20+ Histórias que provam o quão inesperadas podem ser as corridas de táxi

Quem nunca passou por situações inusitadas em corridas de táxi? Desde motoristas tagarelas até aqueles que decidem parar para tomar um café no meio da viagem. Tem de tudo. Mas o oposto também existe: taxistas capazes de se relacionar bem com os clientes sem prejudicar a corrida.

Nós, do Incrível.club, coletamos algumas histórias sobre motoristas de táxi e de aplicativos que merecem todas as estrelinhas de avaliação, apesar dos contratempos. No final do post, incluímos os relatos mais impensáveis para dividir com você. Acompanhe!

Corridas que deixam um gostinho de quero mais

  • Voltava para casa à noite com um taxista bastante animado. Descobri que morávamos perto um do outro e que aquela seria a última corrida dele no dia. Ele perguntou se poderia passar no mercado para comprar alguma guloseima, pois estava faminto e não tinha nada em casa. Aceitei. Quando voltou, me trouxe um sanduíche quentinho como agradecimento. O presente custou mais caro que a própria corrida. Por isso, não restou dúvida: dei a nota mais alta a ele e ainda uma boa gorjeta. © Boomschuvaka / Pikabu

  • Precisava levar minha mãe do hospital para casa. O problema? Ela estava com a perna engessada e ninguém se dispôs a ajudar. Expliquei a situação para o taxista e ele não pensou duas vezes: entrou e a levou nos braços até o veículo. Quando chegamos em casa, ainda nos ajudou a carregá-la para dentro. © Тамара Бекоева / Facebook

  • O taxista me levava para uma cirurgia marcada. Estava bem-humorado e decidiu ligar o karaokê no carro. Me perguntou se eu sabia cantar, e fomos cantando o caminho inteiro. Fiquei tão entretida que não queria mais sair dali. Enfim foi preciso me despedir, mas sei que fiz um amigo. © Ли Александр / Facebook

  • Domingo, 8h da noite. Esperei o táxi por muito tempo até chegar um rapaz bastante simpático e alegre. Fomos conversando, pois o percurso era longo. Nossa conversa foi interrompida por uma ligação da mulher dele. Por conta da proximidade, consegui escutar tudo: ela estava insatisfeita com o fato de ele passar os finais de semana trabalhando. A resposta foi objetiva: o jovem insistiu que aquela seria a última corrida do dia. Em seguida, ele foi me contando dos obstáculos dos relacionamentos. Muito engraçado. Foi a primeira vez que deixei gorjeta para um taxista. © Sai Harsha / Quora

  • Começou uma chuva forte enquanto passeava de bicicleta a 18 km de casa com meu cachorro pequeno. Meus agradecimentos ao motorista do táxi: ele aceitou pôr a bicicleta suja no bagageiro e o cachorro no banco de trás. Durante a viagem inteira, ainda fez piadas e nenhuma vez reclamou de estarmos molhados e sujos. © Инга / AdMe

Corridas que não precisam se repetir

  • Há uns três anos estava no táxi com um motorista mais velho. No meio do caminho, ele parou o carro e disse em tom imperativo: “Saia rapidinho e me compre um sanduíche no supermercado”. Depois das minhas reclamações óbvias, ele seguiu o percurso sem abrir a boca. © Vel Max / Facebook

  • Saí do avião e pedi um táxi na área de desembarque do aeroporto. A conversa com o motorista foi a respeito do Uber. Ele me contou sobre os perigos de ter uma corrida com taxistas inexperientes e suspeitos — como se ele mesmo fosse experiente. O discurso eloquente do rapaz foi interrompido pela batida que o nosso carro deu no veículo parado à frente. A primeira coisa que o motorista “experiente” fez foi me cobrar pela corrida. © ZigZagMacKRyak / Pikabu

  • Tinha 12 anos. Eu e minha avó pedimos um táxi para ir para casa e sentei no banco da frente. Estava muito quente e, por isso, pedi para abrir a janela. “Tudo bem”, disse o motorista. Como o carro era antigo, seria preciso girar a maçaneta para abaixar as janelas. O problema? Havia duas maçanetas. Escolhi uma em silêncio e a girei: a porta ao meu lado abriu com tudo. Por sorte consegui fechá-la rapidamente. O taxista arregalou os olhos, e o coração da minha avó quase saiu pela boca. © Светлана Зозирова / Facebook

  • No meio do caminho, o motorista parou em um cruzamento, puxou o freio de mão e saiu do veículo. Fiquei um pouco surpreso, mas pensei que havia algo de errado com o carro. O homem, na verdade, entrou num prédio e, após alguns minutos, voltou com uma sacola com biscoitos e bebidas. Entrou no carro e seguiu o percurso como se nada tivesse acontecido. Não foi nada grave, mas não poderia ter me avisado que estava com fome? © stansmolin / Pikabu

  • Entrei no táxi e fomos em silêncio no começo da corrida. Estava entretido no meu telefone quando o motorista soltou: “Opa, estou na contramão”. A partir daí, larguei o celular e não tirei os olhos da via até chegarmos ao destino. © z****** / Pikabu

  • Após uma noite de trabalho, chamei um táxi porque estava com preguiça de caminhar até o ponto de ônibus. Era verão, mas fazia frio pelas manhãs. O taxista me ligou e disse que me esperaria ao lado da parada dos ônibus. Eu havia chamado um táxi justamente para não caminhar até lá: pedi para vir até a entrada do prédio. Por conta disso, escutei reclamações a viagem inteira. Tinha 20 anos na época e me senti como uma criança culpada. Meu grande erro foi não ter deixado uma avaliação negativa. © Юлия Саитова / AdMe

