Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

10 Medos comuns das crianças que todos os pais devem reconhecer para ajudar a vencê-los

Muitos psicólogos e pediatras falam sobre os medos mais comuns das crianças e como eles podem ser vencidos, e determinaram que a confiança e a tranquilidade são 2 elementos fortes que os pais devem transmitir aos pequenos para que se sintam confiantes e tenham coragem. Segundo alguns artigos especializados, temer algo é normal, e faz parte da evolução humana. No entanto, se o medo se agrava, o ideal é visitar um especialista, já que ele pode se transformar em uma fobia e causar muitos problemas.

O Incrível.club elaborou uma série de ilustrações que falam sobre os temores mais comuns dos pequenos e uma lista de recomendações para controlar cada situação.

1. Presença de estranhos

Esse é um medo comum e costuma se apresentar em diferentes etapas da infância, começando desde os 5 ou 6 meses de idade (quando os bebês começam a reconhecer a voz de seus pais). Tudo se deve à ansiedade gerada na criança quando não reconhece rostos ou energias de pessoas com as quais não convive, até mesmo se é um familiar próximo, como um tio ou um avô. Nesse momento, os bebês começam a chorar e esperam que seus pais os peguem para acalmá-los.

2. Separar-se de seus pais

Quantos de nós não chorávamos ao ver o papai ou a mamãe partir, quando nos levavam à escola? A maioria de nós talvez tenha passado por isso. Nesse caso, esse medo também surge quando as crianças são pequenas, mas a boa notícia é que, depois de um tempo, o menor se acostuma e aprende que os pais têm outras responsabilidades e que apenas estarão na escola/creche por algumas horas, o que suprime o medo da separação.

3. Escuro ou fantasmas

Entre 2 e 4 anos, as crianças começam a experimentar medos e fobias provocadas por coisas como a escuridão ou fantasmas. Isso se deve ao desenvolvimento das capacidades cognitivas, algo que permite o pequeno de criar outros medo como das tragédias, das mortes de familiares ou de algum ser amado, ou a fazer papel de bobo na frente dos outros. “O contato da criança com a escola, com outros pequenos e com outros professores tem muito a ver com o desenvolvimento desse medo”, enfatizou a Clínica de Ansiedade da Espanha.

4. Injeções

Algo que dá muito medo nas crianças é a dor, principalmente se causadas por agulhas. Elas foram odiadas com o passar dos anos, e são os pais que muitas vezes transmitem essa insegurança. Por isso, alguns pediatras recomendam que não assustem as crianças dizendo que as levarão ao médico como castigo, já que, mais adiante, isso poderá provocar muitos problemas.

5. Animais

O medo de animais pode surgir porque as crianças veem o cachorro, o gato ou outro bichinho como uma ameaça e não como um animal com quem possam brincar. Também é possível desenvolver esse medo em caso de a criança ter tido uma má experiência, ou ao ver que alguém sofreu um ataque de um bichinho ou até por influência dos próprios pais. Segundo o psicólogo David Cortejoso, “esse tipo de medo é denominado ’evolutivo’, já que o temos de forma inata e, em algum momento da evolução humana, foram muito úteis para podermos sobreviver”.

6. Barulhos

Outro medo muito comum é dos barulhos fortes como explosões, trovoadas ou fogos de artifício. A primeira reação dos pequenos quando escutam algo diferente é chorar, e somente podem ser consolados quando são tirados de perto do lugar que lhes provocou a angústia.

“Não devemos nos preocupar demais, já que os medos evolutivos formam parte do desenvolvimento normal de nossos filhos. Mas também não devemos subestimar o sofrimento dos pequenos acreditando que, com o tempo, os problemas desaparecerão. Considero que não devemos tirar a importância do assunto, mas sim obter informações através de fontes confiáveis e usar o bom senso”, disse a psicóloga Montse García em um artigo.

7. Água

Existem crianças que aproveitam a água, mas outras nem tanto. Esse temor se concretiza porque muitas não acham que seja um ambiente divertido. Para que os pequenos se acostumem, os pais devem colocar em prática algumas técnicas, aos poucos, já que obrigá-los a mergulhar pode gerar um impacto muito negativo. De fato, muitos psicólogos recebem adultos que sofrem de transtornos causados pelo medo de água, que chegam ao irracional e são muito prejudiciais.

8. Dormir sozinhos

Quando as crianças começam a desenvolver sua imaginação (entre 2 e 4 anos), acreditam que dormir é algo negativo. Como não sabem diferenciar a realidade da fantasia, acreditam que debaixo de sua cama se escondem más pessoas ou animais que lhes causarão algum dano. Isso, somado ao escuro, é um problema com o qual muitos pais devem lidar. Mas por ser um medo evolutivo, com o crescimento e desenvolvimento, elas se esquecerão disso.

9. Fantasias

Para comemorar o Halloween, os pais costumam fantasiar seus pequenos. No entanto, algumas crianças se recusam a participar da brincadeira, pois têm medo de se fantasiar ou de pessoas fantasiadas. É importante saber que esse medo acontece por causa do imaginário da criança, mas se continuar, pode virar uma fobia, e que somente pode ser tratada por um especialista.

“Não deixe de brincar de fantasiar com a criança, já que é uma brincadeira com muitos benefícios. Através dela, a criança pode expressar sentimentos bloqueados, vencer problemas de relação, e também aprender a ter empatia com o outro”, ressaltou a psicóloga Marta Martínez Lledó.

10. Cabeleireiro

Visitar o cabeleireiro pode ser um problema para muitos pais, e isso se deve ao medo do pequeno de que um estranho com tesouras cause algum “dano” ao seu cabelo. Para evitar isso, é importante familiarizar a criança com seu cabelo e acostumá-lo a cortá-lo de vez em quando.

Como ajudar crianças a combater seus medos

Quando a criança apresentar medo de algo, recomenda-se o seguinte:

  • Tranquilize-a e diga que “está tudo bem”. Transmitir segurança e acompanhá-la a ajudará muito.
  • À medida que a criança estiver crescendo, fale constantemente com ela e conheça seus sentimentos e temores. Acompanhe-a para descobrir ou experimentar coisas novas e, dessa forma, a romper barreiras.
  • Ajude-a a confiar em outras pessoas que passam muito tempo com ela, como tios, avós, professora ou colegas de aula.
  • Quando você precisar separar-se dela porque deve ir ao trabalho, por exemplo, deve abraçá-la e dizer que voltará em breve.
  • Se a criança tem medo do escuro e de ruídos, faça uma rotina que a tranquilize, como ler ou conversar antes de dormir.
  • Quando a criança acredita que há fantasmas debaixo da cama, acompanhe-a para comprovar que não é assim. Com seu apoio, ela saberá que não há nada o que temer, e isso a tornará mais corajosa.
  • Se algum medo continuar por muito tempo, é importante procurar um especialista.

Quais outros medos comuns nas crianças você conhece? O que faz para evitar que seus filhos desenvolvam fobias? Conte-nos na seção de comentários!

Ilustradora Natalia Tylosova para Genial.guru