10 Erros comuns que cometemos ao decorar os quartos dos nossos filhos

Você já sentiu vontade de redecorar o quarto do seu filho? E conversou com ele antes de escolher as cores, os móveis e os outros objetos de decoração? Existem muitos fatores que deveríamos considerar na hora de decorar o quarto de um bebê ou redecorar o quarto de uma criança. É muito importante que, além de bonito, o ambiente seja também funcional para as atividades que os pequenos costumam desempenhar.

Pensando nisso, o Incrível.club juntou os 10 erros mais comuns que os pais costumam cometer na hora de decorar o quarto dos filhos.

1. Achar que um berço transformável é a melhor opção

Para muitos pais, a melhor opção na hora de decorar um quarto de bebê são os berços transformáveis, já que eles podem ser usados como berços nos primeiros anos e, depois, como camas, quando os filhos já estão um pouco maiores. No entanto, pouca gente sabe que essa opção costuma ser mais cara e geralmente ocupa mais espaço. Além disso, os pequenos costumam recusar esse tipo de cama rapidamente, o que faz os pais gastarem ainda mais.

Como opção, você pode considerar começar com um berço e depois passar para uma cama com proteção lateral. Também é possível recorrer às camas na altura do chão, que dão mais liberdade aos filhos, sobretudo quando eles começam a andar.

2. Encher o espaço com móveis e outros objetos

Cama, armário, cômoda, caixa de brinquedos e, em alguns casos, escrivaninha e cadeira. Tudo isso parece ótimo, mas onde fica o espaço para a criança brincar? É importante que os filhos se sintam bem dentro do próprio quarto e tenham espaço suficiente para brincar. Portanto, não transforme o quarto deles em uma loja de móveis.

3. Não priorizar a segurança

Quando o assunto é quarto de criança, todos os mínimos detalhes importam; afinal de contas, é fundamental que o ambiente seja seguro para os pequenos. Fios soltos e cortinas, por exemplo, podem ser um risco. Móveis que podem tombar ou tapetes sem antiderrapantes podem causar sérios problemas, bem como os trincos de janelas e portas, que, além de machucar, podem prender as crianças dentro dos quartos.

4. Ter apenas um ponto de luz

iluminação é peça chave na hora de decorar um ambiente e o quarto dos filhos não é uma exceção. É preciso lembrar que, muitas vezes, as crianças precisam de uma luz mais baixa durante a noite, efeito que também pode ser conseguido com pequenas luzes. Mas isso não significa que o quarto não deva ter também um foco de luz mais forte. Afinal de contas, a criança precisa de boa iluminação para brincar e para estudar.

5. Escolher um tapete apenas porque é bonito

Atualmente existem muitos tipos de tapetes, e além de uma grande variedade de cores e tamanhos, observamos também uma grande variedade de materiais. Mas a escolha certa não deve “olhar” apenas para a estética. Ela deve, na verdade, considerar dois elementos: o tamanho e a utilidade. E mais um conselho (um muito importante, diga-se de passagem): escolha sempre modelos fáceis de lavar.

6. Deixar as paredes sem proteção

Ao decorar um quarto, não podemos nos esquecer de que as paredes não apenas devem ser bonitas, mas que devem ser suficientemente resistentes para tudo que uma criança puder “aprontar”. Tintas especiais, papéis de parede que podem ser lavados ou um lambril são ótimas opções para quaisquer invenções e experimentos que um pequeno colocar em prática.

7. Encher o quarto de cores ou com um tema específico

Assim como as crianças, que crescem muito rapidamente e vão trocando de roupa na velocidade da luz, seus gostos também mudam. Por isso, é importante não se deixar levar pela emoção e pintar ou decorar o quarto todo com uma cor muito forte ou com um tema específico. O ideal é manter as paredes em tons neutros e adotar outras cores em elementos como almofadas, roupa de cama ou quadros, objetos que podem ser facilmente trocados de acordo com o desenvolvimento e os novos gostos da criança.

8. Não pensar estrategicamente no espaço de armazenamento

Além das roupas, em si, as crianças costumam guardar, nos guarda-roupas, muitos objetos, como brinquedos e livros. Por isso, é necessário que o quarto tenha um armário, uma cômoda e caixas especiais, para que tudo fique no seu devido lugar e, desde pequena, a criança entenda o que significa ordem e arrumação. Mas não devemos nos esquecer de que as crianças crescem muito rapidamente, o que causa uma constante renovação no tipo de roupa usada. Portanto, é importante que o armário possa se adequar a essas transformações.

9. Colocar as coisas fora do alcance das crianças

Para que uma criança realmente se sinta bem dentro do seu quarto é necessário que o ambiente seja pensado para sua comodidade e para seus movimentos. Segundo o método Montessori, que incentiva a criatividade e a independência, o ideal é que os brinquedos e os livros estejam sempre ao alcance. Ou seja, até mais ou menos os 6 anos de idade, é importante deixar tudo isso próximo do chão.

10. Não deixar espaço para a criatividade e para os gostos das crianças

Decorar o quarto de um filho é sempre muito emocionante para os pais, mas não podemos nos esquecer de que esse espaço será dele. Por isso, suas necessidades e seus gostos devem ser uma prioridade. Deixar espaço para as brincadeiras e para a fantasia é possível. Você pode, por exemplo, usar um teepee (uma espécie de tenda), pendurar estrelas ou colocar uma lousa para que a criança desenvolva sua imaginação e sua criatividade e, ao mesmo tempo, se sinta bem dentro do próprio quarto.

Você tem algum outro conselho que pode ajudar quem está pensando em redecorar o quarto dos filhos? E, em sua opinião, que outros elementos são indispensáveis no quarto de uma criança?

Compartilhar este artigo