Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

25+ Pessoas contam o que mais incomoda em viagens ao exterior

Dizem que, ao viajar para outro país, é melhor deixar os costumes e hábitos em casa. Por isso, quando uma pessoa viaja para o exterior, é altamente recomendado seguir as regras culturais do local de destino. Mesmo assim, a diferença na mentalidade e cultura de alguns países pode se tornar uma piada de muito mau gosto até mesmo para os viajantes mais experientes. Na melhor das hipóteses, sua ignorância vai deixar os locais sem reação; na pior das hipóteses, ignorar as leis locais pode acarretar multa ou pena de prisão.

Nós, do Incrível.club, nos preocupamos com as férias dos nossos leitores e não queremos que elas sejam prejudicadas por mal-entendidos.

Trânsito e transporte

  • Motoristas de riquixás na Índia podem cobrar o dobro ou o triplo do valor se você não falar hindi. Nos estados do sul do país, as rotas e números de ônibus não são traduzidos para o inglês.

  • Na Bulgária, em Montenegro e na Geórgia, em comparação com a Europa Ocidental, a cultura de trânsito em muitos lugares é primitiva. As leis muitas vezes não são respeitadas.

  • No Reino Unido, o transporte público pode ser caríssimo. O bilhete individual do metrô em Londres custa cerca de 25 reais.

  • Em Israel, não espere nenhum transporte público funcionar durante o Shabat. Aos sábados você precisará se locomover a pé ou de táxi.

  • No Vietnã, durante a hora de pico, os carros muitas vezes andam nas calçadas. Como os ciclistas na Holanda, que correm em alta velocidade desviando dos pedestres. Muitos xingam os pedestres que não estão prestando atenção.

  • Na Tailândia, é muito difícil encontrar um táxi que ofereça cadeirinha de bebê. O trânsito por lá também não é muito seguro.

Lojas

  • Na Suécia e outros países europeus, alguns vendedores aceitam apenas pagamentos com cartão.

  • Na Europa, pouquíssimos estabelecimentos comerciais trabalham aos domingos. Até mesmo comprar um pão pode ser difícil. Na Espanha, muitos fecham diariamente à tarde, durante a sesta. Na Grécia, muitas lojas ficam abertas no máximo por 6 horas durante o verão.

  • Na Índia, quase não há a noção de “fila” nas lojas; portanto é comum ver as pessoas se empurrando para comprar as coisas mais rápido. As “filas” são normalmente de 20-30 pessoas, por isso é totalmente possível esperar por horas para conseguir pagar por sua compra.

  • Se você olhar por muito tempo e não comprar nada em alguma lojinha tailandesa, dizendo que não gostou de nada, os vendedores podem agredi-lo verbalmente. Em geral, as pessoas são extremamente simpáticas por lá, mas se algo sair dos eixos, isso pode mudar.

Serviços

  • Em Verona, almoçamos em um restaurante simples. Para nossa surpresa, quando recebemos a conta, o total tinha dado muito mais do que nossos cálculos de acordo com os preços no menu. Descobrimos depois que se tratava do “coperto” italiano, que é uma taxa de serviço que depende da popularidade do estabelecimento e de sua localização.

  • Há a sensação de que na Europa não existem pessoas no setor de serviços, mas sim robôs. É quase impossível negociar de uma forma “humana”. Às vezes, isso pode chegar ao absurdo. Nós reservamos um transfer para duas pessoas, mas, um dia antes da nossa partida, mais uma pessoa se juntou ao nosso grupo. Imaginamos que seria simples resolver esse problema no local. Chegou um ônibus para 50 pessoas, no qual havia apenas 4 lugares ocupados. O motorista colocou nossas malas no veículo e nem quis nos escutar: reserva para dois, eu levo apenas dois. Fomos assim em um ônibus vazio por 100 km.

  • Preço diferente do café em pé no bar e sentado na mesa. É assim em quase toda a Europa.

  • Nas ruas do sudeste asiático, é possível encontrar uma grandes quantidade de cabos e fios jogados pelas ruas em diversos lugares. Além do fato de estragarem a paisagem para as fotos, muitas vezes há queda de energia por conta de fios danificados.

  • Na Índia, no Nepal e no Sri Lanka, muitas vezes é difícil conseguir serviços como de encanador, eletricista ou qualquer outro profissional similar. A mesma coisa acontece com a encomenda de água, que pode demorar muito tempo para chegar. Não é aconselhável beber a água da torneira.

Comida

  • Se você pedir, em um restaurante indiano, para fazerem um prato não picante (sem especiarias), talvez receba um prato que ainda faça sua boca queimar muito. Se não estiver acostumado com sabores fortes, procure não se arriscar nem a provar o “medium spicy” (picante médio).
  • Em muitos lugares na Itália não há o costume de beber chá. Às vezes, o máximo que encontramos é um saquinho comum de chá em alguns locais por 3 euros. Já nos supermercados, é possível comprar 2 caixas de chá por 2 euros.

  • A primeira semana de estadia na Índia pode ser muito difícil para algumas pessoas, pois há relatos de pessoas que contraíram infecções no estômago (mesmo que tivessem lavado bem as mãos e cozinhado sua própria comida). A boa notícia é que, depois de alguns dias, a imunidade aumenta e o organismo se acostuma com o novo local.

  • Nos países do sudeste asiático, é comum comer com a mão direita. A mão esquerda é muitas vezes utilizada para manipulações “impuras” (banheiro). Se não quiser olhares “tortos” na sua direção, evite manipular a comida com a mão esquerda.

Costumes / superstições / formas de comunicação

  • Na Tailândia, na Indonésia e em outros países do sudeste asiático é costume tirar os sapatos na entrada de qualquer estabelecimento. E tirar os sapatos na entrada de todas as lojas muitas vezes é bastante cansativo.

  • No Canadá, queixar-se às autoridades competentes não é uma forma de acusação, mas sim de vigilância. Uma vizinha pode ir te visitar para tomar um chá, conversar e fazer elogios à sua filha. Mas 30 minutos depois que ela for embora, o serviço social pode aparecer na sua porta dizendo que houve uma reclamação de que seu gramado não foi cortado, por exemplo.

  • O que é confuso é a boa vontade “gratuita” dos europeus. Estava na casa de uma amiga na Suécia e fui recebida como uma rainha. O marido dela era sueco e ofereceu ajuda, de forma persistente, para passear pela cidade, mesmo eu tendo recusado diversas vezes. Quando voltei de viagem, disse a todos os meus amigos que os europeus eram realmente muito prestativos e amigáveis, diferentemente do que muitos pensavam. Mais tarde, no entanto, essa minha amiga me telefonou e pediu para eu nunca mais voltar à casa dela. Pelo que eu entendi, ela ficou extremamente desconfortável com as “ajudas” que o marido me ofereceu e os dois disseram que estavam abismados por eu ter ficado um mês na casa deles.

  • Na Geórgia, a quase obrigatoriedade de se comunicar com os locais nas coisas mais simples do cotidiano, como ir à uma loja, é bastante cansativa. Muitos gostam disso, mas quando uma compra de 15 minutos se torna uma conversa de mais de uma hora, é um pouco estressante.

  • Parece que não existe o conceito de “pressa” na Ásia. Mesmo se você estiver atrasado para chegar ao aeroporto, por exemplo, seu taxista pode parar em alguma rua e comer uma comida de rua pelo tempo que for necessário.

  • O mesmo movimento com a cabeça dos indianos pode significar, dependendo do contexto, “sim”, “não”, “não sei”, “coloque a palavra que quiser”.

Regras e multas

  • Na China, a necessidade constante de passar por detectores de metais nas ruas, especialmente no centro das cidades, é bastante cansativa.

  • Uma multa de até 500 euros (cerca de 2,2 mil reais) pode ser aplicada na Espanha se o policial achar que você o tratou com desrespeito.

  • O metrô de Berlim é dividido em zonas. A penalidade por estar em uma zona que não condiz com o bilhete que você comprou é de 80 euros (cerca de 370 reais). Ao mesmo tempo, os bilhetes são vendidos apenas nas máquinas e normalmente não há muitos funcionários para dar informações.

  • Em Singapura, você será multado em 400 dólares (1.700 reais) por jogar bitucas de cigarro ou chiclete no chão. Se decidir fumar em lugar público, isso pode lhe custar 800 dólares (cerca de 3.400 reais).

  • No Egito é estritamente proibido tirar fotos de instalações militares e agências governamentais. Uma foto como essa pode acabar em prisão.

Serviços privados/ transações monetárias

  • Nas vendas europeias, alguns vendedores originários do Oriente Médio podem escolher não colar etiquetas de preço nas mercadorias para conseguir lucrar mais com os turistas. E o “golpe” é descoberto rapidamente, quando você vai à loja ao lado e nota que o mesmo produto custa 2 vezes menos.

  • Na Europa, é pouco provável conseguir pagar por alguns serviços em dinheiro. Se não possui um cartão de crédito ou débito, seu transfer para o aeroporto pode ficar comprometido, por exemplo.

  • Em Israel, é costume dar gorjeta para tudo: limpeza de quarto, carregar a mala e até obter uma toalha para ir à piscina.

  • Descontos e promoções na Europa não são anunciados. Você já deve estar ciente e avisar os vendedores antes de comprar uma passagem de avião, por exemplo.

  • Em Londres, é possível usar um bilhete para duas pessoas para ir praticamente a qualquer lugar. Para isso, no entanto, você precisa comprar um bilhete de trem com antecedência, e não de ônibus. Essa informação não é encontrada em nenhum lugar nos sites oficiais; apenas é compartilhada na Internet.

  • Em alguns lugares na Geórgia, o elevador custa 10 centavos da moeda local para subir (para descer é de graça). Parece ser pouca coisa, mas se você não tem nenhuma moeda, terá de subir pelas escadas, incluindo no seu hotel com as malas pesadas.

Algumas outras observações

  • Dificilmente há cortinas nas janelas na Suécia e na Holanda. Na França, as telas contra insetos não são muito populares.

  • Os banheiros da maioria dos apartamentos dinamarqueses são minúsculos, com o chuveiro em cima da privada. E podem ficar até mesmo na cozinha.

  • As tomadas em qualquer país podem acabar com as suas férias. Cada lugar tem um padrão, o que pode causar sérios problemas, por exemplo, se você tem apenas 1% de bateria no celular e não tem adaptador.

  • Nem todos toleram o hábito de alguns estrangeiros de tomar banho de sol nus. Na Alemanha, as saunas públicas proíbem a entrada com roupas de banho. Homens e mulheres normalmente ficam juntos no mesmo ambiente.

  • Nos Emirados Árabes, os médicos geralmente receitam uma quantidade absurda de antibióticos. Mesmo que seja apenas um nariz escorrendo ou uma dor de cabeça. Chamar um médico para atender em casa não é uma prática, mesmo que uma criança esteja com febre alta, por exemplo.

  • Durante os nossos primeiros dias na Índia, fomos de trem para outra cidade. Meu amigo foi ao banheiro do trem e, após alguns minutos, me ligou de lá desesperado. Os indianos não costumam usar papel higiênico, mas meu amigo notou isso tarde demais.

O que você notou de mais estranho em suas viagens para fora do país? Comente!