Um fungo que transforma formigas em zumbis

Animais
há 11 meses

Em uma floresta tropical, para ver uma cena verdadeiramente terrível, você só precisa olhar com atenção sob seus pés. Há um grupo de formigas passando, entre folhas de relva. Essas criaturas são muito trabalhadoras, elas passam todos os dias em busca de comida e melhorando seu formigueiro.

Cada uma delas trabalha para o bem comum. A longa fila de formigas está voltando para casa após um árduo dia de trabalho. Algumas carregam sementes, outras carregam galhos para fortalecer sua casa. Se o grupo for atacado, as formigas lutarão unidas. Mas o inimigo se aproximando do esquadrão agora é muito pequeno. Mesmo as formigas minúsculas não conseguem vê-lo.

Um esporo de fungo minúsculo, quase invisível, voa pelo ar e pousa nas costas de uma formiga. Seu corpo é coberto por uma armadura que a protege de qualquer perigo. Mas o esporo se fixa e se arrasta entre as placas do escudo. Claro, o inseto azarado não suspeita de nada e vai para casa.

O dia seguinte passa normalmente. A formiga trabalha para o bem do formigueiro. O estranho que entrou não se mostra. Porém, depois de alguns dias, a formiga ainda se sente bem, mas o esporo dentro de seu corpo está crescendo. Lentamente, ele assume o controle de seu sistema nervoso.

Uma semana após a infecção, a formiga começa a se comportar de maneira estranha. Não dorme bem, não trabalha muito. Um dia, ela deixa a colônia sem ser notada. O esporo do parasita assumiu o controle dos músculos da formiga.

O artrópode vaga pela floresta em busca do local perfeito — perfeito para o esporo. A formiga não controla mais seu próprio corpo. Ela escala uma folha de capim ou um arbusto até uma altura de 25 cm, agarra o caule com suas mandíbulas e espera... até o fim da sua vida.

O parasita se espalha por todo o seu corpo e rasteja para fora dias depois. A cada dia ele aumenta de tamanho, até assumir a forma de um cogumelo. Então, quando o fungo está totalmente crescido, ele libera centenas de milhares de pequenos esporos no ar.

Esses esporos se espalham por toda a floresta. Um deles cai nas costas de outra formiga desavisada. E tudo começa de novo.

Este fungo cordyceps vive nas florestas tropicais da Tailândia, ÁfricaBrasil e infecta formigas há dezenas de milhões de anos.

Alguns parasitas são ainda mais criativos — como o parasita da joaninha, Dinocampus coccinellae. Não é um fungo ou vírus, mas sim uma vespa. Quando essa criatura está para botar ovos, ela procura a babá ideal para os seus filhotes, e a joaninha se torna uma candidata perfeita. A vespa voa até o besouro vermelho e preto e o pica. Através da picada, a vespa libera um ovo.

Pelos próximos 20 dias, o parasita se desenvolverá dentro da joaninha. Quando estiver totalmente crescido, ele rastejará para fora. Mas o trabalho de “babá” não termina aí. A larva cria um casulo entre as patas traseiras da joaninha. Ali dentro, ela se transformará em uma vespa adulta.

Até então, a joaninha manterá o casulo em segurança. A larva, assim, transforma seu hospedeiro em um guarda-costas. Os cientistas ainda não têm certeza de como o parasita manipula o hospedeiro. Pode ser que a larva injete algum veneno na joaninha que ativa seus instintos de proteção.

Outros insetos e animais desconfiam das joaninhas por causa do seu veneno. Então, se um predador avistar um escudo manchado de vermelho e preto, ele provavelmente ficará longe.

Mas se alguém ousar se aproximar, a joaninha infectada levantará suas patinhas e tentará proteger o casulo com todas as suas forças. Quando a vespa dentro do casulo estiver formada, ela abandona seu guarda-costas. Às vezes, a joaninha ainda permanece viva depois disso.

As vespas podem arruinar não apenas a vida das joaninhas, mas também de algumas aranhas. As vespas que manipulam teias voam pelas florestas tropicais em busca do hospedeiro perfeito. Uma delas nota uma aranha curvada em sua teia.

A vespa voa mais perto, mas não vai picá-la, apenas deixa cair o ovo nas costas da aranha. Quando a larva eclode, ela começa a se alimentar da aranha. Em seguida, injeta uma substância química que altera a mente do aracnídeo.

O hospedeiro começa a tecer uma teia mais forte, com padrões e formas diferentes. Esta teia será um novo lugar seguro para a larva, onde ela se transformará em uma vespa adulta.

A larva deixa a aranha quando o trabalho termina, se agarra à teia e cria um casulo. Lá dentro, ela se transforma em uma vespa e voa para procriar e encontrar um hospedeiro.

Parasitas não são encontrados apenas em terra. Existem muitos deles à espreita debaixo d’água também. Vamos descer às profundezas do mar. Vemos um cardume de medusas, alguns tubarões, polvos, golfinhos, mas preste atenção ao solitário peixinho palhaço.

Ele nada lentamente entre os corais e as algas em busca de um pouco de comida. Nota algumas algas e as engole. Nós as seguimos até a boca do peixe... e vemos dois pequenos olhos negros nos encarando de lá. O que você está vendo não é um órgão, mas um parasita de peixe comedor de língua.

É um crustáceo que entra na boca do peixe pelas guelras e se agarra à língua dele. Com o tempo, o parasita apenas substitui o órgão e desempenha a sua função. Felizmente, o peixe desavisado não sente nada. Se você notar uma língua estranha dentro de um peixe que acabou de pescar, não tente soltar o parasita — ele pode picar você.

Sim, todos esses parasitas vivem nas selvas e nos mares mais profundos, então as pessoas não se preocupam muito com eles. Mas há um que vive em todo lugar, incluindo a sua casa. O Toxoplasma é um parasita unicelular. É encontrado na carne crua, dentro de animais e em locais sujos. Mas seu lugar favorito é dentro do intestino do gato.

Em algum lugar nas ruas, um gato perdido atende ao chamado da natureza. Os resíduos, infectados com toxoplasma vão para a rede de esgoto e se misturam com a água. Um rato corre ao longo dos canos de esgoto. Ele bebe a água e o toxoplasma entra em seu corpo.

Algum tempo passa. O rato corre por becos escuros, entre latas de lixo, em busca de comida. E então, entra na casa de alguém.

Ele corre para dentro da parede e chega até a cozinha por um pequeno orifício. Lá, um gato percebe o roedor, mas o rato foge. E, neste exato momento, o parasita desencadeia uma reação dentro do cérebro do rato por meio de seus hormônios. O toxoplasma quer apenas uma coisa — chegar ao intestino do gato.

O parasita muda o comportamento do seu hospedeiro. O rato fica mais ousado, é atraído pelo cheiro do gato, por isso sai do esconderijo. O gato pega o rato e o toxoplasma atinge seu objetivo.

A má notícia é que as pessoas também podem ser infectadas com esse parasita. Você pode comer algo infectado ou acariciar um gato infectado.

É claro que é improvável que um humano entre na boca de um gato, mas pesquisas sugerem que o toxoplasma pode afetar o comportamento das pessoas de maneira diferente. Pode deixar as pessoas mais inquietas, propensas a riscos, culpa e dúvidas.

Os cientistas pensam que de 10% a 60% de todas as pessoas no mundo estão infectadas com toxoplasma. Esse número pode ser maior do que o número de pessoas conectadas à internet.

Conheça um parasita que você deveria temer. O verme Loa Loa — outra coisa ruim que pode trazer muitos problemas. Ele mora na África Ocidental. Algumas espécies de moscas são portadoras dessa criatura. Apenas uma mosca infectada pica você, e o minúsculo verme penetra em sua pele.

Ele rasteja por todo o corpo, alimentando-se de seus fluidos. Esse parasita pode viver dentro do seu corpo por 17 anos! E você pode nem notá-lo até que alcance seus olhos. Então, você poderá ver o parasita rastejando bem na sua frente. A boa notícia é que livrar-se de um Loa Loa não é muito difícil.

Por mais estranho que possa parecer, os parasitas são muito úteis para a vida na Terra. Para resistir a um parasita, o corpo deve lutar constantemente e descobrir novas maneiras de derrotar o inimigo. Isso estimula o desenvolvimento do sistema imunológico, que se fortalece nesse confronto.

Os parasitas controlam a população de muitos seres vivos. O número de pragas de insetos aumentará se os parasitas desaparecerem. Os insetos comerão colheitas inteiras e serão capazes de mergulhar a humanidade na fome.

Muitos cientistas apoiam não o extermínio de parasitas, mas sua preservação. Parasitas são usados na medicina. Sanguessugas são parasitas, mas ajudam a purificar o sangue humano. Se você ficar doente com um vírus e não puder ser curado, um outro vírus pode ser capaz de derrotá-lo.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados