Incrível
Incrível

8 Superalimentos que não devemos comer em excesso

O termo “superalimento” foi utilizado pela primeira vez para promover bananas, no início do século XX. Hoje a palavra é usada para descrever qualquer alimento responsável por proporcionar muitos benefícios à saúde, especialmente aqueles ricos em nutrientes e com poucas calorias. Embora haja muitas vantagens envolvidas no seu consumo, exagerar pode ser tão perigoso quanto se alimentar de junk food.

Nós, do Incrível.club, acreditamos no seguinte lema: “tudo com moderação.” Por isso, embora existam alimentos mais saudáveis ​​do que outros, não devemos abusar deles, pois, podem ter um impacto negativo no nosso organismo.

1. Brócolis podem irritar o intestino

Uma xícara de brócolis cru contém apenas 31 calorias, seis gramas de carboidratos e 0,3 grama de gordura. É rico em fibras, proteínas, vitamina C, potássio, outras vitaminas e minerais. No entanto, estudos descobriram que consumir muito brócolis e outros vegetais crucíferos (crucífero significa “porte de cruz”, porque as quatro pétalas se assemelham a uma cruz e inclui vegetais como couve, couve-flor, repolho e couve-de-bruxelas) pode causar irritação intestinal ou produzir gases.

Sob uma visão mais crítica, o consumo excessivo de brócolis e seus parentes crucíferos tem efeitos negativos em pessoas que tomam medicamentos para o coração e para afinar o sangue, devido ao seu alto teor de vitamina K.

2. O salmão pode afinar o sangue

O salmão é uma boa fonte de proteína magra e ácidos graxos ômega-3, substância boa para reduzir a inflamação. Uma porção de 85 gramas de salmão repõe quase 30% das necessidades diárias de proteína de um adulto. Embora esse peixe seja a melhor escolha para muitos indivíduos preocupados com a saúde, o consumo excessivo de ômega-3 pode ter um efeito negativo na contagem de plaquetas no sangue, podendo inclusive afiná-lo. Além disso, estudos descobriram que comer muito peixe, incluindo o salmão, pode aumentar os níveis de mercúrio no sangue.

Ao contrário do salmão selvagem, o cultivado em viveiros tem quase o dobro da quantidade de gordura e calorias, segundo estudos. Pesquisas recentes descobriram ainda que o salmão criado em viveiros pode ter uma ligação com a obesidade e com a quantidade de poluentes e produtos químicos, possivelmente encontrados nas águas desses criadouros.

3. A canela pode envenenar o corpo

A canela é considerada um superalimento, devido ao seu alto conteúdo antioxidante e muitas propriedades medicinais. Ela pode baixar os níveis de açúcar no sangue, reduzir a inflamação e prevenir doenças cardíacas. Por todas essas propriedades, o popular condimento da torta de maçã é considerada um dos principais superalimentos da família das especiarias.

Apesar de todos os seus benefícios à saúde, a quantidade de canela ingerida por um adulto deve ser de uma colher de chá por dia. Uma pesquisa revelou que o excesso de canela pode ser tóxico, devido à cumarina presente nela. Essa substância é especialmente perigosa para pessoas com problemas no fígado, pois, pode causar danos a esse órgão, se ingerida em excesso.

É importante notar que existem diversos tipos de canela com diferentes níveis de cumarina:

  1. Canela Cássia (+1%) — considerada “canela comum,” a que normalmente usamos.
  2. Canela Ceylon (0,04% cumarina) — também conhecida como “canela verdadeira” ou “canela mexicana”.
  3. Canela Korintje (4% cumarina) — uma variedade da canela Cássia, mais comum na América do Norte.
  4. Canela Saigon (8% cumarina) — mais forte e doce, se comparada às outras canelas.

4. O abacate pode causar acúmulo de gordura

O abacate ganhou popularidade global como um superalimento nos últimos anos, devido às suas propriedades nutritivas. Uma única porção de abacate representa um quarto das necessidades de vitamina K de um adulto, um quinto das nossas necessidades de folato e um décimo da vitamina E necessária diariamente. A fruta gordurosa também é rica em ômega-3 e fibras, mas o abacate em excesso também pode causar inflamação, inchaço e indisposição estomacal.

