Incrível
Incrível

20+ Segredos de hotéis “all inclusive” desvendados por quem entende do assunto

Os hotéis com o sistema all inclusive (“tudo incluso”) são bastante procurados por turistas. No entanto, há muitos segredos por trás desse tipo de negócio que podem chocar até mesmo viajantes mais experientes. Desde as mesas lindas de café da manhã, às praias pitorescas até os entretenimentos para as crianças e adultos, nem tudo é o que parece.

Nós, do Incrível.club, buscamos sempre aproveitar nossas férias da melhor forma. Hoje vamos falar sobre algumas peculiaridades dos hotéis all inclusive que o ajudarão a fazer a escolha certa para os seus próximos destinos.

1. Aqueles lindos vegetais e frutas esculpidos são uma forma de economizar com outros alimentos

Frequentemente, vemos mesas decoradas com melancias esculpidas em lindos formatos, abóboras, pepinos e até rabanetes. Mas esculpir não é apenas uma arte dentro da culinária, mas também uma espécie de truque. Um cozinheiro que trabalhou em hotel admitiu que esses pratos de frutas esculpidas são produzidos em quantidades 3 vezes maiores que outras iguarias. Todas essas obras culinárias extraordinárias são colocadas no início da mesa para atrair a atenção dos visitantes, que normalmente comem as frutas primeiro e ficam saciados mais rapidamente, o que, claro, reduz os custos do estabelecimento, já que frutas são mais baratas.

2. O bufê influencia nos preços

Não é por acaso que os hotéis all Inclusive são divididos em 3 categorias: standard (básico), medium (médio) e high (alto). Caso o hotel já tenha o conceito de estrelas, essa classificação não é tão necessária. Mas, de qualquer forma, cada categoria tem requisitos específicos e detalhados nos quais os turistas podem se basear para escolher o seu destino. Além disso, essa divisão permite que determinados hotéis possam aumentar seus preços se, por exemplo, críticos culinários derem uma nota alta ao bufê. Mas, caso o estabelecimento não atenda aos requisitos mínimos, pode, inclusive, perder o status de all inclusive.

3. Muitos hotéis economizam na comida

As mesas dos restaurantes de hotéis com sistema all inclusive oferecem saladas de frutas e folhas dos mais diversos gostos. E a maioria dos pratos também pode ser entregue no seu próprio quarto. Mas, muitas vezes, há produtos muito baratos nas cozinhas dos hotéis, que são comprados no atacado. As agências de segurança e vigilância sanitária realizam frequentemente inspeções, já que, em alguns casos, há o risco de haver compras de produtos fora do prazo de validade.

4. Em alguns locais, as bebidas importadas são caras e falsificadas

Como regra geral, as bebidas alcoólicas oferecidas gratuitamente nesses hotéis são de fabricação local. Mas, em alguns países, tenha em mente que, se você decidir experimentar algo importado, mesmo que pague à parte, após o terceiro copo pode começar a receber bebida de qualidade duvidosa. Esse é um golpe que, inclusive, alguns bares aplicam: após um certo número de doses, o cliente, já não tão sóbrio, perde a capacidade de julgamento e passa a aceitar qualquer coisa.

5. Você pode comer peru pensando que era carne bovina

Aqueles que gostam de carne vermelha suculenta devem levar em conta o fato de que ela pode ser “falsa”. A verdade é que, em alguns países, as equipes preparam carne de peru dizendo que é bovina. Isso se deve à estrutura elástica do alimento, que é bastante parecida com a carne vermelha, e ainda permite que seja frita várias vezes, dificultando a identificação.

6. Frutos do mar podem não ser frescos

Os amantes de lulas, camarões e mariscos devem saber de um “segredinho”, a que os chefs de cozinhas de hotéis recorrem muitas vezes. Em boa parte dos casos, eles usam produtos enlatados, embebidos em cerveja antes de serem servidos. Isso cria a ilusão de frescor.

