentes na postura, juntamente com outros sinais não verbais, indicam que a pessoa está tentando esconder alguma coisa ou talvez até planejando algo. Sorrisos e gracinhas em excesso também são sinais de agitação. Esses passageiros, assim como aqueles que se seguram com força no apoio do assento, podem precisar de ajuda, e, por isso, os comissários prestam mais atenção neles. Uma pessoa que aparenta estar instável psicologicamente é rapidamente identificada e constantemente monitorada pelos funcionários, que decoram o número de seu assento. Afinal, ansiedade em excesso pode gerar atitudes agressivas por parte do passageiro e comprometer a total segurança do voo.

Por fim, queremos lembrá-lo mais uma vez de que a análise comportamental dos comissários não gera conclusões baseadas em uma única palavra ou ação, mas a partir de todo um conjunto de métodos de análise e avaliação comportamentais. A segurança de todos os passageiros depende da atenção e da capacidade dos comissários de bordo em saber identificar possíveis malfeitores e pessoas que possam prejudicar a segurança do voo. E, convenhamos, é graças aos esforços deles que podemos desfrutar de um voo mais seguro e tranquilo.

Você alguma vez já identificou algum passageiro estranho em um voo? Conte para a gente na seção de comentários.

Compartilhar este artigo