17 Pessoas passaram por situações tão embaraçosas que queriam apenas ter a capacidade de se teletransportar

Há dias em que as coisas não correm conforme o planejado. Às vezes, parece até que há uma conspiração do Universo contra você. A verdade é que todos nós podemos cometer deslizes, a diferença é que certas pessoas não conseguem esquecer e ficam realmente chateadas; enquanto outras preferem rir da situação e depois compartilhar com os amigos e com a internet.

Nós, do Incrível.club, sabemos um pouco sobre o que é ter fracassos épicos na vida, por isso decidimos compartilhar as histórias destes usuários para mostrar que qualquer um está passível de erros. Acompanhe!

  • Tive um sonho maravilhoso. Eu sonhava que era uma cientista e estava conduzindo uma pesquisa muito importante, que mudaria o curso da humanidade. Procurei a resposta por anos, uma solução, até que um dia finalmente a encontrei! Anunciei ao público, todos me aplaudiram, ficaram felizes e me parabenizaram pela descoberta. Foi aí que percebi que, realmente, era algo importante. Acordei por alguns segundos, deixei anotações no celular para lembrar depois e voltei ao sonho, para aproveitar um pouco mais meus dias de glória. Quando acordei, abri o celular e nas anotações estava escrito: “Precisamos limpar o bumbum com leite”. © VintaBaley / Pikabu
  • Eu estava limpando o banheiro, por isso tirei a aliança do dedo até terminar. Enquanto eu trabalhava, meu filho mais novo a jogou no lixo, e o mais velho, jogou o lixo fora. Saí correndo para tentar recuperar a aliança no lixão da rua, pois sabia que minha esposa não me perdoaria. Comecei a mexer nos sacos de lixo, e escutei uma voz: “Michael?” Levantei a cabeça, e vi minha chefe com os olhos arregalados e confusa com o que estava acontecendo. Eu nem tive tempo de explicar, e ela logo soltou: “Por que não disse que o salário estava insuficiente? Não se preocupe, vou te oferecer um bom bônus no próximo mês”, e saiu andando. Não sei dizer se foi um sucesso ou um total fracasso. © Palata № 6 / VK
  • Ocorreu o seguinte. Era o segundo dia da nossa festa de casamento, dia 31 de dezembro, e havia neve por todo lado. Na época, não havia celulares modernos, e nem todos tinham câmeras fotográficas. Os convidados tiraram fotos com as paisagens de inverno, foi muito divertido e as imagens pareciam ter ficado incríveis. O problema foi que, mais tarde, descobrimos que alguém esqueceu de colocar o filme na câmera. © Natalia Sementeva / Facebook
  • Quando eu tinha 7 anos, meu pai e eu fomos ao shopping, e lá vi uma garota de uns 15 anos. Ela usava uma camiseta de manga curta e, no braço, havia uma marca de nascença muito parecida com a minha. Fui até ela, apontei para a marquinha e disse: “Oi, acho que somos parentes!” Mais tarde, quando contei isso ao meu pai, ele riu por muito tempo e me explicou que aquilo não se tratava de um sinal de parentesco, mas que era apenas uma cicatriz de vacina. © Josue Quintero / Quora
  • Eu era uma criança muito distraída. Uma noite, durante um jantar em um hotel, comecei a pensar em algo fixamente e, ao terminar de comer, me levantei, peguei meu prato e fui à pia limpá-lo. Quando percebi o que estava fazendo já era tarde: todos me olhavam em silêncio e com surpresa no rosto. Fiquei tão envergonhada, que saí correndo repetindo para mim mesma como eu era estúpida e reclamando por minha mãe ter me disciplinado demais. © Sharath Sk / Quora
  • Lembro-me de, no 5º ano da escola, ligar para contar alguma besteira ao meu amigo. Alguém atendeu e eu comecei a despejar meus pensamentos. No fim da história, o pai do meu amigo, que havia atendido o telefone, só disse: “Quê?” Eu queria me enterrar de tanta vergonha, só consegui responder: “Ah, desculpa, tio, pode chamar o Paulo, por favor?” © Udonov / Pikabu
  • Em um belo dia de primavera, levei meu filho de 4 anos ao parque para pegarmos um pouco de ar fresco. O local estava lotado de pais, que também haviam levado seus filhos. Coloquei meu pequeno no balanço e pensei que poderia começar com uma empurradinha de leve. Algo deu errado, escorreguei e caí de cara na areia molhada embaixo do balanço. Meu filho começou a gargalhar, e eu me levantei, catando os restos da minha dignidade do chão e continue a balançar meu pequeno como se nada tivesse acontecido. © Eilidh Ross / Quora
  • Levei meu filho para o primeiro dia de aula, todas as crianças estavam arrumadas e felizes de reencontrar os amigos. Então, todos fizeram uma fileira e deveriam soltar os balões de ar que estavam segurando após a coordenadora dizer a palavra-chave. Ela gritou e nenhum balão subiu, pois as crianças estavam chorando e não queriam soltá-los. Nós, os pais, também estávamos chorando, mas de tanto rir com o fracasso do plano da escola. © Palata № 6 / VK
  • Em uma bela manhã, eu ia à aula com as mãos no bolso. Quis cortar caminho passando pelo estacionamento, que tinha uma cerca baixa com postes de concreto e correntes entre eles. Como fiz milhões de vezes antes, me abaixei para passar entre as correntes, mas meu pé ficou preso. Sem ter tempo de tirar as mãos do bolso, caí diretamente com o rosto no chão, na frente de todos os estudantes da universidade. Naquele momento, eu ficaria muito feliz se a terra tivesse me engolido para me tirar de lá. Até hoje, aos 30 anos, minhas bochechas ficam coradas só de relembrar. © Felix Jones / Quora
  • Derrubei o tablet na água e, para evitar o sermão da minha mãe, escondi-o no armário. Na manhã seguinte, ele não estava lá. Como minha mãe não disse nada, pensei que não havia sido ela, ou a gritaria já teria começado. No dia seguinte, acordei, e o tablet estava na minha mesa, funcionando: milagre, mágica? Contei a história à minha mãe, com emoção nos olhos, esperando surpresa dela, mas ela apenas disse: “Ah, eu sei, ontem deixei o tablet no arroz para sugar a umidade”. Eu já queria brigar com ela por não ter me dito antes, mas depois lembrei que a culpa de tudo isso era minha. Por isso, só disse: “Muito bem, bom trabalho” e me tranquei no quarto. Foi por pouco. © Palata № 6 / VK
  • Na minha direção, vinha uma conhecida com o marido ao lado. Ela sorriu e disse: “Oi”. Respondi: “Oi”. Após passar ao meu lado, perguntou: “Tudo bem”. Eu: “Tudo, e com você?” Nessa hora, me virei, já que ela parecia querer conversar. O problema foi que havia outra conhecida nossa atrás de mim, e era com essa mulher que ela estava falando. Lembro dessa história até hoje com frio na espinha. Que vergonha! © VasinaVasilisa21 / Pikabu
  • Na escola, eu odiava as aulas de Educação Física, que ocorriam algumas vezes por semana. Um dia, jogávamos futebol e, enquanto todos corriam pelo campo, eu estava parado esperando a atividade terminar. Mas, então, notei um garoto vindo com a bola na minha direção e fiquei esperando alguém aparecer para interceptá-lo, como geralmente acontecia. Mas não desta vez. Talvez o menino não soubesse que eu não sabia jogar, por isso chutou para mim. O problema foi que a bola estava vindo diretamente nas minhas partes íntimas. Fiquei sem reação por alguns segundos, depois pus as mãos na frente do corpo, e a bola rebateu. Todos começaram a gargalhar, inclusive o treinador. Mais tarde, ouvi ele dizer que foi o melhor momento do jogo, um excelente bloqueio. © Jesse Bressitsky / Quora
  • Um dia, estava jogando badminton com uns amigos. A partida estava muito acirrada, e eu estava totalmente concentrado e investido no jogo. Meu oponente bateu na bola e, quando eu me preparava para rebater, meu pé torceu e caí no chão, com as pernas e as costas encostando totalmente no solo. Parecia que eu havia deitado para dormir. Todos começaram a rir e me senti tão envergonhado. © words of wisdom / Quora
  • Eu gostava de um rapaz que trabalhava comigo, mas ele era casado e nunca prestou muita atenção em mim. Ele costumava voltar pra casa por um parque meio vazio tarde da noite. Então, um dia, quando a esposa dele estava viajando a trabalho, eu o esperei no parque e, é claro, rasguei a calça. Ao vê-lo passar, comecei a chorar, dizendo que um cachorro havia me atacado. Ele me levou até em casa e entrou para me ajudar a tratar a ferida. Nessa hora, me declarei e dei um beijo nele. Ele apenas respondeu que eu era uma tonta e me largou sozinha. © Podslushano — Aqui Falam de Você / VK
  • Certa vez, fui ao banheiro do escritório e, ao desabotoar minha calça, meu rádio do trabalho se soltou do bolso lateral e ficou pendurado pelos fones de ouvido. Ele então começou a balançar de um lado pro outro, bateu na privada, caiu no chão e passou para a cabine ao lado. Sim, havia uma pessoa na cabine ao lado, que após alguns segundos, disse: “Vou te passar o rádio de volta”, e o passou pela brecha da divisória. Esperei diversos minutos dentro da cabine, até ter certeza de que o rapaz já havia ido embora. © Crystal Miron / Quora
  • Quando eu tinha 17 anos, fui convidado para uma vaga de assistente de TI em uma empresa de conserto de computadores. Na entrevista, me perguntaram: “Qual o primeiro conselho você daria para um cliente, que entra em contato conosco e diz que o monitor não está ligando?” Respondi: “Primeiro é importante saber se o monitor está ligado na tomada”. Eles riram, disseram que já haviam terminado, me levaram até a porta e, gentilmente, me empurraram para fora. © IgnasP / Reddit
  • Eu estava sentado no carro, em um estacionamento, lendo posts na internet. Então, vi um carro se aproximar a uns 10 m de onde eu estava. A janela do veículo abaixou, e vi uma menina muito bonita acenar para mim e dizer: “Oi”. Primeiro, ignorei, mas depois ela acenou novamente. Pensei queria falar comigo. Acenei de volta. Ela, então, sorriu e fez sinal com a mão, como se estivesse me chamando. Saí do carro, fui até lá e disse:
    — Nós nos conhecemos?
    Então, atrás de mim, escutei uma voz:
    — Nossa, amiga, nem tinha te visto aí. Moço, o que você quer?
    Bem, era a amiga dela. Apenas me desculpei e fui embora. © TorrenTPRO / Pikabu

Já passou por uma situação parecida, em que você queria apenas se esconder e fingir que nunca aconteceu? Compartilhe sua história conosco nos comentários!

Compartilhar este artigo