  • Às 6h da manhã, após uma noite de muita diversão, precisei voltar para casa. Peguei um táxi de rua. A melhor descrição para o motorista: óculos escuros, blusa florida, aparência de mafioso. Pelo sotaque, notei que era estrangeiro e, para ser simpática, perguntei como ele estava na língua nativa dele. Era a única coisa que sabia. Como resposta, escutei um monólogo de quase 10 minutos ininterruptos. Não entendi uma palavra, mas não tive como interrompê-lo, apenas sorria e balançava a cabeça. Depois de todo esse tempo, ele decidiu me fazer perguntas, mas fiquei envergonhada de admitir — só naquele momento — que não falava a língua. Resolvi dizer que já havíamos chegado ao destino (ainda no meio do caminho) só para não continuar ali. Tive de andar mais 20 minutos para chegar em casa. © Ashok Kumar / Quora

Coincidências engraçadas não são raridades

  • Meu amigo trabalha como motorista de Uber. Uma vez ele levava umas garotas, que discutiam sobre os respectivos planos para o ano seguinte. E notou que uma delas era a minha irmã mais nova. Foi assim que descobri que ela estava planejando morar em outro país. © unknown author / Reddit

  • Estava no táxi indo para casa. O motorista perdeu o retorno indicado pelo GPS, mas logo depois conseguiu pegar o próximo. Só quando chegamos ao destino me dei conta de que ele era meu vizinho. © APXuK / Pikabu

Motoristas também têm histórias curiosas

  • Aceitei minha última corrida. Por sorte, em direção ao meu prédio. Apareceu minha vizinha e fomos em silêncio o percurso inteiro. Quando chegamos ao destino, ela disse que subiria para pegar dinheiro, pois não o tinha na bolsa. Dez minutos depois, nada. Fui ao andar dela, toquei a campainha e, surpresa, a mulher abriu a porta:
    — Como você me achou?
    — Sou seu vizinho.
    — Há quanto tempo?
    — Uns 13 anos.
    Ela me deu uma gorjeta generosa pelo “inconveniente”. © RedMan86 / Pikabu

  • Recebi um pedido à noite com destino à estação de trem. Uma mulher saiu do prédio com uma mala. Abri a porta da frente, mas ela ignorou e sentou no banco de trás. Tudo bem, fomos em silêncio. A poucos metros da estação, olhei pelo retrovisor e vi que havia apenas a bolsa da mulher no banco. Ela abriu a porta de trás — apenas — para colocar a bolsa e então se sentar no banco da frente. Tive de voltar para buscá-la, mas depois deu tudo certo. © Юрий Привиден / Facebook

  • Três senhoras entraram no veículo e tive de levar cada uma aos seus endereços respectivos. A que se sentou na frente me deu uma parte do dinheiro e disse para deixar o troco para a vovó, que seria a última a sair. Quando chegamos, a última senhora abriu a porta rapidamente e disse: “Volto rapidinho”. Não voltou. Pelo que entendi, ela não escutou o que a amiga tinha dito e não queria pagar. Foi bastante grossa ainda quando bati na porta dela. Bom, foi uma pena, pois eu só queria lhe dar o troco. © unknown author / Pikabu

  • No meu dia de folga, resolvi visitar um amigo fora da cidade. Decidi aceitar uma corrida, pois o destino seria na mesma direção. Entrou no carro uma mulher de meia-idade. Conversamos um pouco e, quando ela descobriu que eu ia para casa de amigos e não estava no meu expediente, ficou muito surpresa. Parecia estar ofendida mesmo e até se recusou a pagar, dizendo que estaria “pagando minha viagem pessoal”. Cancelei a corrida e a mulher saiu. As últimas palavras que ouvi foram: “Sai daqui, mão de vaca”. © ExCoonMan / Pikabu

  • A cliente era uma senhora de idade. Os filhos não quiseram levá-la ao aeroporto e pediram um Uber. Notei como ela estava desconfortável em ir sozinha com um desconhecido, por isso não falei nada por 45 minutos. Quando chegamos, a senhora quis pagar, mas o pedido já havia sido pago por cartão. Ela não entendeu o que aconteceu e ficou chateada em não poder me pagar. Eu também. Depois disso, passei um tempo questionando se conseguirei acompanhar a tecnologia na velhice. © justsoyoknow / Reddit

  • Uma cliente resolveu gritar comigo quando notou que havia perdido as chaves. Encontrei-as mais tarde e combinei de entregá-las se ela pagasse o meu deslocamento. Concordou. Quando cheguei, porém, a mulher se recusou, dizendo que chaves novas custariam mais barato que os meus serviços. Na verdade, ela saiu perdendo: aquele modelo de chaves era único e ela precisaria das originais para fazer a cópia. Me ligou depois para pegá-las. © ExCoonMan / Pikabu

Bônus: caronas peculiares

  • À meia-noite resolvi ir para o centro da cidade com umas amigas. Passeamos bastante, comemos em um restaurante. Caminhamos um pouco, mas estava muito frio e decidimos voltar para casa. Por conta do horário, não havia mais transporte público e não conseguíamos chamar nenhum táxi. As meninas ficaram nervosas e acenaram para uma ambulância que passava. Acredite se quiser, mas o veículo parou. O motorista abaixou o vidro e disse: “Vão entrar ou ainda estão pensando?” E nos levou para casa por um valor simbólico. Não vamos esquecer dessa história tão cedo. © Deleted User / AdMe

Você já conheceu um taxista de quem se lembrará para o resto da vida? Compartilhe suas histórias conosco!

Imagem de capa RedMan86 / Pikabu
Compartilhar este artigo