Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

13 Casais principais de novelas que não ficaram juntos no final

Um casal romântico é parte fundamental na composição de uma boa novela. Mas nem sempre os mocinhos inicialmente escolhidos pelos autores ganham a empatia do público do sofá. Quando falta química, os novelistas mudam suas narrativas e constroem um final bem diferente do que havia sido planejado.

Nós, do Incrível.club, relembramos agora alguns casais de tramas da TV que não foram “shippados” pelos espectadores e acabaram separados no fim da história. Confira!

1. Sol e Tião, de América

Um dos clássicos da autora Glória Perez, América é muito lembrada como a novela da sonhadora Sol (Deborah Secco), a mocinha que tinha o sonho de morar nos Estados Unidos. Inicialmente apaixonada por Tião (Murilo Benício), um caubói inveterado que não pensa em abandonar o Brasil, a jovem decide deixar o romance para trás quando inicia a jornada em busca de seu objetivo maior.

Apesar da forte ligação emocional, a relação conturbada da dupla de protagonistas, cujas pretensões de vida não coincidiam, parece ter cansado o público ao longo da trama. Já em terras estrangeiras, Sol redescobre o amor ao lado do norte-americano Ed (Caco Ciocler), com quem tem um filho e constrói uma família. Enquanto isso, no interior brasileiro, Tião se consagra campeão dos rodeios e casa-se com Simone (Gabriela Duarte).

2. Maya e Bahuan, de Caminho das Índias

América não é a única novela de Gloria Perez que separou o casal principal. Em Caminho das Índias, a trama do amor proibido entre Maya (Juliana Paes), que pertencia a uma classe mais alta, e Bahuan (Márcia Garcia), um membro da casta dos “intocáveis”, considerada inferior, não conquistou a torcida do público.

Diante de um romance insosso, a autora foi levada a escrever novos destinos para a dupla de personagens. Maya, que havia sido forçada pela família a se casar com Raj (Rodrigo Lombardi), acabou se apaixonado pelo rapaz. O novo par de protagonistas conseguiu ganhar a simpatia dos noveleiros, enquanto Bahuan foi reduzido a um papel secundário na história.

3. Griselda e Renê, de Fina Estampa

Nem a atriz Lilia Cabral conseguiu acreditar que sua personagem, Griselda, encerrou a jornada da novela separada de Renê (Dalton Vigh). A heroína de Fina Estampa, cheia de personalidade, resistiu até confessar para si mesma que estava apaixonada pelo chef de restaurante, ex-marido de sua arqui-inimiga, a odiosa Tereza Cristina (Christiane Torloni).

Mas faltou química para convencer o público — e o próprio autor, Aguinaldo Silva — de que o destino da famosa “Pereirão” deveria ser ao lado do cozinheiro. Quem conquista o coração da mocinha no fim da história é o galanteador português Guaracy (Paulo Rocha), amigo de longa data de Griselda. Já Renê finalmente se envolve com a jovem Vanessa (Milena Toscano), que passa boa parte da trama tentando jogar seu charme para o rapaz.

4. Maria do Carmo e Dirceu, de Senhora do Destino

Aguinaldo Silva também não conseguiu emplacar o romance de Maria do Carmo (Susana Vieira) e Dirceu (José Mayer), em Senhora do Destino. A heroína se via dividida entre o namoro com o submisso jornalista e as investidas do carismático ex-bicheiro Giovanni Improtta (José Wilker), que logo ganhou a preferência do público.

Ainda assim, o autor preferiu manter o suspense do futuro amoroso da mocinha até o capítulo final, quando ela, enfim, aceita o pedido de casamento do “felomenal” Giovanni. Dirceu, por sua vez, se entende com Guilhermina, personagem de Marília Gabriela.

5. Maria Vitória e Inácio, de Tempo de Amar

Maria Vitória (Vitória Strada) passou boa parte dos capítulos de Tempo de Amar em busca do amado Inácio (Bruno Cabrerizo). O casal, separado pelo destino, parecia nunca conseguir se encontrar, o que acabou afastando o engajamento do público com a história arrastada dos protagonistas.

Para envolver os espectadores novamente na vida amorosa da mocinha, o autor Alcides Nogueira propôs a união da jovem com Vicente (Bruno Ferrari). Durante a jornada da heroína, a amizade entre os dois, bem recebida pela audiência, se transformou em romance. Quando Maria Vitória enfim reencontra Inácio, ela revela à sua antiga paixão que já não sente por ele o mesmo amor de antes. Em resumo, a fila andou!

6. Manuela e Solano, de Araguaia

O casal protagonista de Araguaia, definitivamente, não foi dos mais carismáticos. O novelista Walther Negrão até tentou emplacar a velha fórmula da dupla que vive se desentendendo, mas, no fundo, gostam um do outro. Porém, no caso de Manuela (Milena Toscano) e Solano (Murilo Rosa), o método falhou.

A ligação do galã era bem mais intensa com a misteriosa índia Estela (Cleo Pires), que vivia um dilema entre cumprir o legado de sua tribo, condenando Solano à morte, ou se entregar à paixão que nutria pelo rapaz. É claro que o amor dos dois venceu no final, enquanto a esquecida mocinha Manuela terminou nos braços do jornalista Rudy (Henri Castelli).

7. Letícia e Ramiro, de Tropicaliente

Outra novela de Walther Negrão que passou por problemas relacionados à dupla principal foi Tropicaliente. Na trama, o reencontro de uma paixão da juventude reacende o antigo amor entre o pescador Ramiro (Herson Capri) e a ricaça Letícia (Sílvia Pfeifer). Mas os anos já haviam se passado e o rapaz estava casado com Serena (Regina Dourado), tinha dois filhos e uma família bem estruturada.

O público não viu com bons olhos a infidelidade do mocinho, que acabou, no fim da história, reatando o relacionamento com a esposa. Do outro lado, Letícia terminou dando uma chance a François (Victor Fasano), inicialmente o vilão do folhetim, que se apaixona de verdade pela heroína ao longo dos capítulos.

8. Lívia e Heitor, de Negócio da China

A ausência de entrosamento entre a dupla romântica principal não é a única razão que provoca mudanças significativas nos rumos de uma novela. Em Negócio da China, o escritor Miguel Falabella se viu obrigado a alterar o destino de Lívia (Grazi Massafera) quando seu então par afetivo precisou se afastar das gravações.

Logo nas primeiras semanas de exibição, o ator Fábio Assunção, que dava vida ao protagonista Heitor, foi retirado da trama para tratar um problema de saúde. A partir daí, a heroína se aproximou do português João (Ricardo Pereira), que já disputava o coração da moça formando um triângulo amoroso. Mas a substituição não foi o suficiente para conquistar o público. O folhetim, rejeitado no horário, ficou conhecido como um dos grandes fracassos de audiência da história da Globo.

9. Lili e William, de Além do Horizonte

Os heróis de Além do Horizonte tinham um objetivo em comum: enquanto Lili (Juliana Paiva) decidiu ir em busca do pai desaparecido, William (Thiago Rodrigues) queria reencontrar o irmão, Marlon (Rodrigo Simas), que também sumiu sem deixar rastros. Os dois se unem na jornada até uma comunidade secreta, onde seus entes vivem escondidos, e acabam se envolvendo em um caso amoroso.

Porém, nem a novela, nem o casal agradaram o espectador. Foi aí que os autores Carlos Gregório e Marcos Bernstein decidiram promover Marlon, irmão do então mocinho, ao posto de protagonista da história. Juliana Paiva e Rodrigo Simas, que já haviam emplacado um par romântico de sucesso em Malhação Sonhos, conseguiram ganhar a empatia do público e ficaram juntos no final. Ao mesmo tempo, William se encantou com a professora Celina (Mariana Rios), com quem encerrou sua aventura na trama.

10. Ana e Rodrigo, de A Vida da Gente

A história de Ana (Fernanda Vasconcelos) e Rodrigo (Rafael Cardoso) em A Vida da Gente é um verdadeiro drama. Após se encantarem um pelo outro, a tenista engravida do rapaz e dá à luz uma menina. Mas uma desventura transforma para sempre o destino do casal: vítima de um acidente de trânsito, a jovem entra em coma profundo. Decidido a dar novos rumos à sua vida, o mocinho começa a se relacionar com Manuela (Marjorie Estiano), irmã de Ana, e passa a criar a filha ao lado da moça.

Até que, anos depois, a heroína, enfim, desperta no hospital e precisa lidar com todas as mudanças que afetaram o seu redor. Enquanto luta para cativar a afeição da pequena Júlia (Jesuela Moro), ela tenta reconquistar o ex-amado. No entanto, a relação de Rodrigo e Manu, já querida pelo público, foi a escolhida para encerrar a novela. Ana, por sua vez, termina apaixonada por Lúcio (Thiago Lacerda), médico neurologista que cuidou de seu tratamento.

11. Helena e Marcos, de Viver a Vida

Viver a Vida estreou fazendo barulho: a novela iria apresentar a primeira Helena negra de Manoel Carlos, cargo confiado à experiente Taís Araújo. Mas o autor teve a ideia de escalar José Mayer para interpretar Marcos, o interesse amoroso da mocinha na trama. A escolha, temida pelo próprio ator na época, acabou afastando o envolvimento do público.

A narrativa dos protagonistas, que, de fato, não apresentavam química em cena, foi ofuscada pelos núcleos paralelos do folhetim. Na tentativa de resolver o problema, o personagem de Thiago Lacerda, Bruno, que era filho de Marcos, foi promovido à par romântico da heroína. Já o pai, com o título de papel principal jogado para escanteio, terminou a história ao lado da ex-mulher, Tereza (Lilia Cabral).

12. Lia e Dinho, de Malhação 2012

O jovem Guilherme Prates não agradou ao público da 20ª temporada de Malhação. Na pele de Dinho, o ator for retirado da novelinha teen meses após o início da trama. Isso porque, na história, o personagem tinha traços egoístas e parecia não se importar em afetar de forma negativa a amizade entre a namorada Lia (Alice Wegmann) e sua amiga Ju (Agatha Moreira).

Rejeitado pelos fãs, o então mocinho foi substituído por Vitor, papel de Guilherme Leicam, que acabou ganhando o coração de Lia. A mudança também surtiu efeito positivo na audiência do programa, que cresceu depois da troca de protagonista.

13. Bárbara e Eduardo, de Alta Estação

Bárbara (Ariela Massotti) e Eduardo (Daniel Aguiar) prometiam ser o casal sensação de Alta Estação, novela juvenil produzida pela Record TV. Mas a falta de química entre os atores, ainda pouco experientes na época, não conseguiu cativar a torcida do público.

Durante a exibição da trama, a autora Margareth Boury buscou a solução promovendo uma verdadeira dança das cadeiras com os pares românticos da história. Até que, no fim, Bárbara termina feliz ao lado do amigo de Edu, Ricardo (Vergniaud Mendes), enquanto o ex-amado se torna um confesso conquistador.

Você torcia para algum desses casais que não terminaram juntos? Lembra-se de outro par romântico que foi separado no fim da história? Conte nos comentários!