Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

20+ Situações capazes de mostrar que os animais de estimação podem ser mais inteligentes que nós

2--1
11k

Não importa o quão astutos, arrogantes ou maliciosos sejam nossos animais de estimação, nós continuamos amando-os, valorizando-os e cuidando deles. Eles entendem tudo e se aproveitam da nossa bondade o quanto querem. E, nestes casos, é só elogiar a inteligência e a perspicácia deles.

Os leitores do Incrível.club compartilharam suas histórias, que provam que alguns animais de estimação não só podem competir com seus donos em habilidades intelectuais, mas até mesmo superá-los em algumas situações.

  • O meu gato siberiano é muito inteligente. Ele entende tanto palavras quanto frases curtas. Quando passeamos pelo vilarejo, surpreendemos e encantamos todos os nossos vizinhos. Ele entende as frases “fique perto”, “não vá para lá”, “olha o carro” e “vamos para casa”, entre outras. Mas o que é o mais espantoso é que o Búnia também entende frases longas e seus significados. Às vezes, fica com preguiça de sair de casa e dá voltas perto da tigela. Eu falo: “Vamos dar um passeio primeiro, e depois comer?” E o que vocês acham que ele faz? O gato vai se arrastando para a porta da frente! © realvjuen
  • O nosso gato gosta muito de brincar com meus elásticos para cabelo, porque são bonitos. Um dia, voltei do trabalho e não consegui encontrar nenhum, então repreendi o bichano, dizendo: “Você não pode fazer isso! Agora não tenho nada para prender meu cabelo”. Ele olhou para mim, mas não reagiu. De manhã, encontrei três elásticos perto da minha cama, e agradeci o bichinho. Mas quando voltei do trabalho, ele trouxe o meu elástico favorito, de veludo, e sentou-se feliz ao lado. © elenika.neberikutina
  • Eu tinha um cão chamado Julbars, que era muito gentil. Frequentemente, as nossas galinhas comiam as sobras de comida da tigela dele. Quando o Julbars ficava totalmente farto delas, ele as cobria com sua grande pata e nos chamava para ir buscá-las, porque estavam importunando-o. © Baksha Dbk

  • Uma vez, o nosso gato simulou uma doença, por muito tempo. No início, a pata dele doía, de verdade. Você não imagina o quanto cuidamos dele! Servíamos a comida na cama, levávamos o bichinho no colo para o banheiro, mas ele continuava arrastando a pata. Depois, eu disse para o veterinário que o tratamento não ajudou. A “doença” do nosso gato foi rapidamente descoberta pelo médico. © Natália Shipilova

  • Eu tinha dois schnauzers que faziam muitas coisas dignas de um livro. Geralmente, quando íamos para o mar pela baía, encontrávamos muitas pessoas no caminho. Quando estava quente, um dos nossos cachorros encontrava a maior mulher possível e andava na sombra dela. Todos atrás de nós davam risada. Teve uma outra vez em que o segundo cachorro trouxe os sapatos para uma convidada, de quem ele não gostou. Deu a entender que estava na hora de ela ir embora. © prostoiraivse
  • À noite, minha amiga e eu saíamos juntas com os nossos cachorros. Mas antes, ligávamos uma para a outra. Certa vez, eu estava sentada na sala assistindo televisão, e o meu cachorro veio até onde eu estava, olhou para mim, depois para o telefone (na parede), depois para mim outra vez, para eu ligar. Liguei para a minha amiga, que respondeu que iria sair em 10 minutos. Eu me virei para o Dex e disse: “Vamos daqui a 10 minutos”. O cachorro foi para o quarto. Depois de 10 minutos, ele voltou, olhou para o relógio, para mim... E foi para a porta da entrada, como se estivesse dizendo: “Vamos lá, está na hora”. Passaram-se quase 20 anos e nós ainda lembramos dessa situação. © tatjana.martin.12
  • Uma vez, eu estava limpando o apartamento de uma cliente. O gato dela estava dando voltas perto de uma caixa de comida, se esfregando nela e miando por cerca de 15 minutos. Eu não aguentei e liguei para a dona, para saber se deveria alimentá-lo. Assim que o gato ouviu que ela disse “não”, ele saiu e não apareceu mais. O bicho era muito astuto. © shahina781
  • A minha gata gosta de roubar borrachas e pequenos incensos indianos. Recentemente, enquanto eu estava arrumando o mezanino, encontrei dois esconderijos dela, dentro das botas de trilha: em um calçado estavam guardadas só as borrachas, e no outro estavam só os incensos. © Magvegve
  • O nome do meu gato é Don Fofolino. Ele desenvolveu um sistema de como me acordar em 4 etapas. Nós costumamos passar todos os quatro passos no fim de semana, e raramente chegamos à terceira etapa nos outros dias: paramos entre a primeira e a segunda. Etapa 1: sentar-se no criado-mudo em frente à sua dona e olhar para ela por um tempão. Etapa 2: deitar-se no travesseiro e bater levemente na testa da dona com a patinha. Etapa 3: morder as pernas da dona. Etapa 4: jogar tudo fora da mesa e fazer o máximo de barulho. Aqui está uma foto desse parasita ruivo.

