Incrível
Incrível

8 Erros dos pais dos quais o filho mais velho pode se lembrar pelo resto da vida

Muitas pessoas sonham com uma família grande e acolhedora. O nascimento de um novo bebê é um momento muito feliz e emocionante, mas implica novos desafios. E o filho mais velho, assim como os pais, enfrentam alguns obstáculos com essa nova adição à família. É indispensável que os pais fiquem atentos ao comportamento do primogênito, pois só assim eles conseguirão ajudá-lo a se adaptar às mudanças e a estabelecer relações saudáveis com o irmão.

Incrível.club observou as opiniões dos psicólogos, dos pais e dos filhos mais velhos e descobriu quais são os erros mais frequentes cometidos pelos pais ao criar mais de um filho.

Não preparam o filho para a chegada de um irmão

A notícia do nascimento de um irmãozinho pode deixar o outro filho abalado: tendo sido o centro das atenções e preocupações da família, ele começa a sentir que terá de competir pelo amor dos pais com mais alguém. Muitas crianças passam a pensar que os pais decidiram encontrar um substituto para elas, o que acaba se manifestando em uma atitude hostil em relação ao irmão ainda não nascido.

Portanto, conversar com o primogênito sobre a chegada do novo membro da família é de extrema importância. Explique que esse acontecimento traz muitas vantagens: ele terá companhia para brincar, poderá ensinar muito ao seu irmão e será um exemplo para o pequeno. E, claro, os pais precisam convencê-lo de que têm amor suficiente para todos os seus filhos.

Violam limites pessoais

Com a chegada do bebê, as preocupações dos pais aumentam e pode ser que fiquem sem tempo para perceber que algumas de suas atitudes violam os limites pessoais do primeiro filho. Por exemplo, eles podem pedir ao primogênito para dividir seus brinquedos e suas roupas com o irmão caçula; e quando o bebê crescer, pedir para levá-lo junto toda vez que sair com os amigos. Nem todos os pais se dão conta de que o filho mais velho pode querer ficar sozinho com seus amigos.

Forçando-o a ignorar seus sentimentos e suas emoções o tempo todo e a obedecer ao que os adultos mandam, os pais podem fazer com que ele deixe de confiar em si mesmo, duvide de seu valor e se torne uma pessoa insegura.

  • Ensino os meus filhos que cada um tem seus próprios brinquedos, bem como há coisas que eles devem dividir. Cada criança tem seu brinquedo queridinho e tem todo o direito de não o compartilhar se não quiser. © FRIKADELECHKA / Pikabu

Mudam tradições familiares

O nascimento de uma criança é um acontecimento marcante e feliz, mas que também pode causar estresse e deixar o primogênito ansioso. Por isso, é preciso se lembrar da importância das tradições familiares. Se os pais liam contos de fadas para seu filho antes de dormir, escovavam os dentes e cantavam músicas juntos, é aconselhável manter os costumes.

As tradições familiares unem os membros de uma família e fazem cada um se sentir importante, além de facilitar o processo de adaptação do primogênito e fazê-lo entender que algumas coisas permanecerão inalteradas, mesmo com a chegada da nova fase da vida.

Comparam os filhos

Com o passar dos anos, a criança tende a defender sua personalidade e está mais propensa a criar conflitos com os outros. Nesses momentos, alguns pais podem dizer: “Por que você não pode ser tão obediente quanto seu irmão?” Mas comparar os filhos não é uma boa ideia.

Pesquisas mostram que essa atitude parental pode afetar negativamente a saúde mental tanto do filho elogiado quanto do criticado. O primeiro pode se sentir ansioso na tentativa de corresponder às altas expectativas dos pais, enquanto o segundo pode achar que tem algo de errado com ele. Como resultado, isso pode piorar o relacionamento entre irmãos.

