Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Estudos demonstram quais são os níveis de agrotóxicos em alguns vegetais e o que podemos fazer para consumi-los de forma segura

3-33
972

Uma pesquisa da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) listou os níveis de agrotóxicos de tudo o que comemos. Apesar de existirem muitos vegetais que são orgânicos ou cultivados de forma agroecológica, nem todas as pessoas têm acesso a eles, já que são caros por conta do alto custo do cultivo de melhor qualidade.

Incrível.club listou alguns alimentos que, no Brasil, possuem altas porcentagens de pesticidas. Mas não se preocupe, porque listamos também algumas formas de retirar total ou parcialmente esses agrotóxicos. Fique conosco e veja as dicas para remover esses resíduos.

Tipos de absorção dos agrotóxicos

Para entendermos melhor como os agrotóxicos funcionam, precisamos saber que existem basicamente dois tipos: os sistêmicos e os de contato. O primeiro penetra nas folhas e frutos e não tem como ser retirado; os chamados de contato ficam mais na parte externa e quase nada chega ao interior do alimento. Esse tipo é o que pode ser retirado com lavagem ou descascamento.

Qual é o melhor jeito de escolher?

Para quem quer evitar alimentos com excesso de produtos químicos, é importante levar em conta algumas orientações:

  1. Escolha os que têm identificação de um pequeno produtor; isso garante a qualidade;
  2. Compre os vegetais da época, pois além de mais baratos, a maioria está livre de agrotóxicos, diferentemente daqueles que precisam de pesticidas para conseguir uma produção fora de sua sazonalidade natural;
  3. Se possível, cultive a sua comida. Muitos sites e livros ensinam como fazer hortas verticais e em vasos, para quem não tem quintal, por exemplo;
  4. Evite comprar vegetais grandes demais e muito perfeitos, isso geralmente é sinal de manipulação.

Existem níveis seguros?

De acordo com a Anvisa, que usa como referência dados listados nos Estados Unidos e na União Europeia, existe um nível seguro para o consumo. Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, desde que esse nível esteja controlado não há perigo para a saúde dos usuários. A regulamentação e pesquisa ajudam na manutenção da segurança de tudo que comemos.

Lista dos alimentos mais comuns e seus níveis de agrotóxicos

ANVISA analisou o índice de agrotóxicos, entre os anos de 2013 e 2018, em mais de 15 mil amostras de alimentos. As pesquisas indicaram que nenhuma das amostras indicava risco crônico (danos causados ao longo da vida) para quem os consome. De 270 agrotóxicos pesquisados em laboratório, somente 122 (45%) foram encontrados nas amostras.

1. Abacaxi

347 amostras de abacaxis analisadas: 162 amostras sem resíduos e 144 com níveis aceitáveis

2. Laranja

382 amostras de laranjas analisadas: 157 amostras sem resíduos e 173 com níveis aceitáveis

3. Uva

319 amostras de uvas analisadas: 84 amostras sem resíduos e 149 com níveis aceitáveis

4. Alface

286 amostras de alface analisadas: 106 amostras sem resíduos e 94 com níveis aceitáveis

5. Pimentão

326 amostras de pimentão analisadas: 7 amostras sem resíduos e 52 com níveis aceitáveis

6. Tomate

316 amostras de tomates analisadas: 39 amostras sem resíduos e 167 com níveis aceitáveis

7. Cenoura

353 amostras de cenoura analisadas: 33 amostras sem resíduos e 180 com níveis aceitáveis

8. Beterraba

315 amostras de beterraba analisadas e nenhuma com níveis acima do aceitável

9. Alho

365 amostras de alho analisadas: 326 amostras sem resíduos e 22 com níveis aceitáveis

Métodos comprovados para retirar os agrotóxicos

Estudos foram feitos sobre as várias formas de retirar, ao máximo, os agrotóxicos que ficaram depositados na parte externa do alimento. Listamos aqui formas comprovadas por pesquisadores que eliminam boa parte dos pesticidas. Veja quais são e teste hoje mesmo.

1. Bicarbonato de sódio

Um estudo realizado em 2017 pelo departamento de Veterinária e Ciências Animais da Universidade americana de Massachussets mostrou que a solução de bicarbonato de sódio, diluída em água, removeu praticamente todos os restos de pesticidas da casca da maçã testada. A receita é 1 colher de sopa de bicarbonato em 1 litro de água, deixe de molho por 15 minutos.

Os especialistas ressaltam que esse tipo de higienização só removeu os pesticidas encontrados na parte externa da casca. Esse experimento, em especial, foi feito somente com maçã e testou apenas dois tipos de agrotóxicos usados nesse tipo de fruta. Foi observado ainda que o método se mostrou mais eficaz na higienização de frutas do que o uso somente de água ou de soluções cloradas.

2. Ozônio

ozônio é capaz de modificar a química dos agrotóxicos, transformando-os em água e outros compostos inofensivos. No processo de oxidação, o ozônio acaba quebrando as moléculas e decompondo a sua fórmula química, anulando, com isso, sua toxicidade. Por isso, esse é um dos métodos mais eficazes, mas o aparelho ainda tem um preço alto, inacessível para a maioria das pessoas.

Para fazer o procedimento com ozônio é necessário ter um aparelho que se chama ozonizador. Ele vem com uma pedra ligada a um tubo de silicone que produz “borbulhas” de ozônio, oxidando a água com as frutas dentro. O método deve ser feito somente com equipamento próprio e segundo instruções do manual do aparelho.

3. Alimentos em conserva

Alguns alimentos, como pimentão e pêssego, foram expostos a inseticidas e fungicidas em laboratório. O resultado encontrado pelos especialistas foi de que a preparação deles em conserva leva a diminuição gradual de pesticidas. Para conservar o alimento é preciso lavar, cozinhar, branquear e descascar; isso conseguiu eliminar de 90 a 100% dos agrotóxicos da parte externa.

4. Descascar

Para os frutos de tomates, foi analisado também o descascamento como uma técnica de retirada de resíduos de agrotóxicos. A retirada da casca removeu cerca de 88%, 79% e 68% dos resíduos dos pesticidas clorotalonil, difenoconazol e azoxistrobina, respectivamente, que estavam presentes na pele do fruto.

Apesar de muitas pessoas gostarem de consumir a maioria das frutas e legumes com a casca, é melhor retirá-la se não souber a procedência desses alimentos. Pesquisadores afirmam que a casca recebe alta concentração de pesticidas. Recomenda-se, inclusive, a retirada das folhas externas em produtos como alface, rúcula ou repolho.

5. Vinagre

nutricionista Ivete Oliveira orienta lavar em água corrente, com escova apropriada, o legume, a verdura ou a fruta ainda cru, para retirar a terra e uma boa parte dos pesticidas da casca. Depois, a especialista indica deixar de molho por 30 minutos em uma solução de 4 colheres de sopa de vinagre em um litro de água. É indicado secar bem e guardar em recipiente fechado e, se possível, retirar o ar.

É importante sinalizar que todos os métodos acima citados foram analisados por especialistas e não foram testados em todos os alimentos nem com todos os pesticidas existentes. A melhor opção, como informado no post, ainda é, na medida do possível, usar alimentos orgânicos com selo de qualidade ou cultivar o próprio alimento em casa.

Gostou das dicas? Você se preocupa com a saúde da sua família? Conte para nós se já fazia alguma dessas opções que listamos.

3-33
972
Compartilhar este artigo