Incrível

15 Objetos de uso doméstico que foram inventados por mulheres

Muitos objetos usados para a limpeza diária da casa parecem ter sempre existido. Mas, na verdade, 100 anos atrás ou até um pouco mais, diversos utensílios domésticos ainda estavam sendo criados, testados e aperfeiçoados, até se tornarem o que conhecemos hoje. E o mais fascinante de toda essa história é descobrir que diversos deles foram inventados por mulheres.

Hoje, o Incrível.club compartilha neste post uma lista de 15 objetos que foram inventados por mulheres e que, graças à engenhosidade e criatividade dessas inventoras, tornaram as tarefas domésticas muito mais práticas e simples. Confira!

1. Lupe Hernández — álcool em gel

Em 1966, na cidade de Bakersfield, na Califórnia (EUA), Lupe Hernández, uma jovem estudante de enfermagem, criou uma maneira simples de higienizar as mãos, caso faltassem água e sabão. Lupe patenteou a ideia de um gel, cuja base era composta por 65% de álcool e capaz de matar 99,9% das bactérias em poucos segundos. Até a década de 1980, o álcool em gel era usado apenas em hospitais, mas hoje em dia é comumente usado em lojas, locais públicos e residências.

2. Amanda Jones — embalagem a vácuo

Em 1872, a escritora e pesquisadora Amanda Jones desenvolveu um processo de embalagem a vácuo, chamado de “processo Jones”, que consistia na preservação dos alimentos processados em um recipiente hermético. Amanda obteve 5 patentes com a sua invenção, duas das quais tinham seu nome, como única autora. Como forte defensora do Sufrágio Universal e dos Direitos das Mulheres, em 1880 fundou em Chicago a The Women’s Canning and Preserving Company (Companhia de Conservas em Lata das Mulheres, em tradução livre) que empregava apenas mulheres.

3. Rachel Fuller Brown — antibiótico contra fungos

A química americana Rachel Fuller Brown desenvolveu o primeiro antibiótico eficaz contra doenças causadas por fungos em humanos. Sua descoberta foi resultado de um trabalho realizado com a microbiologista americana Elizabeth Lee Hazen. Graças a essas duas mulheres, os fungicidas para humanos são vendidos atualmente nas farmácias como um medicamento eficaz para diversas doenças, como, por exemplo, o pé de atleta.

4. Florence Lawrence — seta sinalizadora

A atriz canadense e também inventora, Florence Lawrence, inovou ao criar acessórios para a indústria automotiva. Ela criou o chamado “braço sinalizador automático”, hoje conhecido como “seta sinalizadora”, para o motorista indicar a mudança de direção do automóvel. O protótipo do dispositivo vinha acoplado ao para-choque do veículo e o motorista tinha de pressionar um botão e o dispositivo, para indicar para qual lado pretendia virar. Florence também inventou um dispositivo precursor da atual luz do freio, mas nunca patenteou suas invenções.

5. Bette Nesmith Graham — o corretor de texto da máquina de escrever

A datilógrafa americana Bette Nesmith Graham tornou-se inventora ao criar o famoso liquid paper (corretor). Ela se inspirou na pintura ao perceber que, quando um artista cometia um erro, não costumava apagá-lo, mas pintava por cima. Ao longo dos anos, contou com a ajuda do professor do Ensino Médio de seu filho para aperfeiçoar a fórmula química e, em 1956, o produto começou a ser comercializado como Mistake Out (Fora erros).

6. Marie Van Brittan Brown — câmera de segurança

Nascida no Queens, em Nova York, a enfermeira Marie Van Brittan Brown inventou em 1966 um sistema de segurança doméstica, usando um circuito de televisão fechado. O sistema consistia em uma câmera externa que enviava um sinal para o monitor no interior da casa, para que o morador pudesse ver quem estava do lado de fora da porta, ouvir sua voz e abri-la usando um controle remoto. Marie recebeu um prêmio do National Science Committee (Comitê Nacional de Ciência) por essa invenção, que logo serviu não apenas para residências, mas também para empresas.

7. Julia Montoussé e Julia Rodríguez-Maribona — o esfregão

Julia Montoussé Frages, de origem francesa, e a enfermeira espanhola Julia Rodríguez-Maribona, mãe e filha, inventaram o esfregão de chão, que consistia em um dispositivo que combinava: balde, pau e trapos, facilitando a limpeza doméstica. Em 1953, registraram o protótipo como um modelo de utilidade (um tipo de direito que impede terceiros de usarem comercialmente a invenção, sem ter autorização) com o título “Dispositivo acoplável em todos os tipos de recipientes, como baldes, vasilhas, caldeirões e similares, usado para facilitar a tarefa de esfregar, lavar e secar pisos, corredores, rodapés e instalações em geral”. No entanto, o design foi comprado por uma fábrica e as mulheres não receberam o devido crédito pelo produto.

8. Ángela Ruíz Robles — o livro eletrônico

A espanhola Ángela Ruiz Robles foi professora, escritora e inventora do protótipo de um livro eletrônico. Em 1949, ela criou a primeira proposta de enciclopédia mecânica. Seu objetivo era aproximar o conhecimento dos alunos de maneira mais interativa. O livro consistia em um dispositivo mecânico e elétrico, com botões, bobinas, luzes e páginas roláveis, tornando a leitura do aluno mais atraente e fácil. O aparelho tinha em seu interior livros automáticos do alfabeto em todas as línguas.

9. Margaret Knight — máquina para fazer sacos de papel

Margaret Eloise Knight foi uma inventora americana que ajudou a revolucionar a indústria de sacos de papel. Em 1867, a Columbia Paper Bag Company fabricava 2 tipos de sacos de papel: um com fundo plano e outro sem ele. Os sacos de fundo plano eram mais úteis, pois tinham maior capacidade e podiam ser mantidos na vertical, mas precisavam ser feitos à mão, por isso eram mais caros e de uso limitado. Margaret trabalhou para a empresa e, durante 2 anos, ajudou a aperfeiçoar uma máquina que dobrava e colava o papel para formar sacos de fundo plano.

10. Mary Phelps Jacob — sutiã moderno

Mary Phelps Jacob, conhecida como Caresse Crosby, foi uma mecena americana das artes e editora. Mary ficou famosa por ajudar escritores expatriados em Paris, como: Ernest Hemingway, Archibald MacLeish, Henry Miller, Anaïs Nin, Kay Boyle, Charles Bukowski, Hart Crane e Robert Duncan, mas, principalmente, por inventar o primeiro sutiã. Em uma noite de 1910, preparando-se para sair para dançar, Mary vestiu um espartilho. Esse acessório, além de ser desconfortável, não favorecia esteticamente sua roupa, por isso telefonou para a sua governanta, pedindo que trouxesse 2 lenços de bolso e uma fita rosa, além de agulha e linha. Foi assim que fez os forros e a alça de um sutiã, inaugurando uma nova lingerie.

11. Teodora Ducena, filha do Imperador bizantino Constantino X Ducas — o garfo

A princesa bizantina Teodora Ana Ducena, foi a quinta filha do Imperador Constantino X Ducas, de Constantinopla. Depois de se casar com o Doge de Veneza, Domenico Selvo, Teodora implementou um novo costume de comer com talheres, não mais usando as mãos. O objeto era parecido com o garfo moderno, mas tinha apenas duas pontas, que facilitavam a colocação da comida no prato.

12. Margaret Wilcox — o aquecedor de carro

A engenheira mecânica americana Margaret A. Wilcox inventou o primeiro aquecedor de automóvel. Em 1893, Margaret obteve uma patente para o aquecedor de automóveis, que consistia em uma câmara de combustão sob o carro e uns canos que transmitiam água quente. O sistema redirecionava o ar do motor para o interior do carro, garantindo que os passageiros permanecessem aquecidos. Os aquecedores modernos continuam a usar esse mesmo sistema.

13. Alice H. Parker — aquecimento central

A afro-americana Alice H. Parker criou uma caldeira que fornecia aquecimento central para residências e edifícios inteiros em 1919. Sua invenção foi um avanço para a vida doméstica, pois se tornou a alternativa mais segura, em relação aos fornos à lenha. Seu design tinha dutos pelos quais o ar passava, espalhando calor por toda a estrutura, usando o gás natural.

14. Florence Parpart — a geladeira elétrica

Florence Parpart foi uma inventora americana que, em 1904, obteve sua primeira patente para uma melhoria em uma máquina de varredura industrial, vendida em várias cidades dos Estados Unidos. Mais tarde, casou-se com Hiram D. Layman, com quem obteve uma patente para uma geladeira elétrica, melhorando os modelos já existentes e revolucionando as antigas caixas de gelo usadas na época.

15. Sarah Guppy — a torradeira

Sarah Guppy foi uma inventora inglesa, que contribuiu em grandes projetos na Grã-Bretanha, como o design da infraestrutura da Ponte Suspensa Clifton, em Bristol. Ela também desenvolveu vários objetos para uso doméstico, entre eles, o princípio da torradeira, que consistia em um pequeno prato que mantinha o pão aquecido e torrado. Ela e sua família registraram 10 patentes somente na primeira metade do século XIX. Além disso, Sarah lutava pelos direitos das mulheres, defendendo, por exemplo, que as meninas pudessem frequentar a escola.

Você conhecia a história desses utensílios domésticos? Conhece alguma outra invenção criada por uma mulher? Deixe sua opinião nos comentários.