20+ Provas de que a vida em um microestado pode parecer uma realidade paralela

Há vários mitos acerca dos microestados, que são países cujo território é muito pequeno. Diversas pessoas acreditam, por exemplo, que só multimilionários vivem em Mônaco; e que o Vaticano é um local apenas para membros do clérigo. As lendas crescem de acordo com o interesse pelo desconhecido. Por isso, vamos logo admitir: a maioria de nós não sabe como é a vida em um país que pode ser visitado a pé em apenas um dia.

Nós, do Incrível.club, não pudemos deixar passar um tema tão interessante, por isso decidimos pesquisar melhor as curiosidades mais intrigantes sobre a vida local nestes microestados. Acompanhe!

Vaticano

  • O Vaticano, ou Cidade do Vaticano, é o menor país do mundo, e há dois tipos de passaporte para seus habitantes. A cidade-estado emite os passaportes comuns, e a Santa Sé emite os passaportes diplomáticos, com os quais se pode ir facilmente a quase qualquer lugar do mundo. No entanto, essa cidadania é geralmente temporária, e podem consegui-la apenas trabalhadores locais ou membros de suas famílias. Após o término de serviço à Santa Sé, o passaporte do vaticano é trocado pelo italiano, e o antigo cidadão do pequeno Estado é escoltado para além de suas premissas.
  • Crianças nascidas no Vaticano também podem receber cidadania. Mas ela é perdida após os 18 anos, ou assim que seus pais percam o direito ao passaporte do Vaticano.
  • As lojas do Vaticano estão isentas de impostos e os preços dos produtos são quase 25% mais baixos do que em Roma. Isso inclui produtos alimentícios, medicamentos, cosméticos, perfumes, aparelhos eletrônicos, roupas de marca e calçados.
  • Os cidadãos da cidade-estado não devem andar nas ruas com os ombros descobertos, com saias curtas ou de short. Festas barulhentas até de manhã também não são permitidas.
  • Não há bares ou casas noturnas no Vaticano, por isso seus residentes, muitas vezes, vão à Roma para festejar. A regra mais importante é não se atrasar: os portões do pequeno Estado se fecham à 1h15 da madrugada e só se abrem novamente às 5h45 da manhã. Naturalmente, pessoas que cheguem atrasadas não serão impedidas de voltar às suas casas, mas terão de passar por um controle especial, onde a infração será registrada.
  • Os locais podem convidar amigos de outros países para visitá-los. À meia-noite em ponto, os visitantes precisam deixar as premissas do Vaticano e seus amigos podem acompanhá-los até os portões. Somente parentes próximos podem passar a noite.

Mônaco

  • Mônaco é o segundo menor Estado europeu depois do Vaticano. “Consigo atravessar o país de uma ponta a outra em literalmente 50 minutos, talvez até em 40, se correr um pouco”, — disse um usuário do Reddit.
  • Os cidadãos locais são chamados de monegascos e possuem certos privilégios: assistência médica gratuita e subsídios de moradia. Porém, obter o passaporte desse microestado não é nada fácil: na maioria das vezes, é preciso nascer lá. Outra opção é se casar com um nativo. Entretanto, a cidadania só é concedida ao cônjuge após 10 anos de casamento.
  • Em Mônaco, há um rigoroso código de vestimenta. Não é permitido andar descalço pelas ruas, por exemplo. Em contraste, é proibido usar calçados em um iate.
  • Não há exército nem marinha na cidade-estado, contudo, há muitos policiais per capita. Por conta disso, a taxa de crime é muito baixa, e são presos, geralmente, aqueles que roubam ou cometem alguma fraude financeira. Além disso, há quem diga que podem ser apreendidos aqueles que ofenderem publicamente animais. Nas celas das prisões pode haver vista para o mar, e os detentos podem até ter direito de frequentar uma academia.

San Marino

  • San Marino é governado por dois capitães-regentes, que são eleitos a cada seis meses. Curiosamente, durante o período de regência, eles não podem dirigir veículos.
  • Em San Marino, por um longo tempo, havia apenas um prisioneiro. Ele tinha à sua disposição uma academia, uma biblioteca e uma sala com televisão. No mais, ele se alimentava em um restaurante, pois não era rentável manter uma cantina apenas para uma pessoa.
  • Esse é o único país do mundo onde há mais carros do que pessoas. A propoção é de 1,6 carros por habitante.
  • Em 2017, o pequeno Estado de San Marino foi classificado como o país menos visitado da Europa.

Malta

  • Não há montanhas, fontes de água doce e há pouca vegetação. Os invernos em Malta são relativamente quentes para o padrão europeu: as temperaturas mínimas raramente caem abaixo de 10 ºC. Porém, como não há aquecimento nas casas, a sensação térmica dentro de uma residência pode ser muito parecida com aquela ao ar livre.
  • A língua maltesa é a única língua semítica do mundo que usa o alfabeto latino. Há muitas similaridades com o árabe e o italiano — uma combinação bem incomum. Apesar disso, o inglês é o segundo idioma oficial do país: quase todos o falam. Porém, falar maltês é essencial para se integrar à cultura local.
  • Existem algumas leis bastante incomuns em Malta. Por exemplo, correr “agressivamente” em lugares públicos: aqui, fala-se sobre o momento da corrida, em que as pessoas movem tanto os braços e as pernas que podem machucar aqueles à sua volta. Além disso, não é permitido deixar nas ruas escadas ou outros instrumentos, que possam ser usados por ladrões ou outros criminosos. Portanto, é preciso tomar devida atenção a certas coisas aparentemente inofensivas.
  • Os malteses parecem levar o lema “a pressa é inimiga da perfeição” para o dia a dia. “Tentei durante um mês ir a uma loja de ferramentas na rua ao lado, e toda semana havia um novo aviso. Um deles chamou bastante minha atenção: ‘Desculpe, estamos pescando. Provavelmente, não voltaremos tão cedo’”, contou uma garota que se mudou para Malta para estudar.
  • O país é muito populoso. “Aonde quer que você vá, haverá sempre pessoas. E muitas delas serão seus conhecidos”, disse um inglês que mora em Malta há alguns anos.

Andorra

  • Andorra é um pequeno principado na fronteira da França com a Espanha. O microestado é governado por dois copríncipes, um dos quais é o presidente da República da França, e o outro, o arcebispo católico de Urgel, que representa a Espanha. Até 1993, os andorranos pagavam um imposto anual ao governo: 960 francos ao presidente da França; 460 pesetas, 12 cabeças de queijo, 12 perdizes, 12 frangos capões e 6 presuntos ao arcebispo.
  • Em 1864, as autoridades locais proibiram os advogados de comparecerem aos tribunais porque os representantes dessa profissão “podem fazer o preto parecer branco, e o branco, preto”.
  • Em princípio, advogados não representam a profissão mais cobiçada pelos locais. Andorra é considerado um país muito seguro graças à baixa taxa de criminalidade. “Quando eu era adolescente, meus pais me deixavam ficar na rua até tarde, e eu até podia fazer pequenas viagens sozinho, como para as estações de esqui. Minha irmã passou a maior parte da adolescência em Barcelona, na Espanha, e ela não teve a mesma liberdade que eu”, escreveu um usuário do Quora.
  • Um blogueiro notou que nos mercados locais, às vezes, oferecem salsinha de graça.

Liechtenstein

  • Em Liechtenstein, a taxa de pobreza é zero. E mais da metade de todos os trabalhadores são imigrantes vindos dos países vizinhos — Áustria, Suíça e Alemanha.
  • O regente de Liechtenstein, o príncipe-soberano Hans-Adam II, anda sem segurança. Ele pode facilmente falar com pessoas comuns na rua, e todo ano, no dia 15 de agosto, faz uma festa de aniversário no seu castelo, para a qual todos os habitantes locais são convidados.
  • Nesse pequeno Estado, há mais empresas registradas do que cidadãos. Uma delas, por exemplo, é a produtora dos cristais Swarovski.

Você já visitou um microestado? Gostaria de morar em um? Qual desses é o seu preferido? Comente!

Compartilhar este artigo