Incrível

Um blogueiro conta sobre a sua vida no Japão e mostra como todos adoraríamos nos mudar para lá

A Terra do Sol nascente não se resume apenas às belas cerejeiras (as sakuras) ou ao sushi. Ela é muito mais do que isso. Há 8 anos, o russo Dmitry Shamov vive em Tóquio e descreve a sua vida na capital japonesa em um grupo na Internet e em um canal no YouTube. Seu blog é um dos mais famosos do Japão e ele já escreveu um livro sobre a experiência de viver no país asiático.

Para o Incrível.club foi muito interessante conhecer a opinião de um russo sobre o Japão. Hoje, trazemos o relato de Dmitry com os aspectos que mais o impressionaram. Confira agora mesmo e prepare-se para fazer as malas!

Particularidades do país

  • É muito frequente escutar que o Japão — e principalmente Tóquio — é um país muito populoso e por isso as pessoas vivem praticamente umas sobre as outras. Na realidade, muitas têm casas próprias e nas ruas e no metrô não há grandes multidões.
  • As pessoas mostram uma atitude extremamente negativa em relação às tatuagens. Uma pessoa pode ter proibida a entrada em águas termais públicas, em piscinas ou até mesmo em praias caso tenha o corpo pintado.
  • O Japão é um país muito limpo e quase não há lixo nas ruas. Mas isso não significa que os lixeiros e os varredores trabalhem muito bem; mostra que as pessoas simplesmente não jogam lixo no chão. Além disso, o sistema de coleta de lixo é muito eficiente e o país recicla grande parte do lixo que é produzido.
  • Para você ter um bicho de estimação, precisa ter um apartamento próprio ou alugar um que permita animais domésticos (o que faz o aluguel ser mais caro). Se não tiver um documento que permita animais na sua casa, você não consegue adotar um animal em um abrigo.
  • Toda compra vem acompanhada de um imposto adicional. Se o valor é baixo, o imposto também é baixo; contudo, ao comprar um carro ou uma casa, por exemplo, o imposto pesa significativamente no bolso do comprador.
  • Aonde quer que você vá, sempre haverá um banheiro à disposição. Todos são gratuitos e com uma grande variedade de funções, começando pelo aquecimento do assento e terminando com a possibilidade de entregar a urina para análise de algum tipo de doença.
  • O Japão é um país muito seguro. Durante a noite, muitas vezes é possível ver crianças voltando sozinhas para casa após aulas extracurriculares.
  • Quase não há roubos. Se você perder a sua carteira, é muito provável que a encontre no escritório de achados e perdidos.
  • A relação que as pessoas mantêm com o anime é a mesma que com filmes e séries. Pessoas das mais diferentes idades assistem animes, por isso é muito comum ver adultos assistindo a esses programas que, em outros países, são considerados coisa de adolescentes.
  • Durante os meses de verão são realizados muitos festivais com fogos de artifício por todo o país. Contudo, existe uma lei que proíbe barulho após as 21h. Após esse horário, a polícia chega para se certificar de que o festival acabou.
  • De acordo com as estatísticas mundiais de educação, o Japão ocupa uma ótima posição.

Sobre o trabalho

  • Qualquer organização precisa enfrentar muita burocracia para contratar funcionários estrangeiros. São necessárias autorizações específicas e os impostos são muito altos. É por isso que é quase impossível ver estrangeiros trabalhando em construções ou qualquer outro trabalho parecido. Por outro lado, há muitos estrangeiros em bairros caros que trabalham em bancos.
  • Para trabalhar em empresas japonesas você precisa estar preparado para beber com os colegas. Toda semana eles organizam festas ou saem em algum bar. Recusar é praticamente impossível porque, nesse caso, as pessoas passam a pensar que você não se importa com a empresa e com elas.
  • Segundo os japoneses, um bom trabalhador deve ser parte de um coletivo. Não sou ’eu’, somos ’nós’. É preciso concordar com a opinião da chefia mesmo quando ela não parece a melhor. O trabalho em equipe é o que importa.
  • Alguns japoneses não começam a universidade logo após a escola; eles começam a trabalhar para adquirir experiência. É comum ver funcionários com formação acadêmica ganhando menos do que pessoas com títulos universitários.
  • Os japoneses trabalham muito, e não porque exista muito trabalho para fazer, mas porque eles gostam de estender o tempo e sempre querem que os chefes pensem que são funcionários comprometidos. Mas você não precisa suar para mostrar o seu valor; o ideal é mostrar que trabalha com diligência.
  • Eles não têm muita iniciativa, preferem respeitar as propostas dos superiores. Em outras palavras, ao trabalhar em uma empresa japonesa é importante manter a boca fechada, mostrar dedicação e fazer o que se pede.

Sobre os japoneses

  • Mesmo quando há lugares livres no trem, os japoneses não se sentam ao lado de uma pessoa com muitas malas. Em geral, as pessoas prestam muita atenção na comodidade dos outros, e frequentemente colocam o bem-estar do outro na frente do deles.
  • Os japoneses procuram cuidar da natureza e dão muita importância para a reciclagem do lixo. Além disso, constroem bairros ecológicos com jardins feitos em telhados, já que não há muito espaço nas ruas. Nos festivais, é muito comum ver os jovens recolhendo o lixo no final.
  • Muitos japoneses não usam ferro de passar e muitas roupas não precisam desse tipo de cuidado. Os japoneses não se preocupam muito com a roupa do dia a dia e os estrangeiros percebem isso muito rapidamente.
  • Os japoneses sabem muito pouco sobre o mundo. Muitos livros são obsoletos e outros tantos estão completamente desatualizados. É por isso que, sempre que veem um estrangeiro, querem conversar, principalmente para saber um pouco mais sobre o país e a cultura da outra pessoa.
  • Os japoneses se relacionam com cautela com pessoas muito religiosas. As leis proíbem a imposição de qualquer tipo de religião ou culto. Muitos são ateus e quando alguém pergunta “Por que você vai à igreja?” é muito comum ouvir a seguinte resposta: “Porque é divertido”.
  • A maioria dos japoneses é alérgica às flores da primavera; por isso, o festival anual das flores parece um encontro de pessoas alérgicas.
  • Ao invés de usar sal, os japoneses usam açúcar.
  • As pessoas não comem sementes de girassol. Elas existem apenas em lojas de animais, na parte dos hamsters.
  • Quando os japoneses bebem, geralmente se libertam. Eles creem que tudo que fazem quando estão bêbados não se aplica a quem são quando sóbrios. É por isso que muitos japoneses se permitem verdadeiras loucuras quando estão bêbados, coisas que jamais fariam sóbrios.
  • Os próprios japoneses não podem explicar todas as regras gramaticais de seu idioma. Muitas pessoas não conseguem ler livros complicados porque não entendem o que está escrito.

Sobre a moradia

  • Se você tiver um visto de turista, não pode alugar um apartamento. Pode apenas se hospedar em um hotel reservado com antecedência.
  • Além do aluguel mensal que as pessoas pagam, existe uma outra contribuição, uma espécie de agradecimento ao proprietário por permitir que você more no imóvel dele.
  • Quase todos os apartamentos são alugados vazios, sem móveis, com exceção da cozinha, que sempre vem com alguns armários.
  • Em quase todas as casas japoneses a pia e a mesa da cozinha são muito baixas.
  • A água sai muito fria da torneira, até que você mexe em um controle na parede que liga o aquecedor a gás e esquenta a água. Por meio do dispositivo é possível escolher a temperatura.
  • As máquinas lavam a roupa apenas com água fria; elas não esquentam a água. Limpar algum tipo de mancha é praticamente impossível. Isso costuma ser feito apenas em lavanderias específicas.
  • No Japão, não existe o conceito de aquecimento central.
  • As paredes parecem super frágeis e é possível escutar tudo que acontece no vizinho. É por isso que as pessoas se comportam de maneira geralmente mais discreta.

Sobre a educação

  • No Japão, o sistema de notas é de até 100 pontos. Um bom resultado é algo entre 70 e 80, o que garante aprovação para o ano seguinte. Se um aluno não vai bem, precisa repetir o curso.
  • Os professores estão proibidos de se sentar na frente dos alunos. Ao invés disso, eles dão aula em pé.
  • O sistema é muito rígido em relação à frequência e ela influencia muito no rendimento escolar. Se um aluno faltar muito, pode ser expulso da escola e enfrentar dificuldades para entrar na universidade e para encontrar um trabalho. Com esse sistema, os japoneses verificam a responsabilidade de uma pessoa em completar um trabalho repetitivo. Isso é parte da cultura japonesa moderna em que a execução perfeita das obrigações é mais importante do que o rendimento acadêmico. A crença é a de que, se uma pessoa não consegue encontrar forças sequer para ir à escola, não é possível esperar nada de bom dela no futuro.
  • O importante é aprender, e não memorizar o conteúdo.
  • Nem mesmo alunos com notas baixas e matérias atrasadas são expulsos quando mostram uma boa porcentagem de frequência. Ou seja, é muito importante ir às aulas.

Sobre o transporte

  • O Japão tem o sistema ferroviário mais desenvolvido do mundo. Metrô, trem e outras linhas particulares se cruzam e formam um único sistema. Todos os trens e ônibus estão equipados com ar condicionado e aquecedor. São pontuais e quase nunca há tráfego nas estradas.
  • Existe uma lei que proíbe a compra de carros se a pessoa não possui vaga de estacionamento ou se não assinou um contrato com um estacionamento pago. É proibido deixar o carro em qualquer lugar. Se você não tem onde estacionar o carro, não pode ter um.
  • Um dos meios de transporte mais comuns é a bicicleta. O Japão é um dos países mais seguros do mundo e por isso as pessoas não têm medo de deixar suas bikes na rua. Há estacionamentos e ciclofaixas em muitas cidades. As bicicletas são um meio de transporte bastante consolidado e, por isso, precisam de um número de identificação. Não respeitar as leis de trânsito, mesmo em se tratando de bicicletas, é multa na certa.
  • Nos meios de transporte está proibido falar no celular e os telefones devem ficar no modo silencioso. As pessoas valorizam a privacidade e o respeito a um ambiente livre de barulheira.

Sobre a comida e os restaurantes

  • No país, há um culto à comida, mas isso não significa um desejo enorme de comer algo gostoso; é apenas um amor pela comida e tudo que se relaciona com ela. Mais ou menos 80% dos programas de televisão são sobre comida, mais da metade dos estabelecimentos nas ruas são restaurantes ou bares e durante uma conversa é pouco provável que a comida não seja um dos temas.
  • Em qualquer país, normalmente o preço de frutas e verduras aparece em quilos. No Japão, o preço é por peça. As frutas e as verduras são muito caras, mas o peixe, uma paixão nacional, é sempre fresco e muito barato.
  • Os restaurantes japoneses sempre oferecem água ou chá verde de graça.
  • Para mostrar o tamanho das porções e o aspecto geral da comida, os restaurantes colocam pratos cenográficos na vitrine.
  • No Japão, não existe o conceito de gorjeta, o garçom sempre devolve o troco. Se você deixar alguma coisa sobre a mesa, algum funcionário vai sair correndo para te devolver. Eles vão simplesmente pensar que você esqueceu.

O que você achou do relato? O que mais te impressionou? Você gostaria de conhecer o Japão? E nossos leitores dekasseguis, que vivem no país asiático, o que acharam?