Uma viagem através do seu sistema nervoso

Curiosidades
há 7 meses

Seus nervos estão literalmente por todo lugar aqui. Começaremos pelos mais importantes, que percorrem sua colunacérebro. Esse aglomerado grosso de nervos é chamado de sistema nervoso central, ou SNC. Ele é responsável por tudo o que você faz, desde respirar até ficar batendo com o dedo na lateral do seu smartphone enquanto aguarda até eu chegar no assunto.

Quando um sinal chega ao SNC no cérebro, vindo de qualquer parte do corpo, ele envia um comando de volta para reagir de acordo com a situação. Belisque-se agora. Sim, por favor, faça isso. Ai! O lugar que você acabou de beliscar tem muitos neurônios, como qualquer outro lugar do corpo — Não, eles não estão apenas na cabeça. Quando você pressionou a pele, eles se exaltaram e enviaram as informações sobre dor ao cérebro, que reagiu enviando uma mensagem de que doeu. Tudo isso aconteceu em menos de um milissegundo, mas o sinal viajou vários centímetros até lá e voltou.

Agora vamos para a medula espinhal e fazer uma pequena experiência. Quando eu contar até um, cortarei as conexões entre os neurônios aqui e você verá o que acontece. Pronto? Um.
Viu? Você ficou mole da cintura para baixo e não consegue sentir nada nas pernas. É porque o seu SNC não consegue achar onde elas estão. Ok, restaurando as conexões agora, não se preocupe. É por isso que o cérebro e a medula espinhal são naturalmente protegidos por ossos: o crânio e as vértebras. Dentro da coluna vertebral, há também o líquido cefalorraquidiano — uma substância fluida que protege os nervos, ajuda a conduzir melhor os sinais e elimina os resíduos.

Tudo bem, agora vamos dar uma olhada mais de perto em todo o restante dos nervos, começando pelos da ponta dos dedos. Tudo o que não é o SNC é chamado sistema nervoso periférico, ou SNP. Você poderia por gentileza acenar com a mão agora? Obrigado. Você conseguiu fazer isso pois seu cérebro enviou conscientemente vários milhões de sinais para os nervos periféricos do ombro, antebraço, punho e mão. Juntos, eles fizeram um esforço em comum para levantar o braço, fixá-lo em uma determinada posição e acenar com a mão de um lado para o outro. E o responsável por esse esforço é o seu sistema nervoso voluntário ou somático. Suas sobrancelhas levantando com esse fato também são controladas pelos mesmos nervos.

Você contou quantas respiradas deu enquanto ouvia minhas divagações? Ou quantas batidas seu coração deu? Não deveria: essas coisas são reguladas pelo seu sistema nervoso vegetativo ou involuntário. Seu SNC envia sinais para a periferia e diz ao seu coração para bater, para o seu sistema respiratório deixar o ar entrar e sair e até para o seu intestino digerir os alimentos que você come.

Agora expire todo o ar dos seus pulmões e prenda a respiração o máximo que puder. Tudo bem, isso levará algum tempo, então vamos rapidamente até o ponto em que você começa a querer respirar. Deixar o ar sair e prender a respiração são suas ações conscientes, então é você quem diz ao seu cérebro para enviar sinais para os órgãos respiratórios. Mas quando você começa a ficar sem oxigênio, aí já é o seu cérebro dizendo para você parar de brincar. Ah, estou vendo que você está ficando com o rosto meio azulado — já pode inspirar, por favor.
E agora farei algo pelo qual você terá que me perdoar. Ai! Desculpe, você deixou cair o telefone pois eu enviei um pequeno choque por ele. O ponto é que você inconscientemente deixou o telefone cair assim que sentiu a dor. Quando pedi para você se beliscar, você ativou seu sistema nervoso voluntário, de modo que esperava a dor e poderia continuar beliscando, se quisesse. Porém, como ocorreu um choque inesperado, seu sistema nervoso involuntário entrou em ação e fez com que você se afastasse da ameaça o mais rápido possível. Dito isto, seu instinto de autopreservação também é regulado pelos seus nervos. Seu corpo tentará se salvar do perigo, mesmo sem o seu consentimento.

Eii, o que é essa irritação? Aaffff, você precisa coçar agora! Ahh, obrigado. A coceira aparece quando há algo sobre ou embaixo da pele que não pertence a ela, como um inseto ou uma picada desses carinhas. Os nervos do local acendem como faróis e seu cérebro envia sinais para esse local. Mas quando você coça a irritação, sente duas coisas opostas ao mesmo tempo. Conscientemente, você sente alívio porque a coceira para. No nível inconsciente, porém, seu cérebro percebe o coçar como dor, desviando e mudando sua atenção da coceira para o arranhão. Basicamente, ao coçar, você faz seu cérebro acreditar que há coisas mais importantes a fazer do que prestar atenção na irritação.

Sou eu que estou achando ou está um pouco quente demais aqui? Sim, vejo gotas de suor na sua testa. Quando a temperatura externa aumenta, o seu SNC reage à mudança. Bilhões de sinais passam por todo o seu corpo. As glândulas sudoríparas os recebem em um piscar de olhos e começam a trabalhar loucamente. O suor aparece na pele, refrescando-a. Eu recomendo baixar um pouco a temperatura do ar condicionado, obrigado.

Ah, ótimo, agora você está tremendo. Seu cérebro está confuso, mas ainda está trabalhando rápido, reagindo à mudança das circunstâncias. Mais uma vez, ele envia bilhões de sinais para todos os neurônios em seus músculos, dizendo-lhes para começar a contrair o mais rápido possível. Ao fazer isso, eles criam atrito, e o atrito gera calor. A propósito, seu coração também bate mais rápido, bombeando sangue para seus membros para evitar que congelem. Tudo isso também faz você pensar que apertar o botão e aumentar a temperatura agora é a melhor ideia.

E por falar no tema do pensamento, os neurônios também são responsáveis por ele. Por exemplo, esta é sua primeira vez assistindo a este vídeo. Você não tem como saber o que vou fazer ou dizer a seguir. Talvez eu possa rolar. Ou simplesmente terminar o vídeo inteiro de repente. Agora, seu cérebro está criando as conexões neurais necessárias para você se lembrar do que está por vir. É por isso que você ainda está aqui comigo: você quer saber.
Mas assim que você assistir até o final, o interesse se acaba. Não importa o quão fascinante eu seja. Seu SNC criou conexões suficientes entre os neurônios e, se você recomeçar, eles dirão o que você deve esperar.
Ainda assim, os caminhos são muito básicos. Um exemplo simples: o que eu escrevi na quinta linha? Você não consegue se lembrar, pois suas conexões neurais ainda não são fortes o suficiente para fornecer esses detalhes. Porém, quanto mais vezes você ler, mais fortes e mais numerosas se tornam as conexões neurais. E, após várias tentativas, você poderá repetir o texto inteiro, palavra por palavra.

O mesmo acontece quando você aprende alguma nova habilidade, como andar de patins. No início, você não consegue mover nem mesmo um pé. Seu cérebro se depara com uma tarefa inusitada e está cheio de sinais que fica enviando para todos os lados. Você cai, mas depois se levanta e tenta mais uma vez. Desta vez, vários milhões de neurônios já estão conectados e seu SNC não perde tempo criando novas conexões. Você cai de novo. E de novo. E de novo. Mas toda vez que você se levanta e repete, seu cérebro se adapta cada vez mais, até que finalmente, na sua quinta, décima ou quinquagésima tentativa, você consegue andar. O cérebro captura o momento em que você para de cair e cria fortes conexões neurais para impedir que você repita seus erros anteriores. E em breve, com mais prática e conexões no seu SNC, você estará patinando como um profissional — e pensando em como conseguia ser tão desajeitado antes.

No entanto, a melhor coisa sobre essas conexões é que elas nunca desaparecem completamente. Mesmo que você tenha aprendido a andar de patins quando era criança e depois não tenha andado por dez anos [depois de dez anos], você levará apenas alguns minutos para se lembrar de como se fazia isso. Então, ei, se você tem medo de pegar aquela guitarra empoeirada pendurada na parede há anos, não tenha! Vá dedilhar as cordas, e tudo voltará para você em um instante!
Bem, talvez os calos não...

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados