Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Médicos compartilham dicas de cuidado infantil que deixam os pais agradecidos

Jornalista especializada em ciência, Helen Pearson, compartilhou suas experiências ligadas à maternidade durante uma conferência da TED Talk, dando dicas muito úteis. Por exemplo, ela reserva 15 minutos todas as noites para conversar com os filhos, e, logo depois, faz os pequenos irem para a cama. A ideia parece uma boa estratégia para impor limites de uma maneira carinhosa, não é mesmo? E essa é apenas uma das orientações dadas pela palestrante.

Nós, do Incrível.club, sabemos como é importante receber conselhos profissionais na hora de criar os filhos. Por isso, trazemos 10 dicas que podem ajudá-lo a se tornar um pai ou uma mãe ainda melhor.

1. Permita que a criança durma na sua cama até os 3 anos

Alguns pesquisadores sugerem que a maneira mais segura de dormir para um bebê é junto à mãe. Pediatras perceberam que pode não ser adequado manter um recém-nascido em um quarto separado. Eles observaram 16 crianças durante o sono no berço e também no colo da mãe, e as análises demonstraram que um bebê tende a apresentar 3 vezes mais estresse quando dorme sozinho.

De acordo com alguns estudiosos, o ideal é que você divida sua cama com a criança até que ela complete 3 anos. Por outro lado, há indícios de que dormir com um bebê de menos de 4 meses não é muito seguro, pois um corpo adulto pode acidentalmente sufocar uma criança dessa idade durante o sono. E se estiver com um recém-nascido no colo, policie-se para não acabar cochilando.

2. Não pressione seu filho a comer mais

Coloque alimentos saudáveis na mesa: essa é a orientação dos especialistas. Assim, você não precisará se preocupar com a possibilidade de seu filho estar ingerindo comida não saudável; ou se ele está exagerando no volume das refeições. Alguns pais tendem a forçar a criança a comer mais, achando que o pequeno está sempre com fome. Mas é melhor não pressioná-lo quando o assunto é alimentação. O mesmo vale para dietas. Simplesmente ofereça opções saudáveis e deixe seu filho escolher o que irá comer.

3. Não entre em pânico caso a criança se recuse a usar o penico

Sim, claro que é ótimo não precisar gastar dinheiro em fraldas todos os meses, mas a adaptação para o uso do penico precisa acontecer no tempo da criança. De acordo com a pediatra Ari Brown, autora do livro Baby 411, não existe idade correta para começar a largar a fralda. O importante é que a criança esteja pronta e demonstre interesse no penico. Porém, é possível dizer que isso acontece por volta de 2 a 4 anos.

4. Dê à criança a oportunidade de fazer escolhas, para que ela aprenda a tomar decisões

Até mesmo as crianças pequenas precisam aprender noções de independência. A pediatra Gwenn Schurgin O’Keeffe afirma que sempre dar ordens inquestionáveis não é a melhor opção. O ideal é não impor a própria vontade aos filhos. Eles precisam fazer escolhas. Por exemplo: pergunte à criança o que ela prefere comer no jantar; ou a cor da roupa que gostaria de usar.

5. Faça seu filho se envolver na consulta médica

Se familiarizar com questões ligadas à saúde também é importante para o desenvolvimento da criança. Os pequenos precisam aprender que é preciso consultar o médico, além de ser capaz de, por conta própria, dar informações ao profissional da saúde, afirmam especialistas. Estimule seu filho a se envolver nas consultas médicas. A doutora Mary Ann Abrams diz que, a partir dos 6 anos, as crianças podem começar a responder perguntas durante os exames. Não cometa o erro de afastar o pequeno e querer responder a todos os questionamentos do pediatra. A criança precisa entender que também tem responsabilidade pela própria saúde.

6. Preste atenção a qualquer alteração nos hábitos alimentares em recém-nascidos

Médicos de família tendem a concordar que os recém-nascidos precisam comer com frequência. Caso você precise acordar o bebê para alimentá-lo, ou ainda se ele passar a comer menos, isso pode significar a presença de uma doença. É bom observar também se seu filho transpira enquanto come, apresenta mudanças no padrão de choro ou começa a dormir mais que o habitual.

7. Faça o seguinte caso seu bebê tenha menos de um ano e esteja chorando sem parar:

Que atire a primeira pedra a mãe ou o pai que nunca se viu nesta situação: ter a sensação de que fez tudo certo, mas ainda assim, ter no colo um bebê que simplesmente não para de chorar. Caso seu filho esteja com a fralda limpa, alimentado e descansado, mas continue chorando, experimente aplicar as seguintes técnicas, sugeridas por especialistas:

  • Embale a criança em uma cadeira de balanço ou em seus braços;
  • Coloque uma música suave para tocar;
  • Caminhe com o bebê em seus braços ou passeie com ele no carrinho;
  • Saia com o bebê para um passeio de carro;
  • Exponha a criança a alguma fonte de ruído branco, como o barulho emitido por um ventilador ou máquina de lavar louça.

8. Estimule a confiança e a autoestima desde cedo

Alguns profissionais afirmam que as crianças com maior autoestima são mais felizes. Nesses casos, os pequenos tendem a lidar melhor quando estão sob pressão. A autoestima ajuda as crianças na hora de tomar decisões adequadas. Os pais devem sempre estimular a criança, valorizando os esforços e as conquistas que ela obtiver. Você pode encorajar seu filho da seguinte maneira:

  • Delegue responsabilidades apropriadas para a idade, sem se esquecer de agradecer quando a criança executar suas tarefas;
  • Faça atividades junto com seu filho. Crianças precisam saber que têm importância na vida dos adultos.

9. Se a criança estiver tendo um ataque de birra, finja não estar ouvindo o choro nem os gritos

Crianças pequenas tendo ataques de birra em lojas e supermercados podem ser um cenário familiar para muitos pais. Porém, há como lidar com situações assim e interromper o escândalo. A doutora Tanya Remer Altmann garante que a melhor forma de acabar com as birras é as ignorando. Se a criança estiver em um local seguro, simplesmente olhe para o outro lado. Quando a criança está em busca de atenção e percebe que não a está recebendo, fatalmente acabará parando de chorar.

Talvez seja uma estratégia difícil de adotar inicialmente, mas vale a pena tentar. Além disso, colocar livros e brinquedos favoritos da criança à disposição dela nesses momentos pode ajudar a distraí-la.

10. Planeje uma atividade divertida para fazer após uma visita ao dentista

Vai levar seu filho para um procedimento no dentista? Pense em atividades divertidas para fazer com a criança logo após sair do consultório, com o intuito de criar boas lembranças e associá-las ao momento. Uma boa ideia pode ser perguntar o que o pequeno mais gostaria de fazer depois de sair do consultório.

Além disso, a higiene dental é igualmente importante, e é algo sobre o que você precisa ensinar seu filho desde cedo. Permita que a criança escolha sua própria escova e pasta de dentes. Aposte em livros e vídeos feitos para crianças que abordem a questão da limpeza bucal.

A quais estratégias ou truques você recorre para criar seus filhos? O que costuma fazer para acalmá-los? Deixe seu comentário!