7. Você pode comer carne de tubarão pensando que é salmão

Ok, para a maioria das pessoas a diferença entre os dois peixes é gritante. Mas, ainda assim, muita gente pode cair no golpe. Em alguns países, hotéis pode servir carne de tubarão, que é mais barata e comum, dizendo que é salmão. Os chefes de cozinha fervem o tubarão em água salgada, tirando assim o sabor específico da carne. Dessa maneira, se torna fácil de mascarar a carne de tubarão como se fosse qualquer outro peixe.

8. Você pode não ser informado sobre possíveis obras

Os hotéis geralmente não relatam quando alguma obra está sendo feita; portanto, na chegada, os turistas podem se deparar com uma surpresa não muito agradável. Para evitar isso, você pode perguntar ao hotel com antecedência, ligando ou entrando em contato com o agente de viagem.

9. Descontos podem estar relacionados com os “caprichos” da mãe natureza

Muitas vezes, descontos incríveis são oferecidos na baixa temporada e isso pode estar relacionado com desastres naturais. Esse é o caso, por exemplo, de alguns hotéis em países no chamado “Anel de Fogo do Pacífico”, região que inclui nações como Indonésia, Filipinas, Japão, Austrália, Chile, Peru, Costa Rica e Guatemala, entre outros e que pode ser atingida por terremotos e erupções vulcânicas. Esse é o caso, também, da temporada de furacões na Flórida e no Caribe, que vai de junho a novembro. Em todos esses países, há centros de ajuda que lidam com tais desastres e enviam informações aos ministérios do turismo locais sobre algum perigo iminente.

10. Uma viagem de ônibus pode demorar demais

Se o seu hotel oferece um transfer gratuito do aeroporto para seu hotel e vice-versa, é importante esclarecer os detalhes com o estabelecimento com antecedência. O que acontece é que, às vezes, um ônibus poderá levar passageiros para diferentes hotéis em uma mesma viagem. Por isso, uma viagem que demoraria 1h30 pode levar 2-3 horas, considerando que será preciso esperar todos os passageiros entrarem no ônibus e descarregar as malas desses passageiros em cada hotel.

11. Entretenimentos para as crianças podem ser bem caros

A propaganda da maioria dos hotéis muitas vezes mostra uma grande variedade de atividades infantis, como serviços de creche e animadores. Entretanto, em alguns estabelecimentos, especialmente no exterior, serviços e atividades normalmente são cobrados à parte, o que não é mencionado de antemão. Um dos serviços mais caros é conseguir alguém para cuidar da criança pagando pela diária — serviço de babá. Em alguns desses hotéis, um dos únicos entretenimentos gratuitos para as crianças é uma visita ao parque aquático. E, quando há shows aquáticos, são cobrados também à parte.

12. A gorjeta não é apenas uma cortesia

O hábito de sempre dar gorjeta para os funcionários de hotel, seja o concierge ou barman, tornou-se quase que uma obrigação em alguns países. O fato é que, dependendo do estabelecimento e da região, esses funcionários são mal remunerados. Por isso, uma gorjeta relativamente baixa (em moeda estrangeira), de, digamos, 4 dólares, pode fazer a diferença. Dependendo do país, as gorjetas podem representar um quarto do custo total da viagem.

13. Atividades aquáticas também não são baratas

As redes sociais de muitos hotéis estão cheias de fotos de turistas felizes passeando de barco, praticando esqui aquático, jet ski, surfe ou stand up paddle. A questão é que, mesmo aqui no Brasil, boa parte dessas atividades é cobrada — especialmente aquelas que precisam de instrutor. Dependendo do local, o valor por 1 hora pode chegar a 50 ou até 200 dólares (200 a 800 reais).

14. O acesso ao mar pode estar proibido

Depois de admirar as belas fotos das praias em frente ao hotel que você está pensando em se hospedar, é importante perguntar se o acesso ao mar está livre. Sim, isso mesmo. Em alguns locais, por conta das correntes marinhas e peculiaridades da natureza, você pode ser proibido de entrar no mar. Além disso, de forma parecida com o que ocorre nas praias brasileiras (no caso de São Paulo, por exemplo, fiscalizadas pela Cetesb), a Agência Europeia do Meio Ambiente verifica a qualidade da água de zonas balneárias, atribuindo às praias bandeiras azuis, em caso de avaliação positiva, ou pretas. Nessa última categoria estão não só as regiões localizadas perto de portos industriais, mas também aquelas que estão inundadas de lixo jogado pelos turistas. Portanto, aconselhamos a verificar o status da praia a que você pretende ir antes de sua viagem.

15. Relaxar na areia da praia pode não ser muito vantajoso

Muitos hotéis com sistema all inclusive recebem uma percentagem adicional pelo aluguel de espreguiçadeiras, guarda-sóis e outros “equipamentos” de praia. Mesmo nas praias brasileiras, muitas vezes, esses pequenos serviços são cobrados. Descansar nas melhores praias de areias limpas não é um dos programas mais baratos e você pode gastar por dia um mínimo de 20 dólares (83 reais), dependendo do país e do hotel.

16. Conhecer a cultura local não depende só de você

Quem costuma viajar bastante e com tempo sabe que, com algum planejamento, é possível ter um contato muito mais autêntico com a cultura local fazendo os programas por conta própria. Ocorre que muitos hotéis e pousadas tentam ao máximo manter os hóspedes dentro de seu espaço. Portanto, não é de surpreender que os preços para excursões e passeios sejam consideravelmente altos, o que se torna proibitivo para alguns dos visitantes. Assim, muitos precisam se limitar ao que o hotel tem para oferecer.

17. Os quartos economizam energia elétrica

Assim que entrar em seu quarto, verifique a potência dos frigobares. Muitas vezes, os produtos podem estragar devido à baixa potência que não permite gelar os alimentos corretamente. Alguns estabelecimentos preferem manter a economia de energia, o que não é de todo mal; mas isso pode fazer com que produtos e bebidas estraguem na geladeira.

18. É melhor não deitar sobre o cobertor da cama

Depois de entrar em seu quarto, tire o cobertor da cama e ponha-o em outro lugar. É quase impossível saber a quantidade de pessoas que o usaram antes de você. Em hipótese alguma se deite no lençol de cima, pois ele costuma apenas ser colocado por cima da roupa de cama limpa. Em alguns hotéis, o cobertor de cima é lavado apenas uma vez ao mês e, em alguns casos, uma vez a cada 6 meses.

19. Cuidado! Seu copo pode estar sujo

Os copos dentro do seu quarto e no restaurante do hotel podem parecer limpos. Mas, antes da chegada dos hóspedes, os funcionários podem apenas tirar a poeira e colocá-los no lugar. Por isso, é aconselhável lavar bem esses itens antes de usá-los.

20. A desinfecção do quarto não elimina percevejos

Mesmo alguns hotéis mais elegantes podem ter esse problema. Os percevejos podem surgir “trazidos” por hóspedes anteriores ou já estar alojados no local. Os hotéis que têm esse tipo de problema geralmente o escondem para preservar sua reputação. E caso os insetos já tenham ocupado algum quarto, se livrar deles não será uma tarefa fácil. Percevejos se instalam rapidamente em móveis estofados, cobertores e colchas. Embora a maioria dos hotéis realize uma desinfecção completa, isso não ocorre com frequência, visto que liberar todos os quartos para fazer uma limpeza significa perda de dinheiro.

21. Se fizer a reserva diretamente com o hotel, você corre o risco de perder sua vaga

Os hotéis dão preferência às reservas diretas, uma vez que assim não haverá necessidade de pagar pelo serviço de terceiros, como Booking ou Trivago. O problema, no entanto, é com a organização dos quartos disponíveis. Muitas vezes pode surgir uma reserva de um grande grupo de pessoas e, nesses casos, as reservas diretas podem ser as primeiras a ser remanejadas. Afinal, pode ser mais fácil “sacrificar” para garantir um grupo grande de visitantes.

Você já passou por algum perrengue durante uma estadia em algum hotel? Acredita que, conhecendo algumas das informações deste post, poderia evitar o problema? Comente!

Imagem de capa needpix
Compartilhar este artigo