12 Dicas para apoiar seus filhos na adolescência e melhorar sua relação com eles

Ninguém escapa da adolescência, aquela etapa de transição em que inúmeras mudanças acontecem. É possível que a fase seja tão complicada para os jovens quanto para os pais, já que pode ser difícil compreender o que passa pela cabeça dos filhos e o que é preciso fazer para que os adolescentes se desenvolvam adequadamente e se tornem adultos saudáveis.

Felizmente, o Incrível.club traz algumas dicas que podem ajudar na hora de guiar seu filho pela jornada da adolescência, possibilitando que as alterações inevitáveis, típicas desta fase da vida, ocorram sem maiores dramas. Confira!

1. Tentar compreender o motivo da rebeldia

O cérebro costuma mudar com o passar dos anos, e isso pode provocar um comportamento rebelde, impulsivo ou desinteressado, sobretudo na adolescência. Na medida em que as crianças crescem, ganham independência e passam a construir a própria identidade. Em tais momentos, talvez elas decidam começar a quebrar regras de forma repentina, apresentando comportamentos potencialmente arriscados.

Compreender o que leva um adolescente a ter certas atitudes inadequadas, permite aos pais saber como orientá-lo melhor, sem encarar o comportamento do jovem como uma simples afronta à autoridade paterna para causar problemas, mas encarando-o como parte de um processo.

2. Pesquise e se informe

Geralmente, a adolescência provoca, a partir dos 13 anos, dezenas de mudanças nos jovens de ambos os gêneros. Manter-se informado e procurar conhecer os fatos que envolvem a transição da infância para a vida adulta tende a facilitar a vida dos pais na hora de orientar os filhos na sua busca pela própria autonomia. Isso permitirá que eventuais dúvidas sejam sanadas de maneira responsável. O ideal é que a adolescência dos filhos seja vista como uma oportunidade para aprender coisas novas.

3. Abordando assuntos constrangedores

É importante conversar com os jovens sobre as alterações que surgirão gradualmente no corpo e sobre os meios corretos para se relacionar com o mundo, mas sem inundá-los com um excesso de informações, sobretudo antes de as mudanças começarem.

Abordar assuntos ligados ao corpo pode ser um tanto delicado para os pais. Para os adolescentes, no entanto, contar com informações na hora certa pode afetar a forma como eles lidam com essa etapa natural da vida, seja de forma positiva ou com certa resistência, e também como cada indivíduo se desenvolverá no futuro.

4. Pratique a empatia com seus filhos

Empatia pode ser definida como a capacidade que determinado indivíduo tem de compartilhar dos sentimentos de outra pessoa. Colocar em prática a empatia é importante desde os primeiros anos da infância, mas sobretudo na adolescência, pois durante essa fase, as emoções costumam ser bem mais intensas e variadas que nos anos anteriores.

Ter empatia com seu filho ou sua filha tem o potencial de fazer com que ele ou ela também desenvolva maior consideração pelos outros, ajudando a melhorar as relações sociais, reduzindo os níveis de ansiedade e mantendo a autoestima em patamares saudáveis.

5. Escolha suas batalhas na hora de discutir com eles

Ter ocasionalmente algumas discussões com seus filhos pode ajudá-los a compreender a sua perspectiva, por exemplo, em relação a poder ou não ir ao cinema com os amigos, ou se está na hora de permitir que o adolescente passe a ir sozinho à escola. Contudo, discutir repetidamente ou por coisas insignificantes costuma não ser a melhor opção. Assim, ter um pouco de flexibilidade tende a trazer benefícios quando se trata de estabelecer certas regras.

6. Mantenha expectativas realistas

Envolver-se nas escolhas feitas pelos jovens pode ser de grande utilidade, assim como revelar as expectativas educacionais em relação a eles e conversar sobre responsabilidades. Porém, manter expectativas pouco realistas sobre o comportamento dos filhos, geralmente aumenta a sensação de frustração e a depressão entre eles.

Por exemplo, se um adolescente não demonstra interesse por matemática, seria equivocado pensar que ele deveria tentar ganhar as Olimpíadas Matemáticas da escola. Por outro lado, uma expectativa realista seria ver o jovem tirando uma boa nota na disciplina.

7. Compartilhe informações de maneira adequada

Os adolescentes, por conta da fase que vivenciam, tendem a se preocupar muito com status e também com o respeito e a autoridade com que são tratados. Enquanto tentam se tornar adultos, os jovens podem acabar rejeitando toda e qualquer coisa capaz de fazer com que se sintam crianças.

Ao dividir informações com seus filhos, tentando tratá-los como se fossem tão adultos quanto você, fica mais fácil garantir a assimilação dos conhecimentos. Afinal, ao agir assim, os pais colocam os filhos na posição em que eles gostariam de estar, e não os tratando como se fossem crianças precisando de ajuda.

8. Crie uma relação amigável com eles

Uma relação positiva é aquela em que predominam os elogios e as demonstrações de cuidado, e não as discussões nem os desacordos. Criar um espaço de confiança é mais importante do que ter razão o tempo todo, de forma que os adolescentes possam procurar os pais em busca de conselhos e orientações sempre que precisarem.

Criar situações de embate costuma fechar os canais de comunicação entre pais e filhos. Assim, o mais recomendável é investir na qualidade do tempo passado ao lado dos adolescentes; além de conhecê-los melhor, manter uma comunicação aberta e permitir que eles se expressem.

9. Dê espaço para a privacidade

Na medida em que o adolescente vai se tornando mais independente, é comum que os pais deixem passar despercebidos certos aspectos da vida do filho, e esse momento coincide com aquele em que os jovens costumam reservar certas confidências apenas aos amigos. Por esse motivo, é melhor dar espaço para a privacidade e deixar isso claro por meio de certas atitudes, como bater à porta antes de entrar no quarto do adolescente e evitar ouvir suas conversar ou ler suas mensagens de texto.

10. Mantenha contato constantemente

Ainda que possa parecer complicado entender o comportamento de um adolescente, uma pesquisa revelou que, na verdade, os jovens gostam de ter tempo ao lado dos pais, e que a convivência é benéfica à saúde emocional. Além disso, esse contato ajuda no desenvolvimento de habilidades sociais que certamente serão úteis na vida a curto e a longo prazo.

11. Supervisione o conteúdo consumido

Aconselha-se que os pais conheçam os conteúdos consumidos pelos jovens, como meio de garantir a segurança e que o material seja adequado para a idade. Contudo, é importante dar aos filhos uma dose de confiança, já que um estudo afirma o seguinte: aqueles adolescentes cuja atividade on-line é monitorada constantemente ou é restrita sofrem menos com os riscos cibernéticos.

12. Permita que o adolescente ganhe independência gradualmente

Adolescentes querem ser independentes, mas essa liberdade não pode lhes ser entregue completamente. Diante disso, recomenda-se que, gradualmente, os pais permitam ao jovem tomar decisões cada vez mais importantes, de forma que o adolescente consiga compreender as consequências dos próprios atos e, paulatinamente, ganhe autoconfiança para conduzir a vida. Quando os pais insistem em controlar todos os aspectos dessa etapa, o jovem pode acabar lutando contra as normas na tentativa de obter autonomia.

Qual a história mais divertida você viveu na adolescência? Na sua opinião, o que mais mudou da sua época de adolescente para a forma como os jovens de hoje vivem a mesma fase da vida? Comente!

Compartilhar este artigo