15 Experiências que deixaram os anfitriões espantados

Histórias
Há 1 semana

Acredita-se que os convidados devem ser recebidos com hospitalidade e generosidade. No entanto, alguns se aproveitam da situação. Se todos os convidados fossem assim, as pessoas teriam deixado de convidar outros para suas casas há muito tempo. E a história bônus prova que precisamos ser bem seletivos com os nossos convidados.

  • Minha mãe e minha sogra se consideram convidadas especiais. Toda vez é a mesma história:
    — Vai ser às 17h.
    — Eu chego ao meio-dia para ajudar.
    — Não precisa, obrigada.
    — Mas eu quero!
    — Mas eu não quero.
    Elas ficavam ofendidas, afinal, queriam passar meio dia extra na minha cozinha com as melhores intenções, e eu era ingrata. No final, comecei a convidá-las para chegarem três horas depois do início da festa. Agora, essas convidadas especiais chegam junto com os primeiros convidados. Elas ainda fazem cara feia, mas pelo menos sem demagogia. © Overheard / Ideer
  • Convidei minha irmã e seu filho para passarem as férias na minha casa de campo. Disse que poderíamos relaxar, fazer churrasco, passear na floresta e ir ao rio. Mas ela disse que só viria se todas as suas exigências fossem atendidas. O filho dela tem uma lesão na perna, então ninguém pode nadar, pular no trampolim ou fazer brincadeiras mais “ativas” enquanto eles estiverem lá. E como temos um poço com pouca água, eles devem ter prioridade para tomar banho, e os outros terão que esperar se a água acabar. Além disso, ninguém pode fazer barulho de manhã enquanto eles dormem, mesmo que isso dure até a tarde. Enfim, estou começando a torcer para que minha irmã não aceite o convite. © Mum Darling / ADME
  • A irmã do meu marido veio jantar conosco com seus filhos gêmeos. Estávamos todos comendo quando um dos gêmeos decidiu engatinhar pela mesa e enfiou as mãos diretamente na tigela de purê de batatas. Depois disso, a irmã do meu marido sorriu e, como se nada tivesse acontecido, disse: “Não são adoráveis?” © Nance / Quora
  • Minha prima estava criando seu filho mais velho, como ela dizia, no “estilo americano”. Quando eles vinham nos visitar, era um verdadeiro pesadelo. A criança corria pela casa, mexia nos armários e gavetas. Uma vez, ele encontrou e comeu uma caixa de chocolates escondida no alto de um armário; em outra ocasião, pegou moedas do meu cofrinho. Além disso, pegava um pedaço de pão da mesa e espalhava migalhas por todos os cômodos. Não satisfeito em apenas apertar botões, ele tentava quebrar a televisão. Minha prima sempre sorria e dizia que não podia proibir nada à criança, muito menos gritar. Um dia, ela justificou seu comportamento dizendo que ele estava entediado e sugeriu que eu lhe desse meu laptop para brincar, já que o dele estava quebrado. Quando recusei e sugeri que ele poderia ficar em casa com a avó se estivesse entediado, minha prima se ofendeu e não voltou a nos visitar por vários anos. © Zverushka / ADME
  • Minha amiga vivia com sua irmã e o marido dela até ser despejada por eles. Abalada, ela me pediu para ficar na minha casa por duas semanas enquanto procurava um novo lugar para morar. Eu concordei, mas deixei claro que não era permitido deixar minha gata sair de casa ou alimentar meu chihuahua com comida. Algum tempo depois, percebi que o cachorro começou a implorar pela minha comida, algo que nunca acontecia antes. Perguntei à minha amiga se ela tinha dado comida ao cachorro, e foi aí que ela admitiu ter dado queijo a ele porque ele parecia com fome. Mas meu cachorro é intolerante a laticínios, ele teve uma forte constipação. Fui obrigado a levá-lo ao veterinário, realizar uma operação e comprar remédios, o que me custou uma quantia considerável. Fiquei furioso, juntei todas as suas coisas e pedi para que ela se retirasse. Ela se recusou a sair sozinha, e a polícia teve que escoltá-la para fora. Mais tarde, descobri que a irmã tinha a expulsado porque ela tentou seduzir o marido dela. © Rueben Weissman / Quora
  • Há alguns anos, minha irmã deu à minha filha uma boneca cara que falava, fazia xixi e comia. Naquela época, era um brinquedo muito popular, desejado por todas as meninas. Pouco depois, uma amiga veio me visitar com seu filho. Minha filha quis mostrar sua boneca para o menino, que a quebrou imediatamente. Minha filha quase chorou de tristeza, mas a amiga simplesmente riu e comentou que "meninos serão sempre meninos" e "hoje em dia não fazem brinquedos tão bons como antigamente". Nem passou pela cabeça dela oferecer-se para pagar pelo conserto. Desde aquele dia, nunca mais falei com essa amiga. © Brenda Mills / Quora
  • Quando meu filho tinha 10 anos, um amigo veio visitá-lo. Eles estavam jogando videogame no quarto dele. Entrei para perguntar se queriam fazer um lanche e me deparei com uma surpresa: sementes de girassol estavam espalhadas por todo o quarto — no chão, na cama e até mesmo no suporte da TV. Primeiramente, pensei que meu filho ou seu amigo tivessem derrubado acidentalmente o pacote de sementes, mas então percebi que as cascas estavam molhadas — ou seja, ele tinha mastigado! Olhei para aquela cena e perguntei se ele costumava fazer isso em casa. O amigo do meu filho disse que não. Então, fiz com que ele limpasse o suporte da TV e recolhesse tudo o que havia espalhado. © Jill / Quora
  • Sempre que minha sogra vinha nos visitar, ela implicava com as janelas mal lavadas. Era uma mania dela. Cheguei ao ponto de limpar as janelas minuciosamente antes de sua chegada, mas nunca estava bom o suficiente para ela. Isso logo me cansou. Antes da próxima visita dela, decidi pedir ao meu marido para limpar as janelas. Ele fez um trabalho completo e, quando sua mãe começou a reclamar das nossas janelas sujas, ele a confrontou. Desde então, ela parou de criticar. Houve uma vez em que ela tentou dizer que uma boa dona de casa verifica a limpeza dos rodapés com um lenço de bolso e que o lenço dela sempre saía imaculado, ao contrário do meu. Respondi imediatamente: "É mesmo? Vou ter que dizer ao meu marido que ele não limpou bem o chão ontem", e ela se calou na hora. © vOlga3110 / Pikabu
  • Minha mãe, meu irmão e eu vivíamos com poucos recursos. O nosso jardim era a nossa salvação contra a fome. Em casa, preparávamos sopas de legumes e comíamos torradas com alho. Eu era uma menina hospitaleira e ingênua. Quando algumas "amigas" vinham me visitar, eu as convidava para a mesa e as alimentava logo de cara. Em um dia, elas voltaram, e uma delas, bem rechonchuda, soltou: "Viemos para comer". Respondi que desculpassem, mas a geladeira estava vazia. Foi só então que entendi o verdadeiro motivo de suas visitas e decidi parar de convidar qualquer pessoa lá para casa. © HappyMamaMia / Pikabu
  • Fui à padaria comprar pão e vi, em frente ao prédio ao lado, uma família de três pessoas. O marido estava tentando tocar o interfone, enquanto a mulher falava ao telefone. Eles não conseguiam falar com ninguém. A mulher disse: "Caramba! Que descaramento! Eles estão em casa." E foram embora. Moro neste prédio há muito tempo e conheço bem aqueles que essa família estava tentando visitar. Eles são amigos dos donos há vários anos, mas ultimamente têm aparecido com frequência. Em todo fim de semana, lá estão eles. Não trazem nada – nem bebidas, nem petiscos. Mas adoram comer bem. E depois ainda ficam um tempão, querendo diversão. A vizinha me contou que, um dia, o marido se irritou e disse: "Vamos parar de recebê-los. Desliga o telefone, desliga o interfone. Vamos ficar quietos, como ratos escondidos". © Phbntkm6 / Pikabu
  • Quando organizamos uma festa e convidamos toda a família e amigos, normalmente nossos pais vão embora mais cedo, e o resto fica para curtir mais tempo. É nesse momento que a diversão realmente começa, às vezes até amanhecemos tocando violão. E então, minha sogra começa:
    — Precisamos arrumar a mesa e lavar a louça, vou te ajudar.
    — Não precisa arrumar nada, ainda vamos continuar aqui.
    — Vou só recolher as louças sujas e lavar.
    Ela começa a recolher os pratos, misturando saladas, frios e petiscos em um só prato, o que me irrita profundamente, porque ainda estão pela metade e ela acha que pode colocar tudo em um só lugar. E os convidados, vendo que a mesa está sendo arrumada, começaram a se despedir. As mulheres começaram a ajudar com a limpeza, gerando explicações desnecessárias de que a festa continuaria. Tentei explicar para minha sogra que não precisava fazer isso, pedi para meu marido falar com ela, mas foi inútil. No ano passado, não aguentei e acabei dando uma bronca nela. Foi desconfortável, mas pelo menos resolveu o problema. © GiantMara / Pikabu
  • Certa vez, comemoramos meu aniversário em um café. A celebração terminou à uma da manhã e convidamos os interessados a continuarem a festa por mais uma ou duas horas na nossa casa. No final, todos os convidados foram embora por volta das três, mas minha amiga disse que não iria para casa porque sua mãe estava dormindo e ela não queria acordá-la. Ela planejava sair da minha casa às 7 da manhã. Então, ou eu ficava acordada até as 7h, ou teria que levantar cedo para fechar a porta. Ok, sugeri que nos preparássemos para dormir. Mas minha amiga disse que não iria dormir, porque "não dorme na casa dos outros". Então, deixei a cozinha com o sofá-cama à disposição e fui dormir. De manhã, acordei e a acompanhei até a porta. © Lily estava aqui / ADME
  • Um dia, um amigo de infância do meu marido veio nos visitar. Descobrimos que ele adora fazer longos monólogos. Ele ficou falando por um bom tempo, dizendo que iria embora, mas nunca ia. Levantou-se da mesa, mas continuou falando sem parar. Estávamos exaustos, mas em um certo momento, nosso cachorro não aguentou mais, foi até o amigo e tossiu bem no pé dele. Foi aí que ele finalmente decidiu ir para casa. © Tatyana Zaripova / ADME
  • Quando eu tinha uns 8 anos, a amiga da minha mãe veio nos visitar de passagem com a família. Essa amiga tinha duas filhas — uma um ano mais velha do que eu e a outra quatro anos mais nova. Enquanto as mulheres conversavam, o marido dessa amiga foi ao mercado e comprou sorvete para as filhas, mas não para mim. Fiquei sentada, vendo as meninas comerem o sorvete... Embora eu não tenha chorado nem reclamado, minha mãe ainda não conseguiu esquecer essa situação até hoje. © Kharibda / Pikabu

Bônus

  • Meu filho tinha apenas 3 semanas de idade. Eu estava exausta e a casa estava uma bagunça. Mas os parentes vinham um após o outro para ver o bebê. Quando finalmente todos foram embora, minha amiga Yana pediu para me visitar. Ela veio, tomamos chá juntas e conversamos amigavelmente. Como uma mãe experiente, ela me deu alguns conselhos e olhou para meu filho sem querer tocá-lo. E, ao invés de simplesmente ir embora, ela lavou toda a louça, organizou a casa e até preparou o jantar antes de partir. Até hoje fico impressionada ao lembrar desse gesto. © Marta Zjá / Quora

Quer mais histórias como a do bônus? Humanidade e bom senso não são raros, e aqui está uma prova disso.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados