14 Mitos comuns sobre o espaço que não são verdade

Curiosidades
há 7 meses

Agora, por mais que amemos batalhas espaciais épicas com lasers cortando o vazio negro e causando estrondos, isso não é exatamente o que acontece quando algo explode no cosmos. O espaço é basicamente vácuo, o que significa que não tem oxigênio. E oxigênio é uma parte essencial de qualquer processo de queima que temos aqui na Terra. Você pode argumentar que as estrelas podem queimar e explodir em supernovas, mas isso também não é exatamente verdade.

As estrelas não dependem de oxigênio, então não estão queimando — há constantes reações termonucleares acontecendo dentro delas. Portanto, uma nave espacial só pode explodir assim se tiver uma usina nuclear instalada nela. Se isso não acontecer, então o único efeito especial que se obtém é um breve flash que desaparece em um piscar de olhos. O oxigênio líquido, que geralmente está a bordo das naves espaciais, queima muito rápido no vácuo do espaço sideral.

Quanto ao boom, o oxigênio também desempenha um papel crucial aqui: o som só viaja graças às moléculas de ar que se chocam umas com as outras. Como não há ar no espaço, toda a cena seria absolutamente silenciosa. E isso também não é uma coisa ruim: imagine como o Sol seria ensurdecedor se o som pudesse viajar no espaço?

Apesar do que muitos diretores de ficção científica querem que acreditemos, não há lado negro na Lua. Nosso satélite rotaciona junto com a Terra, o que significa que um lado está sempre voltado para nós, enquanto o outro fica sempre fora de vista. O Sol está muito mais longe de nós do que da Lua, e ambos estamos girando e girando, aquecendo e iluminando este lado e aquele de cada vez. Isso significa que, a cada breve peródo de tempo, a Lua é iluminada pelo Sol de ambos os lados — só que não podemos ver isso de onde estamos.

Embora as coisas pareçam sem peso no espaço sideral, há gravidade real em todo lugar. Ela se torna mais fraca quanto mais você se afasta de um objeto pesado — como nosso planeta — mas ainda está lá. Na verdade, não há um único lugar no Universo que não seja afetado pela gravidade deste ou daquele objeto cósmico. Tudo que possui massa também tem gravidade — sim, até você e eu!

Mas os objetos espaciais são tão grandes que puxam coisas menores em sua direção. É por isso que os planetas do Sistema Solar orbitam ao redor do Sol, e toda a nossa galáxia — a Via Láctea — orbita em torno de seu próprio centro. Os cientistas acreditam que há um buraco negro supermassivo ali, cerca de quatro milhões de vezes mais pesado que o Sol, que impede que todas as estrelas e sistemas voem separados.

Nossos heróis do filme deixam a órbita de Marte em uma nave espacial confiável e seguem em direção a Júpiter. Seus rostos estão sérios e determinados, embora saibam da ameaça que os espera à frente: o cinturão de asteroides. Eles se inclinam e giram, esquivando-se do asteroide que voa a uma velocidade enorme em direção à espaçonave, mas um deles ainda os atinge..! Não foi nada, apenas um arranhão, felizmente. Finalmente, nossos heróis saem da zona de perigo e enxugam o suor da testa com a mão trêmula.

Parece familiar, mas não poderia estar mais longe da verdade. Os asteroides no cinturão entre Marte e Júpiter são tão poucos e tão distantes entre si que, se você viajar por lá, poderá não encontrar nem mesmo um em todo o caminho. Existem cerca de 1 milhão e meio de rochas espaciais de tamanho considerável voando por lá, meio milhão a mais ou a menos, mas não vamos esquecer que o espaço é um lugar vasto. A distância entre dois asteroides de qualquer tamanho significativo seria de milhões de quilômetros. Portanto, uma perseguição espacial com duas naves ziguezagueando entre rochas flutuantes seria muito entediante.

O espaço é frequentemente descrito como um lugar escuro, frio e desolado, especialmente quando um astronauta do cinema deixa a segurança de sua nave espacial. Tudo nesta descrição está correto, exceto a parte fria. Só é verdade se você se encontrar em algum canto muito distante de nossa galáxia que não tenha estrelas próximas. Mas se estiver, por exemplo, na órbita da Terra e diretamente de frente para o Sol, a temperatura no vácuo cósmico pode chegar a escaldantes 120 graus.

É por isso que os trajes espaciais são brancos — essa cor reflete melhor a luz do que qualquer outra. Ainda assim, a temperatura em uma região que não está exposta aos raios do Sol pode ser realmente congelante. O calor não se espalha igualmente pelo espaço, então se você não estiver direcionado para uma fonte de calor, sente muito, muito frio.

Falando sobre o Sol, de alguma forma sempre é amarelo nos filmes. O fato é que a cor que vemos da Terra é uma ilusão de ótica criada pela atmosfera do nosso planeta — assim como o azul do céu durante o dia. A luz solar se espalha na atmosfera e se distorce, formando espetáculos coloridos ao amanhecer e ao anoitecer. No vácuo espacial, não há nada para refratar a luz, então o Sol aparece como realmente é: branco. Essa bola de gás brilhante é muito quente.

Há um clarão brilhante no céu, seguido por uma cauda de fumaça e uma rocha espacial em brasa cai no chão, deixando uma enorme cratera carbonizada após o impacto. Bom, embora a cauda esfumaçada e a cratera sejam parcialmente verdadeiras, os meteoritos não têm realmente a chance de ficar tão quentes assim enquanto caem. Um meteorito é um asteroide que de alguma forma entrou na atmosfera da Terra e sobreviveu ao atrito o suficiente para cair na superfície.

Isso acontece com bastante frequência — geralmente não vemos essas rochas porque normalmente são muito pequenas e caem em áreas desabitadas. Mesmo se caírem dentro de uma cidade, a cratera aparecerá devido à velocidade deles, não pelo calor. Eles ficam muito mais quentes pelo atrito, mas não tanto a ponto de queimar tudo no chão com o impacto.

Por mais que queiramos acreditar na comunicação instantânea entre espaçonaves e planetas, não é possível — pelo menos não ainda. Os sistemas de comunicação modernos dependem de sinais de rádio que têm uma velocidade bem lenta em comparação com as vastas extensões do espaço. Levaria anos para um sinal assim viajar até mesmo um ano-luz, quanto mais centenas e milhares. Se você quiser enviar uma mensagem para uma galáxia muito, muito distante, prepare-se para esperar alguns milênios e depois mais alguns para receber uma resposta

Por falar nisso, o espaço não é tão lotado e cheio de eventos como costuma ser mostrado na telona. É principalmente um lugar bastante solitário onde planetas, estrelas e outros objetos são separados por bilhões de quilômetros de nada. Mesmo se você tiver uma nave espacial que pode viajar na velocidade da luz, na maioria das vezes só verá um vazio negro cheio de estrelas e planetas distantes. As distâncias são enormes lá fora, mesmo entre os objetos mais próximos. Para melhor compreensão, a Lua, que você pode ver tão bem em uma noite clara, está a cerca de 384.400 km de distância — é como viajar ao redor da Terra quase 10 vezes seguidas.

Dobras espaciais que podem distorcer o espaço-tempo e levá-lo a um canto distante de uma galáxia alienígena em um piscar de olhos — isso é algo comum em qualquer filme sobre viagem espacial. Naves espaciais capazes de tal façanha são sempre mostradas como acelerando instantaneamente de zero a mais rápido que a luz. De acordo com as leis da física, as pessoas a bordo deveriam, bom, pelo menos ser empurradas para seus assentos com força. Falando mais estritamente, ninguém seria capaz de sobreviver a tal aceleração porque é demais para um corpo humano frágil. Até encontrarmos uma maneira de reduzir os efeitos da sobrecarga, não podemos nem começar a pensar em dobras espaciais.

A água não é o recurso mais raro e precioso do Universo. Na verdade, há uma enorme nuvem espacial a vários milhões de anos-luz de distância de nós que consiste inteiramente de água. Suas reservas seriam suficientes para encher todos os nossos oceanos 140 trilhões de vezes. E muitos planetas, alguns até mesmo em nosso Sistema Solar, parecem ter água líquida. O recurso mais precioso do espaço é a vida, e isso requer muito mais coisas para surgir do que apenas água em estado líquido.

Os astronautas são frequentemente mostrados se exercitando na Estação Espacial Internacional e em naves espaciais de ficção científica, e isso é verdade — eles precisam de atividade física. Mas a razão não é que eles precisam de corpos fortes para trabalhar no espaço. A gravidade lá fora é muito mais fraca e os astronautas não usam seus músculos tanto quanto na Terra. Então, quando voltam à superfície, a gravidade os atinge como uma bigorna e seus corpos ficam moles. Para aliviar esses efeitos, treinam todos os dias.

Embora digam que podemos ver milhões de estrelas em uma noite clara e estrelada, esse número é muito mais modesto: cerca de 3.000. Todo o resto são outros objetos que também são luminosos e confundidos com elas: planetas, galáxias distantes e até satélites artificiais. Eles estão simplesmente sendo iluminados por estrelas reais, assim como a Lua, e são vistos. Mas como estão tão distantes, não podemos dizer se são estrelas ou não. Mesmo assim, é preciso admitir, isso ainda é muito legal!

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados