10 Dicas de como ajudar a educar seu pet e evitar estragos como o do famoso Chico

Animais
há 11 meses

cãozinho Chico viralizou na internet após sua dona compartilhar nas redes sociais um vídeo mostrando sua reação ao presenciar o estrago que o animal fez em sua cama. O impacto de Patrícia Barros ao ver o colchão completamente destruído pelo cachorrinho foi tão grande que o registro repercutiu nacionalmente. Chico ficou famoso e foi parar na TV.

Incrível.club pensou em você e em como evitar que tais situações possam acontecer na sua casa, por isso decidiu consultar um especialista em comportamento canino, que revela neste post todos os detalhes. Acompanhe.

1. Conheça seu cachorro

Segundo o especialista em comportamento animal Paulo Donke, um vira-lata geralmente é mais agitado do que um cão de raça, como um Shih-tzu, por exemplo. De acordo com ele, é necessário conhecer o pet para entender suas demandas e, consequentemente, poder supri-las. “Dar uma volta pelo quarteirão ou pelo parque e analisar como o cachorro chega em casa é um bom exercício. Se o cãozinho não se cansou e ainda está agitado, significa que precisa gastar mais energia. Ou seja, o passeio não supriu a necessidade dele”, afirma.

2. Trate o animal de forma igualitária

O cachorro tem que ser tratado de uma forma mais igualitária. “Não nos posicionando como um líder. Precisamos entender mais o lado dele e não a contrário. Daí entra a previsibilidade de anteciparmos possíveis problemas”, explica Donke.

3. Por que Chico destruiu a cama de sua dona

Os cães têm quatro necessidades básicas: física, social, cognitiva e uma alimentação de qualidade. “Dessas quatro, quando não oferecemos atividade física suficiente, provavelmente acontecerá o que ocorreu no caso do Chico. Ele vai buscar algo para se entreter e gastar energia. Principalmente quando se trata de cães filhotes”, disse o analista.

4. Ofereça uma rotina de atividades

Proporcionar uma rotina de atividades diária ao seu cachorro vai ajudá-lo a desenvolver suas necessidades básicas já citadas acima. Pode ser um passeio no parque mais próximo, um day care ou até mesmo determinar horas específicas para brincar dentro de casa. “O cão vai aprender a distribuir as atividades com essa rotina. Se ele sabe que vai passear em uma hora específica, vai guardar energia para este momento”, comenta Paulo Donke.

5. Use bons recursos de interação

Roedores de brinquedos com material de náilon ou objetos que liberam ração conforme o cachorro brinca podem despertar o interesse dele. Dessa maneira, é possível evitar diversão com algo inapropriado quando o dono não estiver em casa, como chinelos ou controles remotos. Nos casos de brinquedos que desafiam o animal a conquistar sua comida, é necessário reavaliar a quantidade de ração fornecida diariamente.

6. Evite frustrar seu amigo de quatro patas

É comum chegar em casa e o cachorro estar preso no quintal. Isso pode gerar frustração e ter um reflexo ruim. É importante o dono receber seu bicho de estimação assim que chegar. Ter uma comunicação entre ambos nessa ocasião é importante.

7. Avalie como é seu encontro com o pet

Caso perceba que seu bicho de estimação fica muito agitado e ansioso ao encontrá-lo, prefira dar atenção quando ele estiver mais calmo. Não significa que você deve ignorá-lo. Mas um abraço e carinhos prolongados podem ser fornecidos quando o pet estiver mais tranquilo, acompanhado de um prêmio. “Assim, o cachorro vai perceber que sempre que passar a ansiedade, ganhará aquilo que buscava”, complementa Paulo.

8. A Síndrome da Ansiedade da Separação

Síndrome da Ansiedade da Separação (SAS) está relacionada com a dificuldade do cãozinho em ficar sozinho. Aquele cachorro que não para de latir quando seu dono vai embora e gera reclamação dos vizinhos pode estar passando por isso. Evite dar “tchau” ao pet ao sair ou festejar ao chegar em casa.

O especialista recomenda um acompanhamento técnico quando o problema se repetir, pois o animal pode sofrer de depressão. Quando a situação é crônica, será necessário encaminhá-lo a um médico veterinário comportamental. “Se não for feito nada, a tendência é piorar”, enfatiza.

9. Dizer “não” é subjetivo

O amigão não entende a expressão “não pode”. Os tutores precisam perceber que nem tudo é responsabilidade do cachorro. Ele não tem uma vida livre e vai explorar o que está disponível. Por isso, não adianta ensiná-lo desse jeito. A melhor maneira seria evitar certas situações. Se sabemos que os bichinhos amam morder nossos chinelos, vamos escondê-los antes mesmo que eles os encontrem.

10. Saiba escolher um adestrador

Na hora de escolher um treinador, veja se ele está atualizado no mercado de trabalho com os cursos exigidos. “Entender essa questão de ser líder e fazer com que o cão o obedeça a todo custo pode gerar alguns custos no futuro. Um treinamento feito de maneira errada mais atrapalha do que ajuda”, esclarece Paulo Donke.

Bom, agora com tantas dicas, não se esqueça: aproveite os primeiros seis meses de vida do cachorro para ensiná-lo. Esse período, segundo Donke, é fundamental na aprendizagem do animal. As experiências adquiridas nesse tempo vão refletir para o resto da vida dele.

Para quem quiser ensinar seus bichinhos a terem um bom comportamento, existem ferramentas na internet que proporcionam informações confiáveis, como os sites Tudo de Cão ou Cachorro Gato.

Essa lista de dicas para educar seu amigão e evitar bagunças como a do Chico pode ser ainda maior. Compartilhe nos comentários alguma experiência que funcionou com seu cãozinho.

Comentários

Receber notificações
Sorte sua! Este tópico está vazio, o que significa que você poderá ser o primeiro a comentar. Vá em frente!

Artigos relacionados