Incrível

De acordo com estudo de Harvard, a solidez do casamento depende do status do trabalho do marido

Nos últimos anos, a taxa global de divórcios aumentou 251,8%. Uma mulher das Maldivas, por exemplo — o país com a maior taxa de separações — tende a passar por 3 divórcios antes de completar 30 anos. As estatísticas são de partir o coração e o motivo disso já foi identificado por um estudo da conceituada universidade de Harvard, nos EUA.

Incrível.club considerou essa pesquisa reveladora e super-intrigante e gostaria de apresentá-la para você, leitor.

Os pesquisadores estudaram dados de mais de 45 anos e aqui está o que encontraram:

Para refinar a pesquisa, realizada por um professor da já mencionada universidade de Harvard, foram coletados dados de mais de 6.300 casais, datados da década de 1970. Após analisar esse conteúdo, verificou-se que, embora os casais discutam e se divorciem por várias razões, a taxa de probabilidade de se divorciar aumenta em 30% quando o homem está desempregado.

Homens com emprego de meio período ou sem emprego têm maior probabilidade de se divorciar

E não é só isso. Os homens que trabalham em empregos de meio período também correm um risco maior de se divorciar. Indo um pouco mais a fundo, o estudo acrescenta que trabalhar em pequenos empregos (viver de bico) ou ficar desempregado contra a vontade são, previsivelmente, situações que levam a brigas e tensões no casamento.

Já a falta de trabalho da mulher não leva ao divórcio

Sabemos que hoje em dia a grande maioria das mulheres trabalha fora de casa (e ainda tem de dar conta das tarefas do lar), mas, de acordo com a pesquisa, o status de trabalho delas não afeta tanto o casamento, levando ao divórcio. Os dados coletados não mostraram influência positiva ou negativa da situação financeira da mulher em caso de divórcio.

A pesquisa, no entanto, deixa muitos outros fatores de lado

Dito isso, não há como negar que cada casal é único e os resultados da pesquisa podem não se aplicar a todos. Além disso, deve-se notar que o estudo não considerou casais do mesmo sexo ou homens que voluntariamente escolheram cuidar de suas famílias enquanto suas esposas trabalham. A pesquisa menciona que a crescente independência econômica das mulheres também pode ser um motivo de divórcio, mas destaca que ainda não há provas válidas para sustentar essa tese.

Ter um emprego também é importante para os solteiros que estão tentando namorar

Segundo uma outra pesquisa, ser financeiramente independente é considerado atraente, enquanto indivíduos com muita dívida (como é de se imaginar) são considerados menos desejáveis. Homens e mulheres foram presenteados com retratos de pessoas do sexo oposto a quem deveriam classificar.

Depois os pesquisadores revelavam as dívidas de cada pessoa. O resultado foi uma queda na classificação de ambos os sexos justamente para as pessoas que não eram financeiramente estáveis. No entanto, a mudança foi menos intensa no caso das mulheres. Já para os homens, as classificações caíram drasticamente. Cerca de 75% das mulheres revelaram que não namorariam um homem que está se afogando em dívidas.

Você concorda que a estabilidade financeira é importante para a duração de um casamento? Ou acredita que o amor supera todas as probabilidades negativas?