Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Cientistas explicam por que é mais difícil perder peso com o passar do tempo

Em geral, estamos tão ocupados com nossas tarefas diárias, estudando, trabalhando e realizando atividades em casa, que acabamos nos esquecendo de aspectos importantes como, por exemplo, a mudança no funcionamento do nosso organismo, cujo metabolismo vai mudando ao longo dos anos.

Não é segredo para ninguém que, quanto mais envelhecemos, fica mais difícil perder peso. E isso se torna mais evidente quando as refeições que antes consumíamos sem culpa passam a impactar nosso peso sem piedade, fazendo com que as dietas que foram bem-sucedidas no passado não funcionem mais.

Mas você precisa saber que isso não é culpa sua e o Incrível.club deseja compartilhar as razões pelas quais perder peso fica mais difícil com a idade.

Vamos começar entendendo o que são lipídios

Os lipídios são compostos encontrados em alguns alimentos, como nozes, laticínios, azeitonas, azeite e certos peixes e fornecem gorduras ao corpo, entre outras coisas. Talvez a palavra “gordura” soe suspeita, mas antes de descartar os lipídios da sua dieta, saiba que, ao contrário do que muitos imaginam, existem gorduras muito saudáveis, como as insaturadas, encontradas nos óleos vegetais e legumes. E seu consumo fará muito bem à sua saúde.

Benefícios dos lipídios

Os lipídios são benéficos tanto para os animais quanto para os seres humanos, pois influenciam na produção de hormônios e ajudam a regular a temperatura corporal. Quanto a essa característica, o corpo é mais resistente a ambientes frios quando tem uma espessa camada de gordura. Se você não acredita nisso, pode prestar atenção nos animais, especialmente quando o inverno se aproxima. Por exemplo, no caso dos ursos, eles consomem muitos alimentos para conseguir sobreviver em baixas temperaturas. Mas é claro que somos humanos, e não animais que podem se dar ao luxo de passar o inverno dentro das cavernas.

Mas não se aflija! A verdade é que os lipídios nos proporcionam muitos benefícios, como o fornecimento de energia corporal, especialmente quando o organismo não tem carboidratos, melhorando nosso desempenho físico. Além disso, fazem parte das células do sistema nervoso, facilitam a absorção de vitaminas e previnem doenças.

Mas, por mais agradável que pareça, a verdade é que nenhum excesso é bom. Assim como as gorduras entram no corpo, elas devem ser eliminadas antes do consumo de novos alimentos, pois o tecido adiposo sofre variações, dependendo de quanto comemos. Você pode substituir as gorduras queimadas por novas ou acumulá-las, se forem consumidas em maior quantidade e o corpo permanecer inativo. O exercício desempenha um papel importante nesse último caso. As crianças, por exemplo, queimam gordura quando brincam e estão sempre em movimento, ao contrário da maioria dos adultos, que se mantêm inativos.

O que acontece com o nosso corpo ao longo dos anos

De acordo com um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Karolinska, na Suécia, a razão pela qual ganhamos peso facilmente com o passar dos anos tem a ver com o fato de que a reposição lipídica se torna mais lenta. Pode parecer apenas um detalhe, mas a verdade é que nosso corpo precisa realizar essa substituição para regular a massa de tecido adiposo, responsável pela reserva de gordura e por armazenar energia na forma de calorias consumidas ao longo do dia.

Esse tecido aumenta de tamanho à medida que o armazenamento de gordura aumenta; isto é, quanto mais gordura se acumula, mais ganhamos peso. Imagine que o tecido adiposo é como um pano absorvente que acumula água. De tempos em tempos, é preciso eliminar esse conteúdo antes de inserir um novo; caso contrário, continuará a aumentar. Com o tecido adiposo, que é distribuído em diferentes partes do corpo sob a pele, acontece o mesmo processo: se você não elimina os lipídios, eles se acumulam, aumentando o peso corporal.

Nessa pesquisa, os profissionais acompanharam as mudanças no peso e nos processos moleculares de quase 100 homens e mulheres durante 13 anos e descobriram que, em todos os indivíduos, com ganho ou perda de peso, houve uma redução no processo de substituição lipídica.

“A saúde em geral é afetada por um aumento do tamanho das células adiposas (gordura); portanto, à medida que você envelhece e come alimentos na mesma proporção e não se ajusta ao fato de não estar conseguindo queimar o que ingere, suas células adiposas crescem em tamanho e isso tem consequências negativas em sua saúde”, explicou Kirsty Spalding, uma das pesquisadoras.

Não entre em pânico, pois você sempre pode recorrer a uma dieta saudável

Como dissemos anteriormente, não há vilões aqui: existem gorduras saudáveis ​​e, embora o tecido adiposo comece a trabalhar mais lentamente com a idade, ele tem uma enorme utilidade, pois é responsável por armazenar justamente os lipídios benéficos ao organismo.

No corpo humano, o tecido adiposo representa de 15% a 20% do peso total, no caso dos homens e de 20% a 25% nas mulheres. Mas quando se está acima desse valor, é muito provável que a pessoa comece a exercer um controle mais rígido sobre seu corpo. Assim, embora não existam vilões, temos uma “heroína” em que devemos confiar, qualquer que seja o nosso peso: a dieta.

As dietas devem apresentar um equilíbrio de carboidratos, proteínas e gorduras nas proporções certas. Também é importante discernir as gorduras presentes nos alimentos de forma natural das que são adicionadas aos alimentos durante o cozimento.

Devemos evitar as gorduras trans, tão irresistíveis quanto prejudiciais, presentes em pizzas, batatas fritas e outros alimentos gordurosos, também chamados de alimentos “lixo” — ou trash food — pois são prejudiciais ao nosso organismo, levando ao excesso de peso.

Consumo de lipídios de acordo com a idade

A proporção correta de lipídios varia de acordo com a idade e condição física. Em geral, os bebês devem consumir 50%, quantidade geralmente fornecida pelo leite materno. Já os adolescentes precisam de 40% das calorias diárias na forma de lipídios. Dos 19 anos até a idade adulta, seu consumo deve ser de aproximadamente 25% e 30%.

Em pessoas com mais de 50 anos, o Instituto Nacional do Envelhecimento dos EUA recomenda que, ao comer carne e peixe, seja removido qualquer excesso de gordura; além disso, a instituição sugere o consumo de laticínios magros e a redução da ingestão de frituras.

A alimentação também deve ser regulada pelo exercício físico, pois, quanto mais envelhecemos, mais sedentários nos tornamos e, ao eliminar gorduras mais lentamente, é normal que isso se reflita no nosso corpo se ele não se mantiver em movimento. Qualquer que seja a idade, qualquer excesso é sempre contraproducente; portanto, se estiver interessado em ter uma dieta saudável e adequada para seu corpo, não hesite em consultar um profissional.

Você acha que, ao longo dos anos, ficou mais difícil perder peso? Costuma seguir alguma dieta para cuidar de seu corpo? Se sim, compartilhe nos comentários. Gostaríamos muito de conhecê-la!

Compartilhar este artigo