Incrível
Incrível

Um coach argentino explica como podemos pedir desculpas de forma positiva seguindo o método PANDA

Um pedido de desculpa pode parecer simples quando o sentimento é sincero e verdadeiro, mas o processo nem sempre sai como o previsto. Nessa hora, nem sempre escolhemos as palavras adequadas ou nos comportamos de uma maneira convincente. Mas, então, como agir da maneira correta? O coach argentino Daniel Colombo diz que a resposta está em um método chamado PANDA.

Incrível.club conversou com Daniel, que há 30 anos estuda o comportamento humano, e pediu que ele nos explicasse um pouco mais sobre esse curioso método. Confira agora mesmo e não deixe de ver o bônus que preparamos no final.

Que erros podemos cometer ao pedir desculpas

Segundo Daniel Colombo, pedir desculpas é algo que nos faz sentir vulneráveis e menos competentes. Por isso, dependendo da situação, a retratação pode parecer inadequada e sem jeito. Ficamos nervosos, vermelhos, não olhamos nos olhos do outro, não sabemos o que dizer ou usamos um método não recomendado, como enviar uma mensagem de texto distante e vazia.

O que também pode acontecer é que não sejamos completamente conscientes do impacto do nosso erro no outro. Ou seja, pensamos que o nosso comportamento não foi tão grave e adiamos o pedido de desculpas. Ou até mesmo o contrário: a grande vontade de tirar esse problema da frente nos faz escolher um momento inconveniente para isso, por exemplo quando o outro ainda não está pronto para nos perdoar.

Nesse sentido, usar um modo correto para pedir desculpas pode nos ajudar a entender de maneira consciente os nossos erros. Para lembrar mais facilmente, basta pensar na sigla PANDA. Vamos ver mais detalhes sobre o método.

P: Prometa que a situação não vai se repetir e cumpra a promessa

Muitas pessoas acham que dizer “Desculpe. Você me perdoa?” é suficiente. Outras “enfeitam” o pedido de retratação com palavras que muitas vezes acabam soando vazias. Na realidade, se desculpar sem ter consciência do erro cometido não serve de nada. Ou seja, é preciso pensar muito antes de agir. E se você prometer a alguém que uma situação não vai se repetir, é preciso cumprir a promessa.

A: Admita que errou

Embora cometer erros seja algo normal, reconhecê-los não é nada fácil, sobretudo porque ao fazer isso a pessoa assume que não é infalível. Assim, é muito importante ser honesto, sincero e direto na hora de assumir um erro para alguém.

Nesse momento, é importante tomar cuidado com a linguagem verbal, que representa 10% da comunicação, e a não-verbal (gestos, postura, tom de voz), que representa os outros 90%. Não adianta nada dizer uma coisa e se comportar como se estivesse dizendo outra.

N: Não dê explicações esfarrapadas

Nunca use uma “desculpa esfarrapada” na hora de se retratar com alguém. Muitas vezes a pessoa que falhou fica mal e tenta minimizar a situação com frases como: “É que aconteceu isso...” ou “Isso não teria acontecido se...”. Esse tipo de comportamento pode ser evasivo e tira a responsabilidade de quem errou. Nesse sentido, ao pedir desculpas é importante ser direto e não inventar muitas explicações.

D: Descreva como você poderia reagir a uma situação semelhante em uma próxima vez

Esse é um aspecto muito importante do método PANDA. A ideia é fixar uma linha de ação específica, explicando claramente para o outro como vamos agir em uma próxima vez se a situação se repetir. Isso significa acima de tudo que aprendemos a lição. Não se trata de dizer “Vou tentar...”, mas de mostrar argumentos concretos e firmes.

A: Agir segundo o prometido

O ser humano tende a ser pouco direto na hora de se comprometer a corrigir os erros cometidos e a cumprir suas promessas. No entanto, a única maneira de fechar o ciclo e restabelecer a confiança é respeitando o que foi combinado. O que pensamos, sentimos e dizemos deve acompanhar as nossas ações, dessa forma a pessoa afetada consegue voltar a se sentir segura ao nosso lado.

O que fazer se a pessoa não estiver mais conosco

Talvez a pessoa afetada já não esteja mais do nosso lado fisicamente, mas ainda assim é possível recuperar a paz interior seguindo certas pautas recomendadas pelo coach Colombo:

  • Escrever uma carta: transfira o pedido de desculpas para o papel com detalhe e sinceridade, como se estivesse falando com a outra pessoa. Em seguida, faça uma breve cerimônia e queime a carta, imaginando que ela foi recebida.

  • Expressar gratidão: essa é uma ferramenta muito poderosa porque cura e traz tranquilidade. Dê a você mesmo a oportunidade de se retratar para uma pessoa que já se foi. Você pode fazer isso ao acordar ou na hora de dormir, até sentir que o passado já não causa mais remorso.

  • Pedir desculpas para um familiar próximo: se alguém da família da outra pessoa estiver disposto a te escutar, fale com essa pessoa. É sempre complicado enfrentar um terceiro elemento na hora de se desculpar, mas no final a sensação é sempre muito boa.

Bônus: experiências de pessoas que seguiram o método PANDA

coach nos contou duas situações em que o método PANDA funcionou de maneira positiva:

  • No campo empresarial, por exemplo, não se desculpar corretamente afeta a dinâmica de trabalho e os resultados. Por isso, aplicar o método PANDA ajuda a manter a equipe unida para que todos façam seu trabalho de maneira sincronizada.

  • Na esfera individual, o método PANDA pode ajudar a resolver conflitos do passado que não permitem que a pessoa viva o presente de maneira verdadeira e profunda. Por exemplo, por meio desse modo, uma cientista conseguiu se retratar e reencontrou seu antigo mentor. Dessa forma, ela parou de se sentir atormentada pelo passado e passou a viver suas conquistas de maneira plena.

Você tem muita dificuldade na hora de pedir desculpa? Acha que o método PANDA pode ajudar a melhorar esse aspecto? Compartilhe as suas impressões nos comentários.

Compartilhar este artigo