Os seres humanos tinham 3 olhos, mas perderam um com o passar do tempo

Curiosidades
há 6 meses

Olho parietal ou terceiro olho. Um dos recursos que perdemos há quase 250 milhões de anos. Se você observar mais de perto animais como sapos ou lagartos, verá um pequeno ponto em algum lugar entre os olhos deles. Não é apenas um ponto aleatório, mas um órgão de verdade. Os cientistas afirmam que é algum tipo de sensor que detecta a luz do dia. Não apenas isso, produz melatonina, um hormônio especial que regula nossos ciclos biológicos, como temperatura corporal, reprodução e sono.

Eles notaram que esse olho se tornou gradualmente menor com o tempo, o que significa que a evolução percebeu que é um recurso de que os animais realmente não precisam. Talvez tenha acontecido porque as células em nossos olhos normais ficaram eficientes o suficiente, então não precisávamos de mais um olho para sentir quanto tempo o dia vai durar ou quando devemos dormir.

Além disso, mais e mais animais estavam se transformando nos de sangue quente com o tempo, o que significa que eram capazes de regular melhor a temperatura do corpo. Temos parte do órgão até hoje, mas na forma da glândula pineal em nossos cérebros. Ela ainda é responsável pela melatonina. De qualquer maneira, adeus terceiro olho!

Existe um gene chamado GULOP. Com ele, nossos ancestrais podiam produzir sua própria vitamina C. Não de maneira que pudessem montar uma barraca e vender, mas o suficiente para o corpo usá-la. Cerca de 60 milhões de anos atrás, o gene meio que parou de funcionar. Não aleatoriamente: nossos ancestrais provavelmente começaram a obter vitamina C suficiente com as frutas que comiam.

Alguns de nossos parentes primatas muito distantes que tomaram uma direção totalmente nova em uma árvore genealógica, como os lêmures, ainda podem produzir sua própria vitamina C. Em algum ponto, a evolução decidiu que eles precisavam, enquanto a gente não. Não somos apenas nós, o nosso lado da árvore genealógica dos primatas também não tem mais necessidade disso: macacos, grandes símios, társios. Adeus também GULOP, agora temos limões e laranjas!

Nosso corpo perderia muita energia se tivesse que lidar com todas as características que nossos ancestrais costumavam ter, então meio que desativa aquelas das quais não precisamos mais. Por exemplo, eletrorrecepção. É a habilidade que muitos anfíbios e peixes têm. Como a enguia elétrica, que usa esse recurso para detectar presas quando a água está turva, se comunicar ou como um sistema de navegação. Os humanos e nossos primos terrestres perderam esse recurso porque a corrente elétrica não pode fluir pelo ar tão facilmente.

Então, tem essa coisa chamada órgão de Jacobson. É encontrado dentro do nariz e tem a finalidade de detectar feromônios e odores. Uma cobra sacode a língua, gatos e cavalos fazem aquelas caras estranhas ... Todos usam o órgão de Jacobson. Nós também temos, mas ele não funciona: não envia e nem recebe sinais de nosso cérebro, e os cientistas acreditam que perdemos a capacidade de usá-lo  mais de 20 milhões de anos.

À medida que os hábitos humanos e o modo de vida mudaram com o tempo, precisamos de cérebros maiores. Os pesquisadores têm restos de crânios de nossos ancestrais de diferentes períodos, então perceberam que nosso cérebro ficou muito maior nos últimos 3 milhões de anos. Precisávamos pensar em maneiras de lidar com as mudanças climáticas, grandes predadores nos perseguindo, encontrar alguma comida nova e boa... Sim, o cérebro cresceu por uma razão.

A comida teve um grande impacto na nossa evolução. Por exemplo, animais que se alimentam apenas de carne perderam seus receptores de sabor doce porque, bom, eles desistiram da sobremesa, então não precisavam desses tipos de genes. Os humanos são onívoros, desse modo sempre tivemos um conjunto completo de receptores que reconhecem sabores muito bem.

Esses receptores de sabor eram úteis porque podiam dizer aos nossos ancestrais quais alimentos eram comestíveis e quais eram tóxicos. Alguns receptores de sabor amargo pararam de funcionar com o tempo, desde que os humanos mudaram seus hábitos alimentares. Por exemplo, aprendemos a usar o fogo para cozinhar, de modo que muitas plantas ficaram menos tóxicas para nossos corpos. Ficamos sofisticados na hora de preparar alimentos e também aprendemos a compartilhar informações que descobrimos por meio da comunicação e da linguagem. Como nos livros de culinária.

Não precisávamos mais de todos os receptores de sabor, então nosso corpo decidiu se livrar deles e deixar aqueles que viriam a calhar no futuro da nossa espécie. Ufa, felizmente não perdemos nosso receptor de sabor para um bom chocolate. Nham! Nossas mandíbulas também mudaram. Nossos parentes ancestrais tinham mandíbulas muito maiores, mas, desde que começamos a comer alimentos mais macios e cozidos, assim como a usar mais nosso cérebro, a estrutura de nossa cabeça precisou de algumas mudanças.

Os dentes também ficaram menores, e ainda perdemos alguns deles. Muitas pessoas podem nunca desenvolver terceiros molares, os chamados dentes do siso. Eles crescem entre os 18 e 25 anos de idade. Podemos viver sem eles, mas para nossos ancestrais eram vitais. Nessa idade, os dentes já haviam se desgastado, então os terceiros molares eram possivelmente substitutos de que precisavam.

Podemos nos perguntar por que exatamente temos cabelos e pelos na cabeça e no corpo, mas os cientistas se perguntam por que não temos MAIS deles. O cabelo em nosso couro cabeludo é longo, um pouco mais curto em algumas outras áreas, e não temos pelos na parte inferior dos pulsos, palmas das mãos e solas ou pés.

Uma das teorias populares sobre os ancestrais humanos diz que, ao se mudarem das florestas frias e escuras para a savana quente e seca, eles obtiveram uma nova maneira de regular a temperatura corporal. Então perderam o pelo ao longo do caminho, o que tornou mais fácil para que pudessem capturar suas presas sem superaquecer. Mais tarde, descobriram roupas e fogo, que poderiam mantê-los aconchegados durante os tempos mais frios.

Logicamente, existem outras razões. Alguns dizem que sem pelos há menos chance de termos piolhos ou outros parasitas. Outros pesquisadores acham que, durante as estações secas, os humanos tentavam capturar suas presas perto de lagos e águas rasas. O pelo não é um isolante tão bom na água, então o perdemos e, em vez disso, adquirimos uma camada de gordura.

85% das pessoas não conseguem mexer as orelhas. Há um músculo que circunda nosso ouvido externo, e os cientistas acreditam que isso costumava permitir que nossos ancestrais primatas movessem suas orelhas em qualquer direção que desejassem. Isso os ajudava a determinar de onde vinha o som. Depois que começaram a viver em grupos, eles não precisavam confiar totalmente em si mesmos, então perderam esse recurso.

Os grandes símios podem usar os pés tão bem quanto as mãos, graças ao músculo plantar dos pés. Com isso, esses animais podem agarrar e fazer o que quiserem com os objetos que estão segurando. Nós também temos esse músculo, mas é subdesenvolvido e bastante inútil. Nove por cento dos humanos nascem sem ele agora.

Hic! Soluços também são um dos restos evolutivos que os humanos podem ter obtido de seus ancestrais que viviam na água. Os peixes empurram a água pelas guelras, enquanto os anfíbios engolem ar. Isso é algo que os mamíferos não fazem, então esse reflexo pode causar espasmos em nosso diafragma, o que, no final, leva a soluços.

Quando estamos com raiva, nossos lábios podem se contorcer. Essa também é uma característica que costumava ser importante para nossa espécie. Quando queriam assustar os predadores ou o perigo potencial, nossos ancestrais exibiam os dentes, da mesma forma que os ursos, os lobos e os chimpanzés fazem. A contração dos lábios é o primeiro passo nessa direção.

Muitas pessoas desejam subir para uma posição mais elevada ou sentem necessidade de erguer os pés quando estão ansiosas ou com medo. Os biólogos evolucionistas acreditam que é porque muitos dos primeiros mamíferos terrestres costumavam subir em árvores quando sentiam uma ameaça chegando.

Arrepios são algo que temos, mas, em comparação com os velhos tempos, eles são inúteis agora. Quando criaturas peludas sentiam frio, um reflexo contraía os pequenos músculos que formam a base dos folículos capilares. Dessa forma, o casaco ficava de pé e prendia mais ar, fazendo com que ficassem aquecidos. Hoje, é apenas um lembrete de que você precisa de uma jaqueta ou aquela sensação agradável que tem ao ouvir sua música favorita no rádio.

Todas as criaturas vivas podem traçar sua ancestralidade até uma simples bactéria de bilhões de anos atrás. O DNA é aquela coisa especial que contém todas as informações de que nossas células precisam saber. Todos começamos como uma célula, que então cresce em trilhões delas, até que nosso corpo seja formado. O DNA controla completamente nosso crescimento, cor dos olhos, altura e muitos outros traços. Não são apenas humanos: até as cobras têm ossos do quadril que dizem que costumavam ter quatro pernas, assim como seus primos queridos, os lagartos.

Os golfinhos e as baleias possuem alguns pequenos ossos em seus corpos que mostram que eles costumavam ter patas traseiras. Sim, restos fósseis dizem que esses mamíferos marinhos já tiveram quatro patas e andaram na terra. Para ser preciso, cerca de 50 milhões de anos atrás.

A evolução não segue uma linha reta de espécie para espécie. É mais como uma árvore enorme com muitos galhos, onde alguns levam a novos ramos, um traço aqui, um traço ali, alguns a mais, outros deixados de lado e BAM, algumas espécies completamente novas surgem. Por exemplo, pássaros. Quem teria pensado que evoluíram dos dinossauros? Eles até perderam os dentes ao longo do caminho. E, sim, ambos parecem vir dos répteis. Ah, e aqueles nuts ali fazem parte da MINHA árvore genealógica.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados