Incrível
Incrível

Um espanhol cruzou mar e terra para reencontrar sua babá 45 anos depois

Ao longo de nossas vidas, conhecemos muitas pessoas que nos deixam lições inestimáveis ​​e nos marcam como indivíduos. Mas, infelizmente, à medida que envelhecemos, muitas vezes perdemos essa proximidade e não sabemos mais nada sobre aquelas pessoas que um dia foram tão próximas a nós.

Sabemos que os reencontros reavivam o coração, por isso o Incrível.club quer compartilhar com você a história de Juan Jonsson, que viajou cerca de 8.817 km para tentar se reencontrar com a babá que cuidou dele durante a sua infância.

Cortesia de Juan Jonsson

Juan Jonsson nasceu na Suécia em março de 1973. Nesse mesmo ano, em setembro ou outubro, sua família se mudou para Cochabamba, na Bolívia, onde viveu até ele completar 6 anos. Naquela época, Ana Jiménez, com então 31 anos, ajudava a cuidar de Juan e de seus irmãos enquanto seus pais trabalhavam.

“Fiquei com o Juanzito, ele tinha 6 meses, era carinhoso. Depois, quando cresceu, corria para todos os lugares onde eu estava. Eu o chamava de ’meu cholo (mestiço) sueco’ e ele me chamava de ’minha vovó’”, revelou Ana a outros meios de comunicação.

Cortesia de Juan Jonsson, © juanitojonsson / Instagram

Em entrevista ao Incrível, Juan conta que a experiência de ter crescido na Bolívia sempre fez parte de sua personalidade. “Sempre que me apresento, costumo iniciar com o fato de ter crescido na Bolívia, sou cochabambino, faz parte da minha identidade como pessoa, pois passei meus primeiros anos lá”, disse. Com o passar dos anos, a família de Juan acabou voltando para a Europa, onde mais tarde se estabeleceu em Fuengirola, na Espanha.

E foi na Europa que cresceu e se desenvolveu como indivíduo, numa espécie de “bolha”, como ele próprio define, pois, apesar de nunca ter perdido o contato com as raízes que definiram sua identidade, não surgiu nenhuma possibilidade de regressar à América Latina. Mas mantinha ainda boas lembranças da sua infância. “A Ana sempre fez parte de nossa vida, porque ela sempre aparece em todos os álbuns de fotos que temos da Bolívia”, disse Juan.

Mas apenas há 4 ou 5 anos surgiu a oportunidade de procurar Ana. Nessa época, ele teve a chance de participar de um congresso em Lima, no Peru. “Quando eu estava lá, ao voltar para a América do Sul, muitas coisas na minha alma começaram a se ativar e vi que o Peru ficava muito próximo da Bolívia”, explica. “Eu tinha dois dias livres e peguei um avião para La Paz. Em La Paz, peguei um ônibus pelos Andes até Cochabamba”.

Quando chegou a Cochabamba e visitou diversos lugares da cidade que pertenciam às suas memórias de infância (como sua antiga escola ou o mercado principal), sentiu vontade de encontrar sua babá. “Essa primeira viagem, que despertou muitas coisas em mim, reavivou aquela necessidade de encontrar Ana”, nos revelou Juan.

Cortesia de Juan Jonsson

Após um longo processo e com a ajuda principalmente dos contatos da mãe dele e de suas incansáveis ​​perguntas para descobrir o paradeiro de sua babá, Juan finalmente conseguiu localizá-la na cidade de Yacuiba, localizada na fronteira da Bolívia com a Argentina. Graças aos esforços de sua mãe, Juan conseguiu até mesmo o número de telefone de Daniel, o filho de Ana, e mais tarde surgiu a oportunidade de retornar à Bolívia, dessa vez com o grande objetivo de reencontrar sua babá.

Um amigo dele tinha um projeto para atender em Santa Cruz, a aproximadamente 544 km de Yacuiba, assim, Juan decidiu se juntar a ele e, com outros dois amigos, seguiram à noite até a casa de Ana. “Chegamos em Yacuiba às 6 horas da manhã”, explica. “Daniel só tinha falado à mãe que chegaria uma visita, mas nunca revelou quem era [...] e foi aí que aconteceu o reencontro”.

Cortesia de Juan Jonsson

Quase como se fosse o destino, o reencontro com Ana foi muito fácil. Segundo Juan, a viralidade dessa história se deve a uma série de grandes coincidências. Em sua opinião, foi coincidência ter encontrado não um, mas três amigos que o ajudaram a aproveitar o momento com Ana, sem que ele precisasse gravá-lo, e também foi coincidência que o vídeo postado no TikTok tenha se tornado viral durante o mesmo período do seu voo para casa.

Quando lhe perguntamos o que pensa do apoio recebido de milhões de seguidores à sua história, ele comenta que ainda acha difícil entender as redes sociais, porém: “No final, fico com [...] o que me agrada é ser uma história cujo objetivo é honrar e agradecer alguém. E honrar e agradecer alguém enquanto essa pessoa está viva. E acho que foi isso que conseguiu inspirar as pessoas”.

Se pudesse se reencontrar com alguém que marcou sua infância, o que gostaria de dizer? Deixe sua opinião nos comentários.

Imagem de capa Cortesia de Juan Jonsson, Cortesia de Juan Jonsson
Incrível/Gente/Um espanhol cruzou mar e terra para reencontrar sua babá 45 anos depois
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos