10 Amores históricos que mudaram o rumo da humanidade — alguns eram proibidos

A história está cheia de amores que desafiaram os limites, romperam os estereótipos e mudaram os rumos de um país ou até mesmo do mundo inteiro. E esse sentimento tem sido motivo de histórias comoventes e apaixonadas que queremos sempre ouvir, mesmo se os enamorados conseguiram ser “felizes para sempre” ou tiveram um fim trágico.

Incrível.club vai falar sobre 10 emblemáticos casais que conseguiram superar as adversidades e geraram grandes mudanças na sociedade.

1. Páris e Helena de Troia

Essa mítica história de amor foi capaz de cativar inúmeras pessoas. A linda mulher era casada com o rei de Esparta quando conheceu o príncipe troiano e seu coração foi flechado. Helena fugiu com Páris, desencadeando um dos conflitos mais conhecidos da história: a Guerra de Troia. O casal teve um triste fim, pois Páris morreu em batalha e ela, após vários infortúnios, voltou para o seu marido, Menelau.

2. Cleópatra e Marco Antônio

Esses dois personagens históricos tiveram uma vida cheia de vingança, romance, ação e traição. No primeiro encontro, a rainha egípcia impressionou tanto Marco Antônio, que este se apaixonou perdidamente por ela. Assim, decidiu se divorciar da sua esposa, Otávia, a Menor, irmã de Otaviano, para voltar para sua amada em Alexandria.

Mais tarde, essa ruptura foi a causa de uma série de desventuras. Como consequência, as tropas romanas acabaram invadindo e derrotando o Egito. Embora essa história de amor tenha tido um final extremamente trágico, pois os amantes não acabaram juntos, o casal é lembrado tanto pelo grande amor quanto por suas realizações e conquistas.

3. Henrique VIII e Ana Bolena

O reinado de Henrique VIII foi repleto de histórias de amor e desgosto. Quando subiu ao trono em 1509, casou-se imediatamente com Catarina de Aragão, a filha mais nova dos Reis Católicos de Castela e Aragão. Apesar do casamento político vantajoso, o rei inglês pediu ao Papa a anulação da união para se casar com Ana Bolena, uma das damas de honra de Catarina.

O Papa se recusou a anular o casamento e Henrique VIII tomou a decisão arriscada de romper com Roma e se casar com sua amante. Essa união fez surgir a Igreja Anglicana.

4. Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão

Trata-se de um dos casais mais poderosos da história. Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão decidiram se casar quando tinham apenas 18 e 17 anos, respectivamente. O vínculo matrimonial deu origem à Monarquia Hispânica, consolidando o poder dos chamados Reis Católicos em quase toda a península. Além disso, durante o seu reinado houve a descoberta da América.

Curiosamente, esse importante evento ocorreu, segundo a lenda, graças a uma partida de xadrez. Quando Cristóvão Colombo propôs sua viagem à Isabel, Fernando II estava jogando. Para chamar a atenção do marido e assim obter sua aprovação, a mulher lhe recomendou uma jogada da qual saiu vencedor. No final, o bom humor o fez aprovar a expedição.

5. Mumtaz Mahal e Shah Jahan

Shah Jahan conheceu o amor de sua vida, Mumtaz Mahal, e os dois ficaram noivos em 1607. Mas foram necessários cinco anos para o casamento poder ser formalizado. O Imperador já era casado com três mulheres, assim, ela se tornou sua quarta esposa e, pouco depois, sua favorita. Mumtaz Mahal deu ao marido 14 filhos, mas morreu no último parto.

O Imperador, desconsolado por essa perda, mandou construir uma série de edifícios em homenagem à falecida esposa para lembrar seu amor. O Taj Mahal é uma das obras arquitetônicas mais belas do mundo. Em 2007, passou a fazer parte das sete maravilhas do mundo moderno.

6. Beatriz e Dante

O poeta florentino conheceu sua musa aos 9 anos de idade, sendo cativado por sua graça e beleza. Embora raramente se vissem, o amor era tão grande que ela se tornou sua inspiração. Infelizmente, Beatriz morreu aos 24 anos, deixando Dante arrasado. Como recordação, escreveu duas obras-primas da literatura universal: Vida Nova e Divina Comédia.

7. Richard Loving e Mildred Jeter

O casal foi para Washington D.C. para poder se casar, pois, na Virgínia, nos EUA, as leis impediam a união inter-racial. Em seguida voltaram para esse estado para constituir família, até serem presos à noite por vários policiais pelo “crime” de terem se casado. Eles foram condenados a um ano de prisão, mas o juiz suspendeu a pena com a condição de não retornarem juntos ou ao mesmo tempo para a Virgínia por um período de 25 anos.

A família Loving, que significa “amorosa” ou “amante” em inglês, aceitou o exílio e voltou para Washington D.C. Em 1963, os dois começaram uma batalha legal que lhes permitiu ser “marido e mulher” no seu estado natal. Esse evento foi tão significativo que, em 12 de junho de 1967, foi abolida a proibição do casamento inter-racial na Virgínia e em muitos outros estados dos EUA.

8. Marie e Pierre Curie

Os Curie tiveram um casamento “unido” pela ciência. Os cientistas se conheceram em 1894 e desenvolveram um lindo relacionamento que rapidamente evoluiu até Pierre pedir Marie em casamento. Mas o pedido foi recusado, pois ela o considerava apenas um amigo. Um ano depois, em 1895, Marie e Pierre finalmente se casaram. Eles eram melhores amigos, casados e colegas de trabalho.

O casal fez vários experimentos que resultaram na descoberta de dois novos elementos químicos, o polônio e o rádio. Em 1903, Marie se tornou a primeira mulher a receber o Prêmio Nobel de Física. Infelizmente, Pierre morreu em um acidente em Paris anos depois. Embora Marie tenha ficado arrasada com a perda, continuou seus estudos e, em 1910, recebeu o Prêmio Nobel de Química.

9. Seretse Khama e Ruth Williams

Quem renunciaria ao trono por amor? Seretse Khama assumiria o papel de chefe da tribo Bamangwato, do então protetorado britânico de Bechuanalândia (atual Botswana), na África. Antes de sua coroação, foi estudar Direito na Universidade de Oxford, no Reino Unido, onde conheceu Ruth Williams.

O príncipe africano se apaixonou perdidamente pela britânica, mas, quando quiseram se casar, enfrentaram diversos obstáculos por causa das suas respectivas cores de pele. Mas o amor entre eles era tão grande que resolveram enfrentar as adversidades e se casaram em 1948. No entanto, Seretse teve de renunciar aos seus direitos como o próximo herdeiro, por isso não se tornou rei.

10. Edward VIII e Wallis Simpson

O relacionamento entre os duques de Windsor é digno de um romance. Em 1930, o príncipe Edward se apaixonou por Wallis Simpson, uma atriz americana divorciada. Ele subiu ao trono após a morte do seu pai, George V, em 1936. Mas tanto a Igreja Anglicana quanto a Coroa do Reino Unido eram contrárias ao relacionamento, por isso impediram o casamento.

O jovem rei surpreendeu todo mundo ao abdicar, deixando o trono para seu irmão, Albert, pai de Elizabeth II, atual rainha britânica. Em 1937, Edward e Wallis se casaram na França, mas seu final feliz foi ofuscado pela decisão do irmão de mandá-lo ao exílio. Apesar de tudo, o casal passou o resto das suas vidas em Paris.

Qual outro amor histórico poderia ser incluído nessa lista? Como conheceu seu parceiro ou sua parceira atual?

Compartilhar este artigo