Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível

3 Etapas da apendicite que você precisa saber identificar

A apendicite é a inflamação do apêndice, órgão que, segundo os especialistas, tem a função de proteger o intestino delgado das bactérias que vivem no início do intestino grosso. O apêndice é repleto de micróbios patogênicos que, em caso de transtornos do trato gastrointestinal, levam ao desenvolvimento da microflora prejudicial, criando assim as condições ideais para a apendicite.

Felizmente, nenhum inimigo é tão assustador quando o conhecemos bem. Por isso, o Incrível.club ensina a reconhecer os sintomas desse problema de saúde que pode ser muito perigoso. Assim, você poderá identificá-lo em si mesmo ou em algum ente querido.

Quais as causas da apendicite?

A medicina contemporânea já negou a teoria de que a apendicite pode ser causada pelo consumo de sementes de girassol, por isso o mito já foi 100% jogado por terra. Então, quais seriam as causas do problema? Ainda não há resposta exata que explique os motivos pelos quais alguns têm apendicite, enquanto outros não.

No entanto, profissionais da saúde sugerem que a inflamação pode ser precedida por estresse, pela deformação do apêndice decorrente de lesão ou de anomalias no desenvolvimento, por obstruções provocadas por um corpo estranho, por comprometimento do sistema imunológico (especialmente na primavera), por infecções ou por mudanças ríspidas na dieta — por exemplo, na pessoa que sempre se alimentou corretamente e, de repente, começa a comer porcarias. A inflamação do apêndice acontece a partir da obstrução com restos de alimentos (ingestão sistemática de cascas de sementes e/ou similares) ou é causada por bactérias que entram no intestino. A seguir, listamos os três estágios da doença para que, caso você sinta dor abdominal, possa determinar facilmente se está com apendicite ou não e, se for o caso, correr para um médico.

1ª etapa da apendicite

Surge uma dor persistente que, de repente, se espalha por todo o abdômen. Às vezes, é mais intensa na região do plexo solar e do estômago. A dor pode retroceder. Muita gente acha que a dor decorre de algum problema com o trato gastrointestinal e prefere “aguentar”.

2ª etapa da apendicite

Depois de seis a sete horas, a dor se intensifica, localizando-se gradualmente em volta do umbigo, mas a área do estômago também pode doer um pouco. Os sintomas envolvem ainda sensação de fraqueza e falta de apetite. O paciente se sente melhor quando fica em posição fetal, deitado sobre o lado direito do corpo. Quando a pessoa deita sobre o lado esquerdo e com as pernas estendidas, a dor aumenta. Já quando na posição de barriga para cima, a pessoa tem dificuldades de estender ou levantar a perna direita. Nessa etapa, os pacientes geralmente começam a tomar analgésicos. Na maioria dos casos, essas substâncias não causam efeito algum, ou então só aliviam a dor por um curto período. Caso você tenha tomado vários comprimidos num certo intervalo de tempo e a dor permanece, e ainda ocorrem os demais sintomas citados anteriormente, pode significar que o problema é mesmo apendicite. Não tente suportar a dor: procure um médico imediatamente.

3ª etapa da apendicite

A dor passa para a parte inferior direita do abdômen, abaixo do umbigo e logo acima da coxa. O paciente apresenta um aumento da temperatura corporal, febre, vômitos, diarreia, distensão abdominal, incapacidade caminhar com normalidade (sem retorcer o corpo), além de uma dor aguda ao apalpar o lado direito do abdômen. Isso tudo pode ser sintoma da peritonite (uma forma severa do processo inflamatório). Nesse caso, é preciso agir rapidamente e procurar ajuda médica. É importante que o apêndice inflamado não arrebente, pois isso complica bastante o processo da cirurgia e a posterior recuperação.

3 regras: diagnóstico, solução prevenção

Exame médico por palpação, análise de sangue, ecografia da cavidade abdominal. Dependendo dos sintomas, o tipo de tratamento é definido. A laparoscopia é possível nas etapas iniciais. A opção cirúrgica é indicada para tratar a peritonite, já que é provável que, ao usar o método da laparoscopia, o apêndice inflamado arrebente. Após a cirurgia, o médico prescreve antibióticos, e o paciente se recupera rapidamente desde que não surjam complicações. Não existe poção mágica para prevenir ou curar a apendicite. Contudo, é possível minimizar os riscos ingerindo mais fibras: coma mais frutas e verduras frescas.

Estatísticas de inflamação do apêndice por idade

apêndice pode inflamar a qualquer idade, e a apendicite costuma afetar mais homens que mulheres. Considera-se que o período entre os oito e os 14 anos é o mais perigoso. Em geral, de acordo com as estatísticas mundiais, o problema costuma afetar mais frequentemente pacientes com até 40 anos.

Compartilhar este artigo