Por suas propriedades gordurosas, os abacates não são apenas ricos em nutrientes, mas possuem igualmente um alto valor calórico. Como qualquer outra caloria, a ingestão em excesso pode levar ao ganho de peso. Se você deseja incluir essa fruta na sua dieta diária, especialistas recomendam a ingestão de 50 gramas, ou cerca de um terço de meio abacate.

5. O homus pode causar obesidade

O homus é uma pasta do Oriente Médio feito com grão-de-bico, tahine (pasta de gergelim), limão, alho e azeite de oliva. Individualmente, todos os ingredientes contêm uma variedade de benefícios à saúde, mas, quando combinados, produzem um superalimento nutritivo e rico em proteínas. O homus não é apenas adequado aos veganos e pessoas com alergia a nozes, glúten e laticínios, mas também é associado à melhora da saúde digestiva e ao controle do açúcar no sangue.

É importante observar que os benefícios do homus são encontrados principalmente na versão caseira. A maioria dos homus comprada em lojas não é tão saudável e pode até conter ingredientes perigosos, como elevada quantidade de sódio, óleos desnecessários e conservantes. Os homus encontrados nas prateleiras dos mercados, como outros alimentos processados, podem contribuir para a obesidade e várias doenças, então, é melhor você mesmo fazer o seu.

6. O Kombucha pode aumentar a acidez

O kombucha ou kombuchá é um chá doce fermentado com elevado teor de antioxidantes e probióticos. A bebida ganhou popularidade nos anos 90, mas foi identificada em 220 a. C., na China. Hoje, é considerado um superalimento saudável e uma bebida indispensável para desintoxicação. Mas o kombucha não faz bem para pessoas com sistema imunológico fraco, por conter diferentes bactérias e leveduras, ser servido cru e não pasteurizado.

Além disso, kombucha demais pode causar indisposição estomacal ou acidez. Por conter elevada quantidade de açúcar, é melhor consumir com moderação, para evitar o aumento dos níveis de açúcar no sangue e o ganho de peso.

7. O atum pode afetar suas habilidades motoras

O atum é uma proteína magra rica em ômega 3 e vitamina B12. Estudos demonstraram que comer atum é bom para o coração e fortalece a saúde dos olhos, o sistema imunológico e reduz a pressão arterial. Mas, assim como o salmão e outros peixes, o atum contém mercúrio, o que faz dele um alimento perigoso, se consumido frequentemente e em excesso. O envenenamento por mercúrio se manifesta na perda de memória ou visão, tremores físicos e dormência.

Comparando os benefícios do atum fresco com o enlatado, ambos têm um teor baixo de gordura e alto de proteínas. No entanto, uma pesquisa mostrou que a albacora, ou o grande atum branco, contém um teor de mercúrio maior, em comparação com seus parentes menores e mais escuros.

8. O chá verde pode causar dores

O chá verde foi tachado como uma das bebidas mais saudáveis do mundo, devido ao seu alto teor de antioxidantes. Segundo pesquisas, os antioxidantes do chá verde reduzem os riscos de câncer e doenças cardíacas, queimam gordura e melhoram a função cerebral. Embora haja inúmeros benefícios ligados à bebida, quantidades excessivas podem causar efeitos colaterais negativos, principalmente por seu alto teor de cafeína.

Os efeitos do consumo excessivo de cafeína incluem insônia, dores de cabeça, palpitações e azia. Para aqueles com baixa tolerância aos produtos com cafeína, o chá verde também pode provocar acidez e indigestão. De acordo com especialistas, de três a cinco xícaras de chá verde por dia é mais que suficiente para um adulto médio.

Você acredita que pode ser perigoso se preocupar excessivamente em se alimentar de forma saudável? Qual desses superalimentos o surpreendeu mais?

Incrível/Saúde/8 Superalimentos que não devemos comer em excesso
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos