Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

15+ Pratos e alimentos que tradicionalmente devem ser comidos usando as mãos

2131
252

Ao viajar pelo mundo, algumas regras de etiqueta à mesa podem até parecer um tanto inusitadas, afinal, o que é aceitável e corriqueiro em uma cultura, pode ser completamente inaceitável em outra. Por exemplo, é improvável que alguém que more em um país onde seja costume comer a maioria dos alimentos usando as mãos se sinta confortável em um restaurante francês com todo um conjunto de garfos, facas e colheres à sua frente na mesa. Por outro lado, quem está acostumado com os talheres dificilmente aceitará sem hesitar comer um prato com arroz usando apenas as mãos.

Nós, do Incrível.club, acreditamos que o ato de comer deve ser, antes de tudo, agradável e confortável, mas também respeitoso com as tradições locais. Pensando nisso, decidimos esclarecer alguns pratos que são preparados especialmente para serem consumidos sem a ajuda dos talheres — e em alguns casos, ficamos bastante surpresos. Acompanhe!

Pilaf

Esse prato, um dos mais famosos da Ásia Central, costuma ser servido em um grande prato ou travessa, de onde as pessoas comem diretamente com a mão — nesse caso, usando exclusivamente a mão direita. Segundo a etiqueta, deve-se pegar um pedaço de carne com um pouco de arroz, pingar algumas gotas de suco de limão e então levar o alimento à boca. Acredita-se que esse método permite controlar melhor a temperatura da comida e comê-la sem se queimar.

Cozinha asiática

Nos países do Sudeste Asiático, se você pedir por talheres para comer um curry indiano, rendang indonésio ou uma laksa malaia em um restaurante ou café fora das áreas mais turísticas, as pessoas olharão para você sem entender nada. Os habitantes locais acreditam que a comida seja muito mais saborosa quando são usadas as mãos, com a ajuda de um pedaço de pão roti ou naan. No mais, segundo as tradições da medicina aiurvédica, comer com as mãos faz bem para a saúde.

Tagine

Os famosos tagines marroquinos — que são cozinhados em panelas especiais — também são tradicionalmente consumidos com a mão direita, sem a ajuda de nenhum talher. Existem algumas regras, contudo, que devem ser seguidas. Não se deve usar o mesmo pedaço de pão duas vezes, e para separar um pedaço de carne de outro maior, deve-se usar o pão, e não os dedos. Não é bem visto consumir direto da panela ou travessa, e, por isso, deve ser servido em um prato individual. E, claro, é preciso lavar as mãos antes de comer.

Besh barmak

Esse prato tradicional dos povos nômades da Ásia Central, feito de carne cozida e uma massa longa e bastante fina, indica em seu próprio nome como deve ser consumido. Traduzido do quirguiz, “besh barmak” significa “cinco dedos”, o que não deixa dúvidas de que ele é comido exatamente com as mãos, e a carne separada com a ajuda de um pedaço de pão.

Buuz, manti, khinkali

Todos esses pratos têm muito em comum. Afinal, todos são, basicamente, uma massa recheada com carne, preparados no vapor e consumidos exclusivamente com as mãos. O fato é que, durante o processo de cozimento, forma-se dentro da massa uma grande quantidade de um caldinho aromatizado, e ao comê-los com garfo e faca, ele simplesmente se espalhará pelo prato. É muito mais prático (e saboroso) segurá-los com as mãos, dar uma mordidinha na borda e beber o caldo.

Arancini e oniguiri

Esses bolinhos de arroz com recheio, muito semelhantes a uma coxinha, são bastante populares na Itália e no Japão, respectivamente. Entretanto, em ambos os lugares, costuma-se comê-los com as mãos, e não com a ajuda de talheres. A diferença está apenas no fato de que o arancini deve ser segurado com um guardanapo, pois ele é frito, enquanto o oniguiri é servido envolto em nori, dispensando o papel. A propósito, no Japão é considerado falta de educação mostrar a parte mordida do oniguiri às outras pessoas.

Fish and chips

Essa comida de rua, responsável por promover a culinária britânica pelo mundo, consiste em um peixe frito com batatas fritas e um toque de vinagre. E os próprios britânicos consideram bastante errado comer esse prato com talheres. Toda a mágica do fish and chips (“peixe e fritas”, em português) consiste exatamente em tirar pedacinhos de peixe quente com os dedos e comê-los com as batatas no tradicional recipiente de papelão.

Shakshuka

Esse prato palestino feito com gema de ovo, legumes, especiarias, carne e queijo, também é considerado muito mais gostoso se comido da maneira tradicional: pegando a comida com as mãos com a ajuda de um pedacinho de pão. Tente imaginar essa combinação de sabores e texturas, e a forma como a gema mole se mistura com o alimento e o pão quente. É... melhor deixar os talheres de lado.

Aspargo e alcachofra

Os delicados brotos verdes de aspargo são considerados uma verdadeira iguaria, enquanto a alcachofra é bastante associada aos restaurantes caros, onde normalmente encontra-se diversos garfos, facas e colheres dispostos sobre a mesa. Mas qual deles deve ser usado para o aspargo? Nenhum. É perfeitamente aceitável pegar o vegetal com a mão, a não ser, claro, quando ele é servido com molho. Quanto as folhas de alcachofra, a única opção é comê-las com as mãos: é preciso quebrar a folha, passá-la no molho e só então levá-la a boca para separar a parte macia e comestível com os dentes, colocando o talo restante de volta no prato.

Bacon

Pegar o bacon frito com as mãos pode até parecer uma ideia estranha, pois os dedos ficarão cheios de gordura. No entanto, quando ele é frito até ficar crocante e é servido inteiro, é praticamente impossível comê-lo com o garfo, sendo muito mais prático fazer isso usando as mãos. Por outro lado, se o bacon for cortado em pedaços ou cozinhado e mantiver uma consistência macia, ele deve ser consumido com garfo e faca.

Patê e caviar

Tecnicamente, o caviar de esturjão e o patê são comidos com as mãos. Mas isso não significa que é preciso pegá-los diretamente com os dedos e levá-los à boca. Esses alimentos devem ser passados em uma torrada ou um biscoito com a ajuda de uma colher ou faca, e só então levados à boca com as mãos. A propósito, no caso do caviar, a melhor opção é usar um talher de plástico ou madeira, pois as variantes de metal podem conferir um sabor desagradável à iguaria.

Chakhokhbili

Um dos pratos mais famosos da culinária georgiana — um ensopado de frango com cebola no molho de tomate — à primeira vista parece até impossível de comê-lo sem talheres. Entretanto, ele é tradicionalmente consumido com as mãos. Com a ajuda de um pedaço de pão, deve-se separar um pouco de carne do osso, então pegá-la junto com uma porção de cebola, mergulhar tudo no molho e, por fim, saborear essa iguaria.

Sobremesas

Considera-se que se a sobremesa for macia e úmida, como por exemplo uma torta, então melhor comê-la com a ajuda de talheres especiais — os garfos, facas e, dependendo da ocasião, colheres de sobremesa. Para as tradicionais bombas de chocolate ou de doce de leite, a opção mais segura também são os talheres, para que o creme não acabe caindo e sujando você. Mas os croissants, macarons, doces de massa folhada, como as tradicionais baclavas do Oriente Médio e strudels, são geralmente comidos com as mãos.

Entradas

As comidas servidas em coquetéis ou como uma entrada antes dos pratos principais, por via de regra, são especialmente preparadas para serem práticas e consumidas sem talheres. Nozes, azeitonas, canapés, legumes em conserva e até ovos cozidos recheados costumam ser comidos usando as mãos. E o mesmo vale para as tapas espanholas.

Meze

O meze mediterrâneo, que é um conjunto de pratos para degustação, também se costuma comer com as mãos, e, no caso dos países islâmicos, com a mão direita. No entanto, alguns dos componentes da meze, como o homus, por exemplo, devem ser preferencialmente consumidos com a ajuda de um pedaço de pão sírio ou pita.

Para você, comer com as mãos é um empecilho na hora de degustar um prato ou considera que vale a pena deixar os hábitos de lado para poder aproveitar uma nova experiência gastronômica? Que outros alimentos adicionaria a nossa lista? Conte para a gente na seção de comentários.

2131
252
Compartilhar este artigo