Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

24 Fatos sobre o seriado “Lost”, que roubou os corações de milhões de espectadores 15 anos atrás

Lost teve 6 temporadas e 121 episódios, e não foi por acaso que se tornou um dos seriados mais populares da segunda metade dos anos 2000. Tinha tudo o que precisava para virar um projeto de sucesso: personagens cativantes; elenco estrelado; enredo intrigante e progressista; mistérios e muito suspense.

Nós, do Incrível.club, precisamos confessar: éramos grandes fãs e acompanhávamos cada episódio religiosamente para saber o que aconteceria com as vidas dos heróis naquela ilha deserta. Por isso, decidimos tirar do fundo do baú alguns fatos interessantes sobre esse clássico da televisão. Acompanhe!

Título

  • Os primeiros esboços do roteiro original apresentavam o nome Nowhere (“Em lugar nenhum”), que chegou a ser aprovado, mas, mais tarde, foi substituído pelo título que conhecemos, Lost.

Atores e personagens

  • De acordo com o roteiro original, o principal personagem masculino da série, Jack Shephard (Matthew Fox), deveria ter morrido no episódio piloto. Além disso, no começo queriam convidar Michael Keaton para interpretar esse papel, mas, depois, ambas as ideias foram abandonadas.
  • Especialmente para Yunjin Kim, antes cotada para fazer o papel da Kate, criaram a personagem Sun, a esposa do Jin (Daniel Dae Kim); para Jorge Garcia, que queria inicialmente o papel do Sawyer, criaram o Hugo “Hurley”. Josh Holloway (James “Sawyer”) trouxe ao personagem uma certa excentricidade por acaso: os produtores gostaram da maneira como o ator chutou a cadeira quando esqueceu o texto uma vez e o incentivaram a manter essa característica.
  • Em geral, as personalidades e os destinos de muitos personagens foram concebidos durante o processo de casting. A Kate, por exemplo, inicialmente foi pensada para ser uma mulher de negócios de meia-idade, cujo marido teria morrido em um acidente de avião. No entanto, quando Evangeline Lilly foi confirmada para o papel, essas características foram dadas à personagem Rose Nadler (L. Scott Caldwell).
  • Embora Evangeline Lilly tenha merecido ganhar o principal papel feminino da série, a atriz ainda passou por alguns obstáculos após sua aprovação. Ela teve de passar por nada menos que 20 tentativas até, enfim, conseguir o visto de trabalho americano (Evangeline nasceu no Canadá) e, por isso, começou as gravações com um dia de atraso.

Filmagens

  • Todos os episódios foram filmados no Havaí, principalmente em uma das ilhas — Oahu. Para alguns atores não era conveniente gravar e viver na ilha o tempo inteiro e, por esse motivo, Emilie de Ravin (Claire Littleton) voava 1 ou 2 vezes por semana para sua casa na Califórnia, onde vivia com o marido e um poodle.
  • Para não ficar separado da família, Matthew Fox alugou uma casa próxima ao set de filmagem e levou todos os seus parentes próximo para lá. Jorge Garcia, por outro lado, não pôde comparecer ao casamento da irmã por conta da agenda apertada das gravações.

  • Como os eventos desenrolados na trama foram muito mais lentos em relação ao processo de filmagem, surgiram alguns problemas: as crianças, por exemplo, precisavam estar com a mesma idade, mas já haviam crescido. Por isso, para que o pequeno Aaron estivesse na mesma faixa etária, esse personagem foi interpretado por mais de 50 bebês.
  • Muitos se perguntavam por que o personagem do Jorge Garcia — “Hurley” — não perdia peso mediante às condições escassas em uma ilha deserta. Na verdade, o ator emagreceu bastante após o primeiro episódio, mas os produtores pediram a ele para manter o peso por dois motivos. Primeiro, porque o tempo na ilha passava mais devagar; e segundo, porque ele precisaria gravar cenas do passado do personagem, ou seja, antes do acidente de avião.
  • O personagem de Dominic Monaghan, o viciado em drogas e músico de rock Charlie, foi inspirado em Sméagol (O Senhor dos Anéis) e na paixão do monstrinho pelo anel e por poder.

As mensagens subliminares dos criadores

  • Os enigmas da série vão muito além dos mistérios da ilha. Nos nomes de alguns personagens estão escondidas referências a escritores, cientistas e pensadores do passado. Ben Linus, Ex-Líder dos Outros, vem do químico Linus Pauling; o sobrenome da francesa Danielle Rousseau, de Jean-Jacques Rousseau; Daniel Faraday, do físico Michael Faraday. Já os nomes dos heróis John Locke e Mikhail Bakunin são alusões diretas aos filósofos famosos de mesmo nome.

  • Curiosamente, a trama desliza no que diz respeito às ideias originais de tais famosos. Um exemplo: John Locke propõe que Claire acalme o bebê, que chorava, usando o método de fazer um “charutinho” ou de enrolar o bebê em um pano. O filósofo britânico, contudo, era contra esse artifício e até escreveu sobre o assunto em um documento científico.

  • Outra referência são os anagramas em nomes. No final da 3ª temporada, Jack aparece em funerais, organizados pela empresa “Hoffs / Drawlar”, cujo nome é um anagrama da combinação de palavras flash forward (“Avanço no tempo”), o que deixa claro que determinada cena não fazia referência ao passado do personagem, mas sim ao seu futuro.

  • No 4º episódio da 5ª temporada, é possível ver no caixão de John Locke o logotipo “Canton-Reiner”. Aqui está escondida a palavra reincarnation (“reencarnação”), indicando que ainda estaria cedo para se despedir do personagem.

Preto e branco

  • Além do fato de que o título da série na abertura é escrito em letras brancas sobre um fundo preto (e no final da 5ª temporada, em letras pretas sobre fundo branco), essa combinação e o contraste das duas cores constantemente permeiam a vida dos personagens.
  • Na segunda parte do episódio piloto, John Locke explica para Walt Lloyd como jogar gamão, dizendo que há dois jogadores e dois lados — um branco, e o outro, preto.

  • No 6º episódio da 1ª temporada, Jack encontra um saco de couro com pedras pretas e brancas, mas o significado delas é revelado apenas na 6ª temporada: O Homem de Preto e Jacob haviam jogado com essas pedras.

  • Um dos personagens principais e mais misteriosos da série é, sem dúvida, O Homem de Preto, que tem poderes sobrenaturais e aparece na forma de outras pessoas ou de uma fumaça negra.

Falando de números

  • Na camiseta do Boone Carlyle (Ian Somerhalder) está escrito “84” em chinês. Se for lido de ponta-cabeça, teremos a cifra 48, que representa o número de sobreviventes do acidente aéreo: esse é o tema abordado na 1ª temporada.
  • A misteriosa sequência de números “4 8 15 16 23 42” é, na verdade, a equação fictícia de Valenzetti, a qual revelaria o momento exato do fim do mundo.
  • 108 minutos são dados para inserir os algarismos no computador dentro do bunker: esse número representa a soma dos números da equação mencionada acima.

  • A soma dos algarismos 4, 8, 15, 16, 23 e 42 tem mais um significado. 108 minutos foi também o tempo exato de duração do voo de Iuri Gagarin no Espaço. Se isso é apenas uma coincidência ou uma decisão estratégica, não sabemos, pois os criadores optaram por não esclarecer.
  • Lost foi reconhecido como o seriado mais bem avaliado da própria década (de 2002 a 2012), ficando assim à frente de Dr. House, Como Eu Conheci Sua Mãe, Gossip Girl: Uma Garota AtrevidaDexter.
  • Foi também uma das séries mais caras de todos os tempos. Para se ter uma ideia, foram gastos 45 milhões de dólares (cerca de 243 milhões de reais) somente na primeira temporada; e no primeiro episódio, 14 milhões de dólares (cerca de 75 milhões de reais).

Você já reassistiu a série? Conhece algum outro seriado que tenha uma temática similar e possa nos recomendar? Queremos suas dicas!

Imagem de capa Lost / ABC
Compartilhar este artigo