Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Por que muitos acham que a Disney começou a repetir personagens femininas (e o que isso pode causar)

Várias gerações cresceram vendo os desenhos animados da Disney: choramos quando a mãe de Bambi e o Mufasa morreram; sonhamos em ter um dálmata ou um cocker spaniel semelhante à Dama de “A Dama e o Vagabundo”; ouvimos músicas maravilhosas; e, é claro, amamos as princesas da Disney. Cada uma delas nos cativa de sua maneira, mas, recentemente, os espectadores estão cada vez mais insatisfeitos com o fato de que os rostos das heroínas têm se fundido em um só e perdido sua individualidade. Alguns artistas até lançaram um pequeno flash mob, no qual tornaram os rostos das princesas mais realistas e variados.

Nós, do Incrível.club, tentamos descobrir se há, de fato, razões para o descontentamento dos espectadores.

1. Muitos espectadores acreditam que, em seus filmes mais recentes, a Disney está fazendo as personagens principais muito parecidas

Quando “Frozen” apareceu nas telas, três anos após o lançamento de “Rapunzel”, não se falava em heroínas repetitivas. Os comentários começaram há pouco tempo.

Afinal, Elsa, Anna e sua mãe devem ser parecidas, porque são mãe e filhas. Podemos assumir que a teoria dos fãs está correta e Rapunzel também é sua parente, portanto a similaridade é justificada aqui. Mas Judy de “Zootopia — Essa Cidade é o Bicho” parece uma cópia um pouco alterada de qualquer uma delas. Quase como se uma feiticeira do mal tivesse transformado uma das pessoas de sangue real em um coelho: os traços faciais, a figura, as expressões e os movimentos são muito semelhantes.

Mais uma semelhança é especialmente evidente no filme de animação “Força Ralph: Ralph vs. Internet”. Quando Vanellope entra no camarim, ela vê todas as princesas de uma só vez: seus rostos realmente mudaram muito e não são como costumavam ser. Eles se tornaram muito mais parecidos. Isso é especialmente evidente nas características de Mérida, Jasmine, Mulan e Pocahontas. A pele das duas últimas também ficou muito mais clara. Aqui também podemos citar a personagem principal do desenho animado “Raya e o Último Dragão”, que será lançado em 2020. Se antes a aparência das princesas pertencia a diferentes grupos raciais, agora ela é unificada — um “rostinho de bebê”. Ou seja, um rosto arredondado, grandes olhos ingênuos com cílios grossos, nariz pequeno, lábios brilhantes — em geral, características típicas das crianças.

2. Como os rostos das princesas da Disney mudaram

No começo, princesas eram desenhadas como mulheres de verdade. Portanto, as heroínas animadas se moviam como se estivessem vivas e tinham proporções de rosto bastante realistas. Exemplos de tais animações são Branca de Neve (1937) e Cinderela (1950).

Mais tarde, o estúdio começou a fazer experimentos de maneira sútil com as formas dos rostos e corpo das princesas, além da maneira de se mover, até o início dos anos 2000. Mesmo que deixemos apenas uma silhueta preta em um fundo cinza, podemos distinguir facilmente Belle de Ariel e Pocahontas de Jasmine, e especialmente Nani do desenho animado “Lilo e Stitch”. Embora os padrões de contos de fada exijam que as princesas tenham belezas encantadoras e o estilo geral do estúdio possa ser traçado em cada imagem, isso não impede que as meninas sejam especiais e inteligentes. Elas têm silhuetas, tipos e traços de caráter diferentes.

Nos anos 2000, começou uma transição gradual para a animação de computador, que requer uma maior simplificação dos rostos para que os personagens não sejam estranhos aos espectadores, principalmente em close-ups. Mas o estúdio foi além e decidiu abandonar todo o resto, que tornava os personagens principais especiais. Agora eles têm não só o mesmo rosto, mas também as mesmas formas, expressões faciais e o mesmo estilo de movimentos.

3. Por que a Disney está mudando as heroínas

Pode haver várias razões para essa nova política do maior estúdio de animação do mundo.

Primeiramente, as “Princesas da Disney” são uma franquia extremamente bem-sucedida. Se a diferença entre as heroínas estiver apenas nos penteados e nas roupas, isso poupará muito dinheiro aos fabricantes com o design, com os layouts apropriados para impressão e assim por diante. Se todas as bonecas e estampas forem fabricadas de acordo com um padrão, os lucros da Disney serão enormes.

Em segundo lugar, agora se gasta muito mais dinheiro com crianças do que antes, por isso é razoável que o estúdio se concentre nelas. Se eles fazem com que os traços faciais das princesas pareçam com o de crianças, é mais fácil até para as meninas que nem vão à escola ainda se associarem a elas. Como resultado, será mais fácil para os pequenos espectadores se apegarem à heroína e depois implorarem aos pais por uma boneca, uma colcha, uma festa temática dedicada à amada princesa ou até mesmo uma viagem à Disneylândia.

Essa é a aparência da Elsa sem maquiagem no rosto. Se não soubéssemos que ela é adulta, poderíamos confundi-la com uma menininha.

E essa seria a aparência do Kristoff, se ele seguisse o padrão usado nas personagens femininas.

4. Quais são as consequências

Apesar de todas as princesas dos contos de fadas serem lindas, cada uma era especial e facilmente reconhecível pelas características faciais. Mas agora, as heroínas realmente se parecem cada vez mais, como irmãs, embora tenham idades e raças diferentes, e às vezes até espécies (como no caso dos animais). Ao mesmo tempo, os homens são representados por variadas opções de aparência, assim como os vilões.

Infelizmente, as conclusões não são muito agradáveis: meninas recebem a mensagem, embora certamente sem intenção maliciosa, de completa desigualdade. Somente as garotas bonitas merecem amor e felicidade. Feias e velhas não podem ser boas. Os homens têm o direito de ter a aparência que quiserem: têm diferentes formas de nariz, olhos, maçãs do rosto e assim por diante, e até o feio corcunda Quasimodo merece compreensão e cuidado.

Já as garotas bonitas são todas iguais. Rostos encantadores, maquiagem leve obrigatória, roupas impecavelmente selecionadas — independentemente do que aconteça com elas. Uma princesa deve parecer perfeita, mesmo que chore a noite toda, caia no mar ou lute com um inimigo muito mais forte que ela.

Nos dias de hoje, quando a maioria está tentando convencer as meninas de que não é necessário se adaptar a expectativas irrealistas, de que você precisa se aceitar e se amar por quem você é, essa abordagem parece ultrapassada e até prejudicial. Vamos torcer para que o público principal dos desenhos animados de princesas supere essas ideias sem consequências indesejáveis.

E você, acha que as garotas dos desenhos animados da Disney parecem iguais? Acha que isso é bom ou ruim?

Compartilhar este artigo