Conheça a jovem de 25 anos que largou tudo para adotar 32 crianças em Uganda

Gente
há 1 mês

Você largaria tudo para viver em outro continente e cuidar de 32 crianças que não são suas? Parece loucura, mas foi exatamente o que fez María Galán, uma jovem espanhola que se mudou para Uganda e se tornou mãe adotiva de uma turma de órfãos. Neste artigo, você vai conhecer a sua história incrível e os projetos sociais que ela lidera na África.

A aventura de María Galán

Você já imaginou deixar tudo para trás e se mudar para um país distante, com uma cultura e um idioma diferentes, para cuidar de dezenas de crianças órfãs? Essa é a história de María Galán, uma espanhola de 25 anos que vive em Uganda e é mãe adotiva de 32 crianças. Ela também dirige uma ONG que ajuda a comunidade local com educação, saúde e inserção laboral.

Como tudo começou

María nasceu na Espanha e estudou Economia e Comércio Internacional. Sua mãe, Montse, na foto acima, sempre teve interesse pela infância desamparada e a incentivou a viajar para Uganda, com a intenção de ajudar em um orfanato. Era para ser uma viagem de apenas três meses, mas o destino tinha outros planos.

“Quando chegou o ano de 2020, me fechei aqui com os pequeninos porque fecharam o aeroporto. E aí já foi o ponto de inflexão, não queria seguir com a minha vida e todas as minhas comodidades enquanto houvesse gente vivendo nessas condições”, conta María.

Ela descobriu que o orfanato onde estava, chamado Babies Home, ia fechar por falta de recursos. Ela não podia acreditar e quis fazer algo. Foi assim que ela se tornou a responsável pelas 32 crianças abandonadas. “São minha razão de ser, minha felicidade e meu maior presente na vida”, diz ela.

Uma família numerosa

María não está sozinha nessa missão. Ela conta com a ajuda de Maribel, outra voluntária que trabalha em Uganda, e de sua mãe, Montse, que coordena a ONG Babies Uganda na Espanha. Juntas, elas conseguiram construir uma casa para os pequenos, em um terreno doado por Toni, um trabalhador social local. Rados, o companheiro de María, também ama as crianças e o projeto, mas, por enquanto, ainda vive na Espanha, onde trabalha em uma empresa familiar.

“Em primeiro lugar, temos muita ajuda. Em casa temos seis tias (cuidadoras) contratadas e elas nos ajudam com todas as tarefas domésticas e também com o cuidado das crianças e muito com Mickel e Vincent, dois pequeninos com paralisia cerebral que precisam de mais atenção, ir à fisio todos os dias... Também meu parceiro vem a metade do ano e me ajuda muito.”, explica María.

Ela vive com os 32 filhos, que têm entre um ano e meio e 16 anos, em Kikaya, um povoado próximo a Kampala, a capital de Uganda. Ela se comunica com eles em inglês e luganda, o idioma local. Ela sabe o nome de todos, seus gostos, seus sonhos. Eles a chamam de mamá ou amagalan, uma junção das iniciais de Auntie (tia), María e Galán.

Mais do que um lar

Mas María não se contenta em apenas dar um teto, comida, roupa e carinho para os seus filhos. Ela também se preocupa com o seu futuro e o da comunidade onde vive. Por isso, ela participa de vários projetos sociais, que fazem parte da ONG Babies Uganda.

Um deles é a Kikaya School, uma escola de ensino infantil e primário, onde estudam mais de 650 crianças, sendo que 200 delas dormem no local. Outro é a Cevic School, uma escola para crianças cegas, que oferece educação adaptada e inclusiva. Há também o Centro Médico Chloe, que proporciona tratamento e assistência gratuita à população da zona.

Além disso, María criou um programa de inserção laboral, que visa preparar os jovens para o mercado de trabalho. “Espero que os meus pequeninos cresçam e sejam independentes. Não basta cuidar deles. Eles devem estar prontos para entrar na sociedade”, afirma.

Una reina de África

María reconhece que não é fácil viver em Uganda, um país bastante machista, onde as mulheres têm pouca voz e vez. Ela teve que ganhar a confiança e o respeito das pessoas, mostrando seu compromisso firme com a sociedade. Ela também teve que se adaptar a uma realidade muito diferente da que estava acostumada.

“Eu aprendi muito aqui, sobre a vida, sobre o amor, sobre a felicidade. Eu aprendi a valorizar o que realmente importa, que são as pessoas, e não as coisas materiais. Eu aprendi a ser mais humilde, mais agradecida, mais generosa. Eu aprendi a ser mãe”, diz ela.

María é “una reina de África”, ou seja, uma rainha da África, mas não por ter uma coroa ou um trono. Ela é uma reina porque tem um coração enorme, que abriga 32 crianças que a amam incondicionalmente. Ela é uma rainha porque faz a diferença na vida de muitas pessoas, que a admiram e a respeitam. E porque tem uma frase que usa como lema: “cada sorriso conta”.

Adotar é um ato de amor, não importa quantas crianças você adote. Ou mesmo a idade de quem você adota. Em São Paulo, por exemplo, uma mulher de 27 anos adotou uma idosa de mais de 60, por um motivo muito nobre.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados