Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

10+ Cachorros abandonados adotados por empresas que os transformaram em membros de suas equipes

Mundo afora, é possível encontrar cachorros que realizam diferentes e importantes trabalhos graças às suas habilidades extraordinárias e aos treinos intensos. Para alguns, o charme profissional é suficiente para que conquistem emprego em qualquer empresa e com direito a benefícios, como refeição, atendimento médico e muito carinho. A dedicação ao trabalho demonstrada por esses peludos são um diferencial. Tanto que, quando eles se aposentam, deixam um grande vazio no coração das equipes.

Nós, do Incrível.club, amamos histórias sobre cães abandonados que ganharam uma segunda chance. Por isso, resolvemos contar relatos envolvendo diferentes empresas e instituições que adotaram animais e fizeram deles parte dos times (alguns chegaram até a ganhar crachá oficial!). Continue lendo para saber mais a respeito desses trabalhadores de quatro patas.

1. Tucson Prime. Cargo: consultor de vendas em concessionária de carros

Ele foi acolhido pelos colegas depois de passar dias do lado de fora de uma concessionária Hyundai na cidade de Serra, Espírito Santo. Agora, ele dorme e se alimenta no local.

Tucson tem cerca de um ano e é “consultor” de vendas, de acordo com o indicado no crachá dado a ele. Seu trabalho consiste em dar as boas-vindas aos clientes, além de supervisionar a loja. Segundo o restante da equipe, o ambiente profissional ficou muito mais agradável com a chegada do cãozinho.

2. Vochita. Cargo: vigia em concessionária de veículos

“Bem-vinda à família”

Ela estava em um terreno abandonado quando um funcionário da concessionária Volkswagen Autocentro Torreón, no México, a achou e levou consigo para dar comida e recuperá-la do estado em que se encontrava. Quando a cadelinha melhorou, foi apresentada aos colegas de trabalho. E Vochita foi tão bem recebida que acabou contratada. A cachorrinha pitbull faz parte do time da segurança, ficando encarregada de garantir a tranquilidade dos clientes até a chegada do atendente.

3. Silicon. Cargo: ajudante e segurança em loja de departamento

Em Oaxaca, México, este cãozinho foi abandonado em uma loja de artigos para o lar. Os funcionários do estabelecimento o encontraram e, aos poucos, foram estabelecendo um vínculo. Por fim, o animal foi adotado e empregado.

Silicon, como foi batizado, vive em uma casinha feita com os materiais vendidos na loja e está sempre pronto para ajudar os colegas nas mais diversas tarefas. Entre suas principais atribuições estão vistoriar a loja e vigiar para garantir que tudo do lado de fora esteja nos conformes. Assim como os demais funcionários, ele também usa uniforme.

4. Yuli, Negro e Terry. Cargos: vigilantes em universidade

Esses três cachorros perambulavam pelas dependências do Instituto Tecnológico Superior de Pátzcuaro, Michoacán, México. Os funcionários da administração notaram a presença deles e resolveram integrá-los ao local. A comunidade, ao tomar conhecimento sobre os novos funcionários, passou a colaborar com ração e outros itens necessários para eles. Yuli, Negro e Terry estão sempre em alerta, e foi justamente por isso que ganharam a tarefa de vigiar as instalações da unidade de ensino. Estão no cargo há dois anos, sempre carregando os crachás que os identificam como policiais.

5. Pinto. Cargo: gerente de penhoras

“Sem dinheiro nem para os petiscos do seu cachorro?

Pinto

Gerente de penhora de veículos”

Quando era apenas um filhote, Pinto foi adotado pelos gerentes da sucursal da empresa de penhoras Empeña Fácil em Chihuahua, México. Ele ficava no estacionamento do local, mas um dia entrou e começou a percorrer toda a loja. Depois disso, passou a integrar oficialmente a equipe, participando inclusive das reuniões.

Suas funções englobam as mais diversas áreas: é vigilante, ajudante de campo e até terapeuta. Os trabalhadores da casa de penhora afirmam que a presença do colega canino permite que a tensão no ambiente diminua e a convivência melhore.

6. Virtus e Polo. Cargos: vigilantes em concessionária de veículos

Depois de serem resgatados pela concessionária Volkswagen City Chetumal, no México, esses dois cachorros foram batizados como Virtus e Polo, em homenagem a dois carros da montadora. Na empresa, eles ocuparam as vagas de funcionários da guarda e segurança. Eles assinaram o “contrato” deixando a marca de suas patinhas nos crachás de identificação que ganharam como novos membros da equipe.

7. Costilla e Adobada. Cargos: vigias em restaurante

Há três anos, homens que trabalhavam na construção do restaurante Rancheros del Sur, também no México, perceberam a presença de dois cães rondando o local. Eles falaram sobre o assunto com os donos do estabelecimento, que resolveu adotar os animais e dar a eles o cargo de vigilantes. O macho ganhou o nome de Costilla (Costela), por estar muito magro na época. A fêmea foi chamada de Adobada, assim como um dos principais pratos do novo negócio.

Em sua jornada de trabalho, eles interagem com colegas, fornecedores e clientes que usam o estacionamento. Os dois estão sempre portando crachá e bandana, tudo no melhor estilo do restaurante situado na capital mexicana.

8. Negão. Cargo: frentista

Em 2017, este cãozinho ganhou o título de “funcionário do mês” pelo trabalho em um posto de gasolina Shell em Mogi das Cruzes, São Paulo. Negão foi abandonado no local quando ainda era filhote, mas as donas do posto resolveram adotá-lo e dar a ele todos os cuidados necessários. A partir daquele dia até seu falecimento, o cachorro trabalhou no lugar. Ele era encarregado de receber os clientes e funcionários, que estavam sempre dispostos a lhe dar carinho e até brinquedos.

9. Firulais. Cargo: vigia em terminal de ônibus

“Posso ajudar em algo?
Às suas ordens,

Firulais”

De cachorro de rua, Firulais passou a ser membro do departamento de proteção em uma empresa de ônibus. Os funcionários da Transpais, em Tamaulipas, México, encontraram o animal em estado tão ruim que resolveram cuidar dele. Posteriormente, o cão foi adotado e recebeu até a indumentária necessária (colete e crachá de identificação) para trabalhar na central da empresa. O cachorro fez suas rondas até janeiro de 2020, quando faleceu.

10. Negrita. Cargo: frentista

Esta cadelinha apareceu com fome em um posto de gasolina de Ixtapaluca, Estado do México. Lá, ela não encontrou apenas comida, mas também colegas que a integraram à equipe de trabalho. Hoje, Negrita anda de colete como os demais funcionários, além de vigiar as oficinas e acompanhar as pessoas que querem ir ao toalete. Ela dorme no local e é até alimentada por alguns clientes que já a conhecem.

Por qual dos cachorrinhos acima você gostaria de ser atendido? Conhece outra história de um animal que encontrou amor e trabalho em uma empresa? O que acha desse tipo de iniciativa? Comente!