Uma muralha gigante foi descoberta na borda do nosso universo

Curiosidades
há 6 meses

Você está viajando pelas profundezas do espaço sideral, circulando estrelas e galáxias inteiras. Uau, parece que esta nebulosa multicolorida logo entrará em colapso sob seu próprio peso e explodirá como uma supernova. Agora vamos circundar cuidadosamente este buraco negro. Tente não ser pego pelo campo gravitacional dele, ou ele vai engoli-lo como um monstro espacial. Hum, espere. O que é aquela estrutura estranha ali? É uma muralha brilhante! E se você olhar de perto, cada ponto brilhante é uma galáxia inteira. Esse paredão tem cerca de 100.000 dessas galáxias. A Via Láctea tem 100 bilhões de estrelas. Então esta muralha contém um quatrilhão (que é 10 seguido por 15 zeros) de estrelas como o nosso Sol.

Essa estrutura gigante é chamada de Muralha do Polo Sul e está localizada a cerca de 500 milhões de anos-luz da Terra. Em comparação, a estrela mais perto de nossa casa é Proxima Centauri, a aproximadamente 4,2 anos-luz de distância. Os foguetes podem percorrer essa distância em cerca de 73.000 anos. Portanto, a jornada para a Muralha do Polo Sul pode levar mais tempo do que o nosso sistema solar existe. E ela é simplesmente gigantesca, mesmo em escala cósmica. Possui cerca de 1,37 bilhão de anos-luz de comprimento. Para dar uma ideia disso, a largura da Via Láctea é de apenas 100.000 anos-luz. Mas você não consegue ver o paredão mesmo com o telescópio mais poderoso, porque a própria Via Láctea obstrui a visão. Ela é tão brilhante que esconde a região. É como tentar olhar para o céu estrelado de uma metrópole. A poluição luminosa não vai deixar.

Os cientistas conseguiram detectar esta muralha galáctica medindo o desvio para o vermelho. Sabemos que todos os objetos no universo estão se movendo. Eles se espalharam dos outros como resultado do Big Bang, que aconteceu há bilhões de anos. E quando as galáxias se movem, suas ondas de luz mudam ligeiramente. Ao medir essa alteração, podemos entender o que é o objeto e como ele se desloca. E essa muralha nem é a maior do nosso universo, e sim a Grande Hércules-Corona Boreal, uma superestrutura plana gigante com cerca de 10 bilhões de anos-luz de largura. Isso é cerca de 10% de todo o universo observável. Trata-se de um aglomerado de galáxias e conseguimos detectar essa estrutura gigante por rajadas de raios gama. É o evento eletromagnético mais brilhante do universo. Você pode até vê-lo nos confins dele.

Essas explosões são um evento muito raro. Na Via Láctea, por exemplo, isso acontece uma vez a cada poucos milhões de anos. Se notarmos muitas delas em um curto espaço de tempo no mesmo local, significa que existem muitos objetos como a Via Láctea lá. Então, há muitas galáxias por aí. Outra estrutura gigante incomum no universo é o Grande Grupo de Quasares, com cerca de 4 bilhões de anos-luz de diâmetro. Portanto, é preciso um fóton de luz de quase o mesmo tempo que nosso planeta existe apenas para ir de um lado da estrutura para o outro. E se você colocar o Grande Grupo de Quasares na escala, ele seria 6,1 bilhões de bilhões de vezes mais pesado que o nosso Sol. Os cientistas descobriram que existem pelo menos 73 deles nessa estrutura. Estes são alguns dos objetos mais incomuns do universo, são os núcleos ativos das galáxias. No centro de um quasar há um buraco negro supermassivo, um gigante devora a matéria ao seu redor.

Uma força bárbara de gravidade torce a matéria ao redor do buraco negro, formando um disco, que é a fonte da radiação mais forte que existe. Em comparação, a de um único quasar é dezenas ou centenas de vezes mais forte do que a de todas as estrelas da nossa galáxia juntas. Por causa de uma radiação tão forte, podemos detectar quasares mesmo a distâncias muito longas. É por isso que eles também são chamados de faróis do universo. E são usados pelos cientistas para estudar o universo e o movimento dentro dele. Um dos mais distantes de nós está a cerca de 13,1 bilhões de anos-luz de distância. Isso o torna um dos objetos mais antigos do universo. Ele surgiu cerca de 690 milhões de anos após o Big Bang e é quase 3 vezes mais velho que o nosso sistema solar.

Além disso, ainda tem um brilho extremo, cerca de 4 e 14 zeros vezes mais brilhante que o Sol. Os cientistas explicam que no centro do gigante fica um buraco negro supermassivo, oitocentos milhões de vezes mais pesado que o Sol. Todas essas estruturas gigantes são apenas blocos de construção do nosso universo. Veja, este é o nosso sistema solar. Agora, diminua um pouco o zoom. É aqui que nossa estrela natal fica na Via Láctea. Reduza novamente. Aqui está um grupo local de galáxias, assim como todos estes pontos brilhantes. Esta é Andrômeda, e esta é a Galáxia do Triângulo. E mais algumas dezenas de outras galáxias ligeiramente menores. Elas estão todas gravitacionalmente conectadas. O tamanho da estrutura é de cerca de 10 milhões de anos-luz. Isso é 100 vezes a largura da Via Láctea. Diminua o zoom, por favor. Este é o superaglomerado de Virgem, 20 vezes maior que o grupo local. Há cerca de 30.000 galáxias diferentes. E a massa da coisa toda é de cerca de 1 e 15 zeros de massas solares.

Reduza o zoom novamente! Laniakea. Essa estrutura é quase 3 vezes maior. Inclui o superaglomerado de Virgem e outros menores. São cerca de 100.000 galáxias aqui. Mas ainda não acabou. Diminua mais um pouco. Aqui está o complexo do superaglomerado Peixes-Baleia, uma estrutura galáctica gigante com aproximadamente 60 aglomerados de galáxias. Portanto, há mais delas nele do que grãos de areia no deserto. Você sabe o que fazer — menos zoom! Ufa, este é o universo observável. São mais de 500 bilhões de galáxias. E as estrelas... Bem, existem cerca de 1 bilhão de trilhões delas. O universo observável tem sua própria estrutura. Aglomerados de galáxias formam cadeias e muralhas, como você já viu. Mas esses fios são separados por imensas regiões de vazio absoluto, as áreas chamadas de vazios. Nesses lugares, não existe matéria alguma. Há menos moléculas neles do que em uma sala vazia.

Um desses vazios tem uma reputação muito mística. É o Supervazio de Eridano ou o Ponto Frio. Ele surgiu apenas 380.000 anos após o Big Bang. Tem quase 1 bilhão de anos-luz de largura e pode conter centenas ou milhares de galáxias com trilhões de estrelas. Alguns cientistas acreditam que pode ter sido o resultado da maior colisão de todos os tempos, envolvendo universos. Existe uma teoria de que o nosso é uma espécie de bolha. Uma enorme esfera que contém todas essas muralhas e cadeias de galáxias. Agora imagine que há um número infinito dessas bolhas. Podem ser mundos paralelos ou universos diferentes. Muitos anos atrás, uma delas chegou perto da bolha do nosso universo. As paredes se tocaram e os dois universos se conectaram por um tempo, como duas gotas de água se juntando. Mas o outro continuou se movendo.

A área onde as bolhas se uniram ficou cada vez mais fina até que essa conexão se rompeu e elas se separaram uma da outra. Neste ponto, o segundo universo arrancou parte do material da nossa bolha. Todas aquelas galáxias que costumavam preencher o Supervazio de Eridano acabaram em um universo paralelo. Os cientistas supuseram que poderíamos viajar através de outras bolhas. Voar até a suposta muralha do nosso universo levaria uma eternidade. E demoraria ainda mais para viajar pelo espaço interuniversal. Então temos que usar portais ou buracos de minhoca. Aqui está como funciona. Imagine um pedaço de papel com o ponto A de um lado e o B do outro. Em vez de percorrer toda a folha de papel, apenas a dobramos, de modo que o ponto A fique logo acima do B. Tudo o que resta é fazer um pequeno buraco, e a viagem leva apenas alguns instantes.

Alguns cientistas acreditam que esses atalhos pelos universos ficam dentro de buracos negros. Mas como sobreviver caindo em um deles? É preciso apenas escolher um que seja grande o suficiente. Tudo se resume à gravidade. Imagine que você está caindo em um buraco negro agora. Quanto mais perto chega dele, mais força ele exerce, e se intensifica a cada centímetro. Em um ponto, a força gravitacional que afeta sua cabeça é muito mais forte do que nos pés. Então você se transforma em espaguete. Hum! Mas se escolher um buraco negro supermassivo como os dos centros das galáxias, a força gravitacional aumenta gradualmente. Eles podem ser milhões de vezes mais pesados ​​que o Sol e muito maiores. Mas a força gravitacional na sua cabeça e em seus pés será quase igual, e você ainda se sentirá confortável. Quem sabe, talvez, se conseguir sobreviver a uma queda em um buraco negro tão grande, você se encontre em um universo completamente diferente, onde diferentes leis da física se aplicam. Mas até agora, isso é apenas uma teoria.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados