Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

15 Plantas tão esquisitas que parecem de outro planeta

3-24
939

Existem no Planeta cerca de 422 mil espécies de plantas, segundo um recente estudo realizado pela União Internacional para a Conservação da Natureza, uma das maiores organizações ambientais do mundo. Tanta diversidade é traduzida na forma de exemplares de diferentes cores, formas e tamanhos. Porém, alguns deles parecem até extraterrestres, por conta de suas características extremamente incomuns.

Com mochila, mapa e bússola na mão, o Incrível.club saiu em uma viagem virtual para trazer a você exemplos das mais exóticas plantas e flores encontradas mundo afora.

1. Hydnora africana (uma armadilha para escaravelhos)

Nativa do sul da África, a planta cresce embaixo da terra, sendo que a única parte que fica visível é sua peculiar flor. A principal característica da planta é seu cheiro desagradável para os humanos, mas atraente para polinizadores naturais, entre eles os escaravelhos. Quando pousam na Hydnora africana, os bichos ficam temporariamente presos nas flores, que funcionam como jaulas. Quando liberados, os escaravelhos saem carregados de pólen, permitindo a reprodução da planta.

2. Drosera capensis

O gênero Drosera é conhecido em alguns lugares como “orvalho do sol” ou “erva da gota”, por conta da secreção pegajosa exalada pelos filamentos da planta e que serve para uma função vital: capturar os insetos que se tornam seu alimento. Charles Darwin em pessoa ficou fascinado pela biologia dessa planta. A espécie capensis, nativa da África do Sul, é uma das mais peculiares entre as carnívoras, graças à maneira como se dobra após se apoderar de suas presas.

3. Lithops (“plantas pedra”)

Para os mais desavisados, elas parecem pedras, mas as Lithops são um gênero de plantas suculentas nativas também do Sul da África. Seu nome vem do grego antigo e quer dizer “forma de pedra”, característica evolutiva que permite à planta se camuflar com o ambiente e sobreviver a ataques de eventuais predadores. Cada espécie apresenta diferentes cores e flores que crescem na fenda que existe entre as folhas.

4. Rafflesia arnoldii (a maior flor do mundo)

Rafflesia arnoldii, também conhecida como raflésia-comum, é encontrada nas florestas úmidas da Indonésia e tem uma flor que pode alcançar as marcas de um metro de diâmetro e 11 quilos. Os números fazem dela a detentora do título de maior flor do mundo. Porém, não podemos dizer que se trate de uma flor agradável, ao menos não para os humanos: ela libera um forte aroma fétido, similar ao de carne podre, com o intuito de atrair as moscas que a polinizam. Além disso, é uma planta parasitária, ou seja, cresce sobre as raízes das árvores, de onde tira os nutrientes de que necessita.

5. Dracunculus vulgaris (serpentária)

“Uma grande ’espada’ roxa com um robusto espádice contendo flores masculinas e femininas”. Essa é a descrição da planta, originária dos Balcãs. Ela é conhecida no Brasil como serpentária, mas em outros países é chamada de pequeno dragão, flor de lagarto ou erva das bruxas. Vive bem a temperaturas por volta dos 18 graus, tem um odor de carne podre para atrair seus polinizadores e é tóxica para o consumo humano.

6. Strongylodon macrobotrys (trepadeira-jade)

Essa trepadeira é nativa das florestas filipinas, apesar de hoje ser encontrada em diferentes partes do mundo. Seus caules podem chegar aos 18 ou 20 metros e tem entre suas principais características as folhas em forma de garra e em um tom de verde pálido similar ao jade (pedra ornamental). As folhas, aliás, se abrem em um belo e frondoso cacho. Em seu habitat natural, é polinizada por morcegos.

7. Dracaena cinnabari (árvore sangue do dragão)

Chega a medir até 10 metros e é originária de Socotra, arquipélago pertencente ao Iêmen. Seus galhos se ramificam para fora, formando uma copa semiesférica, como se fosse um guarda-chuva aberto. Seus pequenos frutos servem como alimentos para aves e possuem uma espécie de resina (chamada de “sangue de dragão”) usada desde a antiguidade para pinturas e em remédios.

8. Tacca chantrieri (flor-morcego)

A planta é chamada flor-morcego por conta das brácteas pretas de suas flores, que lembram a cor e a forma do animal. As estruturas alongadas, em forma de fios, dão às flores uma aparência ainda mais exótica, fazendo com que a espécie seja conhecida também como bigode-de-gato. Trata-se de uma planta oriunda do sudeste asiático, encontrada nas matas da Malásia.

9. Actaea pachypoda (erva-de-são-cristóvão)

A característica mais chamativa dessa espécie nativa do leste dos Estados Unidos e do Canadá é seu fruto. Dos galhos robustos da planta nascem bagas brancas e tóxicas, com cerca de um centímetro de diâmetro. O tamanho, o formato e o ponto preto dos frutos fazem com que a planta seja conhecida em determinados lugares como olho-de-boneca.

10. Aristolochia salvadorensis (“flor do Darth Vader”)

Aristolochia salvadorensis é um arbusto originário de El Salvador que chega a medir até cinco metros de altura. Na base do seu tronco, bem próximo ao solo, cresce uma flor sem pétalas, de coloração mais brilhante do lado de dentro que de fora com duas manchas esbranquiçadas. A peculiar forma levou a planta a ficar conhecida como “flor do Darth Vader”, devido à aparência similar à do personagem da saga Star Wars.

11. Mimosa pudica, ou dormideira (se movimenta ao toque)

Originária das regiões tropicais da América e África, a planta tem como traço característico o movimento das folhas. Ao mínimo toque, elas se dobram, como se estivessem se fechando. A reação ao tato funciona como um mecanismo de defesa perante os predadores: com as folhas fechadas, a planta parece murcha, ganhando um aspecto menos tentador. A peculiaridade serve ainda para reduzir a perda de água nas horas de calor e como proteção contra o vento.

12. Amorphophallus titanum (flor-cadáver)

Essa planta produz a maior inflorescência do mundo, o que significa que o conjunto de flores que brotam do seu único caule pode chegar a três metros de altura, pesando até 75 quilos. Ela pode levar até uma década para florescer pela primeira vez e quando isso acontece, a flor dura três dias, morrendo no fim do período. Na sequência, o processo se reinicia. Graças ao cheiro fortemente desagradável, é conhecida como flor-cadáver.

13. Selenicereus grandiflorus (flor-da-noite)

Parente dos cactos, a planta é originária do México e de vários países da América Central. Seu traço característico é a flor branca que dura poucas horas e que não volta a nascer. Por conta do período de vida tão curto e por aparecer geralmente quando já está escuro, é popularmente conhecida como flor-da-noite.

14. Adansonia grandidieri (muito tronco, pouco galho)

Em se tratando da Adansonia grandidieri, bem que o ditado popular que diz “muito cacique para pouco índio” poderia ser adaptado para “muito tronco para pouco galho”. Os troncos dessa espécie nativa de Madagascar apresentam córtex liso, podendo atingir os 30 metros de altura e três de diâmetro. A copa é formada por poucos galhos, com folhas que crescem entre outubro e maio.

15. Euphorbia obesa (planta baseball)

Ela tem uma forma que lembra a de uma bola, especialmente de beisebol, e é daí que vem seu nome popular. Nativa da África do Sul, possui um diâmetro que varia entre seis e 15 centímetros. Suas flores dão a ela uma aparência perfeita para quem quer usar a planta como elemento decorativo. Em sua forma silvestre, está em perigo de extinção, mas é amplamente cultivada em casas e jardins botânicos.

Qual dessas plantas você gostaria de ter em casa ou em um sítio? Conhece outra flor exótica que poderia entrar na lista? Deixe seu comentário!

3-24
939