E se todos os planetas fossem do tamanho da Terra

Curiosidades
há 7 meses

Você já se perguntou como seria se cada planeta em nosso sistema solar tivesse o tamanho da Terra?
Bem, está na hora de mergulhar neste cenário de fundir a cuca!

Imaginemos como seria cada planeta se fosse tão grande quanto nosso amado planeta azul.
Será que a paisagem árida e vermelha de Marte se tornaria de repente um oásis verde exuberante? Será que o gigante de gás Júpiter desapareceria? E como isso afetaria nosso sistema solar como um todo — estaríamos todos nós condenados? Apertem os cintos e vamos descobrir!

O primeiro planeta em nossa lista é Mercúrio. O menor do nosso sistema solar.

Mas agora, esqueça o Mercúrio com tamanho tipo lua. Ao invés disso, imagine-se na superfície de um inferno superdinâmico e incandescente. Há muitas crateras e vulcões ativos ao seu redor. E bem na sua frente está um enorme e cegante Sol brilhante. Que pesadelo!

Mas vamos esmiuçar essas mudanças. Bem, junto com o tamanho de Mercúrio, tanto sua massa quanto sua gravidade aumentariam. Nesse caso, é possível que Mercúrio tivesse mais atmosfera.

As temperaturas lá são extremas. Não só porque está muito perto do Sol, mas também por causa de sua atmosfera muito fina. Assim, durante o dia, as temperaturas chegam a 430 °C. E à noite fica terrivelmente frio, chegando a −180 °C. Mas agora, quando a gravidade é mais forte, Mercúrio poderia ter uma atmosfera mais densa. Assim, o calor seria melhor distribuído em todo o planeta.

E a atmosfera não é a única coisa que poderia torná-lo mais quente. Se Mercúrio se tornasse maior, provavelmente experimentaria um aumento do aquecimento interno devido à compressão gravitacional. E, hipoteticamente, sua atividade tectônica poderia aumentar. Em outras palavras, paisagens mais interessantes, mais montanhas... e vulcões ativos mais assustadores!

Parabéns! Você transformou Mercúrio em Vênus 2.0. Para nós, todas estas mudanças não seriam muito agradáveis e seria muito mais difícil enviar nossas naves espaciais para lá. Portanto, é melhor para Mercúrio ficar como está: pequeno, calmo e entediante.

Basicamente, o oposto completo do nosso próximo planeta, Vênus.
Então, o que aconteceria a Vênus se ele fosse do tamanho da Terra? Na verdade... nada! Não mudaria em nada. Tudo porque Vênus já é quase do tamanho da Terra. É até chamado de “o gêmeo da Terra”. Embora “gêmeo” seja uma palavra grande, é claro... Na realidade, não poderíamos ser mais diferentes.

Vênus é frequentemente chamado de “Estrela da Manhã” por ser tão brilhante e visível no céu. Mas não se deixe enganar por sua beleza! Este planeta é um dos lugares mais inóspitos do nosso sistema solar. Sua superfície é mais quente que uma pizza recém-cozida (cerca de 500 °C!), e ele está coberto de nuvens grossas de ácido sulfúrico que dissolveriam qualquer humano que tentasse visitá-lo. Portanto, infelizmente, você não estará planejando nenhuma viagem para lá tão cedo.

Agora, vamos passar para um planeta que, ao contrário de Vênus, pode potencialmente se tornar um novo lar para nós: Marte. Imagine-se de pé na superfície marciana, observando o pôr-do-sol azul e respirando uma brisa refrescante. Sim, você leu isso direito — ar! Além disso, você poderia estar rodeado de plantas, animais e basicamente se sentir como se estivesse na Terra! Mas como isso é possível?

Marte maior teria um campo magnético e uma gravidade mais fortes. Isto levaria a uma atmosfera mais rica e mais densa. Teria provavelmente uma gama mais ampla de gases, incluindo oxigênio! Isso não seria legal? Além disso, uma atmosfera mais densa poderia distribuir calor por todo o planeta. Assim, Marte poderia se tornar muito mais quente e aconchegante.

E aí vem a mudança mais importante: água líquida! Na verdade, Marte tem água congelada em seus polos e em reservatórios subsuperficiais. Mas, com uma atração gravitacional mais forte, pode potencialmente estabilizar água líquida em sua superfície. Viva!

No entanto, nem tudo são flores. O novo Marte também teria uma personalidade vulcânica. Já está geologicamente ativo, mas agora, seu calor e pressão internos disparariam. Isso significa erupções vulcânicas mais frequentes e mais fortes. Imagine como seria emocionante presenciar tais erupções em outro planeta! Se você conseguir escapar das consequências.

Em geral, o planeta poderia se tornar mais verde e mais luxuoso, mas não mais seguro! Embora ainda seria lindo vê-lo.

Mas é hora de passar para os gigantes do nosso sistema solar. E se antes estávamos ampliando os planetas... agora é hora de apertá-los com muita, MUITA força. Se Júpiter se tornasse 11 vezes menor... Cara, que desastre isso seria.

A primeira coisa que notaríamos seria uma mudança na gravidade. E eu digo “nós notaríamos” porque agora não teríamos outra escolha a não ser mudar para algum lugar! Júpiter experimenta de 30 a 100 colisões com grandes asteroides por ano. Tudo por causa de sua gravidade mais forte, que os atrai todos e nos protege. Mas agora nosso grande irmão protetor se transformou em um bebê pequeno. Diga “oi” a um bando de asteroides!

Ah, e diga “adeus” a Júpiter. Este planeta é conhecido por sua atmosfera espessa e cheia de redemoinhos. Mas com uma atração gravitacional mais fraca, Júpiter provavelmente teria dificuldade para se agarrar a ela. Assim, com o tempo, ela escaparia lentamente para o espaço, deixando para trás uma atmosfera fina composta principalmente de nitrogênio e oxigênio.

Também teríamos que nos despedir da aparência icônica de outro gigante: Saturno. A diferença mais perceptível seria o desaparecimento de seus famosos anéis. Composto de pequenas partículas de gelo e rocha, os anéis são uma característica única de Saturno. Mas com a gravidade da Terra, eles ou cairiam no planeta ou se espalhariam pelo espaço. Que chatice, não?

Saturno também é um gigante do gás, assim como Júpiter. Sua atmosfera é composta principalmente de hidrogênio e hélio. Mas se fosse do tamanho da Terra, seus gases seriam comprimidos devido ao aumento da gravidade, o que o tornaria muito mais denso.

Isso significa que o tamanho e a forma geral de Saturno mudariam. Teoricamente, se apertarmos duramente Saturno, ele pode potencialmente se tornar uma anã marrom. É um tipo de “estrela fracassada” que não tem a massa necessária para sustentar a fusão nuclear, mas que emite calor e luz. Então Saturno poderia deixar de ser um planeta por completo!

O clima também teria provavelmente mudado. Todas as suas tempestades loucas, como a famosa tempestade hexagonal em seu polo norte, se tornariam mais calmas e enfraqueceriam.

O próximo gigante é Urano. Vamos tentar comprimir este pobre sujeito. Em primeiro lugar, a gravidade superficial em Urano seria muito mais fraca do que é agora. Sua atmosfera também poderia mudar. Se Urano fosse menor, poderia ter uma atmosfera mais fina e gases diferentes ao mesmo tempo.

Este planeta é bastante frio, com uma temperatura média de −200 °C. Mas se fosse do tamanho da Terra, ele poderia realmente aquecer um pouco devido à sua reduzida relação volume/área superficial. Mas não fique muito animado. Ainda seria muito mais frio do que os pontos mais frios da Terra.

Como você pode ver, os gigantes de gás não passam facilmente por todo este encolhimento. Exceto, talvez, um deles...

Surpreendentemente, o pequeno Netuno se tornaria muito mais amigável! Para começar, provavelmente se tornaria um planeta rochoso com uma atmosfera minúscula. Isso significa não mais um gigante do gás, mas sim um planeta que é mais fácil para os humanos e as criaturas humanas viverem e se moverem.

E por falar em movimento... Devido ao tamanho menor, a gravidade neste novo Netuno seria quase igual à da Terra — tornando muito mais fácil andar e pular por lá. Chega de flutuar para o espaço!

Bem, a atmosfera do Netuno original é tão espessa que você mal pode ver sua mão na frente do seu rosto. E a pressão superficial é cerca de 100 vezes superior à da atmosfera da Terra. Mas nosso novo Netuno seria muito diferente, com uma atmosfera muito mais fina e menos densa. Teria ainda algum metano, água e amônia dentro, mas não tanto quanto antes.

Finalmente, a temperatura. Brrr, o atual Netuno está congelando com uma temperatura média de cerca de −220 °C. Mas se fosse do mesmo tamanho da Terra, provavelmente seria muito mais quente, assim como Urano. Ah, assim é melhor!

E é isso que temos por hoje para mudanças nos planetas. Mas o que aconteceria com todo o sistema solar se tornássemos todos os planetas tão pequenos? É difícil prever, mas é claro que sua gravidade e órbitas poderiam mudar muito. É improvável que algum deles saísse voando pelo espaço, ou que se chocassem uns com os outros ou algo parecido... Mas muitas de suas órbitas provavelmente se tornariam bastante instáveis. E o número de colisões com asteroides aumentaria significativamente.

Naturalmente, tudo isso é pura especulação. Não é como se pudéssemos realmente testar tudo isso. Mas ainda é uma experiência de pensamento bastante interessante! E faz com que apreciemos como nosso sistema solar é realmente único e especial do jeitinho que é.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados