Incrível

Dieta ou exercício? Tentei os dois por um ano, e eis o resultado

Meu nome é Irene, tenho 38 anos e peso 102 kg. Este número parece muito alto, se uma coisa não for levada em conta: há um ano eu pesava 121 kg. Não posso dizer que complicasse muito a minha vida, mas uma vez o filho de uma amiga, de 5 anos, se aproximou de mim e me perguntou: “Irene, por que você tem uma barriga tão grande?” E então percebi que as coisas não poderiam continuar mais assim. Eu tinha que perder peso.

Especialmente para o Incrível.club, escrevi minha história de perda de peso, e embora eu ainda tenha um longo caminho a percorrer, o que eu vejo nas minhas fotos antes e depois me impede de abandonar esse caminho.

Eu acho que a história do meu corpo é a mesma de todas as pessoas acima do peso: um estilo de vida sedentário e junk food. Devido ao meu trabalho (sou freelancer) e à tendência de usar a comida para superar as emoções negativas, aos 37 anos cheguei aos 120 kg. Eu não tenho família e, nos últimos anos, não saí de casa muitas vezes. Então a opinião dos outros não poderia me afetar. Embora, como se viu mais tarde, não era bem assim.

No final de 2017, encontrei um anúncio, uma oferta numa academia com um desconto de 80%, e decidi me inscrever. Foi assim que minha primeira história começou.

História um: sobre o esporte

Já após o primeiro treino, que foi feito com um personal “incluído” nos primeiros 10 dias, eu joguei os cigarros na lata de lixo, já que 20 anos fumando não podiam deixar de afetar a respiração. Então abandonei o hábito de tomar cerveja às sextas e sábados. A propósito, ainda não fumo e bebo álcool não mais do que uma vez a cada seis meses.

Os exercícios com o personal eram difíceis, embora não tivessem cargas muito pesadas. Mas depois de uma hora e meia de treino eu estava tão exausta que eu poderia arrancar minha camisa, e minhas pernas e braços se recusavam a responder — o estilo de vida sedentário e a falta de atividade física eram visíveis. Na minha juventude eu costumava lutar e esquiar, mas depois abandonei, e por quase 20 anos o esporte não existiu na minha vida.

Dieta ou exercício? Tentei os dois por um ano, e eis o resultado

Minha refeição durante os treinos na academia.

Antes e depois dos treinos eu comia pratos razoavelmente calóricos, como pizza caseira ou lasanha com algo salgado, ou até empanadas. Pareceu-me que eu podia me permitir, porque perdia muitas calorias durante os treinos.

E esse foi o meu erro: a perda de calorias era muito menor do que a que tinha durante a alimentação. Meus músculos ficaram mais fortes (ganhei massa muscular rapidamente por natureza), minha respiração melhorou, mas o peso não diminuía e o volume não mudava. Em poucas palavras, os músculos foram adicionados à gordura, o que, é claro, não me deixou mais magra. Como resultado, depois de treinar seis meses, três vezes por semana, durante uma hora e meia, perdi apenas 3,5 kg e meu peso parou em 116,5 kg.

Seis meses depois, o prazo do desconto na academia terminou e eu decidi não prorrogar, não tanto porque era muito caro sem a redução, mas porque eu não tinha conseguido um efeito visível. A vantagem mais legal da experiência foi o fato de que eu estava respirando mais fácil agora, e a confiança em mim, que havia se deteriorado nos últimos anos, aumentou. Tente ir algumas vezes até um local onde qualquer abdômen possa suportar o impacto direto de um míssil e você entenderá o que quero dizer.

No verão de 2018 comprei uma bicicleta, mas não podia andar. O peso excessivo me impedia, o que também causou problemas nos meus joelhos e, como resultado, durante quase todo o verão, a bike ficou parada num canto.

História dois: sobre a comida

Dieta ou exercício? Tentei os dois por um ano, e eis o resultado

Minha comida ao contar as calorias.

As palavras de um menino de 5 anos foram o que me fizeram perder peso novamente. Passei muito tempo pensando em qual caminho escolher e decidi parar de contar as calorias. Eu baixei um programa que, usando uma fórmula especial, calculava que meu metabolismo básico era de 1 800 kcal por dia. Para perder peso sem fazer exercícios físicos, eu tive que comer 1.785 kcal (reduzi para 1.700). Com este programa, também contava o número de calorias consumidas.

A data de início foi 10 de outubro. A única coisa que excluí completamente da minha dieta foram salsichas e outras carnes processadas. E não porque eu tivesse medo de substâncias cancerígenas e outras coisas, mas porque um sanduíche poderia “me custar” 200 kcal, e eles equivalem a quase 200 g de peito de frango cozido, que eu também amo (e ainda não enjoei).