Tratam a criança como um adulto em miniatura

Muitos pais esperam que o filho mais velho seja autossuficiente, ajude nos afazeres domésticos e cuide dos irmãos caçulas. Mas a tarefa primordial de uma criança é crescer e se desenvolver, e não cuidar dos outros. É importante dar ao primogênito apenas as tarefas que ele for capaz de fazer e mostrar que ser o filho mais velho não é um castigo, mas um privilégio. Por exemplo, deixá-lo ir ao cinema com os amigos ou dormir até um pouco mais tarde.

  • Tenho três irmãos e sou o mais velho. Um dos grandes erros dos pais é delegar algumas de suas tarefas ao seu primeiro filho. Tendo menos direitos e menos poder, ele tem de assumir uma grande responsabilidade. Ou seja, quando eu tinha 10 anos, uma hora eu era considerado adulto, que deveria cuidar dos irmãos caçulas, e outra eu era “ainda muito pequeno”.

  • Outro erro é dar muitas tarefas domésticas ao seu filho. Certa vez, depois das férias no ensino fundamental, a professora deu a cada aluno uma folha com o desenho de uma flor de sete cores, na qual podíamos anotar os nossos desejos. Em uma das pétalas, escrevi que queria descansar. Eu era a única criança da minha turma que estava cansada depois das férias. Quando a minha mãe soube disso, começou a me deixar com mais tempo livre, e eu senti que ela se importava comigo. Finalmente, ela percebeu que eu ainda não era um adulto.

Afastam-se emocionalmente

Às vezes, os pais ficam tão exaustos que podem não conseguir dar a mesma atenção a cada filho. Normalmente, os adultos têm medo de descontar sua frustração no seu filho mais velho, por isso passam a ignorá-lo. Mas essa atitude pode ser muito perigosa para as crianças: pode afetá-las de uma forma que, na vida adulta, elas terão dificuldades de se comunicar, se aproximar de alguém e de expressar suas emoções.

A melhor solução é explicar para o filho que você fica muito cansado e que terá mais tempo para ele quando seu irmão caçula crescer um pouco. Enquanto isso, o primogênito pode pensar em uma frase para dizer quando se sentir solitário e quiser mais atenção. Dessa forma, ele saberá que receberá seu carinho em troca.

Não conversam a sós com o filho

Os médicos afirmam que o diálogo entre pais e filhos contribui para o desenvolvimento saudável das crianças, além de aumentar a autoconfiança e melhorar o aprendizado delas. Ao mesmo tempo, os especialistas enfatizam que o que conta não é a quantidade de tempo que ficam juntos, e sim a qualidade desses momentos.

Quando a criança passa por um período de estresse, essa comunicação se torna especialmente importante. Os pais que encontram tempo para falar com seu filho em particular o fazem se sentir especial.

  • Conselho aos pais: busquem passar um tempo com cada filho separadamente! Dê uma volta com cada um pelo menos uma vez por semana. Assim a criança satisfaz sua necessidade de conversar a sós com seus pais, e é uma ótima oportunidade de saber mais sobre o que está passando na vida do pequeno. Quando dei o primeiro passeio apenas com a minha filha mais velha, ela caminhou segurando a minha mão e olhando nos meus olhos por alguns minutos. E aí, depois de um longo silêncio (e ela só fica calada quando dorme), ela disse: “Mãe, é tão legal ficar sozinha com você”. Depois de termos uma conversa a sós, ela nunca mais ficou com ciúmes de mim. © Anarchy49 / Pikabu

Não elogiam os filhos quando eles se dão bem

Criticar é mais fácil do que elogiar, mas de acordo com a doutora em Filosofia e antropóloga Gwen Dewar, estimular a criança ajuda a aumentar sua autoestima e desenvolver suas habilidades de comunicação. Os pais que apoiam os filhos e lhes dão a entender que se sentem felizes quando eles encontram uma linguagem em comum, incentivam as crianças a manter a mesma atitude por mais tempo.

Quais dificuldades você enfrentou a partir do segundo filho? Ou talvez você seja o irmão mais velho e queira compartilhar sua experiência com outros leitores? Comente!

Compartilhar este artigo