10 Histórias sobre relacionamentos tóxicos que duraram muito tempo

Psicologia
há 5 anos

Os psicólogos de todo o mundo refletem sobre por que algumas pessoas lutam por continuar em uma relação em que não são felizes. Talvez a maioria dos casais não se separe por causa dos filhos ou dos bens materiais; não querem prejudicar os filhos nem perder a estabilidade financeira. Mas também existem outras razões, como o medo da solidão ou mudança.

Para entender o que se passa com vários casais que mantêm relações tóxicas, perguntamos a homens e mulheres por que ficaram nessa situação e não saíram dela enquanto era tempo. O Incrível.club entrevistou pessoas que mantiveram relações conturbadas e compartilha com você suas impressionantes histórias.

A seguir, você poderá ler esses relatos e compreender um pouco sobre suas motivações.

Meus pais se separaram quando eu tinha 5 anos. Minha mãe, praticamente no dia seguinte ao divórcio, começou a procurar desesperadamente outro marido porque foi educada sob o sistema de “uma mulher solteira não presta”. O mesmo aconteceu comigo, porque eu praticamente me preparei para ser uma “dama ideal”, pronta para servir ao marido. Minha mãe me ensinou a cozinhar, a costurar, limpar a casa e, aos 10 anos, deixou no meu quarto um livro sobre como os bebês surgem.

Casei aos 20 anos com o filho de uma amiga da minha mãe. No primeiro mês de casamento, ele passou a dizer que precisava pescar, enquanto eu deveria ficar em casa. Eu fazia tudo o que ele pedia para comer e me arrumava o tempo todo. Durante vários anos ele ia regularmente “pescar”, enquanto eu cozinhava suas comidas preferidas, e sempre tentava estar bem arrumada para ele. Tudo para não ser a “solteirona fracassada”, como minha mãe diria. O resultado: ele me deixou e casou com uma mulher mais nova que pesca, faz trilhas e visivelmente não se maquia...

M. 28 anos

Era meu segundo casamento, e o primeiro não havia terminado muito bem: com meu ex-marido dividi praticamente tudo, até mesmo aquilo que teria direito a levar inteiramente. Mas antes divórcio, eu não previa problemas. Meu primeiro marido era um homem coerente e generoso, e sequer poderia imaginar que terminaríamos. Aparentemente, em algum lugar das profundezas da minha alma, temia que se repetisse essa situação que me havia custado muito sono. Portanto, não me atrevi a romper a relação obsoleta do meu segundo casamento. Como terminou? Ele conheceu outra e foi embora, dizendo que já estava há muito tempo sem ter por mim nenhum sentimento que não fosse o da amizade. Não dividimos nada.

M., 36 anos

Vivia com minha esposa por pena. Era uma pessoa muito boa, muito amável. Ajudava ONGs. Nunca disse qualquer coisa negativa a ninguém. Eu sentia que, literalmente, cometeria um crime se eu a abandonasse, e que ela poderia viver sem mim e sofreria muito com isso, por ser tão doce. No fim, ela também vivia comigo por pena, pensando que eu ficaria completamente indefeso com os problemas da vida. Ela conheceu um cara que também era voluntário em um desses orfanatos que frequentava, mas não me deixou até que ele insistiu para que ela contasse tudo para mim. Agora, sou amigo dos 2 e padrinho do filho deles.

E., 30 anos

Fiquei solteira durante muito tempo, e nenhuma das minhas relações durou mais de 2 meses. Casei recentemente com 30 anos, e só fiz isso porque tinha medo de ficar sozinha para toda a vida e, ele, aparentemente, buscava uma dona de casa que substituísse sua recém-falecida mãe. Nós sequer fizemos um casamento, apenas fomos a um registro civil e assinamos os documentos.

Um mês depois eu fiquei grávida. Foi uma etapa muito difícil. A criança não nasceu muito saudável, meu marido não dava qualquer atenção, e eu não me atrevi a me divorciar pelo mesmo temor de ficar sozinha. Dois anos mais tarde, quando a saúde do meu filho melhorou, decidi acabar com aquela situação e me mudei para a casa dos meus pais. Logo, pedi divórcio. O mais engraçado é que ele não fazia nem ideia dos meus motivos...

S., 35 anos

Sabe quando a gente se apaixona também pela família de alguém? Foi praticamente o que aconteceu comigo. Há pouco tempo eu me mudei para outra cidade e conheci um rapaz muito querido, super inteligente e tranquilo. Saímos durante um mês e ele me convidou então para ir a uma festa na casa de sua família. Eram as pessoas mais alegres e agradáveis do mundo! Imediatamente fiquei amiga da irmã dele.

Depois de um mês, fomos morar juntos. Na verdade, ele não sabia fazer nada sozinho em casa e todas as decisões eram tomadas com uma consulta prévia à mãe. Vivi com ele durante um ano, mas não consegui suportar mais e decidi ir embora. A irmã acabou ficando do meu lado o tempo todo. Agora, ao pensar por que eu não havia ido antes, chego à conclusão de que simplesmente eu tinha medo de perder os únicos amigos próximos que tinha nessa cidade, sua família.

O., 25 anos

Esta não é minha história, mas sim da minha mãe. Nosso pai não era, sendo bem generosa na minha colocação, a melhor pessoa do mundo. Não, ele não batia na minha mãe, nem a insultava, não bebia nem fumava. Mas era um tanto folgado. Ao longo da vida ele trabalhou, quando muito, por uns 2 anos. O resto do tempo ele passava em um sofá com um livro, sem interagir com as pessoas ao redor.

Tenho um irmão e uma irmã, portanto, minha mãe era responsável por 3 filhos (4, contando com meu pai, que não fazia nada para ajudar em casa). Quando cresci e meu pai morreu, perguntei para minha mãe por que ela não havia se separado dele. Ela respondeu que vivia com ele para o bem dos filhos, para não deixá-los sem um pai, e que ele “não bebia nem batia nela”. Eu não quis dizer nada para não magoá-la, mas o fato é que nunca tivemos um pai, exatamente...

P., 24 anos.

Provavelmente soe estranho, mas eu não me separava da minha esposa por um sentimento de possessividade. Ela não era muito culta, mas era muito linda. Não parecia se interessar por livros ou filmes muito complexos, e preferia apenas ouvir música quando estava arrumando a casa. Mas fazia absolutamente qualquer coisa por mim. Uma das coisas que eu mais amava era quando nós saíamos juntos e os outros homens viravam o pescoço para olhá-la, de tão linda que era.

Eu percebi que não amava minha esposa assim que nos casamos, mas a ideia de que essa beleza toda terminasse nas mãos de outra pessoa me deixava louco. Três anos depois do casamento, conheci uma mulher nem tão linda quanto a minha esposa, mas incrivelmente interessante, e me separei da minha esposa. Devo admitir que ela aceitou tudo tranquilamente. Honestamente, eu acho que nunca percebeu realmente o que se passava. No fim, foi bom para ela também, pois eu só estava com ela por vaidade.

I., 41 anos

Já se passaram 10 anos desde que rompi com meu namorado depois de 5 anos de uma relação infeliz. Na verdade, quem incentivou que morássemos juntos foram nossos pais e, como éramos muito infantis, concordamos. Compraram para nós um apartamento e passamos a morar nele. Um ano depois tivemos um filho embora fôssemos um tanto imaturos.

Não que eu fosse infeliz, mas feliz eu também não era. Com ele certamente acontecia a mesma coisa. Às vezes eu dizia para a minha mãe que queria viver sem marido, mas ela me respondia apenas que antes eu deveria buscar um emprego, e sempre ameaçava parar de me ajudar com dinheiro. Nos divorciamos quando meu esposo reencontrou sua ex-colega de aula, o grande amor da juventude dele. Ele foi embora e deixou que eu ficasse com tudo até mesmo com o apartamento.

E., 39 anos

Quando nos casamos, eu era extremamente apaixonada. Vivemos durante 5 anos em perfeita harmonia. Tivemos 2 filhos, todos éramos felizes. Mas em um determinado momento, ela mudou: ficou irritável, estava constantemente de mal humor. Tentei averiguar o que acontecia porque meus sentimentos por ela não haviam mudado, mas quanto mais perguntava, mais ela se distanciava.

Um dia, finalmente, ela se deu por vencida e disse que havia conhecido um homem no trabalho e que teve uma aventura amorosa com ele. Conversamos e ela prometeu que terminaria tudo com ele, e eu a perdoei porque a amava muito. Minha esposa rompeu com o cara, mas eu não conseguia esquecer a traição, e isso me impediu de seguir vivendo tranquilamente porque já não havia mais confiança. Como resultado, um ano depois pedi divórcio, mesmo que meus sentimentos por ela fossem os mesmos de antes.

S., 39 anos

Minha infância não foi fácil. Eu não passava fome ou era muito pobre, mas não gosto de lembrar desse período. Não tinha pai e minha mãe trabalhava em 3 lugares para nos sustentar. Por isso, raramente aparecia em casa. Fui criada pela minha avó, uma mulher muito séria que, às vezes, era até um pouco má. Ela não me batia, mas me humilhava o tempo todo. Dizia que eu era estúpida, feia e que nunca me casaria porque ninguém iria querer uma pessoa como eu.

Casei aos 18 anos com um rapaz que corria atrás de mim desde o primeiro ano do ensino médio, e que me propôs casamento no dia da festa de formatura da escola. Eu não sentia nada por ele, mas vivemos tranquila e pacificamente durante 5 anos, até que conheci um homem por quem me apaixonei de verdade.

A., 28 anos

Comentários

Receber notificações

No fim, não vale a pena esperar pra ver. O negócio é vazar antes que as coisas piorem... Experiência própria :/

-
-
Resposta

Caraca!
A verdade é que a gente tem que cortar o mal pela raiz...

-
-
Resposta

Artigos relacionados