  • O meu cachorro nunca me incomoda enquanto eu durmo. De manhã, ele mal respira, para não perturbar meu sono. Também não me empurra, não arranha e nem pega coisas dos outros (apenas os brinquedos dele). Quanto ao roubo de comida, é algo fora da realidade, mas quando eu abro a geladeira e quero pegar um pedaço de queijo, acontece o inexplicável. A minha mão ainda está querendo pegar o queijo, enquanto o cachorro, que estava dormindo em um canto distante do quarto, mexendo as patas inconscientemente e roncando, aparece subitamente, me encarando com ganância. Quando? Como? Eu ainda não entendi tão bem se quero tanto o queijo. Mas o meu cachorro já entendeu. Isso não funciona assim com outros alimentos. © Salivan
  • Nós temos um grande boiadeiro suíço, que arruma a própria “cama” na casinha. E Deus me livre de tentar arrumar alguma coisa, pois tudo será tirado para fora na hora de ir pra cama e será arrumado conforme deveria. A vassoura, que eu usei para ameaçá-lo por mau comportamento, não durou muito: ela foi cuidadosamente fragmentada em galhos solitários. © stekljashka
  • Eu costumava ser a primeira a chegar do trabalho. Logo depois, eu colocava a coleira no nosso pitbull, porque ele estava ansioso para sair. Passeávamos, voltávamos, e eu começava a fazer as tarefas domésticas. Depois, o meu marido chegava. Gemendo, o cachorro pedia para passear. Sem falar nada e sem trocar de roupa, o meu marido colocava a coleira no pitbull e saía de casa com ele. Eles passeavam e voltavam. Depois de 5 minutos, o nosso filho chegava. Gemendo de novo, o pitbull reclamava para o filho que, trocando de roupa, colocava a coleira no cachorro e saía de casa junto com ele. Era muito drama que rolava lá em casa.
  • Durante a infância, eu tinha um cãozinho religioso. Ele percebeu que, em um feriado muçulmano, o templo abria para que todos os mais necessitados pudessem se alimentar. Naquele dia, ele fugia de manhã e voltava à noite, cheio de comida. Depois nos mudamos, e o cão começou a ir a funerais. Ele se sentava nas pernas traseiras e com um rosto triste, e então era alimentado durante o enterro. © oxana.chernova.33
  • Os pais do meu amigo moravam em um vilarejo, trabalhavam muito, e o gato deles também era “trabalhador”, e levava de tudo para casa. Uma vez, os pais desse amigo tomaram banho e foram preparar tudo para um bom chá: bolo, biscoitos, etc... Estavam aproveitando o tempo, até que de repente o gatinho entrou pela janela e pulou na mesa com um rato enorme na boca. Ele também veio tomar chá com biscoitinhos e seu próprio petisco. Houve muita confusão depois daquele “chá”. O pobre gato apanhou de vassoura, mas não parou de entrar pela janela. © Tatiana Petrova
  • Nós tínhamos um gato e uma gata. Na fazenda, a gata caçava ratos, levava-os para a entrada de casa e depois voltava para a caça. E o gato sentava-se ao lado do rato, ou pegava-o, e começava a miar alto, para que pudéssemos ver e elogiá-lo pelo belo trabalho que ele supostamente tinha feito.
  • O meu gato percebeu que de manhã, quando alguém me telefona, eu sempre atendo. No fim de semana, eu não recebo chamadas e durmo até mais tarde. Por isso, nestes dias, ele bate no telefone com sua pata e joga-o pra fora do gancho, para que eu acorde e venha até ele. © Natália Kozlovskaya
  • A minha gata não gosta do robô aspirador. Ela o observou por muito tempo, até perceber que o equipamento parava se algo entrasse nele. Imaginem só, ela começou a colocar o brinquedo dela perto do aspirador, a fim de ele aspirá-lo e se desligar. Depois, escondi o brinquedo, mas ela passou a usar outro. Como assim? © shapoklajk.lenusik
  • Os meus cachorros reconhecem o som do carro do meu marido e saem correndo para a varanda. É sempre assim.
  • O meu gato cuidava de mim. Depois de um acidente, machuquei muito o meu braço, que ficou doendo por muito tempo. Antes de dormir, o gato vinha até minha cama todas as noites, deitava perto, estendia-se para cobrir todo o meu braço e dormia assim. A dor realmente passou. Quando o braço se recuperou totalmente, ele parou de fazer isso. Eu o adoro. © yana.kharkov.9
  • Esta situação aconteceu no início dos anos 90. Certa vez, fiquei presa em um elevador, entre o quinto e o sexto andares. O botão de emergência não funcionou. Pensei que iria ficar lá sentada por muito tempo e fiquei muito surpresa quando o meu pai chegou pra me ajudar. Mais tarde, ele me disse que o nosso pastor alemão estava gemendo e latindo, pedindo para sair. Os meus pais pensaram que ele queria fazer suas necessidades. O meu pai se vestiu e saiu do apartamento, mas o cachorro continuava latindo no poço do elevador, onde eu estava presa. Aliás, os meus pais moravam no décimo segundo andar. © stekljashka
  • Um dia, me mudei para outra cidade, para estudar durante uma semana, e de repente o meu gato começou a demarcar todos os cantos, embora nunca tivesse agido assim antes. Ele foi levado para o veterinário, porque pensaram que era uma infecção urinária. Mas descobriram que ele estava com depressão.
  • Um dia, meu filho fez sanduíches e foi assistir à série favorita dele, com um prato e uma xícara de chá. O nosso cãozinho o seguiu até o quarto e sentou do lado, se fazendo de faminto e coitado. Mas é muito difícil afetar meu filho com essas tentativas, por isso ele continuou aproveitando seus sanduíches e o filme, ignorando completamente o cachorro. Sem piscar, o bichinho continuou observando o meu filho, que se distraiu e perguntou: “O que você quer?” Ao mesmo tempo, o cachorro olhou para o canto atrás do meu filho e fez um olhar de surpresa. O meu filho se virou, e é claro que não havia nada naquele canto. O cachorro aproveitou este breve momento e, em um movimento rápido, pegou a salsicha do sanduíche e foi embora. Meu filho ficou magoado durante muito tempo, porque não entendeu como o cachorro tinha conseguido trapaceá-lo. © vera.musaelyan.5

Nós temos certeza de que todos os animais de estimação fazem algo engraçado e fofo. Como é que o seu bichinho te faz feliz?

2--1
11k