E, apesar de todo bom senso, não excluí o pão, cereais e açúcar, mas fiz o seguinte truque: comecei a comprar massas e pães integrais, reduzi as porções, diminuí o consumo de doces e limitei-os ao chocolate amargo e ursinhos de goma. Eu não me exercitava, durante todo o inverno patinei no gelo cerca de 10 vezes.

Só fui ver o primeiro resultado em um mês: em vez dos 121 kg, a balança mostrava 117 kg, o que idealmente se encaixa no padrão recomendado pelos médicos. Durante todo esse mês não senti fome, porque comia pequenas porções a cada 3 horas, sem exceder 1.700 kcal. Às vezes eu comprava (e ainda o faço) bolinhos com recheio à base de doce de leite e os dividia em 2 partes: no total eles somavam 135 kcal, e o desejo de comer doces desaparecia. Passei mais 2 meses seguindo este regime.

Dieta ou exercício? Tentei os dois por um ano, e eis o resultado

Seis meses de exercícios e 5 meses de dieta.

Em 10 de janeiro de 2019, a balança mostrava 108 kg. Decidi experimentar um novo esquema: comer num período limitado de tempo, das 15h às 23h, e apenas 1.500 kcal. Para alguns, isso parecerá errado, mas com a minha rotina é perfeito. Acabou sendo ótimo: o estômago já não me pedia uma grande quantidade de comida.

A base da minha dieta é carne, seja cozida ou assada. A massa, o arroz e outros cereais eu os como separados, por vezes com uma salada de pepino e tomate. Em suma, não parei de comer nada que me fizesse experimentar a “síndrome de abstinência”, então continuei a seguir a dieta por muito tempo. Minhas refeições diárias são aproximadamente assim:

  • 15h — Um pedaço de peito de frango / carne / peixe cozido ou assado, um enroladinho fino com creme de queijo, chá, meio pedaço de torta. No total, cerca de 400 kcal.
  • 17 — Um pão com queijo ou caviar vegetal, chá com ursinhos de goma. Não mais do que 150 kcal.
  • 19h — Massas / batatas assadas / feijão (feijão, arroz) (um total de 150 g) com manteiga, com uma porção de salada de pepino e tomate (opcional). No total, não mais do que 200 ou 250 kcal.
  • 21h — Chá e meia empanada. 70 kcal.
  • 23h — Um pedaço de peito de frango ou carne / peixe cozido ou assado (cerca de 150 g), chá, uma maçã. No total, cerca de 400 kcal.

E se eu fizesse combinações?

Dieta ou exercício? Tentei os dois por um ano, e eis o resultado

Meu rosto antes e depois da perda de peso. Certamente, foi o que mais emagreceu.

No final de fevereiro de 2019, meu peso é de 102 kg. Meu objetivo é chegar a 80 kg e só depois voltar para a academia para ganhar massa muscular fazendo treino de força. Da mesma forma que antes, embora geralmente seja difícil atingir 1.500 kcal e consumo médio de 1.200 a 1.300 por dia.

O que mudou desde que comecei a perder peso contando as calorias? Eu posso usar jeans, que antes não fechava nem deitada, e quando subo as escadas não preciso descansar depois de cada degrau. Agora posso até tirar fotos de mim mesma, o que anteriormente evitava de todas as formas possíveis. A propósito, descobri que tinha maçãs do rosto!

É claro que também há momentos desagradáveis. Por exemplo, agora eu sinto frio o tempo todo e minha digestão funciona pior. Mas eu sei que quando o corpo se acostumar com o novo peso, isso também desaparecerá. Quanto aos gastos com alimentos, até diminuíram, porque a carne é mais barata que as salsichas e os alimentos processados. E até o repolho mais fresco não custa mais do que 1,5 dólar.

Em vez de uma conclusão

Dieta ou exercício? Tentei os dois por um ano, e eis o resultado

Parece que 19 kg não é tanto quando se trata de um peso superior a 100 kg. Mas na realidade é, para dizer o mínimo, muito, especialmente para uma pessoa que não tem muita força de vontade. Os 80 kg, o objetivo que me coloco, ainda estão muito longe, mas tenho absoluta certeza de que vou alcançá-lo. Por quê? Basta olhar as fotos de antes e depois e a resposta será óbvia.

Alguém vai dizer que a minha perda de peso progride lentamente e que eu definitivamente deveria acrescentar o exercício físico. Mas com o meu regime atual de refeições, praticamente não corro risco de parar de fazer dieta e recuperar peso, e meu médico está do meu lado. Embora o exercício acrescente, é claro: no verão, quando, de acordo com meus cálculos, meu peso cair para pelo menos 90 kg, pretendo usar a bicicleta novamente. Tudo a seu tempo.

Você também tem algum histórico interessante sobre perda de peso?