Marte também sofreu uma colisão com um asteroide gigante, o que foi trágico

Curiosidades
há 9 meses

Algo está se aproximando da superfície do planeta. Parece uma bola de fogo que se aproxima cada vez mais a uma velocidade realmente incrível. Logo, torna-se óbvio que a colisão é inevitável! BUM! O impacto deixa uma enorme cratera. Ela evapora milhares de quilômetros cúbicos de rocha sólida. E também desencadeia uma série de desastres naturais terríveis. Sim, eu sei o que você está pensando! Você acha que estou falando da colisão catastrófica que ocorreu há cerca de 66 milhões de anos na Terra. Você sabe, a que foi responsável pela extinção dos dinossauros não-avianos e de 3/4 de todas as outras formas de vida em nosso planeta. Mas não.

O desastre de que estou falando aconteceu em um planeta diferente. Os cientistas pensam que nosso vizinho próximo — Marte — certa vez viveu a mesma catástrofe que atingiu a Terra. Aconteceu há cerca de 3,4 bilhões de anos. Uma colisão com um asteroide pode ter causado um megatsunami no Planeta Vermelho — semelhante ao causado pelo impacto do Chicxulub na Terra.

Os cientistas identificaram uma cratera de impacto em Marte que provavelmente foi deixada por uma colisão de asteroide ou cometa com a superfície do planeta. Muito provavelmente, o corpo espacial pousou em um oceano nas terras baixas do norte marciano. E o impacto foi tão poderoso que causou um megatsunami. Antes dos últimos estudos, a localização exata da cratera de impacto não havia sido verificada — era apenas uma teoria. Para confirmá-la, uma equipe de astrônomos simulou uma colisão com cometa e e com asteroide na área onde supostamente estava a cratera de impacto. Eles até deram o nome de Pohl a essa cratera.

Pohl tem 110 quilômetros de diâmetro e fica em uma região localizada quase 120 metros abaixo do suposto nível do mar. De qualquer forma, as simulações formaram várias crateras do mesmo tamanho de Pohl. Uma delas alegou que a cratera havia sido deixada por um asteroide de 8 quilômetros de largura que havia encontrado forte resistência no solo. Outra simulação mostrou que tinham sido causada por um asteroide um pouco menor, que encontrou uma resistência de solo mais fraca.

Mas, de acordo com ambas as simulações, a cratera de impacto tinha quase 110 quilômetros de diâmetro. E a colisão produziu megatsunamis a até um quilômetro e meio de distância do centro do local do impacto. As simulações também ajudaram os cientistas a estimar a altura do tsunami. Tinha cerca de 250 metros de altura — quase tão alto quanto a Torre Eiffel! Os autores do estudo também sugerem que a cratera Pohl pode ser semelhante à cratera de impacto de Chicxulub em nosso planeta.
Acredita-se que o asteroide Chicxulub, como o conhecemos agora, tenha vindo dos confins do Sistema Solar. Este corpo espacial tinha pelo menos 10 quilômetros de diâmetro. Ele caiu nas águas rasas do mar perto da Península de Yucatan.

O impacto foi tão poderoso que deixou sua assinatura em toda a face do planeta. Em 2021, pesquisadores descobriram que a colisão havia esculpido “megaondas” na crosta terrestre na região da moderna Louisiana central. Um estudo ainda mais recente sugere que o asteroide também provocou um tsunami tão devastador, que corroeu os sedimentos do fundo do mar a meio mundo de distância! A equipe de cientistas fez um modelo dos eventos dos primeiros 10 minutos após o impacto, que mostrou que o asteroide havia produzido ondas até 30.000 vezes maiores do que um dos maiores tsunamis já registrados — o do Oceano Índico, que atingiu a Indonésia em 2004.

A colisão deslocou tanta água que criou uma onda de quase um quilômetro e meio de altura! Isso é como dois Burj Khalifas (que é a construção mais alta do mundo) empilhados um em cima do outro! E, é claro, todo aquele lugar vazio não ficou vazio por muito tempo. O oceano jorrou de volta para encher a cratera. Mas no processo, apenas ricocheteou da borda da cratera, o que produziu ainda mais ondas. Depois disso, ondas de tsunami com mais de 10 metros de altura viajaram ao redor do mundo a uma velocidade de 1 metro por segundo, golpeando todas as linhas costeiras em seu caminho. Imagine um prédio de 3 andares correndo até você! Não é de se admirar que as ondas maiores e mais rápidas ocorreram perto da área de impacto nas águas abertas do Golfo do México. Essas subiram mais de 100 metros de altura — o que é mais alto do que a Estátua da Liberdade! — e se moveram a uma velocidade 10 vezes maior do que as ondas mais distantes do tsunami.

Mas de volta ao Planeta Vermelho. Alguns especialistas pensam que não um, mas dois megatsunamis podem ter acontecido. Eles podem ter sido desencadeados por um par de impactos de meteoros separados por vários milhões de anos. Entre estas duas colisões, Marte passou por um período de mudanças climáticas. Como resultado, a água líquida em sua superfície se transformou em gelo. Em outras palavras, o primeiro impacto de asteroide muito provavelmente produziu ondas compostas de água líquida.

E o segundo tsunami foi provavelmente formado por pedaços arredondados de água gelada. A propósito, o maior asteroide que já caiu na Terra pode não ter sido, na verdade, o que acabou com os dinossauros. Uma colisão muito mais catastrófica provavelmente aconteceu há cerca de 3,5 bilhões de anos. Novas evidências científicas encontradas no noroeste da Austrália sugerem que o asteroide de que estou falando tinha de 19 a 30 quilômetros diâmetro. Ele atingiu a Terra a uma velocidade imensa, liberando uma quantidade de energia inimaginável.

Isto me faz pensar: e se algo assim acontecesse hoje em dia? Mais de 30.000 objetos que estão circundando a Terra hoje em dia podem potencialmente se chocar com nosso planeta. A NASA considera que cerca de 1.500 deles são “potencialmente perigosos”. Estas rochas espaciais são os restos deixados depois que o Sistema Solar foi formado há cerca de 4,6 bilhões de anos. Por exemplo, em 2004, astrônomos descobriram um enorme asteroide próximo à Terra. As primeiras observações mostraram que a chance de a rocha espacial atingir nosso planeta era inferior a 3%. O asteroide foi chamado Apophis.

Tem mais de 360 metros de diâmetro e pesa cerca de 20 milhões de toneladas. Ele deve atravessar o céu em 13 de abril de 2029. Apophis passará a uma distância de 30.000 quilômetros da superfície terrestre. Mas mesmo que esta rocha espacial possa não atingir nosso planeta em 2029, isso não significa que não retornará 15 anos mais tarde, em 2036. Se um objeto deste tipo atingir nosso planeta, as consequências serão imprevisíveis. Elas podem variar desde vidros estilhaçados e janelas quebradas até a maioria das formas de vida sendo varridas da face da Terra. E isso provavelmente afetará a Internet.

Esse último pensamento é verdadeiramente assustador. Mas, felizmente, as tecnologias modernas provavelmente nos ajudarão a evitar quaisquer consequências catastróficas. Especialistas desenvolveram várias maneiras de evitar que um filme de desastres na vida real aconteça. Por um lado, poderíamos usar uma nave espacial para tirar de seu curso este visitante do espaço sideral. Ou poderíamos, de alguma forma, explodi-lo em pedaços. Os cientistas também poderiam retardar a rocha com a ajuda de luz solar concentrada. Ou as pessoas provavelmente poderiam desviá-la com um trator gravitacional, que é uma nave espacial teórica capaz de influenciar objetos no espaço sem tocá-los.

Nos filmes de ficção científica, um enorme asteroide muitas vezes se esgueira na Terra e acaba sendo uma surpresa desagradável para os astrônomos. Ele se choca com o nosso planeta a uma velocidade vertiginosa e é descoberto apenas semanas ou até mesmo dias antes da colisão. Na realidade, os cientistas estão constantemente observando todos os grandes objetos na vizinhança terrestre. Isso significa que haveria muito tempo para fazer algo antes que o inevitável acontecesse. Há três tipos de missões que os cientistas podem preparar com pouca antecedência:
“Tipo 0” — quando uma nave espacial pesada se precipita em direção ao intruso com um único objetivo: derrubá-lo de seu curso. Neste caso, os astrônomos teriam que contar com as informações já disponíveis.

A missão “tipo 1” envolveria um olheiro. Ele seria lançado primeiro para obter mais informações de perto sobre a rocha espacial. Somente depois disso, a nave espacial principal seria lançada. Com informações mais precisas, sua jornada seria muito mais produtiva.
E se os cientistas escolhessem a missão “tipo 2”, enviariam um olheiro e uma pequena espaçonave ao mesmo tempo. A espaçonave desviaria o asteroide para fora do seu curso. Então, o olheiro reuniria todas as informações necessárias. Com base nestes dados, a espaçonave terminaria seu trabalho com um segundo round, mais mirado.

Se nenhum desses métodos funcionasse, poderíamos tentar ir fundo no subsolo ou mesmo construir um abrigo no fundo do oceano. Mas neste caso, precisaríamos encontrar fontes de energia que poderiam nos ajudar a sobreviver por pelo menos várias décadas. Além disso, teríamos que criar um sistema de suporte de vida que pudesse, de alguma forma, manter o ar e a água frescos.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados