E se todos os planetas se movessem entre a Terra e a Lua

Curiosidades
há 9 meses

Você está em um avião indo para uma importante convenção de astronomia quando vê uma coisa enorme pela sua janela cobrindo todo o Sol. Aí cospe todo o café e todos na aeronave ficam olhando para fora em estado de choque. Você então percebe que a coisa tem anéis como os de Saturno. O voo deveria ir para para o Japão, mas é forçado a pousar na Califórnia.

Assim que pousa, você olha para o céu e vê algumas estruturas parecidas com planetas gigantes flutuando pelo céu. Todo mundo está tirando fotos e tentando descobrir o que está acontecendo. De repente, percebe-se uma enorme bola de fogo caindo perto do aeroporto. Todos lutam para ficar em segurança e, felizmente, aquilo acaba indo parar no meio da pista sem ninguém por perto. A má notícia é que não há mais pista para pousos e decolagens.

Todos se amontoam para ficar em segurança, e mais objetos grandes aparecem no céu. Todas as comunicações pararam ou foram interrompidas, uma vez que esses grandes corpos destruíram todos os satélites. Alguns cientistas nas proximidades dizem que são os planetas do Sistema Solar ficando na mesma proximidade da nossa lua. Mercúrio e Vênus parecem luas, mas Saturno está ocupando muito espaço no céu.

Você diz para os cientistas que é um astrônomo. Eles o convidam para acompanhá-los em uma viagem até a Antártica para a estação de observação no Polo Sul. Todas as mentes para ajudar a resolver este mistério são necessárias. Você entra em um navio com as coordenadas programadas para ir para o continente gelado. As ondas são extremamente fortes para um típico dia claro e de tempo bom. Depois de alguns dias, finalmente chega à costa do continente e tem que subir em uma moto de neve para percorrer todo o caminho até a Estação Polo Sul Amundsen-Scott. Aqui, junto com um grupo de cientistas, será possível descobrir o que está acontecendo. Você não estava preparado para as temperaturas congelantes, embora seja julho.

Quando chega na estação, vê todos os seus colegas cientistas correndo com papeladas e deixando escapar coisas sobre planetas orbitando nossa atmosfera. Na sala de reuniões, a cientista-chefe explica o que está acontecendo. Um por um, os planetas estão se aproximando de nós até que estejam alinhados com a lua. Mas ninguém ainda sabe por que e como. Vênus chegou primeiro e agora Saturno está chegando. A Lua está a cerca de 385.000 km de distância da Terra e afeta as marés dos oceanos e mares com sua atração gravitacional.

Como a água é menos densa que a terra, podemos ver a mudança das marés. Portanto, as altas ocorrem quando o nosso planeta é puxado em direção à lua. E como os outros estão se aproximando, a atração gravitacional está mudando drasticamente. Em algumas horas, Saturno estará na mesma distância que a lua. Você se dirige ao grande telescópio e observa os planetas. Qualquer avião ou helicóptero não voará como deveria e não terá a tecnologia de radar adequada como suporte. Você continua observando e percebe Marte se aproximando da Terra.

E recebe notícias de que maremotos estão ocorrendo com muita frequência agora e que algumas nações em ilhas estão sendo devastadas. Ainda bem que elas foram evacuados antes. Marte se aproxima, assim como Netuno. E é possível sentir a gravidade na Terra flutuar a cada passo que dá. Você relata suas descobertas para a cientista líder, e a única maneira de sobreviver é construir rapidamente bunkers distantes dos oceanos e mares que possam abrigar muita gente antes que os outros planetas cheguem perto. Uma equipe de engenheiros vem rápido e começa a trabalhar. Montes e montes de sobreviventes chegam e se acomodam nessas estruturas construídas praticamente da noite para o dia.

A cada hora, mais planetas se aproximam. Marte e Netuno já se alocaram, assim como Mercúrio, Vênus e Saturno. Plutão e Urano agora são visíveis a olho nu e estão vindo em direção à Terra. A atração gravitacional está ficando completamente fora de controle. A neve no deserto da Antártica fica flutuando por vários segundos sempre que alguém caminha sobre ela.

Você consegue pular muito mais alto. Agora é de noite, mas o céu não está tão escuro como de costume — os planetas estão refletindo muito mais luz do sol do que a nossa lua. Ela quase não está visível agora. Observando mais, dá pra ver cometas e meteoritos voando muito perto da nossa atmosfera. Alguns até estão caindo em Marte e Netuno. Todos conseguem ver isso daqui da Terra. Outros detritos espaciais também rumam para a nossa atmosfera. Mas há algo estranho. Os planetas orbitam Saturno. Você verifica seus cálculos e descobre que as posições dos planetas agora estão alinhadas com a órbita de Saturno. Isso porque ele tem a maior massa entre todos do sistema solar.

Os anéis de Saturno são feitos de partículas de gelo, algumas do tamanho de um ônibus e outras minúsculas como seixos. Mas elas estão todas se chocando e interferindo com os outros planetas. Ninguém consegue sentir a mudança na órbita no início, mas depois, você pode começar a perceber. Com isso, terremotos e vulcões estão prestes a acontecer. É por isso que todos, incluindo você, estão fazendo as malas e prontos para fugir. A Antártica tem dezenas de vulcões escondidos sob o gelo. Alguns são subterrâneos, enquanto outros estão bem no topo. A atração gravitacional de Saturno é muito mais forte do que a da Terra na lua. Isso fará com que o núcleo interno terrestre reaja muito mais e dê início a esses terremotos e erupções vulcânicas.

Todo mundo faz as malas muito rapidamente e se dirige aos helicópteros para voar para a África do Sul. Esses veículos foram projetados para fazer o percurso direto sem a necessidade de radares para guiá-los. Você chega ao país africano, que está praticamente coberto de água. O helicóptero o leva para mais perto do centro. E então você viaja para o deserto do Saara. A superfície plana sem nada ao redor será a melhor opção de segurança. Mas quando olha para o céu, vê outro planeta se aproximando. É Júpiter, o maior do nosso Sistema Solar. Se a Terra fosse do tamanho de uma uva, Júpiter seria do tamanho de uma bola de basquete. Ele está vindo rapidamente.

Muitos dos outros planetas abrem caminho automaticamente para o gigante, incluindo Saturno. Você está na estrada em direção ao Saara, embora demore dias para chegar lá de carro. O céu fica escuro durante o dia, pois a maioria dos planetas está bloqueando o sol. Para sua surpresa, ao finalmente chegar ao Deserto do Saara com outros cientistas, vê que uma cidade inteira foi erguida em apenas um mês, desde o momento em que os planetas começaram a aparecer. Então se instala em seu dormitório, mas ainda há muito trabalho a fazer. Alguns dias depois, Júpiter rompe a atmosfera e nos encobre completamente. Mas a Terra agora está girando em torno dele. E é muito mais rápido do que orbitar o Sol, já que Júpiter é menor.

Porém, como Saturno também é grande, a Terra continua sendo jogada de uma órbita para outra. Como duas pessoas jogando bola uma com a outra. Com isso, quem está aqui experimenta diferentes impulsos gravitacionais de tempos em tempos. As ondas continuam ficando mais fortes e os vulcões estão entrando em erupção por toda parte. Como o núcleo terrestre está ficando mais quente, a temperatura no planeta também está mudando. E com a falta de luz solar na maior parte do tempo, grande parte da vida das plantas está tendo dificuldade para se manter em pé. As plantações são mais difíceis de cultivar com luz solar natural, então as pessoas estão recorrendo à iluminação artificial e estufas.

As viagens aéreas e espaciais são impossíveis. A Estação Espacial Internacional está completamente arruinada, junto com os satélites que orbitam o espaço. É por isso que os telefones celulares e a Internet não funcionam. A gravidade está ainda mais disfuncional do que nunca. Seis meses depois, a humanidade encontrou uma maneira de lidar com o novo normal. Mas as coisas estão sendo atualizadas constantemente. O número de horas em um dia mudou, assim como os dias que compõem uma semana. Isso costumava ser medido com as fases da lua. Um mês costumava ser a Lua passando por todas as fases, de minguante a cheia. Mas a da Terra desapareceu com os planetas desorganizados e desordenados.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados