Por que o mar profundo gera gigantes

Animais
há 6 meses

A maior parte do oceano ainda está envolta em mistério, quer estejamos falando de cantos escuros ou de criaturas que se escondem nas profundezas. Mas, às vezes, ele nos dá um vislumbre das coisas assustadoras que esconde em suas profundezas gélidas e escuras. Por exemplo, quando ouvimos no noticiário que algumas criaturas das profundezas do mar apareceram na costa após uma forte tempestade mais uma vez. Algumas parecem simplesmente estranhas, enquanto outras são verdadeiros monstros que vivem em profundidades de mais de 1.000 metros.

As partes mais frias e profundas do oceano deram origem a um fenômeno específico chamado gigantismo. Assim, aranhas-do-mar, lulas, vermes e muitos outros animais — a maioria invertebrados — são todos muito maiores e mais assustadores do que as versões que vemos nas áreas mais rasas. Nas profundezas do Pacífico, é possível ver uma esponja do mar tão grande quanto uma minivan. Ou o que dizer da lula colossal que vive em águas subantárticas e é quase 14 vezes maior do que a lula flecha, um tipo que vive principalmente na Nova Zelândia.

Os pesquisadores encontraram muitos desses monstros subaquáticos na zona abissal do oceano, entre 4.000 e 6000 metros. Em 2021, pesquisadores mostraram imagens da água-viva fantasma gigante. Ela estava a uma profundidade de quase mil metros. Seus tentáculos tinham 10 metros de comprimento. Uau, eu não gostaria de dar de cara com essa criatura na praia. Ela provavelmente se alimenta apenas de pequenos peixes e plâncton. Mas pode nadar a profundidades de mais de 6.000 metros. E lá embaixo, essa medusa gigante não tem alimento suficiente. Então, como ela sobrevive? Os cientistas ainda não descobriram.

E há ainda mais perguntas relacionadas à lula gigante, a maior já encontrada. Esse monstro tem 13 metros de comprimento e pesa quase uma tonelada. Imagine se esses tentáculos agarrassem seu carro ou algo do gênero: eles o esmagariam como se fosse um brinquedo!
Não há luz na zona abissal. Os raios solares simplesmente não conseguem penetrar tão fundo. Portanto, não há algas ou plantas subaquáticas lá. Os animais locais se alimentam principalmente de neve marinha.
A neve marinha não é como a comum com a qual você constrói um boneco de neve. Ela consiste em pequenos flocos ou restos que caem da superfície do oceano, talvez até mesmo alguns restos que os animais lá em cima não conseguiram comer. Portanto, não é muito. Mas, aparentemente, é suficiente para criaturas muito grandes que se escondem lá no fundo, como as lulas gigantes.

As lulas que geralmente vivem em tais profundidades não se preocupam em ir atrás de suas presas. Elas simplesmente esperam até que o pobre animal nade até seus longos tentáculos e caia em uma armadilha. Esse pode não ser o melhor método, pois poucos animais nadam até essas partes escuras e frias. Mas é o método que economiza energia. Uma lula gigante come apenas 30 gramas de peixe por dia, o que equivale a aproximadamente 45 calorias. Isso é quase 50 vezes menos calorias do que uma pessoa comum deveria ingerir por dia. Portanto, quando uma lula consegue um peixe, ela o metaboliza por alguns dias.
Espero que as lulas gigantes não tenham a ideia de ir para a superfície em busca de alimento quando não houver alimento suficiente na zona abissal.

E espero ainda mais que tubarões gigantes da Groenlândia não tenham essa mesma ideia. Eles podem ser encontrados em profundidades de até 2.200 metros. Eles são duas vezes mais lentos do que nós normalmente andamos — eles nadam a uma velocidade de 1,2 quilometro por hora. Sua lentidão faz parte do mecanismo de economia de energia que as criaturas lá embaixo precisam para sobreviver. Mas eles podem acelerar na forma de curtas explosões quando precisam capturar uma presa. Mas eles meio que mudaram sua dieta de predador para necrófago, considerando seu ambiente — haverá mais restos caindo da superfície do que animais para perseguir.
Os tubarões da Groenlândia crescem apenas 1 centímetro por ano. E eles têm, em média, 6 metros de comprimento, o que significa que vivem por muito tempo, às vezes até 400 anos. Eles também têm um metabolismo lento — e esse é um dos principais fatores de sua longevidade.
Os tubarões da Groenlândia gostam de passar seu tempo em águas frias. Eles estão adaptados a isso, pois seus tecidos têm compostos químicos específicos que impedem a formação de cristais de gelo em todo o corpo. Isso significa que eles têm uma espécie de anticongelante natural.

Então, o que os torna tão grandes? Os cientistas ainda não têm certeza, mas algumas teorias tentam explicar isso. Existe uma coisa chamada Regra de Kleiber, que diz que animais maiores tendem a ser mais eficientes. Basta pegar um peixe pequeno e compará-lo a uma baleia, com uma massa centenas de vezes maior. A baleia tem um metabolismo maior. Ela conserva a energia de forma mais eficiente e perde menos energia para o ambiente por meio do calor.
Continuando — animais maiores podem ingerir presas maiores. Eles têm maior probabilidade de passar por problemas difíceis em seu ambiente ou de se defender de predadores que os perseguem. Além disso, o corpo fica maior quando as temperaturas são mais baixas. O tubarão-da-Groenlândia é um exemplo perfeito, assim como as aranhas-marinhas gigantes.

As aranhas-do-mar são geralmente comuns, e você encontra algumas muito pequenas, com 1 milímetro. Mas nas partes mais profundas da Antártida, elas se tornam gigantes de 1 metro de comprimento. Elas crescem tanto porque a água fria tem mais oxigênio. Dessa forma, mais oxigênio se difunde no corpo do animal, o que permite que ele cresça — sim, tanto como criatura quanto como pesadelo.

E quanto a esse verme tubular gigante? Os pesquisadores o encontraram acidentalmente enquanto exploravam os mistérios do fundo do Oceano Pacífico. Eles se depararam com fontes hidrotermais incomuns. O calor vulcânico é um fator que as faz funcionar — à medida que a água se infiltra através de falhas ou rachaduras na rocha, esses respiradouros mudam de direção. Quando a água sai do respiradouro, ela é rica em diferentes minerais e produtos químicos. A maioria dos animais não sobreviveria ao contato com essa sopa tóxica de produtos químicos, mas não esses vermes tubulares.
Eles foram uma verdadeira surpresa, pois não só não são incomodados por esses respiradouros tóxicos e pela temperatura quase fervente da água, como também desenvolveram ecossistemas inteiros no local. Eles são únicos porque não precisam de luz solar para sobreviver. Em vez disso, pequenas bactérias são sua principal fonte de energia.
Essas bactérias obtêm sua energia diretamente desses produtos químicos tóxicos. Portanto, não se trata de fotossíntese, mas de um processo chamado quimiossíntese. E esses vermes tubulares não têm boca — essas bactérias vivem dentro deles. História estranha, não é? Além disso, esses vermes assustadores atingem até 2 metros de altura.

Os isópodes gigantes também não são melhores. Eles se escondem nas profundezas do oceano, a 500 metros ou mais abaixo, longe da luz solar, parecendo um bicho-pau monstruoso. Eles passam a maior parte do tempo no fundo do mar, na esperança de encontrar algum alimento que caia dos níveis mais altos do oceano.
Observe suas pequenas garras em forma de gancho nas extremidades das pernas. Os isópodes as utilizam para se manterem mais estáveis enquanto se movimentam no fundo do oceano.
Como não há luz, eles têm antenas longas que os ajudam a se orientar. Essas antenas sensoriais têm cerca de metade do comprimento de seu corpo. Os isópodes gigantes também têm olhos bem grandes em comparação com o tamanho de seu corpo. Eles podem ter mais de 30 centímetros da cabeça à cauda. E esses caras são muito pacientes. Lembra que dissemos que os animais lá embaixo raramente conseguem comida? Às vezes, eles precisam esperar anos para ter uma refeição adequada. É por isso que seu metabolismo é incrivelmente lento — eles podem passar cinco anos sem comer nada. Imagine isso. Fico com fome só de falar.

Em 2006, um biólogo fez uma pesquisa para comparar as diferenças entre as regiões rasas e profundas do mar. Ele percebeu que o fundo do mar reflete a “regra da ilha”. Primeiro, partes isoladas da terra desenvolvem uma biodiversidade que você não encontrará em nenhum outro lugar. Em segundo lugar, a vida de pequenos organismos cresce muito mais quando está isolada em comparação com a vida em grandes massas de terra. Os recursos são limitados, mas também a concorrência e os predadores. E não sabemos muito sobre essas criaturas do fundo do mar. É muito caro e complicado realizar esse tipo de pesquisa, então vamos esperar que mais tempestades furiosas nos mostrem pelo menos parte do mundo monstruoso que as profundezas frias do oceano escondem.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados