8 Fatos peculiares sobre as viagens da família real britânica (eles levam até bolsas de sangue na bagagem)

Nós já escrevemos sobre algumas regras estranhas adotadas pela família real em suas viagens neste post. No entanto, há ainda muitas outras normas um tanto peculiares relacionadas aos passeios dessa família pelo mundo — sua bagagem, alimentação, o que precisa ser levado para viajar e até quanto tempo passar em um evento ou descansando. Apesar de aparentarem absurdos à primeira vista, alguns desses regulamentos têm de fato um fundamento lógico e compreensível.

Nós, do Incrível.club, elaboramos uma lista com as principais regras seguidas pelos membros da família real britânica em suas viagens. Acompanhe!

1. Suas viagens são entediantes e curtas

Os príncipes, duques, e até a própria rainha, só podem fazer viagens privadas com passeios, excursões e até visitas à cafés e restaurantes locais em seus sonhos. Claro, por causa de seu status eles podem se dar o luxo de visitar qualquer lugar do mundo, mas ainda assim você não sentiria inveja deles. Os representantes da família real passam maior parte de seu tempo em encontros oficiais, e cada minuto de sua viagem é planejado — até mesmo o momento exato de sair de um evento e entrar no carro. Assim, eles costumam ter apenas 40 minutos para visitar os lugares mais famosos e turísticos do mundo.

2. Levam suas bebidas alcoólicas nas viagens

Essa regra foi criada alguns séculos atrás. Para sua própria segurança, os membros da família real nunca compram bebidas alcoólicas no exterior ou bebem em bares locais, mas levam as bebidas de sua preferência de sua própria adega real. Por exemplo, o príncipe Charles e sua esposa carregam vinho tinto seco e gim-tônica na bagagem.

3. Dois conjuntos de roupa idênticos

A assistente pessoal e estilista da rainha, Angela Kelly, sempre leva 2 conjuntos de roupas idênticos para a rainha Elisabeth II em suas viagens. O motivo — a Coroa Britânica deve sempre aparentar perfeita em todo lugar. E caso ocorra algum pequeno acidente com sua vestimenta, Elisabeth II deve trocá-la imediatamente, mas de forma extremamente discreta, preferivelmente imperceptível para as pessoas ao seu redor. Afinal, ela não deve ser vista com manchas, furos ou descosturas em suas roupas.

4. Roupas fúnebres também são um item indispensável

Na foto, a Rainha Elizabeth II, o príncipe Philip e a Duquesa de Windsor nos arredores do Castelo de Windsor, em 5 de junho de 1972, após o funeral do Duque de Windsor.

Na bagagem, a família real sempre leva um vestido ou terno pretos. E isso não é por causa de eventos de negócios, mas uma medida preventiva no caso de que algum de seus parentes venha a falecer enquanto estiverem no exterior. Dessa forma, quando retornarem à Inglaterra todos estarão vestidos adequadamente.

Essa regra foi introduzida depois do episódio em 1952, quando a rainha Elisabeth II estava na África e soube da morte de seu pai. Ao retornar para Londres, ela teve que esperar no avião até que lhe trouxessem roupas pretas de luto.

5. Uma bolsa de sangue na bagagem

Talvez esse seja o item mais incomum na bagagem da família real. Mas, de acordo o protocolo real, os membros da realeza devem sempre levar um suprimento de sangue consigo para toda viagem internacional. Isso é uma medida preventiva caso ocorra algum acidente inesperado durante a viagem. E para executar a transfusão e efetuar os primeiros socorros, o médico pessoal da família real sempre viaja acompanhando seus membros.

6. Eles são acompanhados por uma comitiva de assistentes

Os membros da família real britânica levam consigo toda uma equipe de assistentes para qualquer lugar que viajam. Secretárias, cabeleireiros, guarda-costas, estilistas, babás — todos cujas habilidades forem necessárias durante a viagem devem obrigatoriamente acompanhá-los. A comitiva da rainha é composta por 34 assistentes, já a dos Duques de Cambridge, por cerca de 10. Megan e Harry são mais modestos — são acompanhados por alguns tradutores e um estilista pessoal.

7. Devem cumprimentar as pessoas em todas as línguas do mundo

Como representantes da monarquia britânica, os membros da família real devem aprender cumprimentos básicos nos idiomas dos países para os quais estão viajando. Devem também saber, respeitar e seguir as regras de etiqueta do país visitado. No entanto, eles sempre têm assistentes que os preparam com antecedência antes de uma viagem importante. Além disso, em toda viagem internacional alguns tradutores nativos acompanham a família real, a fim de evitar pausas durante as conversas e permitir que respondam prontamente a qualquer dúvida.

8. Cada membro da família tem seu menu individual

Os funcionários do Palácio de Buckingham informam com antecedência aos chefs estrangeiros sobre os requisitos alimentares dos membros da família real. Por exemplo, não é permitido adicionar alho ou muitos temperos para que a rainha mantenha seu hálito fresco, assim como o consumo de frutos do mar e outros alimentos que possam provocar intoxicação alimentar ou indisposição é proibido. Em relação ao prato favorito da rainha — ele permanece um mistério. Elizabeth II acredita que se contar essa informação vão começar a cozinhar somente ele em todo lugar que ela for.

Você concorda que é difícil ser um membro da família real britânica, ou acha que a vida deles é mais fácil que a nossa? Conte para a gente na seção de comentários.

Compartilhar este artigo